Lagoa de Albufeira ao Cabo Espichel, Sesimbra, Portugal

Romagem a um Cabo de Culto


A grande Lagoa de Albufeira
Mexilhoeiros Disseminados
Os banhistas da Lagoa
Meandro da Foz
O Santuário sobre o Cabo Espichel
O Santuário do Cabo
Ermida da Memória
Dª Maria do Carmo
A Nave
O Farol
Faroleiro Baptista Pinto
A Igreja do Cabo
Casas Cabo Espichel
Ruínas Grafitadas
Noite sobre o Santuário
FYA
Barco a Seco
Moldura
Mexilhoeiro
Praia do Moínho de Baixo
Do cimo dos seus 134 metros de altura, o Cabo Espichel revela uma costa atlântica tão dramática como deslumbrante. Com partida na Lagoa de Albufeira a norte, litoral dourado abaixo, aventuramo-nos pelos mais de 600 anos de mistério, misticismo e veneração da sua aparecida Nossa Senhora do Cabo.

Numa tarde como tantas outras que anunciam e antecipam o Verão, a sequência das marés acrescentava o seu contributo.

Concedia a uns poucos banhistas felizardos o privilégio de um deleite imaculado.

A maior parte, concentrava-se numa apanha comunitária de bivalves, disseminados pelas margens lodosas que a baixa-mar quase tinha deixado a descoberto.

Com vista para os viveiros de mexilhões que flutuavam a montante, sobre águas fundas, próximo dos quinze metros que fazem da Albufeira a lagoa mais profunda de Portugal.

Os Meandros Deliciosos da Foz da Lagoa de Albufeira

A uns poucos, interessava sobretudo o lazer anfíbio com que, na sua peculiaridade efémera, a foz os prendava.

A maré descia. Com ela, a água da lagoa fluía, a velocidade razoável, pelos meandros que a separavam do oceano, sulcados numa vastidão de areia aluvial.

Um casal divertia-se a ver como o seu cão de estimação examinava e testava o riacho, ansioso por os reencontrar do lado de lá.

Outro, deixava-se levar pela correnteza, numa deliciosa flutuação para o mar. Bandos de crianças percorriam e atravessavam a foz vezes sem conta, entregues a trabalhos e a missões que a criancice promovia a epopeias sem igual.

Enquanto a lagoa drenava, as vagas do Atlântico, tom de esmeralda desfaziam-se, umas contra o ponto de contacto dos dois corpos de água, outras, contra a base do cordão dunar que torna a praia elevada.

A maior ritmo que as marés, sobrevoavam-nos os aviões em aproximação à foz do Tejo e ao aeroporto de Lisboa.

À medida que explorávamos o litoral dourado da Península de Setúbal, continuámos a acompanhá-los com os olhos. Desvendámos segredos das suas rotas.

Da Lagoa de Albufeira à Aldeia do Meco

Passamos pela Aldeia do Meco. Ainda sob um ténue vestígio de brisa, encontramos as suas praias com uma ondulação quase rasa, como nunca por ali tínhamos testemunhado.

Em dia de semana primaveril, os frequentadores contavam-se pelos dedos de uma mão, entregues a passeatas à beira-mar, acima e abaixo das dunas da Praia do Moinho de Baixo.

Faltavam os banhistas de roupa de banho e os nudistas que, chegado o Estio, a preenchem e que usufruem das Praias Naturistas do Rio da Prata, da das Bicas, da Foz e do Rebenta Bois.

Desta última, para sul, as falésias apoderam-se da costa que sobra, até ao promontório em que a Outra Banda se precipita no Atlântico.

E, logo, a Caminho do Cabo Espichel

Era esse, o solitário Cabo Espichel, o destino que nos esperava.

A longa Av. das Forças Armadas deixa para trás o âmago da Aldeia do Meco e as suas ruas ladeadas de restaurantes e casas de petiscos. Aos poucos, ascende para as terras mais altas da península.

Algures entre Pinheirinhos e a Aldeia Nova, entronca na Av. 25 de Abril apontada a Azoia. Não tarda, entramos no domínio do Parque Natural da Arrábida.

Uma cobra ziguezagueia mais que a estrada. Adiante, uma madre perdiz esforça-se por conduzir uma ninhada de pintos hesitantes.

Por fim, no que restava da distância, vislumbramos o farol que ilumina o cabo. E, logo, a alameda em U desigual, ladeada de Hospedarias do Santuário da Nª Srª do Cabo.

 A Guardiã de Há Muito Dª Maria do Carmo

O cruzeiro à entrada deixa poucas dúvidas quanto à esfera do divino que nos acolhe. Quando damos entrada na igreja que fecha o U, depressa compreendemos o quanto de humano tinha aquele divino a cargo.

À conta da persistente pandemia, Dª Maria do Carmo mantinha-se sentada no seu posto, protegida por um acrílico que lhe salvaguardava a vista.

“Olhe que não pode tirar fotografias!” relembrava, com ênfase redobrado, de cada vez que os visitantes faziam de conta que não tinham reparado na proibição afixada na porta.

“É isto, todo o dia, acreditam? desabava, connosco, quando percebe que, apesar de entrarmos com máquinas fotográficas, respeitamos as regras e aguardamos por uma autorização especial já pedida à Diocese.

“Vejam lá que até há uns, que cá vêm e, quando percebem que não podem fotografar, saem logo amuados. Afinal vêm cá para quê?”

Malgrado as entradas e saídas frequentes dos crentes e visitantes, dá-nos a sensação que Dª Maria do Carmo estaria melhor com uma companhia estável e conversadora.

O nosso inesperado interesse pelas coisas da igreja, as credenciais com que chegávamos da edilidade de Sesimbra, geram nela confiança.

Instigam-na a puxar por uma conversa bem-disposta e quase sem cerimónias.

“Isto aqui sempre foi complicado.”, explica-nos a guardiã, em jeito de introdução para uma catadupa de complicações e desventuras, umas que protagonizou. Outras que viu acontecerem e outras que não chegou sequer a ver.

“A seguir ao 25 de Abril, foi uma completa rebaldaria.” conta-nos a senhora, oriunda do norte do país, referindo-se ao longo período em que gentes oportunistas da zona, tomaram o santuário à Igreja e se recusaram a desocupá-lo.

“Eu acho que já foi só lá para o fim dos anos 80 ou até início dos 90 é que as coisas acalmaram e o governo mandou cá vir a GNR correr com esse pessoal.”

Tempos depois, o IPPAR ficou encarregue de recuperar e manter o santuário, mas isto está aqui tão isolado. Não tem sido fácil.”

O isolamento e a falta de protecção do santuário da Nª Srª do Cabo levaram a que fosse possível, por exemplo, o roubo de um dos sinos da igreja.

E, como se não bastasse, quando uma praga de roubo de arte sacra se alastrava por Portugal, o extravio de um Santo António recém-restaurado.

À Descoberta do Santuário da Nossa Senhora do Cabo

Era um dos dois santos anichados de cada lado do altar e da estátua dourada da Virgem Maria, um nível abaixo do Cristo na cruz e do brasão das Quinas que se interpõe entre Mãe e Filho.

Há mais de meio milénio, Maria justificou a homenagem monumental que nos dedicávamos a explorar. Segundo nos afiança Dª Maria do Carmo, crente em Maria e nos milagres, a Virgem não permitiu, por mais que uma ocasião, que roubassem uma imagem sua.

“Numa vez, o carro em que a iam transportar avariou logo aqui à saída. Decidiram trazê-la de volta. Noutra, quando os larápios se preparavam para a levar, a Santa virou-lhes as costas. Na pressa e aflição em que cometiam o delito, não conseguiram reconhecer onde estava e desistiram.”

Conta a lenda que a aparição da Santa se tenha dado em 1410.

Nessa data, foi achada uma sua imagem nas falésias da Pedra da Mua.

Pedra da Mua, mais tarde, também celebrada pela preservação quase tão milagrosa de pegadas de dinossauros saurópodes que, assim se estima, há mais de 145 milhões de anos, por ali passavam para se banharem no oceano ao largo.

O reconhecimento real da aparição oficializou a importância da imagem encontrada e da Pedra da Mua.

Ainda no século XIV, foi erguida uma ermida com a função de guardar a imagem, permitindo que os crentes a louvassem.

Na zona da actual Sesimbra, por Lisboa e arredores e a oeste da capital, o número de fiéis e de peregrinos aumentou sobremaneira. A zona saloia fundou a sua própria comunidade crente, o Círio Saloio.

De início, construíram-se várias casas à volta da ermida, destinadas a acolhe-los.

A partir de 1715, até 1757, substituíram essas casas improvisadas, as Casas dos Círios, um conjunto de Hospedarias do lado norte, edificadas com o fim de acolher os mordomos que chegavam encarregues de assegurar o bodo, complementadas por sobrados e estabelecimentos que comerciavam as mercancias mais convenientes.

A determinada altura, a Igreja e a Coroa consideraram que a ermida, hoje conhecida como Ermida da Memória, por si só, estava aquém da imponência religiosa da Aparição.

A Extensão do Santuário a partir da pequena Ermida

De acordo, entre 1701 e 1707, em pleno reinado de D. Pedro II, ditaram a construção da Igreja da Nª Srª do Cabo que a Dª Maria do Carmo está incumbida de guardar.

Com o tempo, enriqueceram e abasteceram o santuário, a Casa da Ópera (hoje em ruínas), a Mãe d’Água e o Aqueduto do Cabo Espichel.

Apesar das seculares dificuldades logísticas, o Culto da Nª Srª do Cabo, continua vivo e de boa saúde.

À parte da fé que suscita, são vários os historiadores e autores que lhe dedicam estudos aturados, publicações explanatórias e outras, romantizadas.

Por estes lados, nem só o Santuário de Nª Srª do Cabo Espichel ilumina a Humanidade.

O Farol Providencial do Cabo Espichel

Chegadas as três horas da tarde, o faroleiro Baptista Pinto recebe-nos à entrada do farol em que reside, trajado a rigor num uniforme em tons de azul.

Acompanhamo-lo num périplo pela base do farol, de olho em maquinaria curiosa, incluindo um velho frigorífico de mármore que pesava toneladas.

Subimos 135 degraus de pedra e 15 de ferro, para o cimo da torre de 32 metros.

Ali, o faroleiro Pinto mostra-nos o funcionamento engenhoso, mas simples do sistema de iluminação, de manutenção regular, mas pouco problemática.Cabo Espichel, Faroleiro Baptista Pinto, Sesimbra,

Explica-nos como o farol era providencial para as embarcações que navegam ao largo, mas não só. Até aos derradeiros anos do séc. XVIII, a costa portuguesa carecia de tal maneira de faróis que os navios estrangeiros a tratavam por “costa negra”.

A partir de então, o Marquês de Pombal ditou a edificação de uma rede nacional que integra o farol do Cabo Espichel, finalizado em 1790, um dos mais antigos de Portugal.

Enquanto exploramos o promontório em redor, voltamos a aperceber-nos da passagem dos aviões e de como, era ali mesmo por cima, que flectiam para a bacia do Tejo e se faziam ao aeroporto de Lisboa. Comentamos esse facto com Baptista Pinto.

Entusiasmado pelo nosso interesse, o faroleiro confirma que a luz do farol se propagava não só sobre o oceano Atlântico mas para o céu.

Ajudava os pilotos a seguirem as rotas mais seguras para antiga Portela e para outros destinos.

Tal como o Santuário do Cabo Espichel há séculos conduz os crentes a seguirem os caminhos do Divino.

 

ONDE FICAR EM SESIMBRA:

Four Points By Sheraton Sesimbra

Four Points Sesimbra

Tel.: +351 21 051 8370

Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda - Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Sistelo, Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega
Cidades
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Em Viagem
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
MAL(E)divas
Étnico
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
História
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Jardim Monte Palace, Funchal, Madeira
Ilhas
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Natureza
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Parques Naturais
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Património Mundial UNESCO
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES