Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar


Porto Novo
Praia dos Pescadores
Morro do Tubarão
Ponta Tumba
Farol Ponta Tumba
A Pontinha
Balizas da Janela
A Janela
Loja Google
A Cidade de Pombas
Banho Complicado
Marginal de Pombas
Velho Trapiche
Ildo Benros
Carga de Cana
Gado do Trapiche
A Prensa
Casas da Janela
Currais Murados
Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.

Assim que o casario pastel de Porto Novo fica para trás, Santo Antão regressa à crueza e altivez dos seus primórdios geológicos, dos milhões de anos passados em convulsão e erosão.

Na quase ausência de marcas humanas, sobressai o esplendor do vulcanismo que a fez erguer das profundezas do oceano. Todo este tempo vencido, o Atlântico renova, momento a momento, a sua relação íntima com as montanhas ferrosas da ilha.

A primeira visão que nos arrebata é a de um conjunto de cumes comedidos que a luz solar faz resplandecer e que um manto de bruma seca, bem seca e bem branca, se esforça, em vão, por abraçar.

A via litorânea destoa por completo da Estrada da Corda. Ziguezagueia para nordeste. Cruza uma série de ribeiras em que, por alturas do meio do ano, só corriam pó e areias.

Atravessada a de André Col, o asfalto revela-nos o cone quase perfeito do Morro de Tubarão.

Com meros 325m, bem abaixo dos 1585m do Pico da Cruz sobranceiro destas partes, este legado estriado da erupção-mãe da ilha deixa-nos boquiabertos, ávidos do que se seguiria.

Transpomos o leito árido da Ribeira Brava e a linha imaginária que separa os concelhos de Porto Novo e de Paul. Vinte minutos depois, confrontamo-nos com a Ponta de Tumba.

Ponta de Tumba e o Velho Farol de Fontes Pereira de Melo

Damos ainda com a torre branca, octogonal, suja e arruinada de um farol. Sobre uma estrutura enferrujada, a sua velha campânula tem vários vidros partidos.

Logo acima, o sol, já mais alto, incide numa baía recortada e profunda.

De cada vez que a bruma seca o liberta, reforça o verde-aquoso, quase esmeralda, do mar batido pelo vento.

De onde estávamos, só conseguíamos vislumbrar a linha de costa noroeste de Santo Antão.

Interessados em desvendá-la, intrigados pela resistência estóica do farol, decidimos subir o trilho murado, pejado de cardos e de cactos, e investigá-lo.

Uma placa tão gasta como o resto da estrutura, identificava o “Pharol António Maria de Fontes Pereira de Melo” erguido em 1886, no reinado de Dom Luís “o Popular”.

Manteve-se activo até 2006. Pouco depois da nossa visita, foi recuperado. Voltou a contribuir para a segurança da navegação, traiçoeira naquelas paragens do Atlântico, que os Alísios embalam e agitam sem misericórdia.

Ao chegarmos à sua base, o velho farol serve-nos de ponto de observação.

O seu promontório desvela-nos os caprichos da costa e uma série de enseadas sulcadas pela continuação da estrada que há muito nos acolhia.

Pontinha de Janela: mais uma Inusitada Aldeia de Santo Antão

Ao fim de mais de uma hora sem quase vermos construções, o farol sugere-nos uma península afiada que se prolongava oceano adentro, coberta de casario e de socalcos agrícolas até o mar o desautorizar.

Sem razões para complicar, o lugar era tratado por Pontinha. Menos óbvia, seria a razão para, do nada, aquele retalho quase anfíbio acolher tanta gente.

À medida que dele nos aproximamos, percebemos o quão abrupto e inóspito era o norte de Santo Antão.

Compreendemos como, de acordo, mesmo mais exposta ao vento e às vagas, uma faixa de terra quase plana com acesso fácil ao mar, fora habitada em jeito de bênção divina, com o esforço e o mérito com que os cabo-verdianos se habituaram a sobreviver.

Não obstante o aperto, há lugar para um campo de futebol que dá sentido ao clube União Desportiva da Janela, outro motivo de empenho e de orgulho da aldeia.

Uma baía até então oculta, surpreende-nos com vários dos contrastes orgânicos de que a ilha é pródiga.

A espuma marinha alva desfaz-se sobre um limiar de seixos e calhaus basálticos.

Algumas dezenas de metros para o interior, os calhaus e seixos dão lugar a uma areia áspera a condizer, duas balizas de pau nela plantadas, em jeito de desespero futebolístico.

Ainda mais acima, já do lado de lá da estrada elevada, despontam coqueiros e palmeiras de uma plantação agrícola diminuta mas viçosa.

À Pontinha da Janela, segue-se a Janela.

Ao percorremos a extensão da povoação, composta de casas umas alvas, umas coloridas, outras do cinzento característico dos blocos de cimento por pintar, brotam mais algumas palmeiras e coqueiros agraciados com a humidade ali largada pelos Alísios.

Em termos paisagísticos, destaca-se o penhasco perfurado que enquadra o oceano do lado de lá e que inspirou o nome do povoado.

No que diz respeito à História e às suas controvérsias, uma pequena rocha rabiscada concentra as atenções.

A Pedra de Letreiro e a Teoria Desprezada de Gavin Menzies

Em 2002, Gavin Menzies, um oficial reformado da Marinha Britânica publicou “1421 – O Ano em que a China Descobriu o Mundo”.

Na obra, explana o que consideram provas de exploração marítima do mundo anterior à europeia, entre 1421 e 1423, por parte de navegadores chineses, entre as quais, a dobragem do Cabo da Boa Esperança, o Estreito de Magalhães e a chegada à Austrália.

Menzies substanciou as suas teorias durante viagens suas por 120 países e quase mil museus, bibliotecas e portos medievais de boa parte do Mundo.

Ora, neste rodo de informação por ele estudada, constava a tal rocha de Janela, a Pedra de Letreiro que os moradores chamam de Pedra Scrivida.

À imagem de outros autores, Menzies afiança que preserva inscrições feitas por visitantes de Santo Antão anteriores aos supostamente pioneiros europeus.

Uma aliança de historiadores conceituados fustigou Menzies. Em três tempos e sem pejo.

Confrontaram-no com a sua fanfarronice teórica, na realidade, assente numa total ausência de metodologia e de seriedade científica.

A par de inabilidade em questionar e interpretar dados históricos que afiançam reduzir a um nada a deambulação investigativa de Menzies pelo Mundo.

A polémica intriga-nos. Comprometemo-nos a investigar o livro, tarefa que continua numa lista aturada decorrente das nossas próprias divagações.

Apressamo-nos a retomar, a de Santo Antão, pela beira-mar cada vez mais abrupta da costa norte.

Por Terras de Paul e da Vila (agora cidade) das Pombas

À Pontinha de Janela, segue-se a zona de Paul que dá o nome ao concelho em que andávamos.

Denomina uma área de encosta irrigada por três ribeiras que fluem das terras mais altas (incluindo o Pico da Cruz), a de Paul, a de Janela e a de Penedo, responsáveis por um solo muito mais encharcado e verdejante do que é normal em Santo Antão.

De tal maneira fértil que permite várias colheitas de cana-de-açúcar, de banana, de mandioca e até de café.

Em Paul, o carro em que circulávamos avaria. Aproveitamos a espera pela sua substituição, para calcorrear as ruelas, sobretudo as marginais, mais arejadas.

Rendemo-nos ao calor e a algum cansaço. Instalamo-nos num restaurante a almoçar peixe recém-pescado ao largo, com outros petiscos cabo-verdianos.

No entretanto, um funcionário do rent-a-car chega com a pick-up substituta. De novo motorizados, descobrimos pontos de observação sobre a Vila das Pombas, hoje, promovida à cidade principal do concelho do Paul.

Pombas estende-se por uma fajã comparável à Pontinha, se bem que lateralizada.

De onde a admirávamos, uma sebe de coqueiros erguia-se acima de uma beira-mar.

Para não variar, feita de grandes seixos rolantes em que, mesmo num equilíbrio precoce, dois rapazes enfrentavam a rebentação vigorosa, entregues a um banho marinho refrescante.

Seguia-se o cemitério local.

E, para norte, o casario marginal, uma vez mais de blocos por pintar, com algumas excepções, de tons pastel, num ou outro caso, de cores garridas destoantes.

Prosseguimos marginal fora, atentos às modas, usos e costumes pitorescos destas partes.

Uma senhora tinha transformado parte da sua casa numa mercearia. Apostada em que os clientes lá encontrassem um pouco de tudo, baptizou-a de Google.

À falta de fregueses, mantinha-se à janela, com uma filha a que o parapeito chegava ao nariz, a tentar perceber quem eram, afinal, os forasteiros com quem a mãe tagarelava.

O Trapiche Secular do Senhor Ildo Benrós

“O Sô Ildo? É uma porta muito simples que encontram aí num muro comprido” informa-nos a senhora num português o menos crioulo possível.

A porta abre-se para uma fazenda disposta em redor de uma casa rural antiga, de um rosa gasto, com um pátio de terra murado por diante.

Do centro do terreno, irrompe o fulcro de todas as operações, um trapiche tradicional com, pelo menos, quatrocentos anos.

Recebe-nos o dono, o senhor Ildo Benrós.

Habituado às visitas dos turistas, mais pragmático que sorridente.

Ildo deixa-nos à vontade, pelo que acompanhamos o mais perto possível os vários passos do fabrico do grogue:

O transporte da cana-de-açúcar a partir da plantação acima da casa.

O aparelhamento dos bois no braço, a rotação do mecanismo.

A inserção gradual da cana na prensa, a fonte do caldo doce e ainda fresco que um dos trabalhadores nos dá a provar, em jeito de preparativo para o grogue e para a poncha que acabamos por comprar.

No derradeiro trecho para a Ribeira Grande, passamos pela aldeia de Sinagoga.

E, uns quilómetros para diante, por uma encosta que albergava dezenas de currais de porcos, geminados em muros de pedra, ali colocados de maneira a garantir uma distância higiénica das casas dos proprietários e da cidade em geral.

A Ribeira Grande não tardou.

Seria apenas a primeira de várias incursões à grande cidade do outro lado de Santo Antão.

Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Santiago, Cabo Verde

Ilha de Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India
Cultura
Chandor, Goa, Índia

Uma Casa Goesa-Portuguesa, Com Certeza

Um palacete com influência arquitectónica lusa, a Casa Menezes Bragança, destaca-se do casario de Chandor, em Goa. Forma um legado de uma das famílias mais poderosas da antiga província. Tanto da sua ascensão em aliança estratégica com a administração portuguesa como do posterior nacionalismo goês.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Em Viagem
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Navala, Viti Levu, Fiji
Étnico
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Ilhas
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Tambores e tatoos
Natureza
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Parques Naturais
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Cortejo garrido
Património Mundial UNESCO
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Praias
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Sociedade
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES