Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar


Porto Novo
O casario pastel de Porto Novo, a maior cidade de Santo Antão.
Praia dos Pescadores
Redes e barcos numa enseada piscatória a sul de Porto Novo.
Morro do Tubarão
Carro afasta-se do quase cónico Morro do Tubarão.
Ponta Tumba
A primeira enseada do norte de Santo Antão, como vista do cimo da Ponta Tumba.
A Luz de Ponta Tumba
O farol de Ponta Tumba, pouco antes da sua restauração.
A Pontinha
A Pontinha da Janela, assim chamada por razões bem visíveis.
Balizas da Janela
Duas balizas num campo inutilizado por inesperado relevo na praia.
A Janela
O orifício no rochedo que inspirou o nome Janela.
Loja Google
Dona da mercearia Google à conversa com um jovem e pequena familiar.
A Cidade de Pombas
O casario de Pombas estendido ao longo de um vértice litoral bem definido.
Banho Complicado
Dois amigos ajudam-se durante um banho complicado pelos grandes seixos rolantes e pela ondulação.
Marginal de Pombas
Coqueiros acima de um litoral de pequenos seixos, antecedem o centro de Pombas.
Velho Trapiche
Vacas fazem rodar o trapiche secular da fazenda Ildo Benros.
Ildo Benros
O Sr. Ildo Benros e uma auxiliar junto a uma montra das bebidas da fazenda.
Carga de Cana
Trabalhador da fazenda Ildo Benros, leva cana-de-açúcar para junto do trapiche.
Gado do Trapiche
Vaca e cabra acompanham os trabalhos do trapiche do Sr. Ildo Benros.
A Prensa
Trabalhador da fazenda Ildo Benros introduz cana-de-açúcar no velho trapiche da fazenda.
Casas da Janela
Um sector de casario recolhido da povoação de Janela.
Currais Murados
Estruturas numeradas que servem de currais a várias criações de porcos, já fora de Ribeira Grande.
Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.

Assim que o casario pastel de Porto Novo fica para trás, Santo Antão regressa à crueza e altivez dos seus primórdios geológicos, dos milhões de anos passados em convulsão e erosão.

Na quase ausência de marcas humanas, sobressai o esplendor do vulcanismo que a fez erguer das profundezas do oceano. Todo este tempo vencido, o Atlântico renova, momento a momento, a sua relação íntima com as montanhas ferrosas da ilha.

A primeira visão que nos arrebata é a de um conjunto de cumes comedidos que a luz solar faz resplandecer e que um manto de bruma seca, bem seca e bem branca, se esforça, em vão, por abraçar.

A via litorânea destoa por completo da Estrada da Corda. Ziguezagueia para nordeste. Cruza uma série de ribeiras em que, por alturas do meio do ano, só corriam pó e areias.

Atravessada a de André Col, o asfalto revela-nos o cone quase perfeito do Morro de Tubarão.

Com meros 325m, bem abaixo dos 1585m do Pico da Cruz sobranceiro destas partes, este legado estriado da erupção-mãe da ilha deixa-nos boquiabertos, ávidos do que se seguiria.

Transpomos o leito árido da Ribeira Brava e a linha imaginária que separa os concelhos de Porto Novo e de Paul. Vinte minutos depois, confrontamo-nos com a Ponta de Tumba.

Ponta de Tumba e o Velho Farol de Fontes Pereira de Melo

Damos ainda com a torre branca, octogonal, suja e arruinada de um farol. Sobre uma estrutura enferrujada, a sua velha campânula tem vários vidros partidos.

Logo acima, o sol, já mais alto, incide numa baía recortada e profunda.

De cada vez que a bruma seca o liberta, reforça o verde-aquoso, quase esmeralda, do mar batido pelo vento.

De onde estávamos, só conseguíamos vislumbrar a linha de costa noroeste de Santo Antão.

Interessados em desvendá-la, intrigados pela resistência estóica do farol, decidimos subir o trilho murado, pejado de cardos e de cactos, e investigá-lo.

Uma placa tão gasta como o resto da estrutura, identificava o “Pharol António Maria de Fontes Pereira de Melo” erguido em 1886, no reinado de Dom Luís “o Popular”.

Manteve-se activo até 2006. Pouco depois da nossa visita, foi recuperado. Voltou a contribuir para a segurança da navegação, traiçoeira naquelas paragens do Atlântico, que os Alísios embalam e agitam sem misericórdia.

Ao chegarmos à sua base, o velho farol serve-nos de ponto de observação.

O seu promontório desvela-nos os caprichos da costa e uma série de enseadas sulcadas pela continuação da estrada que há muito nos acolhia.

Pontinha de Janela: mais uma Inusitada Aldeia de Santo Antão

Ao fim de mais de uma hora sem quase vermos construções, o farol sugere-nos uma península afiada que se prolongava oceano adentro, coberta de casario e de socalcos agrícolas até o mar o desautorizar.

Sem razões para complicar, o lugar era tratado por Pontinha. Menos óbvia, seria a razão para, do nada, aquele retalho quase anfíbio acolher tanta gente.

À medida que dele nos aproximamos, percebemos o quão abrupto e inóspito era o norte de Santo Antão.

Compreendemos como, de acordo, mesmo mais exposta ao vento e às vagas, uma faixa de terra quase plana com acesso fácil ao mar, fora habitada em jeito de bênção divina, com o esforço e o mérito com que os cabo-verdianos se habituaram a sobreviver.

Não obstante o aperto, há lugar para um campo de futebol que dá sentido ao clube União Desportiva da Janela, outro motivo de empenho e de orgulho da aldeia.

Uma baía até então oculta, surpreende-nos com vários dos contrastes orgânicos de que a ilha é pródiga.

A espuma marinha alva desfaz-se sobre um limiar de seixos e calhaus basálticos.

Algumas dezenas de metros para o interior, os calhaus e seixos dão lugar a uma areia áspera a condizer, duas balizas de pau nela plantadas, em jeito de desespero futebolístico.

Ainda mais acima, já do lado de lá da estrada elevada, despontam coqueiros e palmeiras de uma plantação agrícola diminuta mas viçosa.

À Pontinha da Janela, segue-se a Janela.

Ao percorremos a extensão da povoação, composta de casas umas alvas, umas coloridas, outras do cinzento característico dos blocos de cimento por pintar, brotam mais algumas palmeiras e coqueiros agraciados com a humidade ali largada pelos Alísios.

Em termos paisagísticos, destaca-se o penhasco perfurado que enquadra o oceano do lado de lá e que inspirou o nome do povoado.

No que diz respeito à História e às suas controvérsias, uma pequena rocha rabiscada concentra as atenções.

A Pedra de Letreiro e a Teoria Desprezada de Gavin Menzies

Em 2002, Gavin Menzies, um oficial reformado da Marinha Britânica publicou “1421 – O Ano em que a China Descobriu o Mundo”.

Na obra, explana o que consideram provas de exploração marítima do mundo anterior à europeia, entre 1421 e 1423, por parte de navegadores chineses, entre as quais, a dobragem do Cabo da Boa Esperança, o Estreito de Magalhães e a chegada à Austrália.

Menzies substanciou as suas teorias durante viagens suas por 120 países e quase mil museus, bibliotecas e portos medievais de boa parte do Mundo.

Ora, neste rodo de informação por ele estudada, constava a tal rocha de Janela, a Pedra de Letreiro que os moradores chamam de Pedra Scrivida.

À imagem de outros autores, Menzies afiança que preserva inscrições feitas por visitantes de Santo Antão anteriores aos supostamente pioneiros europeus.

Uma aliança de historiadores conceituados fustigou Menzies. Em três tempos e sem pejo.

Confrontaram-no com a sua fanfarronice teórica, na realidade, assente numa total ausência de metodologia e de seriedade científica.

A par de inabilidade em questionar e interpretar dados históricos que afiançam reduzir a um nada a deambulação investigativa de Menzies pelo Mundo.

A polémica intriga-nos. Comprometemo-nos a investigar o livro, tarefa que continua numa lista aturada decorrente das nossas próprias divagações.

Apressamo-nos a retomar, a de Santo Antão, pela beira-mar cada vez mais abrupta da costa norte.

Por Terras de Paul e da Vila (agora cidade) das Pombas

À Pontinha de Janela, segue-se a zona de Paul que dá o nome ao concelho em que andávamos.

Denomina uma área de encosta irrigada por três ribeiras que fluem das terras mais altas (incluindo o Pico da Cruz), a de Paul, a de Janela e a de Penedo, responsáveis por um solo muito mais encharcado e verdejante do que é normal em Santo Antão.

De tal maneira fértil que permite várias colheitas de cana-de-açúcar, de banana, de mandioca e até de café.

Em Paul, o carro em que circulávamos avaria. Aproveitamos a espera pela sua substituição, para calcorrear as ruelas, sobretudo as marginais, mais arejadas.

Rendemo-nos ao calor e a algum cansaço. Instalamo-nos num restaurante a almoçar peixe recém-pescado ao largo, com outros petiscos cabo-verdianos.

No entretanto, um funcionário do rent-a-car chega com a pick-up substituta. De novo motorizados, descobrimos pontos de observação sobre a Vila das Pombas, hoje, promovida à cidade principal do concelho do Paul.

Pombas estende-se por uma fajã comparável à Pontinha, se bem que lateralizada.

De onde a admirávamos, uma sebe de coqueiros erguia-se acima de uma beira-mar.

Para não variar, feita de grandes seixos rolantes em que, mesmo num equilíbrio precoce, dois rapazes enfrentavam a rebentação vigorosa, entregues a um banho marinho refrescante.

Seguia-se o cemitério local.

E, para norte, o casario marginal, uma vez mais de blocos por pintar, com algumas excepções, de tons pastel, num ou outro caso, de cores garridas destoantes.

Prosseguimos marginal fora, atentos às modas, usos e costumes pitorescos destas partes.

Uma senhora tinha transformado parte da sua casa numa mercearia. Apostada em que os clientes lá encontrassem um pouco de tudo, baptizou-a de Google.

À falta de fregueses, mantinha-se à janela, com uma filha a que o parapeito chegava ao nariz, a tentar perceber quem eram, afinal, os forasteiros com quem a mãe tagarelava.

O Trapiche Secular do Senhor Ildo Benrós

“O Sô Ildo? É uma porta muito simples que encontram aí num muro comprido” informa-nos a senhora num português o menos crioulo possível.

A porta abre-se para uma fazenda disposta em redor de uma casa rural antiga, de um rosa gasto, com um pátio de terra murado por diante.

Do centro do terreno, irrompe o fulcro de todas as operações, um trapiche tradicional com, pelo menos, quatrocentos anos.

Recebe-nos o dono, o senhor Ildo Benrós.

Habituado às visitas dos turistas, mais pragmático que sorridente.

Ildo deixa-nos à vontade, pelo que acompanhamos o mais perto possível os vários passos do fabrico do grogue:

O transporte da cana-de-açúcar a partir da plantação acima da casa.

O aparelhamento dos bois no braço, a rotação do mecanismo.

A inserção gradual da cana na prensa, a fonte do caldo doce e ainda fresco que um dos trabalhadores nos dá a provar, em jeito de preparativo para o grogue e para a poncha que acabamos por comprar.

No derradeiro trecho para a Ribeira Grande, passamos pela aldeia de Sinagoga.

E, uns quilómetros para diante, por uma encosta que albergava dezenas de currais de porcos, geminados em muros de pedra, ali colocados de maneira a garantir uma distância higiénica das casas dos proprietários e da cidade em geral.

A Ribeira Grande não tardou.

Seria apenas a primeira de várias incursões à grande cidade do outro lado de Santo Antão.

Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Vicente, Cabo Verde

O Deslumbre Árido-Vulcânico de Soncente

Uma volta a São Vicente revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Quem a visita, surpreende-se com a grandiosidade e excentricidade geológica da quarta menor ilha de Cabo Verde.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Santiago, Cabo Verde

Ilha de Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Cultura
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Étnico
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
História
Nikko, Japão

Nikko, Toshogu: o Santuário e Mausoléu do Xogum Tokugawa

Um tesouro histórico e arquitectónico incontornável do Japão, o santuário Toshogu de Nikko homenageia o mais importante dos xoguns nipónicos, mentor da nação japonesa: Tokugawa Ieyasu.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Ilhas
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Cumbre Vieja, La Palma, erupção, Tsunami,Um Apocalipse Televisionado
Natureza
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Património Mundial UNESCO
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Sesimbra, Vila, Portugal, castelo
Praias
Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Religião
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT