Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda


Compinchas a Bordo
Amigos viajam entre Road Town, ilha de Tortola e Spanish Town na ilha de Virgin Gorda.
Litoral Divinal
Panorâmica do litoral do Devil's Bay (The Baths) National Park.
Um quase fóssil
Coral seco nas imediações da Devil's Bay.
Devil’s Bay I
Banhistas na Devil's Bay.
The Bath
Banhista numa das formações dos The Baths, Virgin Gorda.
Convívio de molho
Família e amigos convivem numa das galerias de granito de The Baths.
Uma Enseada (Pouco) Diabólica
Devil's Bay, uma das enseadas deslumbrantes do Devil's Bay (The Baths) National Park.
Destinos Opostos
Indicações garridas do Devil's Bay (The Baths) National Park.
Devils Bay II
Onda espraia-se com suavidade sobre o areal de Devil's Bay.
De lagoa em lagoa
Banhista atravessa uma das galerias de granito dos the Baths.
Fotografia nas nuvens
Uma fotografia sobre um dos calhaus de granito que dotam o Devil's Bay (The Baths) National Park.
Silhueta em Espera
Silhueta de banhista num recanto sombrio dos The Baths.
3 & BVI
Amigas posam num letreiro de ONE BVI, à saída da Spring Bay.
Um vulto anfíbio
Silhueta numa das galerias invadidas pelo mar dos The Baths.
The Spring Bay
Panorâmica da Spring Bay, uma das duas enseadas mais populares do Devil's Bay (The Baths) National Park.
The Poor Man ?
Moses Carrier ao balcão do "The Poor Man's Bar", na Spring Bay.
De Partida
Passageiros embarcam num Sensation Ferry, na doca de Spanish Town.
À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.

Depois de um desembarque em pleno Domingo em que desesperamos com os estabelecimentos da capital Road Town fechados, chegados ao fim da tarde, descobrimos que a Segunda-Feira seria igual ou pior.

Ficou para a história que, ao deparar-se com estas paragens no início da sua segunda incursão as Américas (1493), a armada de dezassete navios e mais de mil homens de Cristóvão Colombo se surpreendeu com uma profusão de pequenas ilhas a que não viam fim. Ao devotíssimo cristão Colombo, o arquipélago fez lembrar a lenda medieval de Úrsula e das Onze Mil Virgens.

Reza esta lenda que era suposto Úrsula e as acompanhantes viajarem até junto do futuro marido de Úrsula, o governador pagão da Armórica.

Só que as viajantes decidiram adiar o encontro e inauguraram uma longa peregrinação europeia que incluía uma visita ao Papa, em Roma. O desvio religioso custou-lhes caro. Úrsula e as virgens acabaram chacinadas em Colónia, pelos Hunos que então cercavam a cidade.

Não seriam onze mil as ilhas que ali tínhamos em redor, nem nada que se parecesse. Das várias que hoje compõem as ilhas Virgens – tanto as vizinhas estadounidenses como as britânicas, duas ou três destacavam-se das demais.

Um Retiro Quase-Forçado nos The Baths de Virgin Gorda

Confrontados com a inércia de Road Town, deixamos simplesmente de querer saber. Dedicamos o feriado, dia de Santa Úrsula, à segunda ilha das BVI (British Virgin Islands) que, de acordo com o seu imaginário e com o perfil em breve mapeado de mulher barriguda, Colombo terá baptizado de Virgen Gorda.

Passageiros Sensation Ferry-Ilhas Virgens Britânicas

Amigos viajam entre Road Town, ilha de Tortola e Spanish Town na ilha de Virgen Gorda.

Conseguido um despertar madrugador, às oito e pouco da manhã embarcamos no ferry que liga Road Town (capital do território e única cidade da ilha de Tortola) a Spanish Town, a cidade de Virgin Gorda.

O ferry ostenta o nome de “Sensation”. Pouco depois de zarparmos, o assento ventoso do seu deck superior prenda-nos com sucessivas recompensas sensoriais: a massagem dos ventos alísios nas nossas faces. O balançar no Mar das Caraíbas sereno.

O litoral recortado e verdejante destacado do azul-petróleo marinho. As fragatas que esvoaçavam contra o firmamento acima. E a conversa animada de um grupo de amigos de Tortola apimentada por um forte sotaque caribenho.

Desembarque na Cidade Britânica de Spanish Town

Decorridos três quartos de hora de navegação, acostamos no porto do destino. Em Spanish Town, tal como havíamos constatado em distintas zonas de Tortola, encontramos novo grande cemitério de iates, catamarãs e outras embarcações apanhadas pelos furações Irma e Maria que, entre 30 de Agosto e 2 de Outubro de 2017, arrasaram as Ilhas Virgens, Porto Rico, a República Dominicana e várias das Pequenas Antilhas em redor.

Daí para cá, as BVI, em particular, têm feito de tudo para recuperarem, para estarem à altura dos cenários e do acolhimento que as haviam tornado famosas e desejadas, numa longa era de pré-hecatombe.

Dodo, condutor de uma carripana-taxi de caixa aberta adaptada para transportar uns bons visitantes de cada vez, fazia o que lhe competia. “Are you going to the Baths?” pergunta-nos com um sotaque ainda mais cerrado que o dos compinchas a bordo do “Sensation”.

Respondemos-lhe que sim, que já vínhamos com essa pequena viagem comprada de Road Town. “OK, I could take you there.” O condicional que emprega deixa-nos de pé atrás. Mais conversa, menos conversa percebemos que se tratava apenas outro dos incontáveis “modos” gramaticais das Caraíbas.

Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Panorâmica do litoral do Devil’s Bay (The Baths) National Park.

Que o homem, além de pachorrento para com a nossa reticência, estava de boa fé e mais que desejoso que lhe confirmássemos o serviço.

A Caminho do Devil’s Bay (The Baths) National Park

Confirmamo-nos os únicos passageiros a bordo da carrinha. Por certo ainda por consequência do Irmaria, assim tratam os nativos a dupla de furações que coexistiram no tempo e que, em parte substancial das suas vidas, partilharam uma mesma trajectória caribenha de devastação.

Dodo deixa-nos junto à bilheteira do The Baths National Park. Pé ante pé, titubeantes de receio de tropeçarem e caírem sobre a floresta de cactos que ladeia o caminho, idosos vindos dos cruzeiros que ancoram em Road Town atrasavam as visitas programadas em modo de toque e foge a Virgin Gorda.

Mesmo senhores do nosso dia, sentimos uma mesma ansiedade por trocarmos aquele labirinto de vegetação perfurante pelo das enseadas e trilhos misteriosos dos Baths.

Banhistas, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Banhistas na Devil’s Bay.

O Deslumbre Caribenho de Devil’s Bay

Completado um derradeiro meandro arenoso, damos entrada numa tal de Devil’s Bay e, pelo menos no nosso imaginário, numa extensão do hemisfério ocidental da ilha seichelense de La Digue.

Um mar gentil algures entre esmeralda e turquesa irrompe em linhas curvas pelo meio de enormes rochedos de granito polidos e amarelados pelo tempo. Movida pelos alísios, uma caravana de esculturas nebulosas sobrevoa-os e – diverte-nos pensar assim – renovam nas pedras cativas uma inveja milenar.

Dali, só percebemos uma ínfima parte da colónia de rochedos afins que, por capricho geológico, ocupou a costa ocidental de Virgin Gorda.

Devil's Bay, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Onda espraia-se com suavidade sobre o areal de Devil’s Bay.

Atentos aos movimentos de um dos guias locais dos cruzeiros, aprendemos como subir a um dos rochedos. Do cimo, em formato panorâmico, percebemos melhor como duas penínsulas mais próximas de calhaus encerravam a enseada contra um areal coralífero abundante.

Não tardamos a reparar que faltava um elemento ao típico conjunto caribenho: em tempos, coqueiros seculares projectavam-se do meio dos rochedos para o céu.

Esses impressionantes extras vegetais foram também eles arrancados pelo poder destrutivo dos furações, no caos gerado pelas baixas pressões recordistas, poucos nativos saberão dizer se pelo Irma ou pelo Maria.

Uma linha de boias estabelece um limiar proibitivo aos donos de veleiros provindos das ilhas Virgens em redor. Sem pressas, apreciamos os seus cuidadosos transbordos. Dos pequenos barcos, para botes ínfimos que atam às boias para completarem o derradeiro percurso aquático a nadar, com mochilas e sacos impermeáveis às costas.

Banhista-The Baths-Virgen Gorda-Ilhas Virgens Britanicas

Banhista numa das formações dos The Baths, Virgin Gorda.

A Hora The Baths

Descemos de volta para o areal, instalamos a nossa própria tralha a salvo das vagas e submetemo-nos a uma primeira talassoterapia salgada e sagrada daquele santuário marinho. Quando nos sentimos re-energizados, secamo-nos. Logo, apontamos a norte e ao trilho anfíbio que conduzia aos The Baths em si.

Serpenteamos entre rochedos plantados sobre o mar e a vegetação que os acompanha sempre ao alcance das vagas amortecidas pela sucessão de calhaus.

Escadarias de madeira e corrimãos de corda dão-nos acesso a verdadeiros túneis, ante-câmaras e câmaras de granito em que desvendamos piscinas naturais reabastecidas em permanência.

Cruzamo-nos com nativos de Spanish Town e Road Town deliciados com aqueles momentos imaculados de evasão.

Silhueta, the Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Silhueta numa das galerias invadidas pelo mar dos The Baths.

Caminhada por Sucessivas Galerias Balneares

Descemos nova escadaria, entramos numa câmara ampla e escutamos o eco de distintas vozes. Em pleno âmago granítico-balnear dos The Baths, deitados na água turquesa que a oscilação dos feixes solares parecia irradiar, mulheres e crianças de uma só família tagarelavam e brincavam em absoluto rejúbilo.

Pedimos a dois homens que, no exterior e a seco, partilhavam outra conversa e uma garrafa de whisky que nos guardassem as mochilas. Voltamos ao interior escuro e espojamo-nos na água, deliciados com a riqueza espiritual tanto da gruta-lagoa como da confraternização repleta de afecto que nela tinha lugar.

Convívio-The Baths-Virgen Gorda-Ilhas Virgens Britânicas

Família e amigos convivem numa das galerias de granito de The Baths.

De regresso à língua de areia em que havíamos deixado as mochilas, agradecemos aos dois homens. Já tínhamos reparado que, tal como eles, uma das mulheres dentro da lagoa tinha feições indianas. Curiosos quanto a uma provável relação, metemos conversa.

As respostas de Vicky e de Roj esclarecem-nos a suspeita. “Nós nascemos na Guiana mas já nos mudámos cá para Tortola há uns dezoito anos. Lá dentro, eles são todos nossa família. Porque é que nos mudámos?? As coisas lá na Guiana iam de mau para pior.

A economia, a segurança…  Aproveitámos uma oportunidade de virmos para cá trabalhar e confirmou-se que ganhávamos muito mais e tínhamos uma vida mais tranquila. Fomos ficando e abrimos o nosso próprio negócio. Agora, estamos realmente melhor.

De qualquer maneira, quando temos saudades do que havia de bom, a Guiana não está assim tão longe. É só apanharmos um avião e vamos até la.”

Fotografia iminente, Spring Bay, The Baths-Virgen Gorda, lhas Virgens Britanicas

Uma fotografia sobre um dos calhaus de granito que dotam o Devil’s Bay (The Baths) National Park.

Nos Antípodas da Devi’s Bay: a mais frequentada Spring Bay

Despedimo-nos. Retomamos o trilho que continuava a serpentear dos Baths em direcção ao desafogo de uma tal de Spring Bay, comparável à Devil’s Bay mas, no sopé do trilho principal do parque, bastante mais frequentada e acolhedora.

Enfiado no seu pitoresco “The Poor Man’s Bar”, Moses Carrier e a sua família servem rum punch atrás de rum punch a um grupo de clientes instalados numa mesa à sombra.

Moses Carrier, "The Poor Man's Bar", Spring Bay, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Moses Carrier ao balcão do “The Poor Man’s Bar”, na Spring Bay.

À boa maneira caribenha, estes convivas tagarelam num volume tão elevado e em tons tão graves que mais parecem prestes a inaugurar uma pancadaria ébria.

Quando caminhamos entre o bar e o mar, sobre quase brasas, bem arrependidos de o termos iniciado descalços, rasamos a mesa do grupo ruidoso.

Perscrutamo-los com a atenção merecida e apuramos que são os mesmos com quem tínhamos partilhado o convés superior do “Sensation”, que o rum e o excesso de testosterona temperada pelo sol e a ausência de companheiras tornara estridentes a triplicar, tão ou mais despreocupados com o incómodo que a sua discussão estivesse a provocar.

Spring Bay, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Panorâmica da Spring Bay, uma das duas enseadas mais populares do Devil’s Bay (The Baths) National Park.

Spring Bay em Modo de Exclusividade

O parque encerrava às quatro da tarde. Uma hora depois, o ferry zarpava para a derradeira viagem do dia para Road Town. Aquele grupo em aparente pré-zaragata debandou já meio aos esses. Nós, deixamo-nos ficar mais um pouco.

Escalamos um novo rochedo panorâmico e nadamos entre calhaus contíguos. Logo, subimos o trilho do parque até meio em busca de vistas para outras enseadas.

Nesse mesmo trajecto, passamos por um conjunto de letras azuis colocadas na base de uma fraga que versavam “One BVI”. Lá acabamos por fotografar três amigas deliciadas com o inesperado protagonismo de modelos.

Amigas em Letreiro ONE BVI, Uma fotografia sobre um dos calhaus de granito que dotam o Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Amigas posam num letreiro de ONE BVI, à saída da Spring Bay.

A Inesperada Metamorfose “ONE BVI – BOVINE”

Descemos de volta à enseada para um último mergulho. Ao retomarmos o trilho ascendente, eventualmente já atrasados para o reencontro com Dodo e para o embarque no “Sensation”, constatamos que visitantes bem-dispostos do parque se tinham detido e entretido com um jogo malicioso de Scrabble. Em vez de “One BVI”, as letras versavam agora “Bovine”.

O “Sensation” zarpou quarenta minutos atrasado, já em pleno lusco-fusco. Desembarcámos em Road Town tarde e a más-horas mas com a certeza absoluta de que tínhamos passado um dos melhores dias balneares das nossas vidas.

Doca de Spanish Town, Virgen Gorda, Ilhas Virgens Britânicsa

Passageiros embarcam num Sensation Ferry, na doca de Spanish Town.

La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Parques nacionais
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Cores e sombras
Cidades

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cansaço em tons de verde
Cultura

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Cruzeiro Navimag, Puerto Montt a Puerto-natales, Chile
Em Viagem
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Étnico
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Um cenário imponente
História

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Camponesa, Majuli, Assam, India
Ilhas
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Casinhas de outros tempos
Natureza
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Património Mundial UNESCO
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Cargueiro Cabo Santa Maria, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara
Praias
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Àgua doce
Religião

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Sociedade
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.