Basseterre, São Cristóvão e Neves

Uma Capital ao Nível do Mar das Caraíbas


A Praça dos Cruzeiros
Amigos Rastafarianos
De Olho na Banca
O Berkeley Memorial
Claxton’s Arcade
Estudante
Independência… Desde 1983
A Independence Square
O National Museum de Basseterre
Uma Questão de Estilo
Autoridade do Riso
The Polo Company
Cruzeiros x 2
Uma Gelataria Móvel
Descanso de Bambu
Roulotte Reggae
Passagem pela Prisão
Catedral Anglicana de St. George
Cruzamento Sol & Sombra
A Fort Street
Instalada entre o sopé da montanha Olivees e o oceano, a diminuta Basseterre é a maior cidade de São Cristóvão e Neves. Com origem colonial francesa, há muito anglófona, mantém-se pitoresca. Desvirtuam-na, apenas, os gigantescos cruzeiros que a inundam de visitantes de toca-e-foge.

São menos de quinze mil os habitantes de Basseterre.

Em dias considerados normais, a rotina da cidade flui suave e, sem forasteiros desembarcados e empulseirados, tão genuína quanto possível.

Flui algum trânsito em volta da rotunda do Berkeley Memorial e da torre-relógio e chafariz verde-dourado que lhe faz de centro.

Indiferentes ao aperto imposto pelos carros, uns poucos cidadãos sentam-se à sombra com que a torre os prenda, reforçada por duas palmeiras com copas deformadas pelos sucessivos temporais e vendavais, mas que condizem com o monumento.

Limita a rotunda um casario histórico uniformizado, feito de edifícios de dois andares. Compõe o térreo, um padrão harmonioso de blocos basálticos de distintos tons de castanho.

Acima deste, um outro, de madeira, por norma, pintada de branca, aberto para varandas compridas ou sequências de janelas pintadas.

Cobrem-nos telhados também alvos de grandes chapas que, substituíram as telhas seculares.

Os Núcleos Históricos “concorrentes” de Basseterre

Basseterre foi delineada numa grelha geometrizada, hoje, com dois centros principais.

The Circus, a área disposta em redor do Berkeley Memorial e a Independence Square, o outro núcleo histórico, de uma imponência superior.

Sobretudo, se tivermos em conta que agrupa a catedral – a típica igreja anglicana de Saint George, o tribunal da cidade e boa parte dos seus edifícios mais antigos.

Uma das três ruas que se encontram na rotunda de Berkeley é a Fort Road.

Por ela acima, afastamo-nos do Mar das Caraíbas para um plano mais elevado da capital.

Na direção da pista do aeroporto que, a norte, a aparta da cordilheira vulcânica luxuriante da ilha e limita a expansão da urbe.

À imagem do sucedido em qualquer capital, mesmo nestas ínfimas Antilhas Menores, o velho centro The Circus transformou-se no seu cerne comercial.

Basseterre, St. Kitts: Pela Fort Rd. Acima e Abaixo

A Fort Rd. acolhe uma sequência de pequenos negócios, boutiques, cafés, lojinhas de telemóveis e electrónica, a excepção de uma pizzaria multinacional e, claro está, uns dois restaurantes chineses, incluindo o “My Way“, repleto de “Oriental Delicacies”.

Mesmo arrumados e bem-situados como os encontramos, estes estabelecimentos têm extensões em bancas de rua.

Uma delas, está repleta de ténis de marcas famosas, cobiçados pela juventude local e guardados à altura por duas vendedoras sentadas em extremos opostos.

Outra, adaptada uma mera mesa quadrada, tenta impingir cabeleiras expostas e penteadas em cabeças-manequins caucasianas.

Posicionada logo ao lado, uma jovem autoridade da cidade parece examiná-las. A agente 967 da força policial da nação acede ao nosso pedido especial. Revela-nos que se chama Oksana Doyling.

Seduzidos por um pedaço inesperado de conversa e de diversão, afiançamos-lhe que, há já meses de viagem pelas Antilhas, que, naquela farda, com aquela pistola, rádio e livrinho de multas, ela tinha, de longe, a mais incrível elegância e pinta policial que alguma vez tínhamos visto.

A mini-agente bem tenta, mas falha em conter uma gargalhada descontrolada.

“Oh! Parem lá com isso e com as fotos também senão ainda vos multo é a vocês!”, roga-nos, quase a chorar de riso, já arrependida da permissão que nos havia concedido e envergonhada pelas piadas que lhe dedicavam transeuntes bem-dispostos.

Uma Capital Preocupada com o Estilo

Passavam por nós miúdos compostos em uniformes escolares de inspiração britânica, adolescentes sem pressas que exibiam as suas rastas e restantes visuais rastafarianos.

A espaços, também um ou outro funcionário de instituição ou repartição que o ofício obrigara a trocar a t-shirt e os chinelos por trajes mais opressivos.

A determinada altura percebemos que o vestuário, os cabelos, e o estilo em geral eram o tipo de negócios predominante em Basseterre.

Uma loja relembrava, num cartaz enrugado, a sua preponderância.

Nele, uma mulher negra, tão reluzente como o grande sapato de salto-alto em que se recostava, ilustrava um chavão atrevido: “Style… never let me down!! My Store…never let my style down!!

Alinhados do lado de lá da rua, à espera que um semáforo abrisse, contra as fachadas de uma tal de Claxton’s Arcade, cada indivíduo fazia luzir o seu estilo, mais ou menos cuidado, mas sempre alegre e colorido.

A Cidade calma e Pitoresca que os Sucessivos Cruzeiros Agitam

Com os cruzeiros que sulcam o Mar das Caraíbas ainda ao largo, era assim que a própria Basseterre se exibia.

Mal os gigantescos navios atracavam no seu porto de águas fundas, às vezes aos pares, a cidade via-se invadida por forasteiros ávidos por comprar, mas receosos.

Conscientes desta realidade, as multinacionais donas das embarcações e as autoridades de St. Kitts tinham dotado o porto de uma vasta praça comercial.

Um apêndice arquitectónico moderno e em tudo desfasado da Basseterre histórica e em que procuravam manter os passageiros e os seus gastos, em detrimento da cidade real, chamemos-lhe assim.

Escusado será dizer que, nem sempre a demarcação entre este subdomínio pré-atribuído e as iniciativas externas funcionava.

Discussões e Inesperadas Macacadas em Pleno Porto

Numa tarde em que procurámos autorização para subir a um dos cruzeiros para, do seu cimo, fotografarmos a Basseterre espraiada entre o mar e o monte vulcão Olivees, deparamo-nos com uma confusão que se parecia agravar.

Um grupo de empresários da ocasião afluíam a saída da doca, cada qual com o seu macaco-verde ao ombro. No passado, tinham-se habituado a convencer os passageiros a pagarem-lhes para se fotografarem na companhia dos símios. De início, eram apenas um sapiens e um seu mono servo.

À medida que o lucro fácil passou palavra, surgiram mais destas duplas. Concorrentes, conflituosas, prejudiciais ao fluxo negocial pouco inclusivo por ali montado. Surgiram uns poucos seguranças. Logo, alguns mais. Procuraram desmobilizar os donos dos macacos só com conversa.

Quando a conversa se alongou em demasia ou deixou de funcionar, aí, descambou num receado fim da macacada. Pancadaria, símios aos guinchos, em fuga e em risco de morderem passageiros, tudo num modo acelerado que terminou com a expulsão, provável prisão, dos alegados transgressores.

Nessa mesma tarde, os cruzeiros zarpariam.

Basseterre regressaria à sua tranquilidade. Pelo menos, à sua paz latente.

Basseterre em Risco: Vulcões, Sismos, Furações. E ainda Atribulações

Pejado e cercado de vulcões – o mais elevado, com 1156m, o monte Liamuiga – o arquipélago de São Cristóvão e Neves vê-se, com frequência, assolado por sismos devastadores. Fica, aliás, a pouca distância da ilha de Montserrate que tem a única capital ainda oficial arrasada pela erupção de um vulcão

Como se não bastasse, situado no cimo da alpondra insular das Pequenas Antilhas, está em plena rota provável dos furacões que, entre Junho e Novembro, por ali semeiam uma destruição semelhante à provocada pelo duo Irma e Maria (ambos em 2017) e que constatámos nas Antilhas mais a norte e a oeste.

No decurso da sua história, quando não foram os sismos e os furacões a destruí-la, assolaram-na incêndios incontroláveis. Ou as guerras entre as duas grandes potências coloniais que o disputaram.

O Longo Conflito Colonial entre Franceses e Ingleses

Como o nome deixa transparecer, os franceses fundaram Basseterre, em 1627, enquanto capital da colónia caribenha de Saint Cristophe.

Pouco depois, promoveram-na a capital das Índias Ocidentais Francesas de que faziam ainda parte Martinica e Guadalupe, ambas a sul, duo das actuais Antilhas Francesas.

Desse mesmo ano até 1702, os ingleses forçaram os franceses a partilhar o arquipélago.

Em 1783, por fim, após sucessivas e acesas batalhas e no contexto de uma disputa mais ampla pelos territórios das Caraíbas, os ingleses dotaram-se da recém-erguida Fortaleza de Brimstone Hill e triunfaram sobre os franceses em definitivo.

Mantiveram a posse de São Cristovão e Neves até à independência, concretizada em 1983.

Tinham decorrido cento e cinquenta anos desde a abolição britânica da escravatura.

A maior parte dos colonos e fazendeiros abandonaram St. Kitts e as Índias Ocidentais.

Consolidou-se o predomínio absoluto dos habitantes descendentes dos escravos trazidos de África para trabalharem nas plantações de cana-de-açúcar.

A Herança Multimilionária mas Controversa do Açúcar

O açúcar era, desde 1655, a principal exportação do arquipélago, diz-se que por altura da Revolução Americana, produzido em 68 plantações, uma por cada km2 de St. Kitts.

A  prosperidade secular do arquipélago, assente na escravatura, é parte da razão porque evoluiu para a capital financeira das Caraíbas Orientais, sede do Banco Central desta região.

Apesar da afro-anglicização generalizada das ilhas, Basseterre preservou o seu baptismo francês.

Mais de 92% dos seus habitantes têm origem africana, uns 3 a 6% são considerados mestiços e os restantes, europeus ou indianos.

Enquanto deambulamos pela Fort Street, cruzamo-nos com uma moradora mestiça que nos revela um apelido familiar. Encontramos Winnielle Pereira à porta da sua boutique.

Winnielle e os Pereiras de São Cristóvão e Neves

Entusiasmada, Winnielle informa-nos que o seu avô materno era J. Pereira.

Que era proprietário de uma das plantações e fazenda mais influentes de São Cristóvão, a Fountain State, situada na encosta de uma colina a norte de Basseterre, a Monkey Hill.

Desde a passagem por Charlotte Amalie, capital das Ilhas Virgens Americanas que nos vínhamos a inteirar da diáspora dos judeus Sefarditas, expulsos do Brasil pelos portugueses.

E de como, várias comunidades se tinham instalado em ilhas caribenhas em que famílias com apelidos como Pereira, Silva e afins se multiplicaram e se tornaram influentes.

Quanto mais com ela conversávamos mais nos convencemos que a história secular e intrincada dos Judeus e dos Pereiras em São Cristovão e Neves e nas Caraíbas, merecia todo um artigo ou até um livro.

O artigo, mantemo-lo numa lista de próximos a publicar.

Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas

Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.
Christiansted, St. Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Capital das Antilhas Afro-Dinamarquesas-Americanas

Em 1733, a Dinamarca comprou a ilha de Saint Croix à França, anexou-a às suas Índias Ocidentais em que, com base em Christiansted, lucrou com o trabalho de escravos trazidos da Costa do Ouro. A abolição da escravatura tornou as colónias inviáveis. E uma pechincha histórico-tropical que os Estados Unidos preservam.
Montserrat, Pequenas Antilhas

A Ilha do Vulcão que se Recusa a Adormecer

Abundam, nas Antilhas, os vulcões denominados Soufrière.  O de Montserrat, voltou a despertar, em 1995, e mantém-se um dos mais activos. À descoberta da ilha, reentramos na área de exclusão e exploramos as áreas ainda intocadas pelas erupções.  
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Cidades
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cultura
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Étnico
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina
História
Terra do Fogo, Argentina

Uma Fazenda no Fim do Mundo

Em, 1886, Thomas Bridges, um órfão inglês levado pela família missionária adoptiva para os confins do hemisfério sul fundou a herdade anciã da Terra do Fogo. Bridges e os descendentes entregaram-se ao fim do mundo. Hoje, a sua Estancia Harberton é um deslumbrante monumento argentino à determinação e à resiliência humana.
MAL(E)divas
Ilhas
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Grand Canyon, Arizona, Viagem América do Norte, Abismal, Sombras Quentes
Natureza
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
agua grande plataforma, cataratas iguacu, brasil, argentina
Parques Naturais
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Missoes, San Ignacio Mini, argentina
Património Mundial UNESCO
San Ignácio Mini, Argentina

As Missões Jesuíticas Impossíveis de San Ignácio Mini

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani em missões jesuíticas. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT