Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar


Coqueiral no Sopé da Serra do Mar
Vista Arejada
Trilho Gracioso
Plataforma de Vendas
Lanchonette Rocha Pombo
Pescaria Anfíbia
Mesa de Barreado
Caldeirão
Bóiadação
Ponte Desactivada
Pescaria Elevada
Manobras
Passeio Diminuto
Artesanato de Carmen Maria
Banana no Barreado
Vista Imperdível
Bóiadação II
Igreja de Morretes
Nhundiaquara Pedregoso
Bromélia Viçosa
Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.

Aos 935 metros de altitude, mesmo em pleno Verão do Hemisfério Sul, voltamos a despertar numa Curitiba nublada e fresca.

É com esse clima que chegamos à estação de partida. Se em termos históricos, o comboio ficou conhecido como Serra do Mar, a empresa que o explora denominou-o Trem Serra Verde, de acordo com o tom predominante da viagem.

Quando a locomotiva retrocede em direcção à segunda carruagem, percebemos o quanto ambas destoavam.

Uns poucos funcionários ferroviários acoplam a máquina ao vagão, decorado com uma pintura promocional da bebida mais famosa do Mundo. São ambas vermelhas.

A terceira revela-se azul. As seguintes, por fim, têm o tom clorofilino em que, entretanto, nos embrenharíamos.

Termina o embarque. Uma anfitriã munida de microfone inaugura uma apresentação e locução que se prolongaria percurso fora. A locomotiva puxa pela composição.

Em pouco tempo, deixamos os arredores meio rurais, algo incaracterísticos da capital paranaense. Noutro tanto, entramos em desfiladeiros apertados, conquistados pela engenharia a encostas, mas que a vegetação abundante reclamou e dissimulou.

Um matagal de que se destacam grandes fetos e até bromélias roça as carruagens.

Serra do Mar Abaixo, na Direcção do Atlântico do Sul

O trem inicia a sua descida abrupta. Enfia-se numa névoa baixa com densidade intermitente, leva-nos por um desfiladeiro vertiginoso e ao cerne silvestre da Serra do Mar.

Como a víamos, forrada de vegetação tropical, sulcada por umas poucas cascatas e até lagoas que a sarapintavam de branco, aquela serrania era uma ínfima secção.

Um trecho do todo montanhoso e vegetal que se estendia há quase 1500km, com início no longínquo estado do Rio de Janeiro e passagem pelos de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O zénite paranaense da Serra do Mar, de quase 1878m, ficava algures por ali. Dificilmente a neblina o iria revelar, muito menos o túnel em que nos metemos, escavado numa rocha tingida por líquenes e musgo.

Era o primeiro de uma sequência de catorze e trinta pontes e viadutos essenciais ao fluxo das composições nos 110km do caminho-de-ferro original e integral.

Devido ao seu arrojo, um viaduto em particular, o do Presidente Carvalho (presidente do estado do Paraná durante a construção), acrescentado acima de um precipício e que dá para outro túnel inesperado, tornou-se a imagem de marca do comboio.

Em breve, por lá passamos, abismados pela vastidão do vale à direita, intrigados quanto ao que nos reservava o lado de lá da escuridão.

Mesmo se não tão vertiginosa, o que encontramos é mais Serra do Mar, íngreme, caprichosa, em que o comboio homónimo serpenteava apontado ao Atlântico.

Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejadaA intervalos, a composição abrandava, quase se imobilizava.

Cordilheira Marumbi. Uma Secção da Imensa Serra do Mar

Deteve-se por completo na base do Pico e cordilheira Marumbi. Ali, vemos desembarcar um grupo de caminheiros carregados com mochilas.

Iam inaugurar uma caminhada exigente ao cimo da serrania, feito de sete picos rochosos, mas repletos de vegetação: o Boa Vista, o Gigante, o Ponta do Tigre, o Esfinge, a Torre dos Sinos, o Abrolhos e o Facãozinho.

Nós, e os restantes passageiros, aproximávamo-nos das quatro horas de trajecto e da estação final de Morretes.

Estas quatro horas que passámos em modo recreativo e panorâmico são resultado de uma empreitada ambiciosa e esforçada que se arrastou por cinco anos.

Antes do Trem do Serra do Mar, a Sinuosa Estrada da Graciosa

Em função da reportagem que realizámos na região, chegamos a percorrer a Estrada da Graciosa, concluída em 1873 (12 anos antes do Trem Serra do Mar) e que, nesse tempo, foi a única ligação entre o Planalto Paranaense a Morretes e à beira-mar.

Tão histórica como elegante, a estrada mantem boa parte do calçadão original, sobreposto aos trilhos antes usados pelos indígenas e aos caminhos alargados pelos tropeiros que conduziam gado do interior elevado para o litoral.

Nessa dúzia de anos, a Estrada da Graciosa ajudou os fazendeiros e criadores de gado a transportarem as suas mercancias até Paranaguá.

Revelou-se, todavia, demasiado íngreme, sinuosa e complicada para as despachar em grande quantidade e de forma rápida.

Como tal, uma série de personalidades influentes e com interesses comerciais do recém-independentizado Brasil requereram concessões imperiais para construírem um caminho-de-ferro complementar.

Por dificuldades financeiras e operacionais, as duas primeiras tentativas falharam.

O Projecto Megalómano da Ferrovia Serra do Mar

A terceira, partiu de uma empresa francesa, a Compagnie Generalle des Chemins de Fer Bresiliens, liderada no Brasil pelo italiano Antonio Ferrucci que tinha como principal credencial a sua participação no projecto do Canal do Suez.

Esta empresa, por fim, conseguiu a necessária concessão imperial.

Em 1880, com a presença do Imperador Dom Pedro II, inaugurou as obras, executados por cerca de 9000 mil trabalhadores livres.

Apesar de, por essa altura, a escravatura perdurar no Brasil.

As obras depressa se provaram desafiantes. Como veio a concluir António Ferrucci, demasiado arriscadas. Davam-se desabamentos sobre as estruturas erguidas.

O mais notório terá sido o do trecho do Rochedinho, substituído pelo tal arrojado e emblemático Viaduto Presidente Carvalho.

Descontente com este e outros revezes, em 1882, António Ferrucci acabou por abandonar o projecto. Ocupou o seu lugar João Teixeira Soares, um engenheiro ferroviário brasileiro, sócio da Compagnie Generalle des Chemins de Fer Bresiliens.

Sob a sua liderança, o caminho de ferro integral foi inaugurado em 1885, com a devida pompa e circunstância.

E, para estragar a festa, protestos dos carroceiros e trabalhadores que, até então, asseguravam o transporte de carga sobre carroças pela Estrada da Graciosa.

Enfim, Terras planas e a Estação Terminal de Morretes

A composição faz-se a terras aplanadas entre a Serra do Mar e o Atlântico do Sul.

Abranda.

Detém-se na estação de Morretes, já a meros oito metros de altitude. Desembarcados, percebemos o provável sentido do nome.

A povoação tem vista privilegiada para a cordilheira Marumbi e essa vista dos montes terá sido popularizada como Morretes.

O título da cidade foi, não obstante alvo de disputa, ora sendo considerada Nhundiaquara (peixe + buraco) – o termo tupi-guarani que define o rio local – ora passando a Morretes.

Morretes prevaleceu como o baptismo do povoado fundado por mineradores paulistas que se estabeleceram, no seculo XVII, em busca de ouro. Seguiram-nos outros colonos e famílias.

E, logo, a Igreja que lá ergueu um seu templo, por estes dias, alvo, com molduras azuis condizentes com o céu de que se destacam os sete morros na distância.

Em Morretes, desvendamos o casario secular pitoresco, alinhado com a margem do rio.

Barreado, sabor de Morretes, com Origem nos Açores

Instalamo-nos no mais famoso restaurante, refrescados pelo caudal escuro, de que temos vista por entre arcadas de um dos vários casarões coloniais da povoação.

Lá nos deliciamos com o prato típico da agora cidade, o barreado, diminutivo de carne barreada, da forma como era lentamente cozinhada em panelas resistentes, de barro que aguentam cozeduras de vinte horas ou mais.

Como seria de esperar, à imagem da feijoada brasileira em geral, também o barreado tem a sua génese em Portugal.

Levaram-no para o sul do Brasil, durante o século XVIII, emigrantes açorianos que se diz terem começado a disseminar aquela forma única de cozinhar a carne de vaca, acompanhada de arroz, farinha de mandioca, banana, com o sabor enriquecido por tudo o mais que integra a receita.

O Barreado provou-se, sempre, uma refeição pesada, mas revigorante.

Os tropeiros habituaram-se a pedi-lo, à chegada das suas jornadas das terras altas do Paraná.

À era do Tropeirismo, Morretes mantinha-se prolífica, repleta de comércios que serviam as gentes do litoral e as que, como os Tropeiros, chegavam do Planalto Paranaense.

Reforçou a sua riqueza o facto de empresários radicados em volta do porto de Paranaguá lá terem instalado engenhos de beneficiamento da cada vez mais procurada erva-mate, estruturas de moagem que separavam os ramos e o pó das valiosas folhas da planta.

Ora, por mais irónico que possa soar, a chegada do Trem da Serra do Mar a Morretes acabou com este processo lucrativo e com o protagonismo da vila.

Uma ponte ferroviária sobre o rio Nhundiaquara subsiste como testemunho férreo desse declínio.

Hoje, a Morretes, cabe sobretudo a fama e o proveito turístico. Paranaguá, a sua baía ampla e o porto ficaram com tudo o mais. Paranaguá é, todavia, toda uma outra história.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Ilha do Mel, Paraná, Brasil

O Paraná Adocicado da Ilha do Mel

Situada à entrada da vasta Baía de Paranaguá, a ilha do Mel é louvada pela sua reserva natural e pelas melhores praias do estado brasileiro do Paraná. Numa delas, uma fortaleza mandada erguer por D. José I resiste ao tempo e às marés.
Parque Vila Velha a Castro, Paraná

Na Rota do Tropeirismo do Paraná

Entre Ponta Grossa e Castro, viajamos nos Campos Gerais do Paraná e ao longo da sua história. Pelo passado dos colonos e tropeiros que colocaram a região no mapa. Até ao dos imigrantes neerlandeses que, em tempos mais recentes e, entre tantos outros, enriqueceram o sortido étnico deste estado brasileiro.
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Sol e coqueiros, São Nicolau, Cabo Verde
Cultura
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Em Viagem
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Étnico
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
História
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha
Ilhas
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Vulcão Teide, Tenerife, Canárias, Espanha
Natureza
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Parques Naturais
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Uxmal, Iucatão, capital Maia, a Pirâmide do Adivinho
Património Mundial UNESCO
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
igreja, nossa senhora, virgem, guadalupe, mexico
Religião
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.