Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense


Igreja de Santo Amaro
A igreja de Santo Amaro, erguida no lugar de uma pequena capela dos primórdios da colonização da Madeira.
Fábio Afonso
Fábio Afonso no seu restaurante "Maktub" do Paul do Mar.
Paul do Mar
O casario do Paul do Mar divide a fajã local com um grande bananal.
Quase Noite
Banhistas divertem-se num molhe dos fundos do Paul do Mar.
Praia de Pedra
A beira-mar pedregosa abaixo de Paul do Mar.
Paul do Mar de Longe
O casario do Paul do Mar divide a fajã local com um grande bananal.
Ocaso vegetal
Formas de um pescoço-de-ganso e de um cacto bem definidas pelo pôr-do-sol
A Piscina da Levada
A piscina das Casas da Levada, com a Ponta do Pargo ao fundo.
500 metros de vertigem
Teleférico das Achadas da Cruz desce para o destino final da Quebrada Nova.
Reabastecimento
Morador da Quebrada Nova tenta encher um balde de água do mar agitado em frente.
Enseada da Quebrada
Enseada repleta de rochas delimita a Quebrada Nova.
Ascensão iminente
Grupo de visitantes da Quebrada Nova aguarda pelo teleférico para regressar ao cimo das Achadas da Cruz.
Vista da Ponta do Pargo
O ocaso amarela as falésias a sul da Ponta do Pargo.
O Farol da Ponta
Visitantes da Ponta do Pargo fotografam-se em frente ao farol da povoação.
Ocaso ao Acaso
Um curto momento exposto do pôr-do-sol, como visto detrás do farol da Ponta do Pargo.
Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.

A Madeira e os túneis incontáveis que a perfuraram e percorrem num fascinante mundo subterrâneo paralelo na base das suas montanhas exuberantes: não há como lhes fugir.

Vencida nova sequência de quilómetros nesse submundo, os correspondentes à linha quase recta entre o Jardim do Mar e o Paul do Mar, a estrada VE7 deixa-nos logo acima do casario longilíneo que compõe a última das povoações.

A via ER223 que dá continuidade ao túnel, prova-se também ela um feito de engenharia rodoviária, encaixada como está no sopé de algumas das falésias mais elevadas e íngremes do sul da ilha, tendo em conta que, até ao fim dos anos 60, só se chegava ao Paul do Mar de barco.

E que nos trinta anos seguintes era uma estradinha sinuosa, íngreme e traiçoeira que lá permitia chegar por terra.

Uns metros de luz resplandecente para diante, cortamos para a Rua da Igreja. Damos de caras com um miradouro avarandado, com o Atlântico a banhar o litoral repleto de calhaus basálticos com uma ternura que o litoral do norte não sente nem em sonhos.

Paul do Mar, Ilha da Madeira, Portugal

A igreja de Santo Amaro, erguida no lugar de uma pequena capela dos primórdios da colonização da Madeira.

A Chegada Luminosa a Paul do Mar

Por alguma razão a rua em que nos detivemos recebeu tal nome. Viramos as costas ao miradouro e ao mar. No plano de vista oposto, uma igreja com visual futurista parecia desafiar a sumptuosidade geológica verde-ocre das escarpas.

A igreja de Santo Amaro, padroeiro da freguesia, tomou o lugar de uma capela modesta mas que desempenhou o papel de sede da paróquia local, instituída nos últimos dias de 1676, demolida no ano da revolução dos Cravos.

A cruz arrojada do novo templo destaca-se da nave. Aliás, da laje calçada de que a admiramos, dá-nos a ideia de que está prestes a descolar para o Espaço.

Espreitamos a Travessa do Serradinho que dali se estende, delimitada por um casario que tem ar de ser o mais antigo das redondezas. Logo, regressamos ao carro e à ER223. Por umas dezenas de metros apenas.

A Marginal Social que Abriga as Famílias que Resistiram à Emigração

A extensão moderna e alongada do Paul do Mar exige-nos novo desvio em direcção ao oceano. Cruzamos um dos bananais mais extensos que vimos na Madeira, a amadurecer sob o calor daquela zona, diz-se que a mais solarenga e abafada da ilha.

Passamos ao lado do cemitério da povoação. Após o que entramos na sua extensa marginal, delimitada a sul por um paredão que a protege das tempestades.

Litoral pedregoso, Paul do Mar, Ilha da Madeira, Portugal

A beira-mar pedregosa abaixo de Paul do Mar.

E, a norte, por casas bem mais recentes, com perfil de bairro social, habitadas em boa parte por descendentes numerosos dos pescadores que – decorriam os anos 60 – resistiram a emigrar para as Américas, dizem os registos que com grande incidência no Panamá e a reforçar a já impressionante diáspora madeirense em redor do mundo.

Mesmo assim, nessa década, os habitantes de Paul do Mar diminuíram de mais de 1800 para 900, um número próximo ao da população de hoje.

Cada casa por que passamos abriga uma complexa expressão de vida, com sangue de pescadores – não fosse o Paul do Mar – um dos mais importantes polos piscatórios da Madeira.

E o Fundo do Paul, o Domínio Absoluto da Diversão

Com o tempo e a benesse do clima, mais que lugar de celebrações religiosas e populares frequentes, o Paul do Mar tornou-se uma espécie de povoação sempre em festa. Os surfistas descobriram as ondas que, na altura certa do ano, ali se formam. Chegaram e procuraram lugar onde ficar.

Aos primeiros alojamentos, bares e outros negócios, seguiram-se vários mais, a contar com pequenas iniciativas de caminhadas, desportos náuticos e avistamento de golfinhos e baleias.

Os bares, em particular, aumentaram a olhos vistos. Hoje, sobretudo em períodos de férias e junto aos fins de semana, o paredão em frente a estes estabelecimentos mantém-se repleto de jovens ávidos por partilharem o sol, a boa-disposição e as peripécias meritórias do espanto alheio.

Uma Viagem Gastronómica e Cultural chamada “Maktub”

É neste espírito que damos entrada num dos estabelecimentos incontornáveis de Paul do Mar, o restaurante pré-destinado, descontraído e garrido “Maktub”.

Fábio Afonso põe-nos à vontade. Serve-nos um dos pargos mais suculentos e saborosos que degustámos até hoje, empratado com azeite e pétalas aromáticas, acompanhado por palitinhos de cenoura e courgette, arroz integral e cubinhos de batatas fritas. Jantamos cercados de mensagens deixadas por convivas de todo o mundo no mural improvisado das paredes.

Fábio Afonso, Maktub, Paul do Mar, Ilha da Madeira, Portugal

Fábio Afonso no seu restaurante “Maktub” do Paul do Mar.

Por mapas e outros elementos alusivos ao nosso âmbito preferido, o das viagens. Fábio conta-nos que o seu próprio “Maktub” é uma espécie de jornada de vida, influenciada por distintos universos, o do mar e do surf, o da música, o das viagens e por aí fora. “Sabem, isto já corre na família.

Neste preciso momento, tenho o meu pai a dar uma volta ao mundo de veleiro. Levou a bordo umas quarenta garrafas de vinho da Madeira para oferecer onde ancorasse.”

Fábio Afonso e os irmãos levam a cabo outras empresas. São, não tarda há vinte anos, organizadores do Maktub Soundsgood, um festival de música virado para o reggae e para o mar.

Com o sol quase a assentar no oceano, abreviamos o jantar e desculpamo-nos a Fábio por isso.

Mesmo a partir do muro logo em diante ao “Maktub”, para trás e para a frente, é para o mar que nos viramos.

Com o ocaso raptado por um rodapé de nebulosidade que provinha do norte da ilha, decidimos antecipar o regresso à estrada. À ER223, claro está.

Silhueta de pescoço de ganso, Paul do Mar, Ilha da Madeira, Portugal

Formas de um pescoço-de-ganso e de um cacto bem definidas pelo pôr-do-sol

O Caminho Deslumbrante para a Ponta do Pargo

Mais destemida e pitoresca que nunca, a via fez-nos ziguezaguear pela falésia acima. Assim mesmo e sem pressas, levou-nos a terras mais altas da Madeira: Fajã da Ovelha, Lombada dos Marinheiros e, meia-hora depois, ao destino desse fim de dia, o cabo finisterra madeirense da Ponta do Pargo.

Pelo caminho, não conseguimos resistir às sucessivas vistas do casario de Paul do Mar e do seu bananal prolífico a preencher a base da encosta.

Paul do Mar, Ilha da Madeira, Portugal

O casario do Paul do Mar divide a fajã local com um grande bananal.

Detemo-nos ainda para admirarmos o percurso tresloucado da própria via, feito de meandros inclinados, alguns deles abertos por pequenos túneis escavados na rocha, em que a dimensão dantesca dos penhascos reduzia os carros a um quase nada.

O Abrigo Inspirador da Casa das Levadas

Atingida a Ponta do Pargo, instalamo-nos nas Casas da Levada, um turismo rural inspirador que resultou de uma recuperação harmoniosa e sustentada de vários palheiros tradicionais, edifícios de pedra rústicos em que as famílias do campo guardavam os seus vimes.

Hoje, renovadas com uma simplicidade encantadora, as casas mantêm-se nas suas posições, sobranceiras face a campos cultivados, à vila e ao mar que banha o vértice ocidental da ilha, próximas de levadas que sulcam a floresta de laurisilva endémica da Madeira.

Piscina Casas da Levada, Ilha da Madeira, Portugal

A piscina das Casas da Levada, com a Ponta do Pargo ao fundo.

Por muita modernidade talentosa que tenha acolhido – caso ainda dos edifícios do Centro Cívico da povoação e da calçada axadrezada em que assentam – a Ponta do Pargo terá sempre a origem histórica secular que lhe granjearam os pioneiros destes confins ocidentais da Madeira.

O Pargo Superlativo na Origem do baptismo Ponta do Pargo

Narrou o historiador Gaspar Frutuoso que, o baptismo de Ponta do Pargo proveio da navegação de Tristão Vaz Teixeira e de Álvaro Afonso que, malgrado a perigosidade do mar, ali terão conseguido pescar um grande pargo, o maior que tinham visto, isto, alguns anos antes da fundação da povoação, que se estima da segunda metade do século XVI.

Na manhã seguinte, estreamo-nos numa outra estrada antiga e sinuosa do oeste da Madeira, a ER-101, que sobe no mapa rumo a Porto Moniz e à costa norte da ilha.

Pelo caminho, tabuletas que indicavam um miradouro e um teleférico, aliciaram-nos para o limiar estonteante de Achadas da Cruz, quase 500 metros acima da fajã da Quebrada Nova, ambas sobre as coordenadas  em que o sul e o norte da Madeira se encontram, vertiginosas e ventosas a condizer.

A Descida Vertiginosa de Achadas da Cruz à Quebrada Nova

Debruçamo-nos sobre a vedação do miradouro. Espreitamos a orla de terra que, lá em baixo, enfrenta o grande Atlântico, os muros, murinhos e edifícios erguidos pelos colonos que, numa ilha montanhosa como a Madeira, acharam por bem aproveitar aquela terra, tão fértil como extrema.

Teleférico Achadas da Cruz à Quebrada Nova, Ilha da Madeira, Portugal

Teleférico das Achadas da Cruz desce para o destino final da Quebrada Nova.

Fotografamos a descida estonteante de um teleférico e a subida complementar do outro. Questionamo-nos se as rajadas que sentíamos intensificar-se não abanariam demasiado as cabinas.

Apreensivos, esclarecemo-nos com o funcionário da bilheteira. “Ó amigos, sim está a aumentar um pouco mas olhem que isto já aqui está há muitos anos e nunca tivemos acidentes. Estão a ver aquelas luzes? São elas que reagem ao vento, por assim dizer. Com a verde, está tudo OK. Com a vermelha, o sistema faz as cabinas pararem. Neste momento, está amarelo. Desçam sem medos.”

Mesmo algo receosos de ficarmos presos a meio da descida, com a cabine a embalar-nos, como aconteceu, em 2018, ao Presidente da Junta, seus familiares e a mais seis estrangeiros, é o que fazemos.

Aos poucos, o aproximar da cabine faz sumir as linhas e formas da Quebrada Nova. A umas meras dezenas de metros do solo, o vento enfurece-se. A cabine oscila mas completa o percurso sem que luz vermelha a barrasse.

Quebrada Nova: um Reduto Agrícola Improvável

Desembarcamos. Deslumbramo-nos com a enseada rochosa à direita, batida pelo vendaval furioso do Norte que, ali, quase nos fazia levantar voo. Percorremos o caminho que percorre a franja da fajã, na direcção contrária, entre os curralinhos de vinho, outros cultivos e a beira-mar pedregosa.

Enquanto avançamos, testemunhamos o dia-a-dia inusitado do lugar. Uma família recém-chegada transportava compras da base do teleférico para o seu palheiro-moradia. Um morador, por sinal estrangeiro, saiu do seu palheiro de balde na mão, fez-se à rebentação com cuidados redobrados, encheu-o e regressou a casa.

Quebrada Nova, Ilha da Madeira, Portugal

Morador da Quebrada Nova tenta encher um balde de água do mar agitado em frente.

Sem surpresa, a Quebrada Nova nunca teve população fixa. Foi sempre uma espécie de anexo agrícola que os habitantes das imediações visitavam quando necessário para manter os seus cultivos.

Com o advento do turismo, no entanto, tornou-se frequente alguns forasteiros sentirem-se atraídos pela excentricidade geográfica e geológica do lugar, ali aprisionado entre a vastidão do Atlântico Norte e a imponência das falésias madeirenses. Vários, compraram ou alugam palheiros-moradia e passaram a frequentá-los quando as suas almas ditavam tal retiro.

Continuamos a explorar a Quebrada Nova pelo caminho caprichoso que a sulca, em circuito quase fechado, de regresso à base do teleférico.

Ilha da Madeira, Portugal

Grupo de visitantes da Quebrada Nova aguarda pelo teleférico para regressar ao cimo das Achadas da Cruz.

Carregamos no botão que, à laia de elevador, o chama. Embarcamos e, uma vez mais sem incidentes, retornamos às alturas da Achada da Cruz.

O Regresso a Tempo do Ocaso da Ponta do Pargo

Já de volta a Ponta do Pargo, descemos do centro do povo rumo ao farol que equipava o promontório. Espreitamos os panoramas abruptos para norte e para sul, ambos amarelados pela iminência do ocaso.

Uma mãe e uma filha, produzem Instagrames sem fim, com os cenários e adereços em redor do farol. Nós, caminhamos para trás da sua torre.

Fotografamos a silhueta da campânula translúcida entre o que nos parecem araucárias ou pinheiros-Norfolk desfolhados.

Ocaso na Ponta do Pargo, Ilha da Madeira, Portugal

Um curto momento exposto do pôr-do-sol, como visto detrás do farol da Ponta do Pargo.

Por fim, o crepúsculo dá-se. De novo antecipado e ainda mais caprichoso que o do Paul do Mar, exuberante apenas nos breves instantes em que o grande astro passou entre dois mantos densos de névoa.

Celebramos a sua inesperada excentricidade e fotogenia. Com a noite a envolver a Madeira, cedemos ao abrigo acolhedor das Casas da Levada.

 

Os Autores agradecem o apoio das CASAS DA LEVADA à criação desta reportagem:

www.casasdalevada.com

+351 966780406

Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
UNESCO
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Cultura
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Étnico
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
História
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Playa Nogales, La Palma, Canárias
Ilhas
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Baleias caçada com Bolhas, Juneau a Pequena Capital do Grande alasca
Natureza
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Thira, Santorini, Grécia
Património Mundial UNESCO
Thira, Santorini, Grécia

Thira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Thira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Jerusalém deus, Israel, cidade dourada
Religião
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.