Streymoy, Ilhas Faroé

Streymoy Acima, ao Sabor da Ilha das Correntes


Rochedos de Eysturoy
Feitiço do Gigante e da Bruxa
O Gigante e a Bruxa
Névoa Faroesa
streymoy-ilhas-faroe-estrada
Fiorde Sundini
Haldarsvik
A Escadaria do Memorial
A Igreja Octogonal
Memorial Falecidos no Mar
Lago dos Cisnes
A Enseada de Tjornuvik
Casario Encerrado de Tjornuvik
Equilíbrio ovino
Caminho para Tjornuvik
Viveiros
Deixamos a capital Torshavn rumo a norte. Cruzamos de Vestmanna para a costa leste de Streymoy. Até chegarmos ao extremo setentrional de Tjornuvík, deslumbramo-nos vezes sem conta com a excentricidade verdejante da maior ilha faroesa.

Sucessivas ladeiras conduzem-nos da enseada abrigada pela vertente em que se situa a capital Torshavn até às terras altas entre os fiordes de Vagá e de Kaldbak.

Enquanto ascende, a estrada Oyggjarvegur sulca um prado imenso que o vento agita, a que o sol lateral reforça o verde. Três ou quatro picos afiados destacam-se acima de uma linha de cristas sombrias.

Submissos à frente de nuvens escuras que os sobrevoam a grande velocidade.

 

 

A Oyggjarvegur faz-nos mergulhar na penumbra. Uns poucos quilómetros para diante, voltamos a avistar Kaldbak, o seu fundo sinuoso, estendido até à entrada longínqua do fiorde.

De uma rara imponência geológica, o panorama a partir da meia-encosta da montanha de Sornfelli (749m) prova-se de arrepiar.

O Vale de Mjorkaladur e a Prisão de Todos os Sonhos

Mais que pela posição estratégica acima dos dois fiordes que pelos cenários, a Dinamarca instalou, ali, um edifício militar complementado com estação de radar também ao serviço da NATO. Com o tempo, a estrutura perdeu relevância. Em 2010, as chaves foram entregues à edilidade da capital faroesa.

Por essa altura, Torshavn abrigava o único estabelecimento prisional do arquipélago. As autoridades perceberam, todavia, que ganhava bolor em excesso. Apreensivos com a saúde dos detidos, resolveram desactivá-la. Em vez, passarem a usar o edifício vago do ex-ISCOMFAROES.

Com o tempo, os faroeses e até forasteiros de visita, aperceberam-se da localização privilegiada em que os reclusos cumpriam as penas. O estabelecimento conquistou a fama de prisão com melhor vista à face da Terra.

Encostamos ao lado. Mesmo sem conhecermos boa parte do planeta azul, inclinamo-nos a concordar. Compreendemos o quão especial era a tal pildra inesperada de Sornfelli, mais conhecida por Mjorkaladur, termo traduzível por Vale do Nevoeiro.

Não vemos uma única vedação, nem torres de vigia ou arame farpado. De acordo com a tradição histórica e arquitectónica das ilhas Faroé, os telhados são feitos de turfa, cobertos por uma relva ensopada pela humidade que lhes dá um visual de “Jardim das Delícias” hobbitiano.

O Lago dos Cisnes Territoriais de Mjáuvotn

Assim que conseguimos, libertamo-nos do deslumbre do lugar e prosseguimos. Entroncamos noutra estrada principal, a Frammi í Dal. Percorremo-la, em modo contemplativo quando uns bons metros abaixo do plano do asfalto, vislumbramos dois lagos próximos.

Salpicavam o primeiro vários cisnes brancos que a ondulação embalava ao sabor do vento. Aproximamo-nos da margem do Mjáuvotn. Os cisnes vêm investigar o que dali queremos.

Sabedores de como são aves territoriais e agressivas, ao primeiro esboço de investida, despachamos umas derradeiras fotos e batemos em retirada.

Num ápice, chegamos à beira do lago vizinho e bastante maior, o Leyna, cuja água alimenta o corpo do Mjáuvotn.

Passamos por Kvivik. Desta povoação, continuamos a ziguezaguear para norte, às tantas, já pela via Landsvegur Stykkid.

Tínhamos como primeiro objectivo do dia, Vestmanna, localidade e região famosa pelos seus penhascos abruptos e pelas colónias, de tempos a tempos, populosas de papagaios-do-mar que os habitam.

Os Penhascos de Vestmanna e os seus Papagaios-do-Mar Ausentes

Segue-se nova descida abrupta e sinuosa para outra das baías profundas de Streymoy. Damos entrada nas instalações da agência encarregada do tour, entusiasmados pela incursão que se seguia.

Ao caminharmos para o ponto de embarque, no entanto, uma piadola lançada por um dos passageiros do tour recém-chegado, deixa-nos de pé atrás: “preparem-se que vão ver imensos! “grita o homem de sorriso amarelo nos lábios. “Uns dez mil. Ou mais!” acrescenta.

Colocamos todos capacetes. O barco zarpa. O casario de Vestmanna fica para trás.

Avançamos rumo ao fiorde de Vágar, com passagem por viveiros de peixe, daqueles tanques anfíbios cada vez mais abundantes nas Faroé e restantes países nórdicos. Navegamos na companhia de ovelhas ensopadas, de distintas cores que pastavam sobre as margens íngremes.

Aproximamo-nos da boca do fiorde e do Atlântico Norte. A ondulação acentua-se. Obriga o timoneiro a navegar bem junto às falésias rugosas de Streymoy. Passamos sob arcos naturais.

Logo, entramos numa gruta na base de uma enorme agulha de pedra que rasgava a névoa acima.

Segundo apuramos, era naquele habitat extremo que os papagaios-do-mar se reuniam em grande número. Por estarmos fora de época, ou outra razão que a agência se furtou a informar, papagaios-do-mar ou outras aves dignas de registo, nem vê-los.

O tour tinha como terminologia “Vestmanna Birdcliffs” e um preço bem alto, como tem quase tudo nestas paragens remotas e nórdicas. Não obstante, revelou aos passageiros apenas e só o litoral abrupto batido pelo mar.

Uma chuva árctica geradora de arco-íris ensopa o regresso e enregela-nos. Por fim, desembarcados, recuperamos o equilíbrio levado pela ondulação, compramos chocolate quente e retomamos o périplo de Streymoy.

Fiorde Acima sempre com Eysturoy à Vista

O relevo intransponível a leste obriga-nos a retroceder para junto das margens do lago dos cisnes que tínhamos visitado. Dali, cruzamos para sua costa oriental, a virada para outra ilha vizinha. Já não Vágar, agora, Eysturoy.

De baixo para cima, no mapa, sucedem-se povoados com nomes terminados em vík: Hósvík, Hvalvík, Nesvík, Haldarsvík e Tjornuvík.

Vík significa, em faroês, islandês e dialectos escandinavos, enseada. Ora, as enseadas, abrigadas do vento e das tempestades marinhas sempre se provaram os lugares propícios à vida no arquipélago.

Das várias povoações listadas, tínhamos guardado tempo sobretudo para as duas últimas, as mais setentrionais. Algumas dezenas quilómetros depois, damos connosco à entrada de Haldarsvík.

Haldarsvik e a sua Igreja Octogonal

Achamos a sua igreja branca, a única octogonal das Faroé, erguida em 1856 e com um dos altares mais peculiares do arquipélago e redondezas, dotado de uma Última Ceia, em que as faces dos apóstolos surgem substituídas pelas de figuras públicas da nação.

Subimos uma escadaria. Do topo, desvendamos uma vista sobre a igreja, o casario multicolor dos cento e setenta habitantes, ajustado ao fundo de U da enseada em que uma queda d’água volumosa se precipitava sem cerimónias.

E o porto, parcialmente protegido por um pontão que a erva estival forrava de verde. Junta-se a nós um casal. Enquanto perscrutam a vista, analisamos um enigmático monumento metálico.

Os vários nomes inscritos sobre placas incrustadas na erva, ajudam-nos a concluir que se tratava de um memorial aos pescadores e marinheiros da povoação perdidos no mar ao largo.

Tendo em conta a população diminuta de Haldarsvík, formavam um número impressionante de vítimas que nos elucida como, ao longo da sua história, os faroeses sempre se viram forçados a aventurar-se no oceano para sobreviverem.

E a frequência com que o Atlântico do Norte traiçoeiro colheu as suas vidas.

Nesse momento, outra embarcação deixava o porto, primeiro para o fiorde que separava Streymoy de Eysturoy. Logo, apontada a norte, na direcção da baía ainda mais cavada de Tjornuvík.

Ainda que por terra, ao longo da Bakkavegur, seguimos-lhe o rumo. A via conduz-nos a um beco geológico sem aparente saída.

À enseada mais profunda e encerrada por encostas que até então tínhamos visto, com um casario aconchegado a um recanto da praia, sobrevoado por faixas de névoa intrusa.

Tjornuvik e a sua Deslumbrante Enseada Profunda

Admiramos o lugar como se fosse o primeiro que víamos nas Faroé. Quando, por fim, recuperamos do encanto, encetamos a descida que ao povoado conduzia.

Entregues à ladeira, apercebemo-nos da presença de várias ovelhas, tão felpudas que mais pareciam bolas ovinas, a pastarem num equilíbrio desafiante sobre a ravina ervada. Detemos o carro.

Empoleiramo-nos no rail de ferro e, para inquietude dos animais, fotografamo-los de pouca distância. Estamos neste entretém quando um morador de Tjornuvík por nós passa, numa desaprovação contida.

Nos dias que dedicámos a viajar pelas Faroé, fomos alertados por mais que uma vez, sobre o quanto desagradava aos criadores de gado que os forasteiros incomodassem os seus animais.

Não este faroes, mas outro, queixou-se da indesejada intrusão do turismo: “São vocês. E mais umas centenas durante o Verão todo! Vocês têm, por acaso, a ideia da quantidade de erva que as ovelhas deixam de comer e quanto peso perdem por as andarem sempre a chatear?

Pois. Não sabem. Mas nós sabemos. O prejuízo sai-nos do bolso.”

Completamos o que faltava do trajecto. Já entre o casario, procuramos o início de um trilho que conduzia a uma queda d’água que víamos fluir desde a entrada na enseada.

Os Vultos Vulcânicos do Gigante e da Bruxa

Conquistada a nova meia-encosta, admiramos o castro de telhados em A, preparados para os nevões do longo inverno, por aquela altura, perdidos num fojo ervado que o mar, ali, liso, na iminência da maré-vazia, banhava em câmara lenta.

Sobre o areal negro, um casal enfiava-se em fatos de mergulho completos. Preparavam-se para se banhar como a frigidez do Árctico lhes permitia.

Observamo-los caminharem mar raso adentro, com as crianças ao colo.

Vemo-los deterem-se a olharem, como se hipnotizados, para dois rochedos negros que se destacavam do horizonte, sob o feitiço da Bruxa e do Gigante, um duo petrificado aos pés de Eysturoy.

Essa é já outra ilha que não Streymoy. E outra estória.

Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor

É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.
Vágar, Ilhas Faroé

O Lago que Paira sobre o Atlântico Norte

Por um capricho geológico, Sorvagsvatn é muito mais que o maior lago das ilhas Faroé. Falésias com entre trinta a cento e quarenta metros limitam o extremo sul do seu leito. De determinadas perspectivas, dá a ideia de estar suspenso sobre o oceano.
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
Lagoa Jökursarlón, Glaciar Vatnajökull, Islândia

Já Vacila o Glaciar Rei da Europa

Só na Gronelândia e na Antárctica se encontram geleiras comparáveis ao Vatnajökull, o glaciar supremo do velho continente. E no entanto, até este colosso que dá mais sentido ao termo Terra do Gelo se está a render ao cerco inexorável do aquecimento global.
PN Thingvellir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Canal de Lazer
Cidades
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Cultura
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Étnico
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
História
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Sol e coqueiros, São Nicolau, Cabo Verde
Ilhas
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Natureza
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Parques Naturais
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Património Mundial UNESCO
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Templo Kongobuji
Religião
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES