PN Joshua Tree, Califórnia, Estados Unidos

Os Braços Virados ao Céu do PN Joshua Tree


A Comitiva
Meandro
Sombras de Josué
Rivais do Deserto
Frutos Espinhosos
Árvore da Vida
De Sentinela II
Ao Sol
Via Dourada
Mojave em Fogo
Conversa de Caveira
À Esquerda do Deserto
Vegetal vs Pedra
De Sentinela
Floresta de Joshuas
Jardim de Cactos Peluche
Flare Teddy Bears
Joshua Juvenil
Ramos ao Sol
Chegados ao extremo sul da Califórnia, espantamo-nos com as incontáveis árvores de Josué que despontam dos desertos de Mojave e Colorado. Tal como os colonos mórmons que as terão baptizado, cruzamos e louvamos estes cenários inóspitos do Faroeste norte-americano.

O vale de Coachella some-se à medida que a Twentynine Palms Highway ascende para norte e para fora do grande oásis.

Os campos de golfe, o casario Art Deco, as palmeiras e a floresta de torres eólicas, a sofisticação e riqueza em volta de Palm Springs dão lugar a uma vastidão erma que quase só o asfalto e as viaturas que o percorrem atenuam.

A via curva para leste, na direcção de pequenas povoações que surgem do nada, Yucca Valley e Joshua Tree, ambas expandidas à sombra da popularidade que, com os tempos, conquistou o parque nacional homónimo.

Do mesmo nada, a via transforma-se numa alameda comercial ladeada de negócios térreos ou com meros dois pisos, com o perfil pré-fabricado característico das urbanizações recentes e modernas dos EUA.

Em Joshua Tree, acrescenta-se-lhe o centro de visitantes do parque. Encontramo-lo à pinha de forasteiros ansiosos por evasão. Na época de férias contígua ao Ano Novo chinês, muitos são sino-americanos, chineses de visita às suas famílias ou, tão só, à descoberta da América.

À Descoberta do PN Joshua Tree

Recolhemos informações, dicas, folhetos e mapas. Todos os vemos como privilégios. Essenciais num reduto desértico que, com o Inverno em curso, além de labiríntico e árido, se torna mortalmente gélido sem aviso.

Do centro de visitantes, progredimos para sul da povoação, por uma tal de Park Boulevard, rumo à entrada e estação ocidental do parque, marcadas por barreiras e por casetas habitadas pelos rangers de serviço.

Daí em diante, ficamos entregues ao bom-senso e à imensidão do Joshua Tree National Park.

As árvores de Josué sucedem-se sem fim, de todas as formas e tamanhos. Em redor de formações rochosas monumentais ou caprichosas que, por motivos diversos, concentram boa parte das atenções.

É o caso de The Sentinel, uma pirâmide de granito amarelado com 60 metros de altura, destacada do Real Hidden Valley, com falhas e sulcos que formam distintas rotas de ascensão.

Parque Nacional Joshua Tree e as suas Formações Graníticas Emblemáticas

Ano após ano, milhares de escaladores desafiam-na, determinados a alcançarem o cimo aguçado.

Todos os anos, alguma distração ou azar, vitima um ou dois aspirantes, um preço cruel a pagar por um desfrutar radical do parque que, nas suas origens, as autoridades não tinham sequer previsto.

Vários outros calhaus hiperbólicos e cabeços rochosos dão que fazer aos incansáveis escaladores.

Uns poucos, com formas, sobretudo peculiares, atraem visitantes apostados em enriquecerem o seu espólio fotográfico, os seus Instagrams e montras de selfies afins.

A fantasmagórica Skull Rock tornou-se um desses pontos favoritos. À medida que o sol desce no horizonte, define as covas de olhos que, com o passar dos milénios, a chuva aprofundou na rocha, parte de um estranho processo erosivo de “caveirização” geológica.

Nos nossos tempos, o Parque Nacional Joshua Tree, a Skull Rock, outras “rocks” e as suas inestimáveis árvores de Josué são consideradas preciosidades naturais sem igual. O contrário absoluto de como chegaram a ser vistas durante a aturada Conquista do Oeste Americano.

O Capitão Fremont e as “Vis Joshua Trees”

Encontramos um bom testemunho da sua depreciação nos escritos de John C. Fremont, um capitão que integrava o corpo de engenheiros topográficos do exército dos Estados Unidos, considerado uma das primeiras pessoas brancas a confrontar-se com a espécie yucca brevifolia.

Fremont e a sua companhia desbravavam o sul da actual Califórnia quando, segundo as palavras do capitão: “ao descermos um barranco de que jorrava uma nascente, nos surpreendeu a súbita aparição de árvores yucca, que conferiam à paisagem, um estranho visual sulista, adaptado a região seca e desértica de que nos aproximávamos.

Associada à ideia de areias estéreis, a sua forma hirta e deselegante torna-as, para o viajante, uma das árvores mais repulsivas do reino vegetal.”

O texto do capitão Fremont descreve um evento de 14 Abril de 1844. Por essa altura, nem sequer as yucca brevifolias eram conhecidas por Joshua Trees.

A Génese Provavelmente Mórmon do Termo Joshua Tree

Num âmbito que permanece semi-lendário, esse nome terá sido dado, pouco depois, por um grupo de colonos mórmon que se aventuraram a cruzar o Deserto de Mojave.

A inspiração para o baptismo permanece difusa. Terá vindo da contribuição das árvores para a sua orientação por terras não mapeadas e/ou da configuração das suas folhas que aparentavam barbas.

Ou ainda, da forma dos troncos abertos na direcção do céu que terá lembrado, aos mórmons, o episódio bíblico em que Moisés ergueu as mãos e assim viabilizou o triunfo do exército de Israel, comandado por Josué, sobre o Amalequita.

As yucca brevifolias existem noutras zonas desérticas que a complexa história colonial hispânica e britânica e, a seguinte, dos Estados Unidos em rivalidade com o México, tornou estadounidenses ou mexicanas.

Mais a sul, por exemplo, ao longo do vizinho Deserto de Sonora, os habitantes hispânicos tratam-nas por izotes (del desierto), traduzível por punhais do deserto.

Quem teve o azar de se encostar às folhas de uma yucca brevifolia, percebe a etimologia melhor que ninguém.

O Trilho Espinhoso mas Deslumbrante da Barker Dam

É um dos cuidados com que avançamos pelos vários trilhos em que nos metemos a pé.

O da Barker Dam que nos revela a barragem construída, em 1900, por C.O. Barker e outros criadores de gado pioneiros.

E, ao longo do circuito que a contorna, uma combinação peculiar de formações rochosas com um sortido de árvores de Josué, de cactos e arbustos excêntricos e fotogénicos.

Malgrado a invasão de humanos, neste trilho, cruzamo-nos com coiotes curiosos e com coelhos-rabo-de-algodão enormes, mesmo assim, um dos pratos predilectos dos coiotes.

Na zona sul do trilho, apreciamos ainda petroglifos que se crê terem sido gerados há mais de dois milénios pelos habitantes pré-históricos destes confins da Califórnia.

Se a sua arte pictográfica continua a merecer a admiração dos visitantes da região, uma criação contemporânea fez mais que qualquer outra pela notoriedade da Joshua Tree e do Parque Nacional Joshua Tree.

“The Joshua Tree” e a Homenagem Musical e Fotográfica dos U2

Referimo-nos ao álbum homónimo dos irlandeses U2, lançado em 1987.

Nesse ano, mais de uma década antes do renomeado Festival de Coachella ter sido inaugurado, a banda dedicou vários dias para explorar os cenários do Vale de Coachella, do Vale da Morte e outros, a sul de Los Angeles, cidade em que viria a filmar o videoclip do maior sucesso do álbum “Where the Streets Have No Name”.

Pois, ao contrário do que se possa pensar, a Joshua Tree solitária que surge nas fotografias que ilustram o álbum, não se situa no PN Joshua Tree.

Terá sido o fotógrafo e realizador Anton Corbijn que nela reparou nas imediações do Zabriskie Point do Vale da Morte. Distante da beira da estrada, a árvore exigiu uma caminhada de quase dez minutos aos U2 e ao fotógrafo.

Proporcionou o imaginário de Faroeste desolado para todo o sempre associado ao álbum e às suas canções.

Apesar da localização remota, fãs incondicionais dos U2 encontram-na amiúde e mantêm o lugar identificado com escritos feitos de pedras e outros tributos.

Um ou outro ainda chegam ao PN Joshua Tree a perguntarem pela famosa árvore. Depressa se desiludem.

Universo U2, à parte, abundam no parque Joshua Tree cenários estranhos e inverosímeis que merecem a sua própria adulação.

Continuamos em tal demanda.

Num Jardim de Perigosos Cactos Teddy Bear

De regresso ao início do trilho Barker Dam, com o dia solar prestes a terminar, desviamos para o Wilson Canyon e para uma secção em que o Deserto do Colorado se imiscui no de Mojave.

Ali, uma ladeira vedada por encostas revela-se repleta de cactos Cholla (Cylindropuntia bigelovii), conhecidos, em inglês, por Teddy Bear devido ao seu visual ilusoriamente felpudo.

Caminhamos entre os milhares de exemplares reluzentes, com o dobro do cuidado dedicado às Joshua Trees.

São as próprias autoridades do parque que os sinalizam como “cactos perigosos, proíbem o acesso àquele Cactus Garden a animais de estimação e avisam que são propensos a causar ferimentos.

Bastam uns poucos minutos a por ali cirandarmos para termos que remover algumas das suas folhas espinhosas e agressivas, já agarradas ao calcanhar do calçado e às meias.

Percebemos que o sol se esparramava sobre o horizonte.

Conscientes do quanto costuma colorir o firmamento nublado sobre o deserto, saímos disparados para zonas pejadas de árvores de Josué.

Deixamos o carro, expomo-nos ao vento enregelante e à rispidez do Mojave. Como esperado, o ocaso incendeia e colora as nuvens com uma intensidade incomum.

Vasculhamos entre as Joshua Trees em busca de combinações apelativas.

Sob um firmamento garrido sem igual, deslumbramo-nos com a sua espiritualidade vegetal.

Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Saint Augustine, Florida, E.U.A.

De Regresso aos Primórdios da Florida Hispânica

A disseminação de atracções turísticas de gosto questionável, torna-se superficial se tivermos em conta a profundidade histórica em questão. Estamos perante a cidade dos E.U.A. contíguos há mais tempo habitada. Desde que os exploradores espanhóis a fundaram, em 1565, que St. Augustine resiste a quase tudo.
Kennedy Space Center, Florida, Estados Unidos

A Rampa de Lançamento do Programa Espacial Americano

De viagem pela Flórida, desviamos da órbita programada. Apontamos ao litoral atlântico de Merrit Island e do Cabo Canaveral. Lá exploramos o Kennedy Space Center e acompanhamos um dos lançamentos com que a empresa Space X e os Estados Unidos agora almejam o Espaço.
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Estátuas de elefantes à beira do rio Li, Elephant Trunk Hill, Guilin, China
Cidades
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cultura
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Em Viagem
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Insólito Balnear
Étnico

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Roça Bombaim, Roça Monte Café, ilha São Tomé, bandeira
História
Centro de São Tomé, São Tomé e Príncipe

De Roça em Roça, Rumo ao Coração Tropical de São Tomé

No caminho entre Trindade e Santa Clara confrontamo-nos com o passado colonial terrífico de Batepá. À passagem pelas roças Bombaim e Monte Café, a história da ilha parece ter-se diluído no tempo e na atmosfera clorofilina da selva santomense.
Viagem São Tomé, Equador, São Tomé e Principe, Pico Cão Grande
Ilhas
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Natureza
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Bwabwata Parque Nacional, Namíbia, girafas
Parques Naturais
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Património Mundial UNESCO
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Religião
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Pisteiro San em acção na Torra Conservancy, Namibia
Vida Selvagem
Palmwag, Namíbia

Em Busca de Rinocerontes

Partimos do âmago do oásis gerado pelo rio Uniab, habitat do maior número de rinocerontes negros do sudoeste africano. Nos passos de um pisteiro bosquímano, seguimos um espécime furtivo, deslumbrados por um cenário com o seu quê de marciano.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.