Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa


Maikos a fingir

Visitantes de Quioto vestidas de maikos.

Gueixa de Nara

Exibição de Kikukawa, a última gueixa de Nara.

Costas de maikos a fingir

Visitantes vestidas de maikos passeiam-se pelo centro histórico de Quioto.

Sombra dourada

Sombra de Kikukawa, durante um espectáculo da última gueixa de Nara.

Pose Gueixa

Gueixa em Ponto-Cho, a ruela mais emblemática da arte gueixa de Quioto.

Gueixa em Pontocho

Gueixa percorre um beco do bairro de Pontocho.

Promo Quimono

Montra de loja de Gion com diversos quimonos em promoção.

Pose de gueixa

Kikukawa assume uma das poses que as gueixas apuram como forma de sensualidade.

Figurantes-Manequins

Manequim de quimono "recebe" clientes à entrada de um restaurante repleto de outros manequins, em Quioto.

Vulto do Passado

Gueixa percorre uma ruela estreita de Quioto.

Roteiro “maiko”

Amigas vestidas de "maiko" passeiam-se por uma rua tradicional de Quioto.

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

A derradeira luz do dia dissipa-se e os candeeiros balão destacam-se e animam a ruela de Ponto-cho que a história transformou no coração da vida nocturna de Quioto. A esta hora, as gueixas da cidade afluem para os bares e restaurantes preparadas para os compromissos que têm marcados. Aparecem sem aviso, com faces fantasmagóricas desafiadoras da penumbra. E somem-se em pequenos edifícios tradicionais térreos identificados por letreiros em kanji estilizado.

Por respeito à sua arte milenar e aos muitos milhares de ienes que auferem, um patrono não pode esperar. Mas, tão importante como a pontualidade, cada minuto de companhia deve ser usufruído como um momento especial.

Para o garantir, uma gueixa (gei=arte + sha=pessoa) desenvolve várias aptidões. Aprendem cedo a tocar koto (arpa japonesa), a declamar poesia e prosa, contar anedotas, interpretar canções e danças tradicionais japonesas. Mas, se estes são atributos superiores, também a conversação, a forma de servir chá ou outras bebidas, o simples caminhar, o riso e, em certas situações, até o choro se esperam graciosos. É suposto o nível cultural das gueixas alimentar diálogos requintados incluindo sobre política e arte mas, quando os efeitos do saqué e da cerveja se fazem sentir, as acompanhantes não se podem furtar aos piropos e a comportamentos eróticos.

A questão do sexo permanece envolta em mistério e polémica. O facto de fazer parte das funções ou chegar a acontecer é motivo de discórdia entre as gueixas quanto mais entre observadores gaijin (estrangeiros) da cultura nipónica. Algumas gueixas e maikos (jovens em aprendizagem) mostram-se ofendidas com a simples insinuação. É o caso de Ichimame, uma aprendiz que mantém um blogue sobre a profissão e para quem o filme “Memórias de uma Gueixa” se revelou abusador quer por ter envolvido actrizes chinesas na cultura nipónica, quer pela componente sexual acrescentada à narrativa. Também Susumu Harema, um dos gerentes da casa de chá que forma Ishigame se escandalizou: “uma gueixa não dorme com um cliente” a sua função é apenas divertir a clientela”.

Algumas admitiram, no entanto, que o sexo é pouco habitual mas nem sempre descartado e que certos clientes recusariam patrociná-las se lhes fosse interdito. Basta recuar no tempo para considerarmos a sua versão.

No fim do século XVII, começaram a proliferar, no Japão, as odoriki, dançarinas de aluguer que eram contratadas pelos samurais e senhores feudais mais abastados. Cem anos mais tarde, vendiam também serviços sexuais. Aquelas que tinham deixado de ser adolescentes (e, como tal, não se podiam considerar odorikis) adoptaram outros títulos. O que mais se popularizou foi gueixa, tomado de empréstimo aos animadores masculinos de então. A primeira mulher que assim se auto-denominou foi Kikuya, uma prostituta de Fukagawa. Fê-lo por volta de 1750, quando era já conhecida como cantora e jogadora de shamisen dotada. À medida que outras começaram a usar o título, muitas passaram a trabalhar apenas como animadoras (não como prostitutas), frequentemente nos mesmos estabelecimentos dos homens. Em 1800, ser gueixa era já uma ocupação feminina (apesar de ainda hoje existirem alguns gueixas homens) e aquelas tornaram-se bem mais desejadas que as cortesãs antiquadas rivais, as oirans.

Entretanto, as autoridades japonesas promulgaram leis que procuraram consolidar o estatuto cultural das gueixas. Tornou-se obrigatório que atassem o obi (faixa) nas costas para dificultar a remoção do quimono. E também o  penteado e a maquilhagem passaram a ser mais simples que os das oirans para que a sua beleza fosse encontrada na arte e não nos corpos.

A partir da Restauração imperial Meiji, o papel da gueixa foi gradualmente valorizado pela sociedade masculinizada japonesa. Por volta de 1920, atingiu um clímax de importância.  

Mas a 2ª Guerra Mundial destruiu esse ascendente. Enquanto o milagre da recuperação económica transformava o Japão na nação altamente industrializada e tecnológica das últimas décadas, o número de gueixas diminuía de 80.000 para um máximo de 2000 e o seu ofício tornou-se numa verdadeira relíquia que, malgrado, sobrevive por detrás de tantas portas e paredes de papel de arroz de Tóquio e Quioto.

Nos últimos anos, alguns empresários nipónicos dedicaram-se a explorar o fascínio dos japoneses e estrangeiros pela estranha profissão.

Gion tem duas hanamachis (comunidades de gueixas), a Kobu e a Higashi. Estes bairros preservam a tradição com uma base sólida na arquitectura antiga das machiyas, as casas “velhas” da cidade. As suas ruas são o ambiente fidedigno que inspirou um fenómeno da criatividade empresarial japonesa que começa a fazer furor. 

Enquanto deambulamos pelo bairro de Gion, deparamo-nos com estúdios coloridos e sofisticados que alugam trajes, serviços de caracterização, de guias e de fotografia a adolescentes japonesas e gaijin. Pautado pelo perfeccionismo nipónico, o seu trabalho é tão fiel que quase só os nativos detectam as diferenças. As clientes agradecem a dedicação e rejubilam com a sua nova imagem.

Encontramo-las protegidas da timidez em grupos de amigas e aconchegadas em quimonos extra-coloridos. Passeiam-se de faces alvas ao longo dos cenários perfeitos das ruas Hanami-koji e Shinmonzen-dori, hirtas sobre sandálias de madeira okobo-geta e orgulhosas de cada passo da sua curta vida de geikos (outro termo para gueixas). Como se tratassem das personagens originais, são frequentemente seguidas e interpeladas por forasteiros de máquinas fotográficas em riste e por grupos de alunos fardados a caminho das aulas ou de casa. Não nos fazemos rogados e acompanhamos os seus movimentos.

Mas estas encenações descartáveis não compensam o desaparecimento gradual das verdadeiras gueixas.

Em Nara – outra antiga capital nipónica – só existe uma maiko. Enquanto inúmeros adolescentes nativos se queixam do excessivo tradicionalismo e atraso civilizacional da sua cidade, Kikuwaka, a tal aprendiz, sempre se orgulhou do passado nipónico. Por sugestão da mãe, inscreveu-se no Ganrin In, uma espécie de escola que continua a ensinar as antigas artes requeridas às gueixas. Em menos tempo do que esperava, tornou-se numa atracção única e incontornável. Só que a ausência de concorrência revelou-se, ao mesmo tempo, um trunfo e um fardo.

Durante um espectáculo a que assistimos numa associação cultural que a acolhe vezes sem conta, os seus passos sobre o palco acompanham a música dramática e minimal. São tão belos e arrastados quanto possível e os restantes movimentos pausados, como as expressões que mudam com suavidade, iluminadas pelo fundo brilhante de biombos dourados.

Quando a actuação termina, pelo contrário, a pretendente de gueixa deixa as instalações a grande velocidade. Está atrasada para um dos quatro compromissos culturais que assumira para essa noite.

Apesar do stress a que foi condenada, Kikukawa não tem as piores razões de queixa da sua actividade.

O Japão também foi assolado pela nova crise económica e cada vez menos homens se atrevem a pagar os honorários elevadíssimos contabilizados ao minuto pelas mama-san e cobrados por algumas gueixas de Quioto e Tóquio. Estas tiveram que improvisar. Ignoraram regras milenares da profissão e tornaram-se menos exclusivas, misteriosas e furtivas.

A partir do virar do milénio em diante, todos os anos, em Fevereiro, várias gueixas servem 3000 pessoas numa cerimónia do chá ao ar livre realizada durante o Festival das Ameixas em Flor da cidade dos templos. E, no Verão de 2010, começaram a servir imperiais e canecas e a dançar no jardim de cerveja de um teatro local. A evolução (ou degradação) da sua arte dificilmente ficará por aí.

Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro de Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Em louvor do vulcão
Cerimónias e Festividades

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Manobras a cores
Cidades

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Gentlemen Club & Steakhouse
Cultura

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Mural Espacial
Em Viagem

Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
História
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Caribe profundo
Ilhas

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Leme Manual
Natureza

Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Fila chilena
Parques Naturais

Pucón, Chile

A Brincar com o Fogo

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.

A Toy Train story
Património Mundial Unesco
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Punta Cahuita
Praia

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

Ferry Nek Luong
Religião

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Tsumago em hora de ponta
Sociedade

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.