Ilha do Mel, Paraná, Brasil

O Paraná Adocicado da Ilha do Mel


A Caminho II
A Caminho
Surfista Bem-Disposto
Longer Board
Nadadores-Salvadores
Praia do Farol
Portal do Surf
Limpa-Garrafas II
Linhas de Maré-vazia
“Ti Amo Vanessa”
Conversa de Orelhão
Passeio na Fortaleza
Pesca Crepuscular
Pesca Crepuscular II
Limpa-Garrafas
Fortaleza Nª Srª dos Prazeres
O Morro do Farol
Espreitadela
Bici-Surf Anfíbio
Frota de Ensenadas
Situada à entrada da vasta Baía de Paranaguá, a ilha do Mel é louvada pela sua reserva natural e pelas melhores praias do estado brasileiro do Paraná. Numa delas, uma fortaleza mandada erguer por D. José I resiste ao tempo e às marés.

O Paraná é o Paraná, austral, no Brasil, sem ser o derradeiro estado.

Subtropical e exposto às frequentes ascensões e invasões das frentes frias do Atlântico Sul. Estas frentes frias e as suas chuvadas já nos tinham feito esperar em Foz de Iguaçu.

Nos últimos dias de Verão do hemisfério sul, quando decidimos passar pela Ilha do Mel, que não tem sequer uma época seca digna desse nome, a meteorologia paranaense volta a castigar-nos.

Ao embarcarmos, em Pontal do Sul, sobre as seis e meia da tarde, já chovia. Durante toda a navegação, a bátega só se intensificou.

Não existem ruas nem estradas na Ilha do Mel, apenas floresta, areal e trilhos estreitos.

Ilha do Mel e a sua Abundante Chuva

O crescendo da pluviosidade dificultou a vida ao rapaz do carrinho-de-mão que, Clemente, desde há alguns dias nosso guia, incumbiu de transportar a bagagem, areal acima, para a pousada que nos iria acolher, a Zorro.

Instalamo-nos em três tempos. Clemente confessa-nos a sua satisfação por regressar a um dos seus lugares preferidos do Paraná. Como se fosse necessário comprová-lo, desafia-nos para um mergulho. Já anoitecia, mas não tínhamos como recusar.

Num ápice, voltamos à chuva. Corremos por trilhos que Clemente conhecia de trás para a frente e que mais pareciam riachos.

Pouco depois, chegamos ao lado Atlântico da Ilha do Mel e à Praia da Gruta.

Sem conseguirmos perceber bem se o mar estava de confiança, limitamo-nos a atirar-nos sobre os derradeiros momentos das ondas e a nelas chapinharmos.

Uma e outra vez, várias mais, num estranho ritual balnear que teve tanto de salgado como de revigorante.

Ilha do Mel, Paraná, Brasil, caranguejoRegressamos à pousada. Jantamos.

Adormecemos na expectativa de que o amanhecer nos trouxesse o sol de volta.

Nem o amanhecer. Nem a tarde, nem a noite. Choveu quase todo o dia.

Às seis da tarde, parou de chover. O céu continuou cinzento chumbo. Passamos para o novo dia sob nova intempérie.

E para outro, quase todo, uma vez mais, chuvoso.

Depois da Tempestade, a Bonança

O terceiro-dia, um Domingo, amanheceu com o céu a abrir aos poucos.

Por fim, a Ilha do Mel concedeu-nos uma aberta que durou boa parte da tarde.

Assim que a percebemos, saímos equipados e disparados.

Com o sol retornado, a ilha resplandecia de vida.

Na Praia das Encantadas em que estávamos alojados, no sopé de uma encosta coberta de floresta, a frota local de barcos de pesca e de transporte exibia as várias cores

As do “Valentin”, as do “Lua Cheia”, as do “Cristalina”, entre outros.

Asas-deltas e parapentes sulcavam o céu já azulão.´

Surf, Bodyboard, Asa-delta e Natureza sem Fim

As praias viradas a leste, expostas ao Atlântico, voltam a atrair os banhistas e desportistas habituais, quase todos em forma e determinados a mantê-la.

Bodyboarders rolavam dentro de esboços de tubos.

Surfistas disputavam com eles as ondas, a essa hora sofríveis.

Um jovem pai, de cabeleira encaracolada farta, diverte uma criança enquanto tenta vestir o que falta de um fato de neoprene.

No lado esquerdo do torso, logo abaixo do coração, exibe um “Vanessa Te Amo” tatuado.

Aos poucos, inteiramo-nos do quanto a Ilha do Mel e os seus moradores vivem em função do mar e dos desportos marinhos, com óbvio destaque para o surf.

São várias as pousadas e hostels dedicadas a surfistas. Portais coroados por velhas pranchas identificam as praias com as melhores ondas.

A Praia do Farol e todas as Outras em Volta da Ilha do Mel

Com a maré a vazar, o areal vasto da Praia do Farol, recebe sucessivas vagas em processo de alisamento.

Às tantas, já só são meras linhas que a luz lateral distorce e duplica.

Assim as vemos do cimo do morro oposto ao do Farol das Conchas, no meio de uma colónia de limpa-garrafas exuberantes.

Por mais baixas que se revelem, são vagas do Atlântico do Sul.

Ali, como nos outros litorais virados a leste, a imprevisibilidade do mar obriga à presença de nadadores-salvadores, integrantes do Corpo de Bombeiros, dotados de grandes pranchas amarelas e laranjas, a mesma cor dos uniformes.

Da Praia do Farol, regressamos ao interior florestado do parque estadual, em busca de Clemente e de outras paragens. Malgrado o sol abrasador, boa parte dos trilhos que o sulcam continuam por drenar.

Forçam-nos a novas e deliciosas caminhadas anfíbias.

Recuperamos Clemente na pousada. Consciente da nossa origem “patrícia”, o guia propõe-nos um programa irrecusável. “Tem uma fortaleza colonial cá na ilha, ainda do tempo que vocês eram donos e senhores. Devíamos lá ir.”

Claro que devíamos. Nuns poucos minutos, já para lá nos dirigíamos. Clemente alertou-nos que, com o sol que estava, fazermos o trajecto todo a pé, ia ser duro.

Sujeitamo-nos ao seu julgamento.

A Caminho da Fortaleza Nª Srª dos Prazeres, de Volta ao Século XVIII

Metemo-nos num barco em Encantadas que nos leva até ao molhe de Brasília, ao istmo que une as duas secções principais da Ilha do Mel e à entrada da longa Praia da Fortaleza.

Do istmo, percorremos quatro quilómetros quase rectos para norte.

A fortaleza surge, por fim, ajustada a um ziguezague do litoral e ao nível do mar.

De tal maneira térrea que, com a maré a subir, o oceano a cerca de todos os lados, excepto o interior, integrado no sopé florestado.

Inusitada, de tão baixa e exposta que está, a Fortaleza de Nª Srª dos Prazeres foi mandada erguer, em 1767, por D. José I.

Por essa altura, a Baía de Paranaguá tinha-se já tornado importante para Portugal, livre do jugo de Castela, desde 1640, mas não da obsessão da Coroa Espanhola em se apoderar dos domínios lusos que foram politicamente seus durante o período da União Ibérica.

Paranaguá, em específico a ilha de Cotinga, é considerado o lugar inaugural da povoação portuguesa do estado do Paraná.

Em 1550, lá desembarcaram os primeiros colonos, convencidos de que, em redor, encontrariam ouro, e que o conseguiriam extrair apesar da prevalência na zona dos indígenas Carijós.

Os Carijós colaboraram.

A boa relação com os portugueses permitiu que os povoamentos colonos se alastrassem, movidos pelo achamento do metal precioso em diversos rios, alguns, baptizados com os apelidos das famílias que primeiro chegavam, o dos Almeidas, o dos Correias a par de outros que preservaram os baptismos indígenas, por exemplo, o Guaraguaçu.

A cidade de Paranaguá foi fundada um século depois, em 1649, financiada pelos proveitos crescentes do ouro. Sulcavam o Atlântico do Sul ao largo, navios espanhóis, piratas e, entretanto, até mesmo franceses, holandeses e britânicos.

A Rivalidade colonial no Sul do Brasil e a Fortificação da Ilha do Mel e de Paranaguá

Alertado da vulnerabilidade de Paranaguá, D. José ordenou que a Ilha do Mel fosse guarnecida de forte e respectivos canhões, os dos baluartes e os colocados acima, sobre o Morro da Baleia.

Assegurou, assim, a protecção da entrada mais a norte para a baía, a mais distante das ilhas de Cotinga e, como tal, mais vulnerável.

Há muito desprovida dos seus propósitos bélicos, hoje, as autoridades que gerem o património colonial da ilha têm que lidar com a ameaça dupla do oceano e da mata atlântica, ambos sempre na iminência de invadirem a estrutura.

Damos a volta às muralhas.

Entramos, percorremos os adarves e espreitamos os edifícios complementares, em tempos paiol, casamatas e afins, todos alvos, cobertos de telhas de barro cozidas, bem portuguesas.

Clemente queixa-se de que a longa marcha pela praia o tinha deixado de rastos.

De acordo, recorremos ao serviço de um barqueiro, bem antes do molhe de Nova Brasília. De novo embarcados, retornamos à Praia de Encantadas sem sequer nos determos no istmo.

Clemente entrega-se a uma sesta terapêutica. Nós, detectamos uma placa multicolor e artística que anuncia “Temos Açaí”.

Apreciadores incorrigíveis do fruto e petiscos derivados, além disso esfomeados, mandamos vir duas tigelas bem frias e cremosas.

Primeiro, essas duas. Logo, sem termos como resistir, duas mais, uma gula em que, sempre que envolve açaí, nos metemos sem remorsos.

Em ambas as taças, os montes grenás do açaí gelado vinham cobertos de granola e, claro está, de mel. Enquanto os devoramos, assalta-nos a mente qual seria a explicação para a ilha se chamar do Mel.

Ilha do Mel e a sua Toponímia Misteriosa

Ao fim do dia, Clemente confessa-nos que “não faz nem ideia!”. Quando investigamos, apuramos um sortido de possíveis explicações.

Há a extração do mel silvestre e do açúcar da cana endémica, levada a cabo pelos índios Carijós e pelos colonos pelo menos até 1950, quando o açúcar industrializado não chegava à ilha.

Coexiste a teoria de uma família alemã (a de um tal de Almirante Mehl; em alemão, “mehl” significa farinha) detentora de um engenho de farinha de mandioca, que se dedicou, em simultâneo, à apicultura e inspirou vários marinheiros aposentados a lá fazerem o mesmo.

Outra possibilidade, reside no facto de água doce da ilha conter mercúrio que, ao misturar-se com a salgada, disseminava no mar, uma coloração amarelada.

A toponímia da Ilha do Mel prima pela inexactidão. De acordo com a meteorologia que a mantém luxuriante.

Mesmo nesses dias preciosos de bonança, só não sabíamos ao certo quanto faltava para a chuva tornar.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
khinalik, Azerbaijão aldeia Cáucaso, Khinalig
Cultura
Khinalig, Azerbaijão

A Aldeia no Cimo do Azerbaijão

Instalado aos 2300 metros rugosos e gélidos do Grande Cáucaso, o povo Khinalig é apenas uma de várias minorias da região. Manteve-se isolado durante milénios. Até que, em 2006, uma estrada o tornou acessível aos velhos Ladas soviéticos.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Em Viagem
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Verão Escarlate
História

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, casario soterrado
Ilhas
Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas

Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Natureza
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Carrinha no Jossingfjord, Magma Geopark, Noruega
Parques Naturais
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Património Mundial UNESCO
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Religião
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Sociedade
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT