Parque Florestal Ribeiro Frio, Madeira

Ribeiro Frio Acima, na Senda dos Balcões


Ribeira da Metade Abaixo
Meandro da Vereda
Um Presépio Vegetal
Morro Enevoado
Vereda dos Balcões
A Névoa de Volta
O Ribeiro. o Frio
As Trutas Arco-Íris
Feto dos Arbóreos
De Entrada no Balcões
O Grande Balcão
Vista Sobre o Norte
Leito da Ribeira da Metade
snack-bar “Flor da Selva”
Lebrina de Passagem
Há muito que esta região do interior elevado da Madeira tem a cargo a repopulação das trutas arco-íris da ilha. Entre os vários trilhos e levadas que confluem nos seus viveiros, o Parque Florestal Ribeiro Frio oculta panoramas grandiosos sobre o Pico Arieiro, o Pico Ruivo e o vale da Ribeira da Metade que se estende à costa norte.

Andamos a explorar o Norte, entre o Fortim do Faial e o Miradouro do Guindaste quando o apelo das terras altas e florestadas nos volta a sequestrar.

Regressamos à estrada da Praia do Faial.

Galgamos os seus incontáveis meandros, aqui e ali, por cristas que nos concedem visões dramáticas do que deixávamos para trás. Antes destacado acima do oceano, contra o céu, o morro da Penha d’Águia alisa-se e some-se na orografia intrincada da ilha.

Pouco depois de passarmos o Chão de Cedro Gordo, enfiamo-nos num manto de neblina densa que paira sobre o relevo a leste e, ora o afaga, ora o cobre por completo e transforma em vultos vegetais fantasmagóricos de pinheirinhos que sobressaem de morros.

Ribeiro Frio: nas Alturas Verdantes da ilha Madeira

Como sempre acontece na Madeira, a névoa mantém-se localizada.

Quando chegamos aos mais de 860 metros de altura do casario que anuncia Ribeiro Frio e ao snack-bar “Faísca” que serve o lugarejo, já só vislumbramos lampejos distantes da “lebrina”, assim a chamam, com frequência, os madeirenses.

Uma chuva fulminante tinha voltado a encharcar a povoação e a irrigar o Parque Florestal homónimo que a envolve.

Detemo-nos no bar, resolvidos a nos reaquecermos das sucessivas escalas fotográficas, batidas pelo vento húmido, algo frígido de nordeste.

Bebemos chocolates quentes. Recuperados, percorremos o asfalto da ER103 que faltava para o núcleo turístico e piscícola de Ribeiro Frio.

A floresta quase tropical volta a cerrar-se.

Cerca-nos de um tapete de fetos viçosos, a maior parte, rasteiros e de uns poucos exemplares arbóreos que parecem rivalizar com os folhados e tís em redor.

Escutamos o fluir ecoante de um qualquer curso d’água. Mais acima, damos com um sortido de tanques gradeados de pedra de distintas formas, treze deles, para sermos mais precisos.

Quando os vemos repletos de peixes escuros e sarapintados, confirmamos que estamos no Posto Aquícola de Ribeiro Frio.

E no lugar certo.

Os Viveiros de Trutas arco-íris de Ribeiro Frio

Ao longo dos séculos, os colonos engenhosos da ilha da Madeira dotaram-na de uma enorme rede de levadas que conduz a água dos riachos aonde faz falta.

Há muito que as trutas arco-íris percorrem esses riachos e até mesmo os canais mais apertados das levadas.

Por motivos naturais e outros que se prendem com a complexa divisão e manipulação dos riachos e da água, o número de trutas sempre oscilou.

Ora, desde 1960, que Ribeiro Frio e as suas gentes têm a missão possível de gerarem novos espécimes, dos ovos aos alevins e aos peixes já resistentes.

Uma vez criados, libertam-nos nos cursos d’água, de maneira a viabilizar a pesca no interior da ilha e fomentar o consumo saudável desta espécie fluvial.

Sem chegarem sequer à pesca e sem surpresa, os restaurantes da povoação mantêm a truta como um dos principais pratos dos seus menus. Os moradores, consomem-nas amiúde.

Uma capela próxima, erguida em honra de Nª Srª de Fátima abençoa-os e aos visitantes, num branco envelhecido e que tem, à porta, azulejos evocativos da Virgem Maria e de Jesus enquanto “Cordeiro de Deus”.

Ribeiro Frio: um Parque Florestal Pejado de Laurissilva

Trutas, restaurantes e templos à parte, em termos de Criação de natureza, Deus fez um trabalho imaculado, também nestas partes recônditas da Ilha Jardim.

Ribeiro Frio está o cerne de uma imensidão com todos os atributos naturais que lhe conferem o título de genuinamente madeirense.

Há uma boa razão para o parque circundante ter sido titulado de florestal. Preenche-o uma mancha densa e generosa da floresta original da Madeira, aquela que os colonos encontraram e, aos poucos, tiveram que desbravar.

O Ribeiro Frio, suas corgas tributárias e as nuvens do norte, renovam uma flora com nomes peculiares que se preserva, em boa parte, endémica.

Compõem-na os tis e folhados de que já falámos, incontáveis loureiros, vinháticos-das-ilhas, uveiras-da-serra, urzes-das-vassouras e urzes-molares.

E ainda, arbustos e outras plantas floridas, casos do isoplexis, das estreleiras, orquídeas da serra e dos massarocos, a nosso ver, mas sujeito a debate, a espécie de planta mais excêntrica da ilha.

Esta amálgama vegetal deslumbrante forma ou integra o ecossistema da Laurissilva, exclusivo da Madeira – de que ocupa cerca de 20% do território – e de outras ilhas da Macaronésia, dos Açores, das Canárias e, de bolsas inesperadas e diminutas do litoral africano da Mauritânia.

A Levadas e Veredas Deslumbrantes que passam por Ribeiro Frio

Sulcam tal floresta prodigiosa, veredas e levadas, para conveniência das gentes rurais da Madeira, com frequência (senão quase sempre) umas emparelhadas com as outras.

Com esse e outros perfis, partem de Ribeiro Frio alguns dos itinerários pedestres imperdíveis da ilha, por exemplo, o PR-10 da Levada do Furado que serpenteia até à Portela e recompensa quem o completa com vistas gloriosas da Penha d’Águia.

Satisfeitos com a deambulação entre os viveiros e pela aldeia, entregamo-nos ao PR 11, bem mais curto e simples que o predecessor.

Para tal, abandonamos de vez o alcatrão da ER 103. Enfiamo-nos na floresta.

Seguimos as curvas e contracurvas da Levada da Serra do Faial.

Servem-nos de tecto as copas frondosas de carvalhos e de plátanos. Malgrado o estio, largam folhas que amarelam em matizes e adornam o solo castanho-fértil da vereda.

De tempo em tempo, a cobertura densa da vegetação dá de si. Concede-nos vislumbres dos cenários que não tardaríamos a apreciar com olhos de ver.

Quarenta minutos de caminhada depois, na companhia de tentilhões, melros, papinhos e até de bisbis, esbarramos com uma placa amarela, à sombra, e que versa “Balcões”.

Os Panoramas Inverosímeis no Término da Vereda dos Balcões

Contornamos a rocha hiperbólica a que o sinal quase se encosta.

Do lado de lá, desvendamos a desembocadura da também chamada de Vereda dos Balcões e as estruturas panorâmicas que lhe dão azo ao nome.

Uma enorme plataforma de observação gradeada, estende-se para além da laje.

Aventura-se na direcção do vale abissal, como que a insinuar a quem chega, a urgência de se debruçar sobre a vedação e de se deixar maravilhar pelo monumento geológico em volta.

É o que fazemos.

Virados para ocidente da Madeira, deslumbramo-nos com a serrilha afiada entre o Pico do Arieiro (1817m) e o Pico Ruivo, com, 1861 metros, o zénite da Madeira e a terceira elevação de Portugal.

Abaixo, estendido para norte, até se fundir com o Atlântico, desfaz-se o vale profundo e ziguezagueante da Ribeira da Metade.

Vêmo-lo forrado de laurissilva.

Desde a linha de seixos alvos porque passa, até aos cimos pontiagudos dos montes.

Ribeiro Frio, Madeira, Vereda dos Balcões, Ribeira da Metade II

A névoa que nos tinha sombreado boa parte da ascensão, volta a marcar presença, na forma de um manto compacto de humidade.

O trio cumeeiro Arieiro-Torres-Ruivo barra-o. Sujeita os vales a oriente a um efeito de estufa natural carregado de clorofila.

Daquele varandim desafogado, a contemplação gera-nos mais e mais respeito.

Lembrados de que estávamos no extremo sem saída da Levada dos Balcões, decidimo-nos a activar o plural do nome e a melhorar a contemplação.

Uns caprichos da rocha que antes tínhamos contornado, serviam de degraus para um segundo balcão improvisado no seu cimo.

Ribeira da Metade Abaixo, até à Penha d’Águia e ao Atlântico

Desse topo, em equilíbrio, voltamos a seguir os contornos da Ribeira da Metade.

Até ao casario ainda iluminado de São Roque, ao outeiro frondoso que quase o oculta, e à silhueta distante da Penha d’Águia, comprimida entre o cinzento celeste e o azulado do mar.

Enquanto estudamos a vastidão, as aves selvagens da Madeira esvoaçam, para cá e para lá.

Pombos-torcazes, a velocidade impressionante. E mais bisbis, em redor, sempre atentos a quando os visitantes desamparam os Balcões e os deixam com as dádivas de pão e outros preciosos petiscos. É o que entretanto fazemos.

Invertemos caminho. Interrompemos o regresso a Ribeiro Frio no snack-bar e loja de artesanato “Flor da Selva” que, encontramos solitário, na beira da vereda.

Tagarelamos com a senhora que nos serve um lanche providencial, satisfeitos por contribuirmos para aliviar a escassez de clientes provocada pela pandemia.

E o Regresso Tardio ao Funchal

Após o que retornamos ao carro e à estrada, desta feita, apontados à costa sul e ao Funchal.

Nesse derradeiro trajecto, passamos por Chão da Lagoa, pela porta da herdade em que o PSD Madeira se habituou a realizar as suas festas.

A mesma caravana de nuvens que tínhamos admirado dos Balcões, fluía, logo ali abaixo, contra o sol que se precipitava sobre o horizonte ocidental.

Tal como a ascensão a partir da costa norte, também a descida para o Funchal se provou uma jornada de beleza estonteante, dentro e fora das nuvens, contra silhuetas misteriosas da vegetação, por um ziguezagueado íngreme digno do Rali da Madeira.

Refreados por tanta curva e distracção, é já com o anfiteatro luminoso da cidade a exibir-se ao lusco-fusco que nos abrigamos no Funchal.

Anoitecer sobre o Funchal, Madeira

Casario do Funchal iluminado por luzes artificiais e pela do pôr-do-sol a ocidente.

Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
, México, cidade da prata e do Ouro, lares sobre túneis
Cidades
Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores

Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Sombra de sucesso
Cultura
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Étnico
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Abençoado repouso
História
Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.
ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
Ilhas
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Natureza
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Em espera, Mauna Kea vulcão no espaço, Big Island, Havai
Parques Naturais
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Património Mundial UNESCO
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT