Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente


Fim de mais um dia
Sol põe-se detrás do Monte Cara e alaranja a Baía do Porto Grande e a sua marina.
Cidade milagrosa
O casario do Mindelo disposto em redor da Baía do Porto Grande, com o Monte Cara em fundo.
Sombra Fugidia
Motorizada estacionada à sombra de um prédio decadente de tom anil.
Atrás da Baliza
Cliente num bar do Mindelo com decoração futebolística.
Cortes Benfiquistas
Barbeiros da barbearia Benfica ( Av. Marginal) em plena acção.
Em Boa Companhia
Edifício da velha empresa Figueira e Cia, Lda, um dos mais emblemáticos da Av. Marginal.
O Descobridor
Estátua do descobridor Diogo Afonso acima do areal e da Av. Marginal.
A Marginal
Marginal do Mindelo encerrada por um dos picos ocre que rodeiam a cidade.
O Palácio do Povo
Ciclistas passam em frente do Palácio do Povo, antigo Palácio do Governador.
Sombras & Cores
Transeunte passa por um edifício peculiar da zona histórica do Mindelo.
Ocaso Balnear
Salva-vidas da Prainha arrumam uma prancha com o sol quase a cair para detrás do Monte Cara
Vendedores na Rua
Mindelenses improvisam uma venda num rua gasta da cidade.
São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.

A extensão arredondada do Mindelo, com o seu casario pastel e prolífico a querer engolir de uma vez a angra que lhe serviu de molde, só nos complicava a missão de encontrarmos um ponto de observação privilegiado.

Tinham-nos falado de dois, como seria de esperar, ambos situados sobre a encosta que aperta a cidade, sobretudo a leste.

Dois ou três pedidos de indicações depois, ainda meio perdidos numa segunda ou terceira linha do bairro de João d’Évora, explicam-nos o início do trilho para o Monte Alto que buscávamos, esperávamos que o caminho para uma das vistas abençoadas da ilha.

Assim se confirmou.

O Panorama do Mindelo Glorioso, do Cimo do Monte Alto

Já no cume, percebemos como os seus 126 metros e a inclinação do monte o tinham transformado numa estranha ilha geológica, uma orgulhosa resistente ocre cercada dos lares e estabelecimentos que, com os tempos, as gentes cabo-verdianas e as de fora fizeram expandir o Mindelo.

Para baixo, concêntricas face ao extremo norte da baía, víamos destacarem-se os edifícios mais sólidos da cidade, sem grande lógica ou espartilhos arquitectónicos.

Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O casario do Mindelo disposto em redor da Baía do Porto Grande, com o Monte Cara em fundo.

Uns, vivendas térreas, ou pouco mais. Outros, prédios já com os seus quatro ou até cinco andares. Todos eles em tons de pastel, todos encaixados no sopé que, dali, ascende por 8km, de forma suave, aos 750 m do Monte Verde, o zénite ventoso de São Vicente.

Uma vez seguro de si, o Mindelo deixou de se contentar com o entorno mais acolhedor e proveitoso do Porto Grande. Apreciamos o panorama noutras direcções e até para trás do monte que nos sustinha.

O casario estendia-se por ali mesmo, num mar de cimento em blocos que, quanto mais distante do mar mais cinzento se tornava, sem os salpicos de branco e de outras cores próprias do âmago urbano.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, Sombras e cores

Transeunte passa por um edifício peculiar da zona histórica do Mindelo.

Daquele cimo, víamos os barcos de recreio, na marina, uns poucos ferries.

E alguns cargueiros sarapintarem o azul-marinho do Atlântico, pontos de escala que faziam salientar a imponência oposta e rugosa do Monte Cara (490m), mais para o ocidente arenoso e ressequido de Lazareto, do Monte Sossego, zonas também elas limítrofes que, salvo umas poucas excepções, o Mindelo está por ocupar.

Damos por encerrada a contemplação elevada que nos entretinha. Regressamos à base do Monte Alto, ao carro e à Avenida Marginal de que tínhamos partido.

A Beira-Mar que Une os Mindelenses ao Mindelo

Reencontramos o pontão complementar do Pont d’Água no seu oásis frondoso de Bohemian Chick. Assim que cruzamos a estrada para a Praça Dom Luís, voltamos ao Mindelo secular, resplandecente de história, de vida e de morabeza que mais encanta quem o visita.

A Rua Libertad d’África alça-nos à elegância e importância do antigo Palácio do Governador, hoje, em tempos de Democracia apostada em se provar exemplar, denominado Palácio do Povo.

Rosa e branca, a mansão surge, a quem por ali passa, como um cenário de Alice no País das Maravilhas caído, sem estragos, do céu azulão acima.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, Palácio do Povo

Ciclistas passam em frente do Palácio do Povo, antigo Palácio do Governador.

Passam por ele, transeuntes embrenhados nos seus afazeres. Os pedestres em modo defensivo face ao trânsito que lhes passa a rasar.

Os condutores, a evitarem a mini-rotunda rasa, feita de canteiros listados, que as autoridades se lembraram de por ali instalar.

Arte, também em forma de instalações, abunda no Palácio do Povo.

Vencida, desde 1975, a lógica habitacional dos governadores coloniais, além de embelezar a mansão, o Mindelo destinou-a à expressão artística já de si prolífica na cidade, caso único de criatividade no arquipélago, caso sério na, mais vasta, Macaronésia.

O Mindelo e a sua Incontornável Aptidão Artística

Vagueamos para sul na grelha urbana. Passamos a edilidade da ilha de São Vicente.

Damos connosco na Pracinha da Igreja, de frente para a igreja da Nª Srª da Luz, o umbigo do Mindelo, à volta da qual se prostraram as suas casas e ruas pioneiras, a começar pela Rua da Luz que calcorreávamos.

À falta de arte premeditada e assinada, o Mindelo revela-nos, logo ao lado, uma versão casual que nos deixa rendidos.

Recuado face à fachada do templo, um velho prédio em tempos de um azul-claro igual ao celeste, descascava sob secura inclemente de São Vicente.

Em frente à sua própria fachada, uma acácia tresmalhada erguia-se pouco acima do piso térreo.

Determinado em evitar que a pintura da motorizada acabasse como a do edifício, um morador mantinha-a na sombra fugidia da árvore.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, Sombra de acácia

Motorizada estacionada à sombra de um prédio decadente de tom anil.

O calor estival, a falta de água e de sombra, a dificuldade em semear e conseguir colher, bem como de criar animais foram os principais obstáculos enfrentados pelos povoadores pioneiros.

Outros surgiriam.

De acordo com a carta régia de D. Afonso V, terá sido Diogo Afonso, escudeiro do Infante D. Fernando, o descobridor de São Vicente, bem como da Brava, de São Nicolau, São Vicente, Santo Antão e dois outros ilhéus, o Branco e o Raso.

Por esse feito de 1462, o navegador mantém, aliás, uma estátua de bronze acima da marginal.

Entre os barcos dos pescadores e a que, quando a praia-mar entra em pleno, o Atlântico chega quase aos pés, prestando-lhe a devida vassalagem.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, estátua de Diogo Afonso

Estátua do descobridor Diogo Afonso acima do areal e da Av. Marginal.

A Vida Atarefada da Avenida Marginal

O meio da avenida é marcado por grandes palmeiras. Vemos as suas sombras graciosas projectadas nas fachadas multicolores que a encerram, casas dos mais distintos negócios estabelecidos e itinerantes.

Aqui e ali, a relação quase umbilical entre Cabo Verde e Portugal salta à vista.

Ali por perto, destaca-se, ainda mais acima, a réplica da Torre de Belém. Foi inaugurada em 2010 com a presença do então Presidente Cavaco Silva, de visita a Cabo Verde, para celebrar os 550 anos passados desde a chegada dos navegadores portugueses.

Numa pitoresca barbearia, a bandeira nacional convive com uma panóplia de calendários, emblemas e fotografias do Benfica.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, barbearia

Barbeiros da barbearia Benfica ( Av. Marginal) em plena acção.

São vários os jogadores do Grandioso, seus rivais e convocados para a selecção portuguesa nascidos em Cabo Verde ou filhos de pais cabo-verdianos que mantêm dupla nacionalidade.

Numa de tantas vezes que caminhamos pela Av. Marginal, cruzamo-nos com Vânia e Riseli, jovens vendedoras de fruta e vegetais.

Conversa puxa conversa, entramos numa perspectiva não desportiva do tema paternidade. A sua confissão conformada deixa-nos estupefactos: “aqui em Cabo Verde, homem só serve para fazer filhos.

Depois, até evita passar por nós para não exigirmos nada.”  “Então ficam só com a parte divertida, como pode ser?” retorquimos.

“É isso mesmo. Isto, por cá, não tem nada a ver com Portugal! Eu tenho um filho. Só eu e os meus pais cuidamos dele. Ela já tem dois, é a mesma coisa…”

Alguns Mindelenses adeptos das cartas, encostam-se ao bronze de Diogo Afonso, no intervalo das jogatanas disputadas debaixo de quatro telheiros irmanados.

O Longo Hiato Histórico entre o Descobrimento e o Povoamento

Hoje, os Mindelenses são mais de setenta mil. Têm direito a estas aturadas pausas lúdicas, animadas a dobrar pelas discussões em redor dos eventos futebolísticos da ex-metrópole.

Nas muitas décadas que se seguiram ao descobrimento de Diogo Afonso, as raras tentativas de assentamento fracassaram, umas, mais danosas que outras.

Os piratas e corsários, esses, habituaram-se a usar a Baía do Porto Grande como covil para as suas investidas sobre os navios das potências colonizadoras.

A posição fulcral de São Vicente, como alpondra providencial na navegação para a América do Sul, levou ainda a que, em 1624, os Holandeses lá reagrupassem a sua armada, com o objectivo de tomarem, aos portugueses, a Baía de Todos os Santos (Salvador) e, daí, o que conseguissem do Brasil.

Só um século e meio depois, já saturadas de tanto e continuado abuso do arquipélago (sobretudo dos piratas) as autoridades portuguesas ditaram que São Vicente teria que ser povoado.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, Marginal

Marginal do Mindelo encerrada por um dos picos ocres que rodeiam a cidade.

Por Fim, o Assentamento que Urgia

Decorreram quase outros quinze anos. Lá desembarcaram, por fim, os primeiros desafortunados: vinte colonos servidos por cinquenta escravos que a Cidade Velha de Santiago há muito traficava, levados da ilha do Fogo.

O capitão-mor de São Vicente, um tavirense endinheirado, fê-los instalarem-se numas poucas cabanas e barracas, no lugar da actual praça da Igreja Nª Srª da Luz, por essa altura, a aldeia de Nª Srª da Luz.

Em 1819, ainda se contavam menos de 120 os habitantes da ilha.

Fazendo fé no potencial do Porto Grande, o novo governador recrutou outras cinquenta e seis famílias, na ocasião, oriundas da bem mais fértil ilha de Santo Antão.

Sonhador, facilmente impressionável pela pompa, António Pusich decidiu homenagear a Imperatriz da Áustria. Rebaptizou a povoação de Leopoldina.

São Vicente, não tinha ainda água que assegurasse a sobrevivência das suas gentes, quanto mais requintes.

Ou sequer a diversidade de vegetais, frutas e outros bens da terra que agora enchem de cor e de ânimo o mercado municipal, o do Peixe, o dos Vegetais e os móveis, de rua, que destes se estendem em redor do vestuário e artesanato predominante na Praça Estrela.

Passados mais dois anos, boa parte dos 295 moradores que alentavam o sonho Pusichiano de Leopoldina, já tinham debandado.

A Entrada em Cena dos Ingleses e do Carvão

A colonização de São Vicente só voltou a ganhar tracção quando os ingleses chegaram, determinados a extrair e vender o carvão até então ignorado da ilha aos navios a vapor, negócio propulsionado pelas várias companhias de navegação inglesas que percorriam o Atlântico.

O carvão depressa se provou o combustível civilizacional de São Vicente, como o sal se revelou o da ilha do Sal.

Com a escravatura abolida e a cidade a abrir-se cada vez mais ao progresso e ao mundo, um surto de febre amarela voltou a reduzir os habitantes da cidade. De 1400 para metade.

Durante os anos 30 do século XX, o súbito declínio da venda de carvão e da ancoragem de barcos no Porto Grande, agravado pelas secas e pela fome da década de 40 levaram a muitas mortes, a uma intensa diáspora e a nova decadência da cidade.

A vida nas restantes ilhas revelava-se, todavia, tão ou mais precária.

A crença de que o Porto Grande abrigava inesgotáveis empregos instigou a migração para o Mindelo. Lá continuam a abundar.

O sol volta a envolver-se com o pico do Monte Cara. Também a praia da Laginha se prepara para a noite.

Eliseu Santos, salva-vidas escultural, bombeiro, segurança e professor de educação-física desce da torre de observação e recolhe uma prancha da beira d’água.

A essa hora, ele e o colega que o ajuda tornam-se silhuetas em movimento contra a baía prateada.

Logo, um grupo dá música à rua de Libertad d’Africa, sobre um palco montado de costas para o Palácio do Povo.

O Mindelo entrega-se de vez ao seu delicioso modo hedónico.

Cesária Évora, Rainha da Morna, a filha mais Famosa do Mindelo

O Mindelo viu nascer e falecer, em 2011, a sua Rainha da Morna, Cesária Évora.

E não tardam a soar também êxitos da “diva dos pés descalços”, a começar pela “Saudade” de San Niclau, todos eles vindos da Casa da Morna, logo ao lado do prédio emblemático da Figueira & Cia, Lda.

Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, Figueira e Cia

Edifício da velha empresa Figueira e Cia, Lda, um dos mais emblemáticos da Av. Marginal.

O Contributo Decisivo da Migração e da Emigração

O facto de, a determinada altura, o Mindelo ter o único liceu do Barlavento fez com que lá se concentrasse a nata dos intelectuais do arquipélago, incluindo Amílcar Cabral. A sua presença esteve na origem da emergente consciência nacional cabo-verdiana.

A partir de 1968, as verbas enviadas pelos emigrantes da diáspora, sobretudo na Europa e nos E.U.A., melhoraram sobremaneira a vida cabo-verdiana.

Seis anos depois, a Revolução do 25 de Abril abriu as portas à independência e ao regresso à cidade de muitos quadros e políticos que antes viviam emigrados ou noutras ex-colónias portuguesas.

O Mindelo reorganizou-se política e economicamente. Em redor do Porto Grande, claro está.

O legado cultural luso, inglês, o norte-americano e europeu para lá remessado pelas sucessivas gerações de diáspora cabo-verdiana geraram uma capital de São Vicente enérgica, criativa e reluzente, quem sabe, se o entreposto atlântico que o governador António Pusich se atreveu a fantasiar.

O Mindelo é, nos nossos dias, a segunda cidade do arquipélago, a mais dinâmica e viajada.

E, se tivermos em conta a desolação cozida pelo sol e soprada pelos Alísios com que Diogo Afonso se deparou, um luxo como nenhum outro em Cabo Verde.

Salva-vidas da Prainha arrumam uma prancha com o sol quase a cair para detrás do Monte Cara

São Vicente, Cabo Verde

O Deslumbre Árido-Vulcânico de Soncente

Uma volta a São Vicente revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Quem a visita, surpreende-se com a grandiosidade e excentricidade geológica da quarta menor ilha de Cabo Verde.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Santiago, Cabo Verde

Ilha de Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Ponta do Sol a Fontainhas, Santo Antão, Cabo Verde

Uma Viagem Vertiginosa a Partir da Ponta do Sol

Atingimos o limiar norte de Santo Antão e de Cabo Verde. Em nova tarde de luz radiosa, acompanhamos a azáfama atlântica dos pescadores e o dia-a-dia menos litoral da vila. Com o ocaso iminente, inauguramos uma demanda sombria e intimidante do povoado das Fontainhas.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Cidades
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Cultura
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Casario sofisticado de Tóquio, onde o Couchsurfing e os seus anfitriões abundam.
Em Viagem
Couchsurfing (Parte 1)

Mi Casa, Su Casa

Em 2003, uma nova comunidade online globalizou um antigo cenário de hospitalidade, convívio e de interesses. Hoje, o Couchsurfing acolhe milhões de viajantes, mas não deve ser praticado de ânimo leve.
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
Étnico
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India
História
Chandor, Goa, Índia

Uma Casa Goesa-Portuguesa, Com Certeza

Um palacete com influência arquitectónica lusa, a Casa Menezes Bragança, destaca-se do casario de Chandor, em Goa. Forma um legado de uma das famílias mais poderosas da antiga província. Tanto da sua ascensão em aliança estratégica com a administração portuguesa como do posterior nacionalismo goês.
Torshavn, Ilhas Faroe, remo
Ilhas
Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor

É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Natureza
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Parques Naturais
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Património Mundial UNESCO
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Praias
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Religião
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Gatis de Tóquio, Japão, clientes e gato sphynx
Sociedade
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Vida Selvagem
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT