Ilha do Mel, Paraná, Brasil

O Paraná Adocicado da Ilha do Mel


A Caminho II
A Caminho
Surfista Bem-Disposto
Longer Board
Nadadores-Salvadores
Praia do Farol
Portal do Surf
Limpa-Garrafas II
Linhas de Maré-vazia
“Ti Amo Vanessa”
Conversa de Orelhão
Passeio na Fortaleza
Pesca Crepuscular
Pesca Crepuscular II
Limpa-Garrafas
Fortaleza Nª Srª dos Prazeres
O Morro do Farol
Espreitadela
Bici-Surf Anfíbio
Frota de Ensenadas
Situada à entrada da vasta Baía de Paranaguá, a ilha do Mel é louvada pela sua reserva natural e pelas melhores praias do estado brasileiro do Paraná. Numa delas, uma fortaleza mandada erguer por D. José I resiste ao tempo e às marés.

O Paraná é o Paraná, austral, no Brasil, sem ser o derradeiro estado.

Subtropical e exposto às frequentes ascensões e invasões das frentes frias do Atlântico Sul. Estas frentes frias e as suas chuvadas já nos tinham feito esperar em Foz de Iguaçu.

Nos últimos dias de Verão do hemisfério sul, quando decidimos passar pela Ilha do Mel, que não tem sequer uma época seca digna desse nome, a meteorologia paranaense volta a castigar-nos.

Ao embarcarmos, em Pontal do Sul, sobre as seis e meia da tarde, já chovia. Durante toda a navegação, a bátega só se intensificou.

Não existem ruas nem estradas na Ilha do Mel, apenas floresta, areal e trilhos estreitos.

Ilha do Mel e a sua Abundante Chuva

O crescendo da pluviosidade dificultou a vida ao rapaz do carrinho-de-mão que, Clemente, desde há alguns dias nosso guia, incumbiu de transportar a bagagem, areal acima, para a pousada que nos iria acolher, a Zorro.

Instalamo-nos em três tempos. Clemente confessa-nos a sua satisfação por regressar a um dos seus lugares preferidos do Paraná. Como se fosse necessário comprová-lo, desafia-nos para um mergulho. Já anoitecia, mas não tínhamos como recusar.

Num ápice, voltamos à chuva. Corremos por trilhos que Clemente conhecia de trás para a frente e que mais pareciam riachos.

Pouco depois, chegamos ao lado Atlântico da Ilha do Mel e à Praia da Gruta.

Sem conseguirmos perceber bem se o mar estava de confiança, limitamo-nos a atirar-nos sobre os derradeiros momentos das ondas e a nelas chapinharmos.

Uma e outra vez, várias mais, num estranho ritual balnear que teve tanto de salgado como de revigorante.

Regressamos à pousada. Jantamos.

Adormecemos na expectativa de que o amanhecer nos trouxesse o sol de volta.

Nem o amanhecer. Nem a tarde, nem a noite. Choveu quase todo o dia.

Às seis da tarde, parou de chover. O céu continuou cinzento chumbo. Passamos para o novo dia sob nova intempérie.

E para outro, quase todo, uma vez mais, chuvoso.

Depois da Tempestade, a Bonança

O terceiro-dia, um Domingo, amanheceu com o céu a abrir aos poucos.

Por fim, a Ilha do Mel concedeu-nos uma aberta que durou boa parte da tarde.

Assim que a percebemos, saímos equipados e disparados.

Com o sol retornado, a ilha resplandecia de vida.

Na Praia das Encantadas em que estávamos alojados, no sopé de uma encosta coberta de floresta, a frota local de barcos de pesca e de transporte exibia as várias cores

As do “Valentin”, as do “Lua Cheia”, as do “Cristalina”, entre outros.

Asas-deltas e parapentes sulcavam o céu já azulão.´

Surf, Bodyboard, Asa-delta e Natureza sem Fim

As praias viradas a leste, expostas ao Atlântico, voltam a atrair os banhistas e desportistas habituais, quase todos em forma e determinados a mantê-la.

Bodyboarders rolavam dentro de esboços de tubos.

Surfistas disputavam com eles as ondas, a essa hora sofríveis.

Um jovem pai, de cabeleira encaracolada farta, diverte uma criança enquanto tenta vestir o que falta de um fato de neoprene.

No lado esquerdo do torso, logo abaixo do coração, exibe um “Vanessa Te Amo” tatuado.

Aos poucos, inteiramo-nos do quanto a Ilha do Mel e os seus moradores vivem em função do mar e dos desportos marinhos, com óbvio destaque para o surf.

São várias as pousadas e hostels dedicadas a surfistas. Portais coroados por velhas pranchas identificam as praias com as melhores ondas.

A Praia do Farol e todas as Outras em Volta da Ilha do Mel

Com a maré a vazar, o areal vasto da Praia do Farol, recebe sucessivas vagas em processo de alisamento.

Às tantas, já só são meras linhas que a luz lateral distorce e duplica.

Assim as vemos do cimo do morro oposto ao do Farol das Conchas, no meio de uma colónia de limpa-garrafas exuberantes.

Por mais baixas que se revelem, são vagas do Atlântico do Sul.

Ali, como nos outros litorais virados a leste, a imprevisibilidade do mar obriga à presença de nadadores-salvadores, integrantes do Corpo de Bombeiros, dotados de grandes pranchas amarelas e laranjas, a mesma cor dos uniformes.

Da Praia do Farol, regressamos ao interior florestado do parque estadual, em busca de Clemente e de outras paragens. Malgrado o sol abrasador, boa parte dos trilhos que o sulcam continuam por drenar.

Forçam-nos a novas e deliciosas caminhadas anfíbias.

Recuperamos Clemente na pousada. Consciente da nossa origem “patrícia”, o guia propõe-nos um programa irrecusável. “Tem uma fortaleza colonial cá na ilha, ainda do tempo que vocês eram donos e senhores. Devíamos lá ir.”

Claro que devíamos. Nuns poucos minutos, já para lá nos dirigíamos. Clemente alertou-nos que, com o sol que estava, fazermos o trajecto todo a pé, ia ser duro.

Sujeitamo-nos ao seu julgamento.

A Caminho da Fortaleza Nª Srª dos Prazeres, de Volta ao Século XVIII

Metemo-nos num barco em Encantadas que nos leva até ao molhe de Brasília, ao istmo que une as duas secções principais da Ilha do Mel e à entrada da longa Praia da Fortaleza.

Do istmo, percorremos quatro quilómetros quase rectos para norte.

A fortaleza surge, por fim, ajustada a um ziguezague do litoral e ao nível do mar.

De tal maneira térrea que, com a maré a subir, o oceano a cerca de todos os lados, excepto o interior, integrado no sopé florestado.

Inusitada, de tão baixa e exposta que está, a Fortaleza de Nª Srª dos Prazeres foi mandada erguer, em 1767, por D. José I.

Por essa altura, a Baía de Paranaguá tinha-se já tornado importante para Portugal, livre do jugo de Castela, desde 1640, mas não da obsessão da Coroa Espanhola em se apoderar dos domínios lusos que foram politicamente seus durante o período da União Ibérica.

Paranaguá, em específico a ilha de Cotinga, é considerado o lugar inaugural da povoação portuguesa do estado do Paraná.

Em 1550, lá desembarcaram os primeiros colonos, convencidos de que, em redor, encontrariam ouro, e que o conseguiriam extrair apesar da prevalência na zona dos indígenas Carijós.

Os Carijós colaboraram.

A boa relação com os portugueses permitiu que os povoamentos colonos se alastrassem, movidos pelo achamento do metal precioso em diversos rios, alguns, baptizados com os apelidos das famílias que primeiro chegavam, o dos Almeidas, o dos Correias a par de outros que preservaram os baptismos indígenas, por exemplo, o Guaraguaçu.

A cidade de Paranaguá foi fundada um século depois, em 1649, financiada pelos proveitos crescentes do ouro. Sulcavam o Atlântico do Sul ao largo, navios espanhóis, piratas e, entretanto, até mesmo franceses, holandeses e britânicos.

A Rivalidade colonial no Sul do Brasil e a Fortificação da Ilha do Mel e de Paranaguá

Alertado da vulnerabilidade de Paranaguá, D. José ordenou que a Ilha do Mel fosse guarnecida de forte e respectivos canhões, os dos baluartes e os colocados acima, sobre o Morro da Baleia.

Assegurou, assim, a protecção da entrada mais a norte para a baía, a mais distante das ilhas de Cotinga e, como tal, mais vulnerável.

Há muito desprovida dos seus propósitos bélicos, hoje, as autoridades que gerem o património colonial da ilha têm que lidar com a ameaça dupla do oceano e da mata atlântica, ambos sempre na iminência de invadirem a estrutura.

Damos a volta às muralhas.

Entramos, percorremos os adarves e espreitamos os edifícios complementares, em tempos paiol, casamatas e afins, todos alvos, cobertos de telhas de barro cozidas, bem portuguesas.

Clemente queixa-se de que a longa marcha pela praia o tinha deixado de rastos.

De acordo, recorremos ao serviço de um barqueiro, bem antes do molhe de Nova Brasília. De novo embarcados, retornamos à Praia de Encantadas sem sequer nos determos no istmo.

Clemente entrega-se a uma sesta terapêutica. Nós, detectamos uma placa multicolor e artística que anuncia “Temos Açaí”.

Apreciadores incorrigíveis do fruto e petiscos derivados, além disso esfomeados, mandamos vir duas tigelas bem frias e cremosas.

Primeiro, essas duas. Logo, sem termos como resistir, duas mais, uma gula em que, sempre que envolve açaí, nos metemos sem remorsos.

Em ambas as taças, os montes grenás do açaí gelado vinham cobertos de granola e, claro está, de mel. Enquanto os devoramos, assalta-nos a mente qual seria a explicação para a ilha se chamar do Mel.

Ilha do Mel e a sua Toponímia Misteriosa

Ao fim do dia, Clemente confessa-nos que “não faz nem ideia!”. Quando investigamos, apuramos um sortido de possíveis explicações.

Há a extração do mel silvestre e do açúcar da cana endémica, levada a cabo pelos índios Carijós e pelos colonos pelo menos até 1950, quando o açúcar industrializado não chegava à ilha.

Coexiste a teoria de uma família alemã (a de um tal de Almirante Mehl; em alemão, “mehl” significa farinha) detentora de um engenho de farinha de mandioca, que se dedicou, em simultâneo, à apicultura e inspirou vários marinheiros aposentados a lá fazerem o mesmo.

Outra possibilidade, reside no facto de água doce da ilha conter mercúrio que, ao misturar-se com a salgada, disseminava no mar, uma coloração amarelada.

A toponímia da Ilha do Mel prima pela inexactidão. De acordo com a meteorologia que a mantém luxuriante.

Mesmo nesses dias preciosos de bonança, só não sabíamos ao certo quanto faltava para a chuva tornar.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Cidades
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Sombra de sucesso
Cultura
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Em Viagem
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
História
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Ilhas
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Natureza
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
Parques Naturais
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde, Baía do Tarrafal
Praias
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta

A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.
Peregrinos no cimo, Monte Sinai, Egipto
Religião
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Sociedade
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT