Ribeira Grande, Santo AntãoCabo Verde

Santo Antão, Ribeira Grande Acima


O Grande Aqueducto
Santo Crucifixo Futebol Clube
Convívio Colorido
Lugarejo lá no Fundo
Fim do dia Exuberante
Abençoado Casario
O Cimo da Penha de França
Sol & Sombra
Ribeira Grande vs Atlântico
Caminho Monumental
Ribeira Grande vs Atlântico II
ribeira-grande-santo-antao-ilha-cabo-verde-mural-ozmo-transeunte
ribeira-grande-santo-antao-ilha-cabo-verde-mural-ozmo
ribeira-grande-santo-antao-ilha-cabo-verde-ocaso
Mais Lugarejos
Há Gato na Tasca
Os Prédios Coloniais
Dª Vendedora
Verde Verdejante
ribeira-grande-santo-antao-ilha-cabo-verde-por-do-sol-ocaso
Na origem, uma Povoação diminuta, a Ribeira Grande seguiu o curso da sua história. Passou a vila, mais tarde, a cidade. Tornou-se um entroncamento excêntrico e incontornável da  ilha de Santo Antão.

Ao examinarmos o mapa, percebemos que eram dois os caminhos que nos permitiam ir de Porto Novo, a capital, até à segunda cidade.

Um deles, o da Estrada da Corda, fazia-se ao interior e às montanhas de Santo Antão. O outro, seguia para nordeste e flectia para noroeste, sempre pela beira-mar não menos vertiginosa.

Dotados de uma pick-up poderosa, decidimo-nos por nos estrearmos pela Estrada da Corda.

Mesmo se exigente, em termos de condução, uma das mais incríveis recompensas do percurso revelou-se a descida íngreme do cimo do Delgadinho para a Povoação, que é como quem diz Ribeira Grande.

A Ribeira Grande, como Recompensa Visual da Estrada da Corda

Aos poucos, por sucessivos esses, cada vez mais apertados, o calçadão passa para a vertente norte das montanhas. Curva atrás de curva, desvenda-nos um inesperado casario multicolor.

Vamo-lo disposto sobre a entrada do vale. Sobre o delta aluvial em que, após as chuvas, se encontram os caudais da Ribeira da Torre e o da Ribeira Grande, esta, a que empresta o nome à, desde 2010, cidade, vizinha da Ponta do Sol.

Inaugura-a uma estranha correnteza de edifícios, alguns, do cinzento característico do reboco, alternados com vizinhos das suas cores. Como os vislumbramos, parecem pairar sobre o Atlântico azul-profundo.

A aproximação acaba por os revelar a coroarem a crista da montanha do bairro da Penha de França que, a ocidente, veda a cidade ao mar.

Continuamos a descer. Do cerro do Segundo Espelho, rumo ao leito arenoso, acima de incontáveis telhados e terraços improvisados.

Daquela perspectiva, pareciam-nos uma composição experimental de lego, abençoada pelas cruzes e torres perdidas no todo polícromo.

Um derradeiro U da via, deixa-nos lado a lado com os derradeiros metros da Ribeira da Torre, e sobranceiros ao leito, então seco, de cascalho vulcânico.

Percorremos a marginal ribeirinha. Estacionamos junto a uma estação de serviço nas imediações da rotunda central da Povoação.

A Descoberta Pedestre da Povoação (Ribeira Grande)

Desentorpecemos as pernas. Passamos a um já ansiado modo pedestre.

A pé, procuramos o âmago urbano do Terreiro, uma das seis zonas bem demarcadas de que é feita a Ribeira Grande, a que acolhe as instituições que fazem funcionar Santo Antão:

o banco, os correios, lojas e lojinhas, algumas, dos sempre presentes expatriados chineses, armazéns, mercearias, uma ou outra tasca, a boutique Chierry, no rés-do-chão de um prédio amarelo torrado que combina com o azul-claro, coroado de cruz, do da igreja do Nazareno.

Entre ambos, há ainda um candeeiro de estilo parisiense, como os que abundam na distante ex-metrópole portuguesa.

Ribeira Grande: a Povoação Pioneira de Santo Antão

A ilha de Santo Antão foi descoberta em 1462, desabitada, como o restante arquipélago de Cabo Verde. A primeira tentativa de colonização só se deu em 1548.

E o assentamento que viria a dar origem à Povoação, é já do século XVII, levado a cabo com gente chegada das ilhas do Fogo e de Santiago a que se juntaram colonos embarcados no norte de Portugal.

A escolha da zona por que continuávamos a deambular obedeceu a uma lógica inequívoca de abundância de água e fertilidade do solo. Neste âmbito, Santo Antão tem o seu quê de bipolar.

Boa parte das vertentes viradas a sul e situadas mais a sul, na sombra das grandes elevações, são áridas e inóspitas. Por ali, onde a colonização foi esboçada, uma combinação fortuita de vantagens, desde cedo augurou sucesso.

A costa norte da ilha retinha a humidade soprada, em contínuo pelos Alísios. Como se não bastasse, os colonos ditaram a Povoação sobre a foz dupla de duas das principais ribeiras de Santo Antão.

À época, de acordo com as marés e a direcção e força do vento, o mar subia mais ou menos pelos seus leitos e formava uma enseada. Com o passar do tempo, estima-se que durante o século XIX, a foz das ribeiras assoreou.

Só quase durante a época das chuvas, em Agosto e Setembro, as ribeiras Grande e da Torre, chegam ao Atlântico com um caudal digno dos desfiladeiros amplos e profundos por que fluem.

Esta secura e parcimónia fluvial permitiu que, com o mesmo passar do tempo, a Povoação se espraiasse por boa parte do delta aluvial.

Da Penha de França ao Terreiro e ao Tarrafal da Ribeira Grande

Sempre sobre o calçadão histórico e perpétuo, exploramos mais de outras zonas da cidade. Cruzamos uma ponte para o bairro do Tarrafal que a largura do leito ressequido da Torre mantém isolado.

Àquela hora, decorre uma partida aguerrida sobre o pelado do Santo Crucifixo Futebol Clube que, veja-se lá a estranheza, tem, a poucos metros, a companhia de um tal de “Mastur Bar”.

A falta de espaço entalou o campo entre o casario, a brita da ribeira e a estrada de saída para costa nordeste da ilha.

O pelado ficou situado tão próximo do areal basáltico que um qualquer pontapé forte e mal direcionado, entrega a bola ao oceano.

Também por ali nos deixamos perder no encanto da Ribeira Grande.

Quatro jovens convivem à entrada de um outro bar, todos de chinelo no pé, dois rapazes de gorros, duas raparigas de cabelos em distintos estilos crioulos.

Os Murais Exuberantes que Decoram a Ribeira Grande

Do lado de lá da rua, um outro grupo de moradores, com mais idade, convive sentado em bancos, na base de um dos grandes murais que enfeitam a cidade.

Vários deles, são da autoria de Ozmo, heterónimo de Gionata Nesti, um artista de rua italiano que tem deixado obras impressionantes ao Mundo, incluindo a estes confins ocidentais de Cabo Verde.

Cruzamo-nos com outras das suas pinturas. Algumas, inspiram-nos fotos em que as fazemos interagir com os moradores, em que as tornamos elementos vivos da velha Ribeira Grande.

Um grupo de miúdos, diverte-se a posar contra o perfil de uma crioula de olhos de mel que repousa com um guarda-rios cabo-verdiano (Passarinha) pousado num braço.

Com a tarde a meio, percebemos a sombra a apoderar-se da parede respectiva. Decidimos regressar à pick up e aventurarmo-nos leito da Ribeira Grande acima.

Pela Ribeira Grande Acima, rumo à Fajãzinha

À imagem do vale da Ribeira da Torre, também este se revela amplo, esculpido por milénios em que a água por ali fluiu em torrentes e muito maior abundância.

A espaços, damos com plantações que preenchem socalcos criteriosos, a meio de encostas que se elevam com cumes serrados que parecem rasgar o céu. Passamos sob um aqueducto erguido numa curva em que o vale estreita em forma de garganta.

Em redor, abundam a cana-de-açúcar, a mandioca, o milho e feijoca, fulcrais da Cachupa, o prato nacional cabo-verdiano.

O vale volta a abrir. Força-nos a subirmos para terras mais altas e para dentro da serrania, por uma estradinha que, perdida em tal enrugada monumentalidade, se poderia chamar “da Insignificância”.

Do lado oposto da vertente, abrigado dos Alísios, o solo volta a secar. A penumbra apodera-se dos fundos dos talvegues. Num deles, a silhueta de uma mini-floresta de coqueiros recorta a face ocre-esverdeada das falésias.

Sem que o esperássemos, o caminho revela-nos um ou dois lugarejos destemidos. Num deles, há uma mercearia com donos conscientes que, em jeito de aviso, a baptizaram de “Na Medida do Possível”.

Passamos Coculi e várias Bocas, em que ribeiras afluentes, caso da Chã de Pedra, vindas de mais acima na montanha, se unem à Grande. Primeiro, a Boca de Curral.

Logo, a Boca de Ambas as Ribeiras.

Por essa altura, sentimos o coração geológico de Santo Antão a palpitar. É tão forte o seu ribombar que nos deixa intimidados.

Nas imediações de Garça de Cima, um meandro amplo da estrada, manda-nos de volta para o cimo da ilha. Flectimos para o seu litoral nordeste, ao longo do canhão profundo de uma terceira Ribeira principal, a da Garça.

Encontramo-la já no último terço do seu percurso abrupto de 8km, desde os 1810m do Lombo Gudo.

Como acontece com as restantes ribeiras de Santo Antão e, por toda a parte na ilha também macaronésia da Madeira, desde cedo, os colonos desenvolveram um sistema complexo de levadas que, como o nome indica, permitem levar a água onde quer que as plantações e gado dela careçam.

Foi, em boa parte, este sistema que viabilizou a formação de povoações remotas de dimensão já considerável, envoltas de minifúndios, casos de Chã de Igreja e da vizinha Fajãnzinha.

Malgrado a iminência da foz recortada e, uma vez mais do Atlântico, o anoitecer e o breu obrigaram-nos a decretar Fajãnzinha o destino final do dia.

Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Ponta do Sol a Fontainhas, Santo Antão, Cabo Verde

Uma Viagem Vertiginosa a Partir da Ponta do Sol

Atingimos o limiar norte de Santo Antão e de Cabo Verde. Em nova tarde de luz radiosa, acompanhamos a azáfama atlântica dos pescadores e o dia-a-dia menos litoral da vila. Com o ocaso iminente, inauguramos uma demanda sombria e intimidante do povoado das Fontainhas.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Danca dragao, Moon Festival, Chinatown-Sao Francisco-Estados Unidos da America
Cerimónias e Festividades
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
Pela sombra
Cidades
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cultura
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
Em Viagem
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Étnico
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Estante Sagrada
História
Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.
Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, caminho para o vulcão
Ilhas
Montserrat, Pequenas Antilhas

A Ilha do Vulcão que se Recusa a Adormecer

Abundam, nas Antilhas, os vulcões denominados Soufrière.  O de Montserrat, voltou a despertar, em 1995, e mantém-se um dos mais activos. À descoberta da ilha, reentramos na área de exclusão e exploramos as áreas ainda intocadas pelas erupções.  
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Natureza
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Património Mundial UNESCO
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Fila Vietnamita
Praias

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Promessa?
Religião
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT