Ponta do Sol a Fontainhas, Santo Antão, Cabo Verde

Uma Viagem Vertiginosa a Partir da Ponta do Sol


Atingimos o limiar norte de Santo Antão e de Cabo Verde. Em nova tarde de luz radiosa, acompanhamos a azáfama atlântica dos pescadores e o dia-a-dia menos litoral da vila. Com o ocaso iminente, inauguramos uma demanda sombria e intimidante do povoado das Fontainhas.

Após inúmeros meandros, caprichosos como o recorte serrado da costa norte da ilha, a estrada interna-se num inesperado apêndice geológico.

Intersecta uma laje de tom ocre, de tal forma espalmada e alongada que acolhe o relvado do clube local, o Solpontense FC.

Como se não chegasse o desafogo, na quase ponta desta ponta, há ainda a pista do Aeroporto Agostinho Neto, desactivado desde 1999, em consequência de um avião provindo de São Vicente se ter deparado com visibilidade quase nula e se ter despenhado, aos 1300 m de altitude de Santo Antão.

A Rua Direita prova-se de tal maneira directa que quase entra pelo porto da Ponta do Sol abaixo. Identificamo-lo pela sua forma de Boca de Pistola.

E pela abundância de barcos artesanais em doca seca, encaixados com critério que baste às entradas e saídas frequentes.

O Porto Piscatório Improvisado da Boca Pistola

Cada qual, com a sua combinação de cores vivas e nomes que só os donos e pescadores sabem por que os escolheram.

O “Nha Sonho”, o “Flor de Baía”, o “Andorinha” o “Maria de Fátima” entre outros, todos unidos pelo código da terra que os acolhia: “P. Sol.”

Àquela hora, mais chegavam.

Embalava-os o mar zangado do Norte que nem o pontão mal-amanhado, já quebrado pelas sucessivas tempestades conseguia amainar.

Os homens ao leme das pequenas embarcações viam-se, assim, obrigados a contar com a intrusão das vagas, para não esbarrarem nas escoadas de lava opostas.

Um atrás do outro, sem atribulações, mais barcos eram puxados para cima da rampa verdejante que os limos faziam escorregadia.

Vinham carregados com a pescaria da tarde: garoupas, charrocos, serranos, salmonetes, pargos e as esticadas moreias.

Vimos parte dos espécimes serem amanhados sobre as poças salgadas da lava, por homens de peles que o sol já pouco escurece, de caras austeras, mas que, face a pedidos bem-dispostos, concedem sorrisos suaves.

Outra parte, é vendida logo ali, na iminência dos restaurantes-marisqueiras de Santo Antão.

Estes negócios complementam uma oferta de alojamento que tem aumentado ao ritmo a que os viajantes tornam famosos os cenários e as incontáveis rotas de caminhada únicas da ilha, algumas, por trilhos das montanhas que encerram a Ponta do Sol.

Regresso ao “Outro Tempo” de Santo Antão e de Cabo Verde

Tempos coloniais houve em que a vida e até o nome da povoação eram outros, bem distintos. Durante a quase totalidade do século XX, as suas gentes crioulas não poderiam sequer imaginar que, remota como era, a povoação conquistaria tal notoriedade turística.

Décadas a fio, foi daquele mesmo porto, hoje piscatório, que os santantonenses sofreram o desgosto de partirem para servirem, sem retorno, as roças longínquas de São Tomé e Príncipe, desgosto, agora, com fama mundial, pela letra de Armando Zeferino Soares e a voz de Cesária Évora.

Se bem que o tema abordava, em particular, as despedidas dramáticas da ilha de São Nicolau, de onde era natural Zeferino Soares.

O aeroporto vizinho do porto, por sua vez, foi baptizado de Agostinho Neto, na medida em que o político, primeiro presidente de Angola, por ali viveu o degredo cabo-verdiano a que o votou o governo de Salazar.

A Era Colonial da Villa Maria Pia

Na mesma senda das evocações e homenagens, à Ponta do Sol, os colonos portugueses chamaram Villa de Maria Pia, em honra da rainha portuguesa, também eternizada como Anjo da Caridade e Mãe dos Pobres.

Tratada pelo destino e pela História de forma inclemente, sobretudo nos derradeiros anos de vida, em que a afligiu o regicídio do seu filho D. Carlos e do neto mais novo, D. Manuel II.

Por altura da implementação da República, já a dita villa no cocuruto de Santo Antão existia há várias décadas, a partir de determinada altura, como quartel-general dos governadores da ilha.

Quando, em 1900, um tenente da armada levou a cabo um levantamento da Comissão de Cartografia do Porto da Ponta do Sol, encontrou e registou uma grelha geometrizada semelhante à actual, orientada numa diagonal sudeste-noroeste, com base numa grande praça empedrada.

No século e pouco que decorreu, como seria de esperar, a vila expandiu-se.

Com a pista do aeroporto desactivado e o Atlântico a delimitarem-na acima, estendeu-se para a base da laje, cada vez mais próxima do sopé das montanhas e, assim, providenciou abrigo aos seus mais de quatro mil habitantes.

A Praça da Igreja e a Grelha de Ruas na Diagonal de Ponta do Sol

À data da nossa visita confrontavam-se ainda, na praça, o poder religioso e o executivo:

uma igreja alva de duas torres, com a companhia de uma palmeira contra o palacete repleto de janelas, amarelo garrido da edilidade da Ribeira Grande, a segunda maior cidade de Santo Antão e capital indisputada do Norte.

Dos transeuntes com que nos cruzamos, duas fiéis, ambas de lenço na cabeça, casaco e saia, preferem a protecção divina.

Uma delas senta-se num banco da praça, no prolongamento do templo.

Deixa-se afagar pelo sol suave do fim da tarde, a ver a vida passar.

Quando percebemos que a sombra se apoderava das encostas, metemo-nos a caminho.

Parte de uma das conversas de ocasião, um pescador tinha-nos assegurado que não podíamos deixar de ir a Fontainhas. Nesse mesmo fim de tarde, apontamos ao lado oposto da base da laje e ascendemos a montanha.

A vista começa por se restringir ao casario de Ponta do Sol.

À medida que progredimos pela estradinha estreita, mais estreita que a Estrada da Corda a que nos tínhamos habituado, ziguezagueante e de terra batida, pelo cimo das falésias sobranceiras ao Atlântico, desvendamos novos e inesperados cenários.

Uma Inesperada Visão Pecuária, acima de Ponta do Sol

Já tínhamos passado junto a um complexo de currais, pouco antes de chegarmos a Ribeira Grande. Vimo-los feitos de muros de pedra, geminados, encavalitados por um talvegue estreito acima.

Daquele alto a que a estrada nos levara, desvendamos uma outra realidade pecuária de Santo Antão. Duas enormes estruturas de cimento e pedra, preenchiam, em espelho, o quase topo de uma encosta.

Estavam divididas em dezenas de compartimentos-curral, cada qual, lar de um ou mais porcos.

Espantados pela dimensão da estrutura, detemos o carro e observamos com olhos de ver.

Donos dos animais, moradores da Ponta do Sol e arredores, alimentavam os suínos com restos, uns através dos portões gradeados, outros, mais jovens, empoleirados sobre os muros divisórios, todos eles, entregues a uma descontraída cavaqueira.

Destacados da estrada como estávamos, depressa nos avistaram.

Acenamos, gritamos um olá ao vento. Pressionados pelo entardecer, tiramos umas derradeiras fotos.

Sombra e Vertigem, no Caminho para as Fontainhas

A estrada metia-se por um recorte profundo da montanha. Contornava-o num modo oscilante e abismal que nos deixou inquietos quanto ao que o resto do caminho traria.

Derrapamos sobre a hesitação quando, do nada, um homem que há algum tempo nos estaria a controlar, surge do cimo dos currais, enfiado num fato-macaco azul. “Vão para as Fontainhas?” pergunta-nos, ofegante da correria íngreme. Levem-me até lá, por favor, que já estou atrasado e a pé demora!”

Sem que tivéssemos sequer respondido, salta para a caixa da pick up. A ideia até era abrir-lhe a porta. Quando percebe que o tentávamos corrigir, o passageiro-súbito apoquenta-nos mais um pouco. “Ah. Deixem estar. Eu, de carro, sobre aquelas ravinas, até prefiro ir aqui.”

Retomamos o caminho, com cuidados redobrados. Daí, em diante, triplicados.

Lá em baixo, avistamos praias cruas, de areia negra que o Atlântico invade, primeiro, com a espuma branca da sua fúria alísia.

Logo, com um verde que a sombra já eclipsava.

Avançamos, entre socalcos impostos às vertentes, os mais elevados, quase assomados, ressequidos.

Os restantes, quanto mais próximos do fundo do vale e do leito do rio decíduo que o preenchia, mais férteis e verdejantes.

O Casario Equilibrista e Retirado das Fontainhas

No seguimento, vemos as primeiras aglomerações de casas, assentes sobre socalcos reforçados, num equilíbrio empilhado prodigioso.

Esses lares introdutórios dão lugar ao casario inusitado das Fontainhas.

Admiramo-lo, organizado em dois blocos principais, o último, a preencher toda uma crista do relevo, mesmo se exígua, aproveitada por várias dezenas dos quase trezentos habitantes.

À data, a aldeia tinha no Bar Tchu um ponto de encontro.

Entre os seus e com os caminhantes forasteiros que cada vez mais a procuram, curiosos por testemunhar tão fascinante retiro.

Quem chega às Fontainhas a pé percebe melhor que ninguém que o desterro é mais visual que real. Malgrado o isolamento no quase fundo dos vales, a aldeia dista uns meros 2 km de Ponta do Sol.

Nos primórdios coloniais, abundavam casos, esses sim, extremos, de autoisolamento.

Em que, para garantirem protecção de piratas e outros inimigos, os colonos se refugiavam para o verdadeiro interior de territórios à mercê.

No caso dos fontainhenses, além da relativa proximidade da vila, desde sempre existiu a companhia de lugarejos próximos, também eles integrantes da freguesia de Nª Srª do Livramento:

Aranhas, Corvo, Formiguinhas, Ladeira, Lombo, Lombinho de Mar, Mane Corre, Selada, Zulinca.

E outros a que nunca foi dado nome.

A escuridão começava a apoderar-se daqueles sulcos na montanha. Sem vontade de cumprirmos o regresso na penumbra, para grande frustração fotográfica, vemo-nos forçados a antecipá-lo.

Na volta à Ponta do Sol, cruzamo-nos com moradores da vila habituados a fazer daquele percurso um exercício físico, exigente, mas deslumbrante.

Quando, por fim, descemos à planura ocre da laje, já o sol tinha caído havia muito, para trás da ponta setentrional de Cabo Verde.

Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
no Palco, Antigua, Guatemala
Cidades
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Sensações vs Impressões

Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
História
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Mulheres na Missa. Bora Bora, Ilhas-Sociedade, Polinésia, Francesa
Ilhas
Bora-Bora, Raiatea, Huahine, Polinésia Francesa

Um Trio Intrigante de Sociedades

No coração idílico do vasto oceano Pacífico, o Arquipélago da Sociedade, parte da Polinésia Francesa, embeleza o planeta como uma criação quase perfeita da Natureza. Exploramo-lo durante um bom tempo a partir do Taiti. Os últimos dias, dedicamo-los a Bora Bora, Huahine e Raiatea.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Natureza
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega
Património Mundial UNESCO
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES