Varela, Guiné Bissau

Praia, derradeiro Litoral, até à Fronteira com o Senegal


Árvore Sagrada
Mulheres no Poço
Praia de Nhiquim
O Pescador do Oleado
Pelada Poeirenta
Varela Guiné Bissau, peixe-guitarra
Varela Guiné Bissau, ocaso tropical
Compradora de Peixe
Manada da Floresta
Mas laterite
Litoral Ameaçado
Laterite vs Flora
Já quase Senegal
Fim da Faina
Escolha com Critério
Tronco acima
Tempo de Damas
O Costureiro
Litoral em Recessão
Banca da Gasosa
Algo remota, de acesso desafiante, a aldeia pacata e piscatória de Varela compensa quem a alcança com a afabilidade da sua gente e com um dos litorais deslumbrantes, mas em risco, da Guiné Bissau.

Assim ditou o isolamento rural deste recanto noroeste da Guiné Bissau.

Cumprido o regresso fluvial e de motorizada da tabanca de Elalab, chegamos a Susana e depressa apuramos que já não devia passar nenhum toca-toca proveniente de São Domingos. A alternativa era só uma: o duo de motoqueiros que nos tinha trazido do embarcadouro.

Varela distava 16km de Susana, cinco vezes mais que o que tínhamos acabado de percorrer, apertados, sobre as motas de Hilário e de um colega, com as mochilas de fotografia entre nós e eles e as malas atadas sobre a grade porta-bagagens.

Assim mesmo, num equilíbrio precário afectado pelos desníveis da pseudo-estrada, uma hora depois, chegamos à entrada de Varela. Recebe-nos alguns moradores e, não tarda, Valentina Kasumaya.

A presença da família de Valentina em Varela vem de há muito.

A sua avó materna era guineense, em tempos, proprietária do terreno em que o pai italiano e a mãe guineense-corsa de Valentina geriram a pousada Chez Helene, hoje, inactiva.

Ao invés, na Casa Aberta, Valentina e a sua equipa não param.

O duche generoso e o jantar com que nos mimam deixam-nos outros. Um sono imaculado recupera-nos de vez da itinerância desgastante em que andávamos, da descoberta de Cachéu e de Elalab.

Praia de Varela: em Recessão, mas Imensa

Despertamos sobre a aurora. Pouco depois, saímos para o caminho arenoso que serpenteia pela floresta e palmar, entre casas de tabanca pouco concentradas.

O trilho deixa-nos sobre o início do areal a sul da aldeia.

Àquela hora, não víamos sinal de pescadores, apenas umas poucas pirogas ao alcance da maré

De acordo, seguimos ao longo do areal, rumo a norte.

Aproximamo-nos de um promontório no prolongamento da povoação. Por ali, com a terra bem mais exposta ao Atlântico, o areal resume-se ao concedido pelo recuo da maré, na base de falésias íngremes e ocres.

A subida do nível dos mares tem-nas afectado e feito desabar, ao ponto de expor as raízes de palmeiras-de-óleo e poliões portentosos, de deixar as árvores numa verticalidade condenada.

Contornamos troncos retorcidos de outras, já derrubadas, encaixados entre os fragmentos de laterite que cobrem vastas zonas da beira-mar.

Caminhamos encurralados entre o Atlântico e os paredões alaranjados, de olho nas vagas e de uma subida inesperada do mar que tínhamos tudo para controlar.

Conquistamos uma derradeira secção, entre vertentes desabadas e grandes rochas. A norte, para lá da sombra da floresta sobranceira estendia-se uma enseada aberta de que não chegávamos a perceber o fim.

Pelo que nos sinalizava o mapa, devia ser aquela a praia principal de Varela, mais ou menos a meias com a de Nhiquim.

A Norte de Varela, o Areal Contíguo de Nhiquim

Uns poucos sulcos revelavam a desembocadura de trilhos provindos do interior.

Não obstante, a praia parecia-nos reservada. A nós, a umas poucas águias-pesqueiras desagradas com a intrusão que representávamos.

E a outras tantas tartarugas visitantes de que, de quando em quando, percebíamos as cabeças-periscópio.

Por fim, sem que o esperássemos, na base de um palmeiral diminuto, mas cerrado, detectamos a presença de um nativo já cinquentão que, com recurso a arneses, subia a uma copa pejada de frutas oleosas.

Saudamo-nos. Perguntamos-lhe se está a correr bem a recolha. “Tudo bom. Pena não haver mais umas palmeiras destas…” afiança-nos, num português que depressa percebemos quase só crioulo.

Despedimo-nos com um “até já” que, pela quantidade de praia que tínhamos para norte, sabíamos ter tudo para demorar.

Dos domínios de Varela, passamos aos de Nhiquim, ditados pela presença de tabancas homónimas e próximas. Aos poucos, os paredões ocres perdem altura e significado.

Alinham-se com a superficialidade do areal mais alvo, dissolvem-se numa profusão de arbustos e gramíneas amareladas.

Segundo nos viria a explicar Valentina, nem só a subida do mar e a erosão fragilizava a superfície ocre em redor.

As Areias Pesadas e Hipervaliosas de Varela

Há muito que se sabia que a região de Varela era rica em areias pesadas, repletas de zircónio, um mineral de valor elevado.

Sem qualquer estudo ambiental, uma empresa russa inaugurou a sua extração, levando à contaminação das águas de que se servem as tabancas.

As consumidas directamente, as que irrigam as suas bolanhas e as que fluem para os manguezais por ali abundantes.

Pois, essa extração durou algum tempo, com a anuência de contratos duvidosos com o governo de Bissau. “Mas quando os nativos começaram a ver as suas bolanhas destruídas, isso, passou todos os limites.

Nos últimos tempos, eram chineses quem procuravam continuar a extracção mas dá-me a ideia que os líderes daqui os travaram. Vamos ver até quando”.

Continuamos praia de Nhiquim acima.

Aqui e ali, com pausas para mergulhos refrescantes. Vários quilómetros depois, chegamos a uma zona em que o areal se enfiava no oceano e formava uma lagoa marinha com duas entradas exíguas.

Por Fim, a Iminência de Cap Skirring e do Senegal

Naquela altura, parecia-nos provável tratar-se do areal mais longo da Guiné Bissau, rivalizado com o do norte de Bubaque, eventualmente algum outro de Canhambaque ou outra ilha Bijagós

A mais setentrional, à entrada de um braço de mar na iminência do Cabo Roxo, já sobre a fronteira com o Senegal e a pouca distância da estância balnear de Cap Skirring, em que viríamos a passar o Natal e uns dias.

Invertemos caminho, o regresso, pautado por ainda mais mergulhos na água tépida.

Atingidas as ruínas feias de cimento que um qualquer projecto turístico abandonou às vagas, flectimos para o interior. Só então, inauguramos a descoberta da povoação.

Depois do Regresso, à Descoberta da Varela Povoação

Predominam na região de Varela, como em redor, os Felupes, um subgrupo étnico dos Diolas predominante em boa parte do Noroeste da Guiné Bissau e região senegalesa de Casamança.

Pois, eram, sobretudo, felupes as gentes com que nos cruzávamos, em redor da mesquita rosada de minarete amarelo.

Entre cabanas e casas remediadas, umas tantas, legadas pelos colonos portugueses após o período colonial.

Por ali, um costureiro migrado da Guiné Conacri criava roupa a partir de tecidos tradicionais africanos.

Conversa puxa conversa, em francês, conseguimos que nos indicasse onde estava a árvore mais famosa de Varela, uma estranha palmeira com tronco rasteiro, que se tinha enfiado entre as raízes de uma outra árvore e, aos poucos, enrolado sobre si mesmo.

Tal era o fenómeno vegetal, que os moradores de Varela a consideravam sagrada.

Varela e um Aguerrido Futebol Empoeirado

Nessa tarde, mesmo em frente à Casa Aberta, damos com um dos jogos de futebol mais estranhos que alguma vez vimos.

Num campo improvisado no interior escuro da floresta, sobre uma areia acinzentada, um grupo de miúdos disputava a bola com a atitude guerreira própria dos felupes.

Era tal a poeirada que levantavam que, nuns breves instantes, nos vimos obrigados a tapar a boca e o nariz com roupa que tínhamos de sobra.

Intrigava-nos, assim, o como sobreviviam a respirar aquele pó concentrado durante uma hora (ou mais) a fio. Nesse espanto, reparamos que, a espaços, o sol que descia a ocidente, penetrava na floresta.

Ao incidir na poeira, gerava feixes de luz dançantes que tornavam a pelada ainda mais deslumbrante.

De acordo, para gaudio da miudagem, instalamo-nos a acompanhá-los.

Quando o sol pára de incidir, deixamo-los. Decidia a partida uma aturada e dramática sequência de penalties.

Contados quase 20km, caminhados de mochilas carregadas, às costas, sobre areia que, amiúde, dava de si, reentramos na Casa Aberta já a arrastar-nos.

A precisarmos de cuidados recuperatórios semelhantes aos da véspera. Valentina prenda-nos com novo jantar divinal. Voltamos a dormir sem apelo.

O dia seguinte era o último que podíamos dedicar a Varela.

Domingo de Pesca e Faina, em vez de Descanso

Para nossa surpresa, nessa manhã de Domingo, quando voltamos a espreitar a praia a sul da Casa Aberta, encontramo-la numa azáfama de faina.

Uns poucos pescadores, tinham acabado de desembarcar, determinados a venderem a pescaria.

Auxiliares descarregavam e dividiam, a critério, espécimes de tudo um pouco.

Peixes-guitarra, peixe-coelho, raias, peixes-gato e até pequenos tubarões.

Mulheres enfiadas em capulanas coloridas, munidas de facas afiadas, amanhavam peixe atrás de peixe, para venda ou para consumo.

Finda a faina, os restos e a praia ficaram à mercê dos bandos de aves marinhas.

Aproveitamos para cirandar por recantos que ainda não tínhamos espreitado e por propriedades abandonadas acima da praia.

Os homens da aldeia entretinham-se a ver a final do Mundial do Qatar.

Pouco depois de a Argentina se sagrar campeã, volta a escurecer.

Na madrugada seguinte, viajamos para São Domingos. Cruzamos a fronteira para terras em tempos portuguesas, francesas, agora senegalesas, de Casamança.

 

COMO IR

1 – Voo Lisboa – Bissau com a Euroatlantic: flyeuroatlantic.pt  por a partir de 550€.

2 – Trajecto por estrada Bissau – São Domingos – Varela (4h)

 ONDE FICAR: 

Casa Aberta, Varela: facebook.com/casaabertakasumayaku/

Reservas pelo Whats App +245 966 640 180

Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho

Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Bubaque, Bijagós, Guiné Bissau

O Portal das Bijagós

No plano político, Bolama subsiste capital. No âmago do arquipélago e no dia-a-dia, Bubaque ocupa esse lugar. Esta cidade da ilha homónima acolhe a maior parte dos forasteiros. Em Bubaque se encantam. A partir de Bubaque, muitos se aventuram rumo a outras Bijagós.
Cruzeiro Africa Princess, 1º Bijagós, Guiné Bissau

Rumo a Canhambaque, pela História da Guiné Bissau

O Africa Princess zarpa do porto de Bissau, estuário do rio Geba abaixo. Cumprimos uma primeira escala na ilha de Bolama. Da antiga capital, prosseguimos para o âmago do arquipélago das Bijagós.
Tabatô, Guiné Bissau

Tabatô: ao Ritmo do Balafom

Durante a nossa visita à tabanca, num ápice, os djidius (músicos poetas)  mandingas organizam-se. Dois dos balafonistas prodigiosos da aldeia assumem a frente, ladeados de crianças que os imitam. Cantoras de megafone em riste, cantam, dançam e tocam ferrinhos. Há um tocador de corá e vários de djambés e tambores. A sua exibição gera-nos sucessivos arrepios.
Tabatô, Guiné Bissau

A Tabanca dos Músicos Poetas Mandingas

Em 1870, uma comunidade de músicos mandingas em itinerância, instalou-se junto à actual cidade de Bafatá. A partir da Tabatô que fundaram, a sua cultura e, em particular, os seus balafonistas prodigiosos, deslumbram o Mundo.
Cruzeiro Africa Princess, 2º Orangozinho, Bijagós, Guiné Bissau

Orangozinho e os Confins do PN Orango

Após uma primeira incursão à ilha Roxa, zarpamos de Canhambaque para um fim de dia à descoberta do litoral no fundo vasto e inabitado de Orangozinho. Na manhã seguinte, navegamos rio Canecapane acima, em busca da grande tabanca da ilha, Uite.
Elalab, Guiné Bissau

Uma Tabanca na Guiné dos Meandros sem Fim

São incontáveis os afluentes e canais que, a norte do grande rio Cacheu, serpenteiam entre manguezais e encharcam terras firmes. Contra todas as dificuldades, gentes felupes lá se instalaram e mantêm povoações prolíficas que envolveram de arrozais. Elalab, uma delas, tornou-se uma das tabancas mais naturais e exuberantes da Guiné Bissau.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Uma espécie de portal
Cidades
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Cultura
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Vulto na Praia do Curral, Ilhabela, Brasil
Ilhas
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Natureza
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Rede em Palmeiras, Praia de Uricao-Mar das caraibas, Venezuela
Parques Naturais
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Albreda, Gâmbia, Fila
Património Mundial UNESCO
Barra a Kunta Kinteh, Gâmbia

Viagem às Origens do Tráfico Transatlântico de Escravos

Uma das principais artérias comerciais da África Ocidental, a meio do século XV, o rio Gâmbia era já navegado pelos exploradores portugueses. Até ao XIX, fluiu pelas suas águas e margens, boa parte da escravatura perpetrada pelas potências coloniais do Velho Mundo.
Mascarado de Zorro em exibição num jantar da Pousada Hacienda del Hidalgo, El Fuerte, Sinaloa, México
Personagens
El Fuerte, Sinaloa, México

O Berço de Zorro

El Fuerte é uma cidade colonial do estado mexicano de Sinaloa. Na sua história, estará registado o nascimento de Don Diego de La Vega, diz-se que numa mansão da povoação. Na sua luta contra as injustiças do jugo espanhol, Don Diego transformava-se num mascarado esquivo. Em El Fuerte, o lendário “El Zorro” terá sempre lugar.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Sociedade
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.