Centro de São Tomé, São Tomé e Príncipe

De Roça em Roça, Rumo ao Coração Tropical de São Tomé


Cortina Patriótica
Puro Cacau
A Ver a Vida Passar
Rapazes da Roça Bombaim
Lucas, da roça Bombaim
A Roça Monte Café
Mãe e Filho
Roça Santa Clara
Névoa sobre a Selva
Selva do PN Obo
trindade-cidade-sao-tome-ilha-carros
Trindade pós-Colonial
A Caminho
Pintura do Massacre Batepá
Roça Monte Café
Moradora da Roça Santa Clara
Os Correios de Trindade
O Palácio Presidencial de Trindade
No caminho entre Trindade e Santa Clara confrontamo-nos com o passado colonial terrífico de Batepá. À passagem pelas roças Bombaim e Monte Café, a história da ilha parece ter-se diluído no tempo e na atmosfera clorofilina da selva santomense.

O dia ainda amanhece, nebuloso e cinzento de gravana, quando, apontados a sudoeste e ao cerne da ilha, constatamos uma estranha convivência de nomes, uns familiares, outros, sobretudo estranhos e que não lembrariam nem ao diabo.

Almeirim aparece nas imediações de Blublu. Água Creola sobrepõe-se a Caixão Grande.

António Vaz antecede Trindade, capital do distrito santomense de Mé-Zochi e segunda cidade de São Tomé, mesmo se só dista sete quilómetros da capital homónima.

Em Trindade, o velho edifício de fachada arredondada dos CTT ainda está fechado. Diante, avançam uns poucos funcionários a caminho dos seus postos.

E grupos de moradores, apontados a uma fonte de água potável pintada de verde, a combinar com o negócio de madeira logo ao lado.

Trindade acolhe mais de seis mil habitantes, apenas um décimo da população da capital.

De tempos a tempos, um deles é o Presidente da República de São Tomé e Príncipe, abrigado numa mansão rosada imposta a uma colina verdejante, velada por palmeiras com grandes copas.

Essa mansão inacessível intriga-nos por momentos. Já o edifício colonial amarelo, de portas e janelas altas e águas furtadas abertas num telhado oxidado pelos anos, destaca-se da soturnidade humidificada da paisagem.

Compele-nos a fotografá-lo em distintas cenas, com transeuntes e o tráfico que por ali circula.

A Mácula Colonial do Massacre de Batepá

A par de Batepá, Trindade foi um dos polos de que se proliferou a violência colonial infligida sobre a população negra santomense e que, muitos, creem ter despoletado o seu sentimento nacionalista e anseio independentista.

Gerou-a o Governador-geral feito Calígula do arquipélago, Carlos Gorgulho.

Nomeado em 1945, o coronel de artilharia Gorgulho ditou uma série de leis e medidas que visavam o controle da comunidade de servos das roças e afins.

Almejavam, em particular, proibir formas de subsistência a que os nativos se começavam a habituar, caso da venda de vinho de palma e de aguardente de cana, bebidas que Gorgulho considerava que diminuíam a produtividade dos trabalhadores.

Como se não bastasse, agravou o imposto sobre o labor.

O Desenvolvimento que Carlos Gorgulho queria Garantir com Trabalho Escravo

À viragem para a década de 50, Gorgulho pôs ainda em prática um plano ambicioso de urbanização das ilhas de São Tomé e de Príncipe.

Combinava um novo bairro residencial para funcionários, disposto em plena Av. Marginal, um mercado municipal, novos aeroportos, um estádio, um cinema e uma rede de avenidas e ruas que ligavam os edifícios planeados.

Até aqui, tudo bem. O abuso escravizante ter-se-á, todavia, repetido aquando do recrutamento de trabalhadores para as tais obras.

Diz-se que Gorgulho o procurou resolver através da divulgação de que o Estado procurava assalariados para diversos postos. Quando os candidatos surgiam, eram informados de uma inesperada falta de verba para os remunerar.

Pouco depois, viam-se cercados pela polícia e forçados a trabalhar pelo equivalente a um Euro por dia, bastante menos no caso de voluntários. Em Trindade, em específico, apenas cinco ou seis candidatos apareceram para uma trintena de vagas.

Frustrado, Gorgulho ordena que a polícia varra a ilha à procura de indocumentados para obrigar a preencher as brigadas laborais. A polícia fá-lo com tal afinco que os visados criam procedimentos de alarme contra o trabalho na base de rapto e manipulado na base das chicotadas e outros castigos corporais.

De acordo, a falta de mão-de-obra para os projectos de Gorgulho continuava sem resolução e piorada pela impossibilidade de recrutar trabalhadores em Angola, colónia que padecia do mesmo problema. Outros rumores surgiram que fizeram os Forros (assim se chamavam as potenciais vítimas) sentir-se encurralados.

O conflito intensificou-se. Em Caixão Grande, um polícia de origem angolana é vítima de um golpe de catana. Dias depois, surgem escritos anónimos em paredes de Trindade que ameaçam Gorgulho de morte, caso continuasse a tentar vergar os Forros (trabalhadores das roças).

No mesmo dia, Forros anónimos arrancam avisos de postos de trabalho colocados pelas autoridades. As autoridades anunciam que pagam o equivalente a cinco mil euros a quem delate os infractores. Daí em diante, a falta de mão-de-obra complicou-se ainda mais.

Como a desconfiança e agressividade mútuas que não tardaram a descambar.

A Paranóia de Carlos Gorgulho e o Disseminar da Violência

Agravou-se na mente do governador Gorgulho a paranoia de que os santomenses preparavam uma sublevação. Gorgulho reagiu de maneira preventiva e extemporânea.

Mobilizou os colonistas portugueses para se armarem e protegerem. Os proprietários das roças recrutaram trabalhadores cabo-verdianos, angolanos e moçambicanos.

A 3 de Fevereiro, Gorgulho deu instruções para que o CPI (Corpo de Polícia Indígena e outras autoridades, com a ajuda dos proprietários, capturassem, espancassem, torturassem e assassinassem centenas de suspeitos, sobretudo de Trindade, de Batepá e em volta.

Em certos casos, a chacina deu-se de formas terríveis.

Na ressaca da matança, Gorgulho terá proferido “atirem esta merda toda ao mar, para evitarmos problemas”. Os seus funcionários seguiram a ordem a letra.

O Marco de Batepá e a Vergonha que Subsiste

De Trindade, seguimos para Batepá. Lá encontramos um marco pintado de várias cores que relembra a tragédia e as suas vítimas. Pinturas em torno do memorial reconstituem os seus pormenores mais macabros, como um camião a despejar cadáveres no Atlântico.

Cruzamo-nos com um grupo de amigos de visita. Um deles, que traja uma camisa da selecção portuguesa, pede-nos para que o fotografemos junto ao memorial. Os compinchas torcem o nariz, incomodados pelo pedido.

Rogam-lhe que não o faça. Confiante nos seus princípios de luso-irmandade, o rapaz retorque “parem com isso! Povo santomense é ignorrrrrante!” dito assim mesmo, como os santomenses o fazem, com os erres carregados.

Da Roça de Santa Clara à Roça de Bombaim

Passamos pela roça Santa Clara. Nas suas plantações e sanzalas, constatamos uma miséria dos trabalhadores equiparável a que os antecedentes sofriam nos tempos do governador Gorgulho.

A que se soma a incontornável sodadi de Cabo Verde e dos tempos de pobreza e agrura, pelo menos livre, nas ilhas do arquipélago macaronésio.

Wilson, o guia que nos guia, conduz-nos por um caminho que sulca a floresta tropical, que serve de atalho para uma roça a sul, em tempos concorrente, a Bombaim.

Damos com Bombaim – o lugarejo e a fazenda que lhe deu origem – na iminência do vasto domínio selvagem e indómito do Parque Natural de Ôbo.

Bombaím surgiu como outra de tantas roças produtoras de café e de cacau da ilha. Teve o seu apogeu de produção e de lucro.

Roça Bombaim e a Decadência que Perdura

Com a abolição da escravatura e a internacionalização da produção do cacau, entrou no processo de decadência em que a encontramos. Vários edifícios estão arruinados, entregues às figueiras e restante mato. Como sempre acontece em São Tomé,

As sanzalas nuas e degradadas, ainda servem de casa a alguns santomenses. Cada vez menos, em Bombaím.

Em 2001, o lugar acolhia 30 almas. Uma década depois, já eram menos de vinte.

Um miúdo percorre o caminho sulcado na erva, na nossa direcção. Tímido, ganha coragem e apresenta-se. É Lucas. Seguimo-lo entre patos, galinhas e porcos, até a secção da sanzala ocupada pelos pais.

Saudamo-los. De imediato, sentimo-los absortos. Como que sedados pelo abandono a que foram votados. Uma inscrição feita a carvão numa parede resume a sua condição: “Roça Bombaim. Cidade desgraçada. Cumpra-se”.

Mesmo estando tudo por cumprir, pouco antes de deixarmos o que sobra da roça, o pai de Lucas aborda-nos junto ao carro. Oferece-nos um bouquet de rosas-porcelana que tinha acabado de compor.

Despedimo-nos comovidos. Com um sentimento misto de culpa e de impotência por os deixarmos assim. E, no entanto, é o que quase todos os visitantes de Bombaím e das roças fazem.

A Nova Vida da Roça Monte Café

Ao contrário da Bombaim, a roça Monte Café por que passamos em seguida, já a 670 metros de altitude, acolhe uma população abundante.

Insiste numa tentativa de recuperação da produção de café arábica e de cacau que, inaugurou em 1858, o que a torna uma das mais antigas de São Tomé.

Dessa data, até ao declínio, a Monte Café gerou lucro suficiente para se expandir e erguer o seu próprio hospital.

Quando a percorremos, encontramos jovens famílias a viverem em parte das instalações.

Outra secção é gerida por taiwaneses que, como parte do seu programa de apoio a São Tomé e Príncipe, asseguravam consultas duas vezes por semana.

A névoa paira sobre a floresta acima da roça.

De quando em quando, assenta e refresca os miúdos que brincam acima e abaixo de velhas escadarias e das vias que unem os edifícios seculares.

Aos poucos, o café recém-colhido seca. Falta-nos o tempo em que São Tomé e as suas roças se perderam.

São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Ilhéu das Rolas: São Tomé e Principe a Latitude Zero

Ponto mais austral de São Tomé e Príncipe, o Ilhéu das Rolas é luxuriante e vulcânico. A grande novidade e ponto de interesse desta extensão insular da segunda menor nação africana está na coincidência de a cruzar a Linha do Equador.
São Tomé, São Tomé e Príncipe

Pelo Cocuruto Tropical de São Tomé

Com a capital homónima para trás, rumamos à descoberta da realidade da roça Agostinho Neto. Daí, tomamos a estrada marginal da ilha. Quando o asfalto se rende, por fim, à selva, São Tomé tinha-se confirmado no top das mais deslumbrantes ilhas africanas.
São Tomé (cidade), São Tomé e Príncipe

A Capital dos Trópicos Santomenses

Fundada pelos portugueses, em 1485, São Tomé prosperou séculos a fio, como a cidade porque passavam as mercadorias de entrada e de saída na ilha homónima. A independência do arquipélago confirmou-a a capital atarefada que calcorreamos, sempre a suar.
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Roça Sundy, Ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe

A Certeza da Teoria da Relatividade

Em 1919, Arthur Eddington, um astrofísico britânico, escolheu a roça Sundy para comprovar a famosa teoria de Albert Einstein. Decorrido mais de um século, o norte da ilha do Príncipe que o acolheu continua entre os lugares mais deslumbrantes do Universo.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cidades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Capacete capilar
Cultura
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Horseshoe Bend
Étnico
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Vaca cachena em Valdreu, Terras de Bouro, Portugal
História
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
Fajãzinha, Ilha das Flores, Confins dos Açores e de Portugal
Ilhas
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Joshua Tree Parque Nacional, Califórnia, Estados Unidos,
Natureza
PN Joshua Tree, Califórnia, Estados Unidos

Os Braços Virados ao Céu do PN Joshua Tree

Chegados ao extremo sul da Califórnia, espantamo-nos com as incontáveis árvores de Josué que despontam dos desertos de Mojave e Colorado. Tal como os colonos mórmons que as terão baptizado, cruzamos e louvamos estes cenários inóspitos do Faroeste norte-americano.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Parques Naturais
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Património Mundial UNESCO
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
Praias
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Religião
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.