Montserrat, Pequenas Antilhas

A Ilha do Vulcão que se Recusa a Adormecer


O Ferry “Jaden Sun”
O ferry que asseguras as ligações marítimas entre Antígua e Montserrat.
Lady in Red
Cliente do cabeleireiro de Salem numa penumbra espelhada.
Coqueiro Resiliente
Coqueiro eleva-se acima da St. George Hill e, aparentemente, acima do vulcão Soufrière Hills.
Um Cume Dantesco
Enxofre e outros gases ascendem a partir do cume do vulcão Soufrière Hills.
Fim da Linha
Vivendas abandonadas e perdidas na vegetação que tem aumentado a grande ritmo nos últimos anos.
À Porta do Negócio
Moradora de Salem apanha ar fresco à entrada da sua loja de Salem.
Fim da Pesca
Pescador com arpão puxa um pequeno caique para o areal, na Line Kiln Bay
Grande Pescaria
Morador de Montserrat mostra a pescaria do fim de tarde, sobre o areal da Line Kiln Bay.
As Contas Feitas duma ex-Cidade
Balcão de um hotel de Plymouth repleto das cinzas que soterraram a cidade.
Office Jungle
Vegetação e cinzas invadem um escritório de Plymouth.
Selva de Fetos
Fetos apoderam-se do pátio de uma casa no cimo da St. George Hill.
Spanish Point
A grande laje em que se situava o antigo aeroporto, debaixo de lava e de cinza.
Rumo à Ilha Redonda
Cruzeiro em viagem pelas Caraíbas aproxima-se da Ilha Redonda.
Abundam, nas Antilhas, os vulcões denominados Soufrière.  O de Montserrat, voltou a despertar, em 1995, e mantém-se um dos mais activos. À descoberta da ilha, reentramos na área de exclusão e exploramos as áreas ainda intocadas pelas erupções.  

Jermaine intensifica esforços para nos levar às imediações do vulcão.

Volta a sublinhar o carácter excepcional do tour em que nos ia meter. “Acreditem que é só por vocês. Não faço isto há anos. Até porque é bastante proibido, por assim dizer!”

A introdução deixa-nos intrigados a dobrar. Perto do vulcão já tínhamos estado. A St. George Hill que nos anunciava tinha que reservar algo de especial.

Jermaine detém a van em que nos conduzia na meia encosta de uma ladeira, como quase todas, em Montserrat, semi-invadida pela vegetação tropical.

“Daqui, já não passamos!” informa-nos o cicerone, a apontar para uma cancela trancada a cadeado. “Vamos andar um bom bocado mas vai valer a pena!”

A Ascensão às Alturas Panorâmicas da St. George Hills

Além de um bom bocado, o caminho que faltava era quase todo a subir. Pelo nosso lado, há vários meses com quilómetros das Antilhas nas pernas, o esforço pouco apoquentava.

Para Jermaine, o panorama era outro. Depressa percebemos que, não só há muito não percorria aqueles confins da ilha, como não fazia qualquer tipo de exercício.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, caminho para o vulcão

Guia Jermaine aproxima-se do cimo da St. George Hill e do vulcão Soufrière Hills.

De fatigado, o guia passou a extenuado. De extenuado, a derreado. De tal maneira abalado pelas ladeiras que começámos a temer que o vitimasse um qualquer enfarte.

Abrandamos o ritmo, interrompemos a marcha com mais frequência do que necessitávamos. Aos poucos, pouco a pouco, lá atingimos, em trio, as alturas alisadas da St. George Hill, onde a estrada estreitava e uma vegetação pouco incomodativa nos chegava à cintura.

Concluímos que, por aquela altura, Jermaine estaria a salvo de colapsos. Dedicamo-nos a apreciar e a fotografar as novas paragens de Montserrat, elevadas e laterais face ao Soufrière Hills.

De tal maneira próximas que, se fossemos loucos, dali chegaríamos em pouco tempo à cratera sulfurosa do vulcão.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, bolbo

A Natureza aconchega uma relíquia legada pela catástrofe de Plymouth.

Sobre o casario desafortunado de Plymouth e até ao azul do Mar das Caraíbas.

Dali, percebíamos ainda as manchas sulfurosas do cimo do vulcão e de como, delas, vertiam sucessivas erupções de fumos tóxicos.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufrière, cratera fumarenta

Enxofre e outros gases ascendem a partir do cume do vulcão Soufrière Hills.

A Inesperada Quase-Implosão do Dólar das Caraíbas do Leste

Revigorado pela imponência do cenário, Jermaine senta-se sobre a erva e conta-nos algumas peripécias curiosas de Plymouth, uma delas mais fascinante que as demais.

Corria o ano de 1996. Vários políticos da região laudavam o dólar das Caraíbas do Leste como um projecto de moeda comum prodigioso, de tal maneira estável e benéfico que apelavam a que os maiores países caribenhos trocassem as suas moedas concorrenciais e aderissem ao EC$.

Chegamos a Maio de 1997.

O Soufrière Hills que fumegava à nossa frente, estava em erupção desde Julho de 1995.

Tinha soterrado Plymouth, a capital de Montserrat e forçado os seus habitantes a abandonarem a cidade.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, casario soterrado por lava

Torrente solidificada de fluxos piroclásticos ao longo do casario de Plymouth.

No caos da debandada, bens valiosos ficaram para trás.

Entre eles, milhões de dólares das Caraíbas mal guardados num cofre da agência local do Barclays Bank.

Um grupo de ladrões oportunistas inspirou-se numa vaga de pilhagens perpetradas por outros assaltantes, chegados de lancha e noutros tipos de embarcações das ilhas circundantes e agarrou à oportunidade.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufrière, caique pescador

Pescador com arpão puxa um pequeno caique para o areal, na Line Kiln Bay

Conscientes de que ninguém vigiava as redondezas, escavaram um túnel e rebentaram com um cofre feito de cimento com meio metro de espessura, reforçado com grelhas de aço.

Consumado o golpe, escaparam com mais de 900.000 ECs, em notas entre os 5 e os 100 dólares, nenhuma delas considerada “no mercado” ou legal.

O golpe forçou inúmeros negociantes a interromper as suas actividades para verificarem os números de série das notas que haviam recebido durante o dia.

No limiar difuso entre a legalidade e a ilegalidade do dinheiro, enquanto o Banco Central das Caraíbas do Leste não encontrava uma solução eficaz para o imbróglio, o próprio futuro do EC, chegou a ser questionado.

“Aqui em Plymouth, foi ainda mais incrível” conta-nos Jermaine. “Um bêbado que se recusava em deixar a cidade apareceu com a conversa de que ouvia fantasmas no banco Barclays.

Como era de esperar, ninguém lhe ligou. Depois, descobriu-se o que se descobriu.”

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere

Vivendas alinhadas no fundo da encosta do vulcão Soufrière Hills.

E a Incursão Realizadora de Alguns Velejadores-Aventureiros Franceses

Algum tempo mais tarde, já Plymouth pouco ou nada tinha para pilhar, ancoraram ao largo, dentro da Zona de Exclusão, alguns veleiros franceses. A ausência de vigilância voltou a permitir todas as veleidades.

Os navegantes permaneceram vários dias. Entraram e saíram da cidade abandonada quando quiseram e documentaram a aventura em fotografia e vídeo.

Montserrat, ilha, Plymouth, vulcão Soufriere Hills

O grande vulcão da ilha de Montserrat, visto da St. George Hill.

Os seus registos resultaram em mini-documentários de surpreendente qualidade, assim os qualificou Jermaine.

Terão tido, pelo menos, um tom bem mais genuíno do que o de outras realizações mais tarde lá levadas a cabo.

Quando a Saga dos Reality-Shows de Sobrevivência chegou a Montserrat

Em Setembro de 2011, a Temporada 2 do reality show “Man, Woman, Wild” do Discovery Channel, contou com um episódio denominado “Volcanic Destruction”, todo ele filmado em Montserrat.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, intrusão do vulcão

Vegetação e cinza tomam conta da divisão de uma casa.

Seis anos mais tarde, também os produtores de “Aventura à Flor da Pele” (“Naked and Afraid”) se lembraram de Plymouth.

A sinopse do episódio descreve que “Um instrutor de sobrevivência e um oficial retirado das Forças Armadas são inseridos na ilha devastada por um vulcão de Montserrat.”

A Destruição e Abandono de Plymouth e a Vasta Zona de Exclusão

Não é que a ilha toda tivesse sido arrasada. A destruição centrou-se em Plymouth e áreas em redor da capital, incluindo o aeroporto e o antigo porto da ilha.

A actual área de exclusão – a tal em que tínhamos voltado a penetrar – tornou inacessível todo o terço sul, a contar com duas áreas marinhas adjacentes para onde é expectável que a lava ou os fluxos piroclásticos fluam.

Após 1997, a assolação de Plymouth e a aniquilação da economia da ilha de que a capital era o motor, cerca de metade da população viu-se sem casas, sem lares e sem razões para ali continuar.

A maior parte mudou-se para a metrópole do Reino Unido, onde chegou com plenos direitos de residência e cidadania britânica.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufrière, Escritório invadido

Vegetação e cinzas invadem um escritório de Plymouth.

A Colonização Pioneira Irlandesa de Montserrat e o Triunfo dos Britânicos sobre os Franceses

Isto, apesar de em termos históricos, Montserrat ter sido colonizada por irlandeses, chegados da vizinha do norte de Saint Kitts.

Mais tarde, fruto da inimizade dos irlandeses face aos ingleses, os pioneiros convidaram a França a apoderar-se da ilha (1666).

Os franceses chegaram a invadi-la e a detê-la. Por pouco tempo. Atentos à concorrência francófona, os ingleses conquistaram-na e conseguiram a ratificação da sua soberania.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, cabeleireiro

Cliente do cabeleireiro de Salem numa penumbra espelhada.

Com o passar dos anos, habitaram Montserrat com escravos trazidos da África sub-saariana, forçados a trabalhar em plantações de cana-de-açúcar e de algodão.

No início do século XXI, a actividade do Soufrière Hills esteve reduzida à emissão de cinzas sobre as zonas já desabitadas do sul da ilha.

O Regresso à Actividade do vulcão Soufrière Hills e o Abandono Definitivo

No entanto, uma vez mais, no fim de 2009 e início de 2010, além da cinza, uma forte erupção libertou novo fluxo piroclástico por distintos flancos do vulcão abaixo.

Esta mais recente actividade provou, de uma vez por todas, a inviabilidade de se recuperar as imediações do vulcão.

Consolidou o estatuto da Zona de Exclusão, se bem que dividida em áreas de distintos riscos.

Nós, continuávamos acima do leito do rio Belham, ainda em pleno deslumbre.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufrière, fetos em pátios

Fetos apoderam-se do pátio de uma casa no cimo da St. George Hill.

Nos anos que passaram sem lançamento de cinzas, o mato tropical já se tinha voltado a apoderar da encosta e do sopé oeste do Soufrière Hills.

Há demasiado tempo responsável  por aquela contemplação ilegal, Jermaine inaugura os 3.5km de regresso.

Desta feita, sempre a descer, o cansaço pouco o incomodou mas, tanto o guia como nós, tínhamos estimado uma ida-e-volta muito mais rápida e fácil.

Ninguém se lembrou de levar água suficiente.

Com o sol tropical a apertar, começamos a sofrer de sede. Ainda planeamos uma subida a um coqueiro carregado, facilitada pela catana com que Jermaine andava.

No fim, foram goiabas maduras ali abundantes que nos salvaram.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufrière, coqueiro

Coqueiro eleva-se acima da St. George Hill e, aparentemente, acima do vulcão Soufrière Hills.

Da St. George Hill, regressamos ao centro e norte habitado de Montserrat.

Almoçamos numa banquinha de uma senhora que servia comida caribenha caseira, junto a alguns trabalhadores que animavam a sua refeição de uma conversa quase discussão, donos de vozes muito graves, habituais nestas partes do mundo.

Findo o repasto, Jermaine levou-nos ao miradouro Jack Boy Hill.

De lá, admiramos a vertente leste do vulcão, a grande laje coberta de lava de Spanish Point, onde está, também soterrada, a pista do antigo aeroporto W. A. Bramble.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, Spanish Point

A grande laje em que se situava o antigo aeroporto, debaixo de lava e de cinza.

Desse ponto, subimos a outro que coroa o extremo norte da ilha, bem mais elevado, com vista sobre boa parte do Sul e sobre o novo aeroporto John A. Osbourne, situado na vila de Gerald.

Antes do retorno à Olveston House, ainda paramos no hospital, para tratar de um ouvido que se tinha infectado devido às poeiras projectadas pelos jactos dos aviões, na praia Maho de Sint Maarten.

Devidamente medicados, despedimo-nos de Jermaine.

O dia seguinte, dedicamo-lo a visitar Brades, a actual maior cidade da ilha.

E a caminhar por Salem, a povoação que nos acolhera.

Em Salem, conversamos com donos teimosos de negócios.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, moradora

Moradora de Salem apanha ar fresco à entrada da sua loja de Salem.

Dos que resistiram a partir após a destruição de Plymouth e afiançam que só mesmo em caso extremo deixariam a sua Montserrat.

Num cabeleireiro movimentado, acompanhamos e fotografamos o lento entrançar do cabelo de uma cliente.

Inteiramo-nos do estado do espírito das senhoras e de algumas novidades inesperadas.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, cabeleireiro

Cabeleireira de Salem enrla tranças a uma cliente.

Uma delas, era a de que a empresa dona do ferry “Jaden Sun” em que tínhamos chegado ainda não o tinha reparado.

Ora, com viagem de regresso a Antigua na manhã seguinte, não sabermos de nada, auspiciava sarilhos.

À boa moda caribenha, tudo se resolveu. Após muitas chamadas telefónicas, recebemos indicação para estarmos no aeroporto às seis da manhã.

Meia-hora depois, estávamos a sobrevoar o Mar das Caraíbas com vista de ave sobre o Soufrière Hills.

 

P.S –   Por altura da criação deste artigo, o vulcão Cumbre Vieja da ilha de La Palma, nas Canárias encontrava-se numa fase eruptiva tão ou mais destrutiva.

Por sorte, até à data, nenhuma das povoações da ilha estavam no caminho da lava, entre o vulcão e o destino final do oceano Atlântico.

Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas

Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Danca dragao, Moon Festival, Chinatown-Sao Francisco-Estados Unidos da America
Cerimónias e Festividades
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
Estátuas de elefantes à beira do rio Li, Elephant Trunk Hill, Guilin, China
Cidades
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Cultura
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Manatee Creek, Florida, Estados Unidos da América
Em Viagem
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
História
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Elafonisi, Creta, Grécia
Ilhas
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Natureza
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Chichen Itza, Iucatão, História Maia, cabeças de Kukulkan, El Castillo
Património Mundial UNESCO
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Religião
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES