Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo


Escoada de Lava vs Mar de Nuvens
Nuvens de bruma seca acima da escoada libertada pela erupção do vulcão Fogo de 1951.
Direcções de Madeira
Placa com lugares entre a Chã das Caldeiras e Mosteiros esculpidos numa tábua irregular.
Mosteiros à Beira-Mar
Casario colorido de Mosteiros à beira do Atlântico.
Cafézal
Grãos do famoso café da ilha do Fogo.
O Caminho para Mosteiros
O caminho que desce da Caldeira para a beira-mar de Mosteiros.
Casas das Papaias
Castro de casas de que despontam grandes papaieras.
Carga de Feijão-Pedra
Moradora de Bangaeira carrega feijão-pedra acabado de colher.
Morro de Mosteiros
Perspectiva lateral de uma das povoações de Mosteiros.
Espera Desesperante
Motorista de Táxi aguarda pelos clientes no fim do trilho que desce da Chã das Caldeiras.
Sobrecarga
Jovem morador da Chã das Caldeiras carrega feijão-pedra sobre um carrinho-de-mão.
Pasto Inclinado
Vaca pasta numa encosta preenchida com cafezais e bananais.
Aldeolas na Encosta
Trecho da costa tornado verdejante pela humidade que flui de Oriente para Ocidente.
Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.

São 2829 metros, os do vulcão Fogo.

Ascendemo-los e, logo, descemo-los, em boa parte, sobre lava áspera ou areia e cinza vulcânica em que cada dois passos para cima suscitaram um de deslizamento. A este revés, juntaram-se o factor altitude e o efeito dos raios solares, bem mais desgastantes que ao nível do mar.

Como nos acontece com demasiada frequência, a constância com que interrompemos a subida e a descida para contemplação dos cenários em redor e sua fotografia, causou um sério atraso da chegada à povoação, duas horas adicionais, sete em vez das habituais cinco, quatro empregues na subida, três na descida.

Regressámos em êxtase por tudo o que havia significado e proporcionado aquela nova conquista. Também extenuados pelo esforço que lhe dedicámos.

Foi, assim, sem surpresa que a noite que passámos na Casa Adriano, em Bangaeira, se provou aquela com o melhor sono de vários em terras cabo-verdianas.

A Dª Filomena tinha-nos preparado um almoço a tempo de uma hora normal da refeição. Em vez, almoçámo-lo já depois das três da tarde. Até ao pôr-do-sol, ainda deambulámos entre as casas soterradas e convivemos com famílias de Portela e Bangaeira.

Família, Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Jovem família da Chã das Caldeiras trabalha na reconstrução de uma casa.

Meia-hora após o sol se sumir a oeste da ilha, regressamos ao abrigo do casal Montrond.

Bebemos qualquer coisa quente. Às nove da noite, rendemo-nos ao cansaço.

Dormimos até às sete da manhã. Pouco depois da aurora e de pequeno-almoço devorado, retomamos a descoberta e a fotografia da Chã e da sua caldeira, devassada como se mantinha, por mais que uma erupção do caprichoso Fogo.

Por volta das onze, com o sol quase a pique, a luz confirma-se demasiado áspera para o nosso gosto. Era o estímulo solar que aguardávamos para nos pormos a caminho.

De Saída da Grande Caldeira do Vulcão Fogo

A jornada para Mosteiros passava por percorrer o trecho interno entre Bangaeira e a saída oriental da caldeira. Mesmo a um Domingo, as gentes da Chã viam-se forçadas a garantir a sua subsistência.

Nesse espaço, deparamo-nos com os derradeiros lares da Caldeira. Um deles exibia uma pequena montra de artesanato à beira do caminho. Uma mesa articulada verde, coberta de areia vulcânica, sugeria-nos sacos de café, casinhas e outras esculturas criadas com lava, palhota e outros materiais, sobretudo vegetais.

Montra de artesanato, Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Montra de peças de artesanato à beira do caminho para a saída da bordeira.

Já tínhamos comprado dezenas dessas casinhas tradicionais a moradores que encontrámos na entrada oposta da caldeira, junto à placa que dá as boas-vindas a quem entra no Parque Natural do Fogo. Limitamo-nos, assim, a contemplar o arranjo cuidado das peças e a prosseguir.

Umas centenas de metros depois, cruzamo-nos com uma senhora de vestes escuras e olhos claros, com um grande molho de feijão-pedra à cabeça.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Moradora de Bangaeira carrega feijão-pedra acabado de colher.

Aos poucos, avançamos entre uma colónia de grandes eucaliptos e um mar de lava propagado por uma das dezenas de erupções do vulcão, tudo indicava ter sido a de 1951.

Despedimo-nos do Fogo, com o seu monte envolto numa bruma quente e seca que o reduzia a uma quase silhueta cónica, cada vez mais difusa contra o céu esbranquiçado.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

O caminho que desce da Caldeira para a beira-mar de Mosteiros.

Passagem da Chã das Caldeiras à Floresta do Monte Velho

Atingimos o limiar da bordeira. O caminho deixa o reduto lávico. Entra no Perímetro Florestal de Monte Velho.

Do nada, uma pick up azul surge de um meandro da via. Vem carregada de vigas de madeira, essenciais ao esforço de reconstrução a que se viam obrigadas as gentes da Chã das Caldeiras após a última erupção de 2014-2015.

Aquando da nossa passagem, o guarda-florestal está ausente do posto. Constrangido pelo dever de cobrar as entradas, alcança-nos numa correria. Pagamos-lhe os 200 escudos devidos. O rapaz passa-nos o bilhete respectivo e agradece, após o que volta aos afazeres que o mantinham ausente.

Prosseguimos na descida. Às tantas, uma aberta na vegetação revela-nos um cenário surreal.

Entre o plano das copas das árvores e o do céu azulão que servia de abóbada de tudo, uma grande frente de nuvens alvas desafiava o caudal em queda mas solidificado da escoada avassaladora que há muito acompanhávamos.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Nuvens de bruma seca acima da escoada libertada pela erupção do vulcão Fogo de 1951.

Por mais alva que nos parecesse, essa frente quase tangível da famosa bruma seca cabo-verdiana continha humidade.

Fazia despontar e irrigava o mato do leste-nordeste da ilha do Fogo, uma vegetação, no cimo, idosa e frondosa mas que em breve se se renderia a distintas expressões vegetais milagrosas.

Uma outra tabuleta farrusca identificava povoados e lugares alcançáveis pela ramificação de uma bifurcação: Montinho, Piorno, Campanas Cima e R. Filipe de um lado. Centro Monte Velho, Coxo, Pai António e Mosteiros Trás, do outro. Sabíamos que, ao tomarmos o segundo, estaríamos no caminho certo.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Placa com lugares entre a Chã das Caldeiras e Mosteiros esculpidos numa tábua irregular.

A Descida Semi-Vertiginosa Ladeada por Agaves

Não tarda, a quase estrada de terra dá lugar a um trilho apertado, íngreme e sinuoso, ladeado por centenas de agaves verdejantes e aguçados.

De tal maneira bicudos, que uma qualquer distracção e queda redundaria num sério ferimento. Íngreme como era, o trilho depressa nos levou abaixo do manto da “bruma seca”. Revelou-nos um mundo gradualmente mais fértil.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Castro de casas de que despontam grandes papaieras.

Para ambos os lados da sebe de agaves, preenchiam a falda os cafezais que dão origem ao prestigiado café do Fogo. Também bananais. E papaieiras. Aqui e ali, umas plantações perdidas no meio de outras.

Vacas leiteiras pastavam em pastos improvisados e inclinados, sulcados por uma rede de velhos muros que marcavam propriedades.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Vaca pasta numa encosta preenchida com cafezais e bananais.

O Concelho e a a Aldeia de Mosteiros. Entre os Campos Agrícolas e o Mar

A vertente que descíamos integrava Mosteiros, um concelho-município com quase dez mil habitantes e uma população em crescimento desde, pelo menos, 1980, ao que não será alheia a fertilidade singular da região e a expressão turística que conquistou muito devido à sua posição no sopé do vulcão e à saída do trilho que procurávamos completar.

Quase todos os habitantes de Mosteiros vivem e dependem do meio rural, a principal razão porque víamos a encosta cultivada até mesmo em redutos de tal forma pendentes que rejeitavam socalcos.

Plantam-nos, mantêm-nos e colhem-nos com a ajuda de burros diminutos mas suficientemente poderosos e resistentes para carregarem os donos e grandes cargas encosta acima.

Uma vez mais a vegetação abre. Forma uma janela natural que enquadra a laje de lava vasta no sopé nordeste da encosta.

Dali, entre a folhagem, vislumbramos o casario de blocos, mal-acabado da Vila de Mosteiros, a sede do concelho homónimo, na prática, um aglomerado de pequenas povoações remediadas habitadas por cerca de quatrocentas almas.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Perspectiva lateral de uma das povoações de Mosteiros.

Agricultura à parte, muitos dos seus foguenses aproveitam ainda o sustento piscatório que o Atlântico lhes garante.

Tinham passado duas horas. O sol caía para ocidente do Fogo.

Por razões que só a “bruma seca” conhecia, já só incidia sobre o povoado. Clareava o casario e fazia-o contrastar com a negrura desolada em que assentava.

Mosteiros ,Ilha do Fogo, Cabo Verde

O casario mal-acabado de Mosteiros, nas imediações de outro trajecto habitual da lava do vulcão Fogo.

O Prenúncio Musical de Pai António. E do Fim do Trilho.

Com os joelhos em intenso queixume, ao som de um inesperado e festivo batuque, fazemo-nos a uma escadaria improvisada. Do seu início, não conseguíamos ver o que estava mais abaixo mas suspeitávamos que sinalizava o término do percurso.

Por fim, a escadaria destaca-nos das árvores. Os primeiros degraus exibem-nos um castro longínquo de casas de que se projectavam enormes papaieiras. Os seguintes, desvendam-nos uma calçada de Pai António fundeira e a cena de vida cabo-verdiana inconfundível que lá tinha lugar.

A música provinha de um pequeno bar de grogue com telhado de palhota e em que uma mulher da povoação permanecia à sombra e ao balcão. Ao lado, no intervalo de partidas aguerridas de matraquilhos, dois conterrâneos discutiam a alta voz, tão à vontade que nem o batuko lhes abafava os argumentos.

Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Motorista de Táxi aguarda pelos clientes no fim do trilho que desce da Chã das Caldeiras.

À sua frente, Edilson, o nosso condutor de táxi “oficial” na ilha do Fogo, desesperava pelo atraso que levávamos. “Ah, aí estão vocês, até que enfim.

Estava a ver que se tinham perdido!” saúda-nos, assim, com a confiança que mantínhamos de parte a parte, conquistada em conversas bem-dispostas de outros trajectos.

Completávamos, ali, 11km de árdua descida. A água que levávamos não nos tinha matado por completo a sede. De acordo, sentamo-nos no muro a beber uma cerveja e um sumo, à conversa com os mosteirenses que, sem o esperarem, nos acolhiam. Seguiu-se um arrastado retorno à capital São Filipe.

E mais alguns dias no caloroso Fogo de Cabo Verde.

Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
UNESCO
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil
Cidades
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cultura
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
História
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Ilhas
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Natureza
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Património Mundial UNESCO
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Cortejo garrido
Religião
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Bufalos, ilha do Marajo, Brasil, búfalos da polícia de Soure
Sociedade
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.