Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós


Flamingos Banhados
Ainda em Busca
Em Formação
A Praia do Desembarque
Trabalho de Tecelões
Travessia do Charco
The Hippo Trail
Grande Hipo
A Lagoa de Anôr
Rela Alva
Hipos de Molho
Patos de Anôr
Bando de Maçaricos
Dez Hipos ou Mais
São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.

Ainda não são oito da manhã, quando Herculano, o homem do leme, nos faz zarpar da ilha Kéré.

Seguimos a bordo de uma lancha metalizada que desliza sobre o mar raso das Bijagós quase sem oscilar. Pela frente, na direcção do poente e do Atlântico, temos o canal que separa as ilhas de Carache e Caravela.

Se o tomássemos, do lado de lá, estaríamos mais expostos ao Atlântico. Em vez, contornarmos o extremo leste afiado de Carache, rumo ao canal Pedro Cintra e ao âmago do arquipélago.

Sucedem-se as palmeiras-de-óleo-africanas, tão características destas partes de África que também são conhecidas por palmas-da-Guiné, superadas em altura apenas pelos poilões com mais idade.

A sudeste, ao longo da costa da ilha de Enu e no litoral imediato de Uno, salvo a excepção de umas poucas zonas de manguezal, o cenário mantem-se nesta mesma constância vegetal.

Metemo-nos entre Uracane e Uno. Aproximamo-nos do sub-grupo de ilhas que forma o PN Orango.

Paulo Martins, o guia, e Miguel LeCoq, o biólogo e também guia, elucidam-nos de tudo um pouco do que diz respeito aos ecossistemas e à cultura das Bijagós. Aí chegados, alertam-nos para algo especial.

O Banco de Areia Asado no Caminho de Orango

Vislumbramos o que nos parece um banco de areia deixado a descoberta pelo vazar da maré, ocupado por uma miríade de aves. Quando dele nos aproximamos, o que aparentava, confirma-se. Distintas espécies partilham-no.

Muitas das aves só têm espaço na orla do banco, onde as vagas as refrescam.

Acercamo-nos um pouco mais. Apercebemo-nos que essas últimas são pernaltas.

Dezenas de flamingos de olho na embarcação. Têm a companhia de várias centenas de maçaricos, recém-chegados da longínqua Islândia.

Prosseguimos a navegação. Malgrado a distância, algumas aves desconfiadas optam pelo seguro. Ao descolarem, incitam as outras a segui-las.

Geram um caos asado que nos consegue baralhar. Aos poucos, enquanto circundam o banco de areia numa volta evasiva, entram nas suas devidas formações.

Os flamingos libertam-se dos maçaricos. Daí em diante, admiramos, sem interferências, a exuberância das suas cores e formas, a graciosidade do seu voo sincronizado.

Enquanto nos afastamos do banco de areia, os flamingos completam a sua elipse. Regressam ao ponto de partida.

No entretanto, passamos ao largo da tabanca de Anônho e, logo, entre esta e a de Eticoga. Detemo-nos no molhe do hotel Orango. Lá se nos junta Belmiro Lopes, nativo de Orango e guia do PN Orango, responsável por nos levar ao encontro dos hipopótamos.

Herculano e Miguel saúdam-no. Acolhem-no a bordo e inteiram-se de novidades, parte delas, importantes para expedição. Fazem-no no crioulo guineense que, devido ao seu largo tempo de Guiné Bissau, Miguel também domina.

Prosseguimos pela costa de Orango abaixo, na senda do ponto de desembarque. Nesse derradeiro trajecto, ficamos na iminência do limiar do arquipélago, mais expostos ao oceano.

Pela primeira vez, o Atlântico banha o areal com amostras de vagas que pouco ou nada importunam a transição para terra.

Desembarque em Orango e Caminhada pelos Prados de Anôr

Já sobre a areia escaldante, desentorpecemos as pernas das quase três horas na lancha.

Examinamos a vegetação costeira, baixa, quase arbustiva, desprovida das grandes palmas-da-guiné e dos poliões que se haviam sucedido desde a agora remota ilha Kéré.

Belmiro conduz-nos ao trilho por que avançaríamos para o interior de Orango.

Nuns poucos metros, notamos que sulca uma savana amarelada, e uma paisagem distinta das de Kéré, Caravela e Carache, o trio das mais de oitenta Bijagós que, por essa altura, tínhamos explorado.

Miguel explica-nos que, tal como a víamos, a savana de erva alta dourava à medida que a época seca da região se estendia.

Chegadas as chuvas, aqueles prados ensopavam, tornavam-se verdejantes, mais condizentes com a vida anfíbia dos hipopótamos.

Nem por acaso, instantes depois, detectamos uma pista de prado arrancado e terra arenosa, criada pelas sucessivas passagens dos cavalos-do-rio.

Caminhamos entre árvores de tambakunda. Com o calor a apertar, os seus frutos ilusórios e duros como pedra, fazem-nos sonhar com kiwis sumarentos.

A recompensa é outra.

A Primeira das Lagoas de Anôr

O trilho revela-nos a primeira das três lagoas abrangidas e a hipótese inicial de avistarmos os hipopótamos.

Belmiro e Miguel perscrutam o corpo de água pejado de nenúfares, envolto de capim e numa orla secundária, de acácias e, aí sim, de algumas palmeiras-de-óleo-africanas.

Nessa busca, damos com dois crocodilos a recarregarem-se.

Fotografamos uma comunidade prolífica de aves: tecelões autores de um impressionante macramé de ninhos de palha.

E ainda patos, íbis, garças e outras.

Os repetidos sons graves de palmas produzidos por Belmiro falham em revelar e atrair hipopótamos. Os guias decretam-nos ausentes daquela lagoa.

De acordo, dão por findo o também descanso e põe-nos a caminho da lagoa que se seguia.

Por algum tempo mais, serpenteamos pela savana.

A espaços, por um prado tão crescido que nos batia em altura. Cruzamos corgas e poças enlameadas e escuras, sintomas de que estávamos mais perto de redutos alagados.

A Segunda Lagoa de Anôr, ainda em Busca dos Hipopótamos

Atravessamos um derradeiro charco de água negra-oxidada, para uma floresta densa, repleta de galhos frondosos e lianas enrodilhadas. Belmiro anuncia que estamos à entrada da segunda lagoa.

Deixa-nos a uma distância de segurança, na expectativa.

Logo, avança para a orla algo elevada. Dissimulado pelo mato, recupera as palmas ressonantes da primeira lagoa. Uma vez. Duas. Várias mais.

Durante quatro ou cinco minutos, sem resultado. Belmiro muda-se para a frente de um outro ponto em que, via um canal curto, essa lagoa tinha uma extensão. Aí, volta às suas palmas convocatórias.

Parece-nos a todos que ainda em vão.

Por Fim, o Encontro com os Hipopótamos de Orango

Estamos a virar costas e a mentalizar-nos para nova hora de caminhada e para a derradeira tentativa, quando Belmiro dá o alerta a Miguel. “Estão aqui!” confirma-nos o biólogo. Alinhamo-nos na orla, o mais silencioso que conseguimos.

De início, não vemos sinal dos bichos. Belmiro carrega nas palmas, mais intensas e ecoantes. Por fim, emerge um hipopótamo curioso, as orelhas e cabeça a despontarem da água coberta de uma densa selagem vegetal. Logo, um segundo.

Outro mais. E outro ainda.

Pouco depois de nos ajustarmos aos contornos do mato e de com eles nos espantarmos, contamos, pelo menos, dez hipopótamos, todos com as cabeças fora de água, apenas das narinas para cima, de orelhas espetadas.

Intrigados pela embaixada que lhes dedicávamos.

Aos poucos, aproximam-se de nós.

De tal maneira que, mesmo conscientes que o plano superior em que os observávamos nos protegia, nos começam a intimidar.

Estávamos a admirá-los havia quinze minutos.

Belmiro, considerou que os animais se aproximavam em demasia e que o tempo se esgotara.

De acordo, voltamos a atravessar o charco escuro, para fora da bolsa de floresta que envolvia a lagoa.

“Bom, isto, hoje, foi muita sorte mesmo!” desabafa Belmiro. “Nas últimas vezes que cá vim, nunca os consegui ver. Vocês, mal chegam à segunda lagoa, dão logo com um grupo destes!”

A Acção das Sanguessugas na Evolução dos Hipopótamos Marinhos

Partilhávamos uma euforia justificada. Afectada apenas pela preocupação de examinarmos os pés e as pernas, em busca das sanguessugas que infestam aquela lagoa e em redor, como outras de Orango.

Por uma derivação da mesma sorte, não portávamos nem um desses parasitas que há muito se aproveitam dos hippopotamus amphibius das Bijagós e que se crê que acabaram por determinar um comportamento único dos quase duzentos espécimes estimados no PN Orango.

A espécie das Bijagós é a comum. Em termos ecológicos, apresenta uma evolução tornada possível pelo passado geológico da região.

A Provável Explicação Geológica

Em tempos, a área actual do arquipélago das Bijagós foi preenchida por um delta fluvial vasto, coberto de água doce. Ao longo dos milénios, o oceano avançou.

Tornou-a marinha.

Os hipopótamos que chegaram a proliferar em várias outras grandes ilhas do arquipélago, Caravela, Formosa e, sabe-se que até Bubaque, ajustaram-se às novas condições.

A determinada altura, os animais apreenderam que, ao meterem-se na água do mar, tão próxima das lagoas, se livravam das sanguessugas que perfuram as suas peles.

Assim, quando as sanguessugas os importunam, vão até ao oceano. Mantêm-se em banho salgado por uma ou duas horas. Às vezes mais. Ao retornarem às lagoas em que vivem, já o fazem purificados.

Por vezes, os hipopótamos fazem travessias marinhas mais longas. Muitos deles, chegam a viver em permanência no mar, de que saem para beberem água doce e se alimentarem.

Acontece, a espaços, passarem para terra junto das tabancas das Bijagós, até mesmo fora do PN Orango, como aconteceu nas ilhas relativamente distantes de Unhocomo e Unhocomozinho.

Nessas ocasiões, as gentes das Bijagós temem-nos, mas limitam-se a afugentá-los.

Desde que o povo Bijagó tem memória que os hipopótamos são vistos como poderosos e quase sagrados, como tal, protegidos.

Encontrá-los numa ilha do PN Orango, ou noutra Bijagó qualquer, tem o seu quê de Graal animal.

RESERVE AS SUAS FÉRIAS NA ILHA KÉRÉ E EXPEDIÇÕES EM BUSCA DOS HIPÓPOTAMOS e/ou TARTARUGAS DAS BIJAGÓS EM:

http://bijagos-kere.fr ou pelo telefone e WhatsApp: +245 966993827

Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho

Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Vittoriosa, Birgu, Malta, Waterfront, Marina
Cidades
Birgu, Malta

À Conquista da Cidade Vittoriosa

Vittoriosa é a mais antiga das Três Cidades de Malta, quartel-general dos Cavaleiros Hospitalários e, de 1530 a 1571, a sua capital. A resistência que ofereceu aos Otomanos no Grande Cerco de Malta manteve a ilha cristã. Mesmo se, mais tarde, Valletta lhe tomou o protagonismo administrativo e político, a velha Birgu resplandece de glória histórica.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Cultura
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Étnico
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura
História
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
Ilhas
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Natureza
Cascatas e Quedas de Água

Cascatas do Mundo: Impressionantes Rios Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra cascatas de todos os tipos.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela
Parques Naturais
Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.
Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, guia explica hieróglifos
Património Mundial UNESCO
Edfu a Kom Ombo, Egipto

Nilo Acima, pelo Alto Egipto Ptolomaico

Cumprida a embaixada incontornável a Luxor, à velha Tebas e ao Vale dos Reis, prosseguimos contra a corrente do Nilo. Em Edfu e Kom Ombo, rendemo-nos à magnificência histórica legada pelos sucessivos monarcas Ptolomeu.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Mini-snorkeling
Praias
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
Religião
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT