Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo


Escoada de Lava vs Mar de Nuvens
Nuvens de bruma seca acima da escoada libertada pela erupção do vulcão Fogo de 1951.
Direcções de Madeira
Placa com lugares entre a Chã das Caldeiras e Mosteiros esculpidos numa tábua irregular.
Mosteiros à Beira-Mar
Casario colorido de Mosteiros à beira do Atlântico.
Cafézal
Grãos do famoso café da ilha do Fogo.
O Caminho para Mosteiros
O caminho que desce da Caldeira para a beira-mar de Mosteiros.
Casas das Papaias
Castro de casas de que despontam grandes papaieras.
Carga de Feijão-Pedra
Moradora de Bangaeira carrega feijão-pedra acabado de colher.
Morro de Mosteiros
Perspectiva lateral de uma das povoações de Mosteiros.
Espera Desesperante
Motorista de Táxi aguarda pelos clientes no fim do trilho que desce da Chã das Caldeiras.
Sobrecarga
Jovem morador da Chã das Caldeiras carrega feijão-pedra sobre um carrinho-de-mão.
Pasto Inclinado
Vaca pasta numa encosta preenchida com cafezais e bananais.
Aldeolas na Encosta
Trecho da costa tornado verdejante pela humidade que flui de Oriente para Ocidente.
Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.

São 2829 metros, os do vulcão Fogo.

Ascendemo-los e, logo, descemo-los, em boa parte, sobre lava áspera ou areia e cinza vulcânica em que cada dois passos para cima suscitaram um de deslizamento. A este revés, juntaram-se o factor altitude e o efeito dos raios solares, bem mais desgastantes que ao nível do mar.

Como nos acontece com demasiada frequência, a constância com que interrompemos a subida e a descida para contemplação dos cenários em redor e sua fotografia, causou um sério atraso da chegada à povoação, duas horas adicionais, sete em vez das habituais cinco, quatro empregues na subida, três na descida.

Regressámos em êxtase por tudo o que havia significado e proporcionado aquela nova conquista. Também extenuados pelo esforço que lhe dedicámos.

Foi, assim, sem surpresa que a noite que passámos na Casa Adriano, em Bangaeira, se provou aquela com o melhor sono de vários em terras cabo-verdianas.

A Dª Filomena tinha-nos preparado um almoço a tempo de uma hora normal da refeição. Em vez, almoçámo-lo já depois das três da tarde. Até ao pôr-do-sol, ainda deambulámos entre as casas soterradas e convivemos com famílias de Portela e Bangaeira.

Família, Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Jovem família da Chã das Caldeiras trabalha na reconstrução de uma casa.

Meia-hora após o sol se sumir a oeste da ilha, regressamos ao abrigo do casal Montrond.

Bebemos qualquer coisa quente. Às nove da noite, rendemo-nos ao cansaço.

Dormimos até às sete da manhã. Pouco depois da aurora e de pequeno-almoço devorado, retomamos a descoberta e a fotografia da Chã e da sua caldeira, devassada como se mantinha, por mais que uma erupção do caprichoso Fogo.

Por volta das onze, com o sol quase a pique, a luz confirma-se demasiado áspera para o nosso gosto. Era o estímulo solar que aguardávamos para nos pormos a caminho.

De Saída da Grande Caldeira do Vulcão Fogo

A jornada para Mosteiros passava por percorrer o trecho interno entre Bangaeira e a saída oriental da caldeira. Mesmo a um Domingo, as gentes da Chã viam-se forçadas a garantir a sua subsistência.

Nesse espaço, deparamo-nos com os derradeiros lares da Caldeira. Um deles exibia uma pequena montra de artesanato à beira do caminho. Uma mesa articulada verde, coberta de areia vulcânica, sugeria-nos sacos de café, casinhas e outras esculturas criadas com lava, palhota e outros materiais, sobretudo vegetais.

Montra de artesanato, Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Montra de peças de artesanato à beira do caminho para a saída da bordeira.

Já tínhamos comprado dezenas dessas casinhas tradicionais a moradores que encontrámos na entrada oposta da caldeira, junto à placa que dá as boas-vindas a quem entra no Parque Natural do Fogo. Limitamo-nos, assim, a contemplar o arranjo cuidado das peças e a prosseguir.

Umas centenas de metros depois, cruzamo-nos com uma senhora de vestes escuras e olhos claros, com um grande molho de feijão-pedra à cabeça.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Moradora de Bangaeira carrega feijão-pedra acabado de colher.

Aos poucos, avançamos entre uma colónia de grandes eucaliptos e um mar de lava propagado por uma das dezenas de erupções do vulcão, tudo indicava ter sido a de 1951.

Despedimo-nos do Fogo, com o seu monte envolto numa bruma quente e seca que o reduzia a uma quase silhueta cónica, cada vez mais difusa contra o céu esbranquiçado.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

O caminho que desce da Caldeira para a beira-mar de Mosteiros.

Passagem da Chã das Caldeiras à Floresta do Monte Velho

Atingimos o limiar da bordeira. O caminho deixa o reduto lávico. Entra no Perímetro Florestal de Monte Velho.

Do nada, uma pick up azul surge de um meandro da via. Vem carregada de vigas de madeira, essenciais ao esforço de reconstrução a que se viam obrigadas as gentes da Chã das Caldeiras após a última erupção de 2014-2015.

Aquando da nossa passagem, o guarda-florestal está ausente do posto. Constrangido pelo dever de cobrar as entradas, alcança-nos numa correria. Pagamos-lhe os 200 escudos devidos. O rapaz passa-nos o bilhete respectivo e agradece, após o que volta aos afazeres que o mantinham ausente.

Prosseguimos na descida. Às tantas, uma aberta na vegetação revela-nos um cenário surreal.

Entre o plano das copas das árvores e o do céu azulão que servia de abóbada de tudo, uma grande frente de nuvens alvas desafiava o caudal em queda mas solidificado da escoada avassaladora que há muito acompanhávamos.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Nuvens de bruma seca acima da escoada libertada pela erupção do vulcão Fogo de 1951.

Por mais alva que nos parecesse, essa frente quase tangível da famosa bruma seca cabo-verdiana continha humidade.

Fazia despontar e irrigava o mato do leste-nordeste da ilha do Fogo, uma vegetação, no cimo, idosa e frondosa mas que em breve se se renderia a distintas expressões vegetais milagrosas.

Uma outra tabuleta farrusca identificava povoados e lugares alcançáveis pela ramificação de uma bifurcação: Montinho, Piorno, Campanas Cima e R. Filipe de um lado. Centro Monte Velho, Coxo, Pai António e Mosteiros Trás, do outro. Sabíamos que, ao tomarmos o segundo, estaríamos no caminho certo.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Placa com lugares entre a Chã das Caldeiras e Mosteiros esculpidos numa tábua irregular.

A Descida Semi-Vertiginosa Ladeada por Agaves

Não tarda, a quase estrada de terra dá lugar a um trilho apertado, íngreme e sinuoso, ladeado por centenas de agaves verdejantes e aguçados.

De tal maneira bicudos, que uma qualquer distracção e queda redundaria num sério ferimento. Íngreme como era, o trilho depressa nos levou abaixo do manto da “bruma seca”. Revelou-nos um mundo gradualmente mais fértil.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Castro de casas de que despontam grandes papaieras.

Para ambos os lados da sebe de agaves, preenchiam a falda os cafezais que dão origem ao prestigiado café do Fogo. Também bananais. E papaieiras. Aqui e ali, umas plantações perdidas no meio de outras.

Vacas leiteiras pastavam em pastos improvisados e inclinados, sulcados por uma rede de velhos muros que marcavam propriedades.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Vaca pasta numa encosta preenchida com cafezais e bananais.

O Concelho e a a Aldeia de Mosteiros. Entre os Campos Agrícolas e o Mar

A vertente que descíamos integrava Mosteiros, um concelho-município com quase dez mil habitantes e uma população em crescimento desde, pelo menos, 1980, ao que não será alheia a fertilidade singular da região e a expressão turística que conquistou muito devido à sua posição no sopé do vulcão e à saída do trilho que procurávamos completar.

Quase todos os habitantes de Mosteiros vivem e dependem do meio rural, a principal razão porque víamos a encosta cultivada até mesmo em redutos de tal forma pendentes que rejeitavam socalcos.

Plantam-nos, mantêm-nos e colhem-nos com a ajuda de burros diminutos mas suficientemente poderosos e resistentes para carregarem os donos e grandes cargas encosta acima.

Uma vez mais a vegetação abre. Forma uma janela natural que enquadra a laje de lava vasta no sopé nordeste da encosta.

Dali, entre a folhagem, vislumbramos o casario de blocos, mal-acabado da Vila de Mosteiros, a sede do concelho homónimo, na prática, um aglomerado de pequenas povoações remediadas habitadas por cerca de quatrocentas almas.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Perspectiva lateral de uma das povoações de Mosteiros.

Agricultura à parte, muitos dos seus foguenses aproveitam ainda o sustento piscatório que o Atlântico lhes garante.

Tinham passado duas horas. O sol caía para ocidente do Fogo.

Por razões que só a “bruma seca” conhecia, já só incidia sobre o povoado. Clareava o casario e fazia-o contrastar com a negrura desolada em que assentava.

Mosteiros ,Ilha do Fogo, Cabo Verde

O casario mal-acabado de Mosteiros, nas imediações de outro trajecto habitual da lava do vulcão Fogo.

O Prenúncio Musical de Pai António. E do Fim do Trilho.

Com os joelhos em intenso queixume, ao som de um inesperado e festivo batuque, fazemo-nos a uma escadaria improvisada. Do seu início, não conseguíamos ver o que estava mais abaixo mas suspeitávamos que sinalizava o término do percurso.

Por fim, a escadaria destaca-nos das árvores. Os primeiros degraus exibem-nos um castro longínquo de casas de que se projectavam enormes papaieiras. Os seguintes, desvendam-nos uma calçada de Pai António fundeira e a cena de vida cabo-verdiana inconfundível que lá tinha lugar.

A música provinha de um pequeno bar de grogue com telhado de palhota e em que uma mulher da povoação permanecia à sombra e ao balcão. Ao lado, no intervalo de partidas aguerridas de matraquilhos, dois conterrâneos discutiam a alta voz, tão à vontade que nem o batuko lhes abafava os argumentos.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Motorista de Táxi aguarda pelos clientes no fim do trilho que desce da Chã das Caldeiras.

À sua frente, Edilson, o nosso condutor de táxi “oficial” na ilha do Fogo, desesperava pelo atraso que levávamos. “Ah, aí estão vocês, até que enfim.

Estava a ver que se tinham perdido!” saúda-nos, assim, com a confiança que mantínhamos de parte a parte, conquistada em conversas bem-dispostas de outros trajectos.

Completávamos, ali, 11km de árdua descida. A água que levávamos não nos tinha matado por completo a sede. De acordo, sentamo-nos no muro a beber uma cerveja e um sumo, à conversa com os mosteirenses que, sem o esperarem, nos acolhiam. Seguiu-se um arrastado retorno à capital São Filipe.

E mais alguns dias no caloroso Fogo de Cabo Verde.

Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Celebração Nahuatl
Cidades

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Cultura
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
História
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
A pequena-grande Senglea II
Ilhas
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Natureza
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Parques Naturais
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
Património Mundial UNESCO
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Conversa ao pôr-do-sol
Praias
Boracay, Filipinas

A Praia Filipina de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES