Mar de Aral, Uzbequistão

O Lago que o Algodão Absorveu


Barcos em seco
Barcos perdidos no leito seco antes coberto pelo Mar de Aral.
Monumento
Monumento ao Mar de Aral Integral.
Puro espanto
Visitante usbeque examina a carcaça enferrujada de um dos navios que antes sulcava o Mar de Aral.
À Entrada de Moynaq
Sinalização de estrada antecipa a chegada a Moynaq.
Nem Sinal de Mar
Vista do interior de outra embarcação abandonada.
Dias de fartura
Pintura exibe o quotidiano piscatório dos velhos dias do Mar de Aral.
Saltanak
Funcionária Saltanak.
Herança do Algodão
Sequência de barcos enferrujados, alinhados junto à antiga margem do Mar de Aral.
Sinal desactualizado
Sinalização de estrada a indicar Kizi-Jar, uma povoação antes a meias com as margens do Mar de Aral.
Aral de Arquivo
Imagens de um album num museu dedicado à história do Mar de Aral e de Muynaq.
Conserva
Latas de conservas produzidas pelas fábricas antes instaladas nas margens de um Mar de Aral repleto de peixe.
Barcos em seco II
Barcos perdidos no leito seco antes coberto pelo Mar de Aral.
Aral Expo
Quadros que retratam a antiga vida em redor do Mar de Aral.
Recordações dos Velhos Tempos
Funcionária Saltanak mostra um álbum com imagens antigas de Moynaq e do Mar de Aral.
Ancoradouro sobre duna
Barco enferrujado e encalhado sobre pequena duna do Mar de Aral
Em 1960, o Mar de Aral era um dos quatro maiores lagos do mundo mas projectos de irrigação secaram grande parte da água e do modo de vida dos pescadores. Em troca, a URSS inundou o Uzbequistão com ouro branco vegetal.

Alguns mapas mostram em tons de verde a vastidão que vai de Nukus a Moynaq.

Assinalam, assim, o delta do rio Amu Darya e as suas distintas ramificações que irrigam o estremo oeste da República do Karakalpaquistão, uma região autónoma do Uzbequistão. Tínhamos partido da capital, Nukus havia três horas mas continuávamos entregues à aridez poeirenta do deserto de Qizil Qum.

Apesar do percurso algo monótono e de só termos  conhecido recentemente a guia e o motorista, a conversa fluía bem mais que os caudais que continuávamos sem ver: “Se cada visitante estrangeiro trouxesse um balde de água, o Mar de Aral seria salvo” diz-nos Nilufar com a concordância sorridente de Ravshan, mais preocupado em evitar os buracos que minam o quase asfalto.

Tão naife como improvável, esta crença depressa se popularizou e foi retida na cultura uzbeque, ao mesmo tempo que a comunidade científica e os habitantes da Ásia Central viam o lago mirrar ano após ano, iludidos de que a comunidade internacional acabaria por intervir e convencer os líderes da região a evitar a tragédia anunciada.

A Entrada na Cidade em Tempos Ribeirinha de Moynaq

Aproximamo-nos de Moynaq, a única cidade portuária do Uzbequistão, se alguém se atrever a mencionar tal título nos dias que correm. Passamos um desvio para a fronteira com o Cazaquistão e, mais à frente, surgem portais que anunciam a iminência de outras povoações.

sinaletica, carrinha transporte, Mar de Aral, Usbequistão

Sinalização de estrada a indicar Kizi-Jar, uma povoação antes a meias com as margens do Mar de Aral.

Kizil Jar – Shirkat Xojaligi”: o primeiro comunica o caminho para uma aldeia convertida em associação de produtores agrícolas. Por estranho que pareça, o portal é coroado por uma bandeira do Uzbequistão que faz também de barco.

Algumas dezenas de quilómetros depois, damos com o que estabelece os limites geográficos de Moynaq, decorado com um peixe a saltar, por ondas e uma ave sobre a água. Não tardamos a encontrar o líquido precioso mas a visão prova-se tão efémera como estranha.

Pequenas manadas de vacas anfíbias percorrem um paul raso e devoram pasto semi-ensopado. O cenário perde-se no horizonte e deixa-nos a pensar se tratará de uma qualquer franja do grande lago.

Ravshan recorre ao seu alemão quase fluente, dispensa a tradução e antecipa-se à inevitável questão: “Não, ainda não chegámos ao Aral. Estamos na foz do Amu Darya.” Nilufar restabelece a ordem. “É que foi e é tirada tanta água ao rio que já não tem força para chegar ao leito do lago e espraia-se.

Aral Expo

Quadros que retratam a antiga vida em redor do Mar de Aral.

Ainda falta um pouco para Moynaq e das antigas margens do Aral. É uma velha história, entretanto ficam a perceber tudo.” Nessa altura, já estávamos a par do essencial.

A Intervenção Aniquiladora do Regime Soviético

Por volta de 1960, Nikita Krushchev liderava uma União Soviética em plena ascensão na esfera político-económica mundial. Os imensos Cazaquistão e Uzbequistão quase passavam despercebidos no território vermelho sem fim mas não aos dirigentes sem escrúpulos do Kremlin.

Desde os tempos de Estaline que o regime ambicionava concretizar projectos agrícolas megalómanos que envolviam o desvio de parte dos caudais dos rios Amu Darya e Syr Darya para irrigação de plantações de algodão conquistadas aos desertos de Qizil Qum e Qara Qum.

Apesar de parte considerável da água se perder no transvase devido à má qualidade dos canais, tal como previsto, o cultivo do ouro branco deu origem a enormes lucros. O algodão tornou-se numa das grandes produções da União Soviética e continua a ser a principal exportação do Uzbequistão.

Enquanto isso, o tributo milenar dos rios diminuía, como o Mar de Aral que tem hoje cerca de 10% da sua dimensão original e se dividiu em quatro lagos mais pequenos.

A água afastou-se gradualmente das antigas margens e as comunidades que prosperavam com a pesca viram-se arredadas do seu modo de subsistência tradicional. Mas esse não foi o único problema.

Sinaletica estrada, Mar de Aral, Usbequistão

Sinalização de estrada antecipa a chegada a Moynaq.

A Realidade Ressequida e Ainda Tóxica de Moynaq

Internamo-nos na povoação sob um calor atroz.

O lugar parece deserto e só encontramos vivalma no museu local instalado paredes meias com outras repartições públicas de inspiração soviética, decoradas com murais populistas. “Azis jas jubaylar, sizlerge baxt kulip baqsin” comunica um deles que é como quem diz: “Jovens casais, que Deus vos abençoe”.

fotos museu-Mar de Aral-Usbequistão

Imagens de um album num museu dedicado à história do Mar de Aral e de Muynaq.

Em Moynaq, as palavras dificilmente poderiam fazer sentido. Em tempos, a cidade acolhia dezenas de milhares de habitantes protegidos pela pujança da indústria pesqueira e conserveira.

Nos dias que correm, são menos de 9.000 os resistentes, vítimas de um desastre ecológico agravado de cada vez que as tempestades de areia cobrem as ruas e os edifícios de poeiras contaminadas de químicos resultantes da acumulação de fertilizantes e pesticidas no leito seco do Aral.

Os poucos que se atreveram a ficar – a maior parte karakalpaques – estão à mercê de um conjunto de doenças crónicas e agudas, de tal maneira que as mulheres ganharam consciência de que, para protegerem os seus filhos, não os devem amamentar.

A Evocação dos Tempos Piscatórios e Conserveiros do Mar de Aral

Saltanak Aimanova recebe-nos no museu com simpatia protocolar apresenta-nos o que estamos prestes a ver. Mapas explicam a diminuição drástica do lago. Pinturas de Raphael Matevosyan e Fahim Madgazin, entre outros, cobrem as paredes altas.

albuns de fotografia do museu, Mar de Aral, Usbequistão

Funcionária Saltanak mostra um álbum com imagens antigas de Moynaq e do Mar de Aral.

Exibem cenários portuários produtivos e pitorescos, com as tonalidades e texturas – areias, neves e vegetação – ditadas pelos profundos contrastes climatéricos da região.

Noutro sector, surgem empilhadas centenas de latas de conserva com designs soviéticos, resultados coloridos e artísticos da faina e da indústria que davam sentido a tantas vidas.

latas conserva, Mar de Aral, Usbequistão

Latas de conservas produzidas pelas fábricas antes instaladas nas margens de um Mar de Aral repleto de peixe.

Junto à entrada, folheamos um álbum repleto de grandes fotografias a preto e branco do dia-a-dia de Moynaq, a bordo das embarcações e nas fábricas em que a pescaria era processada.

Saltanak vê-nos examinar o livro com interesse redobrado, intervém e pede a ajuda de Nilufar que nos traduz a sua mistura de uzbeque com karakalpaque: “Eu era bem pequena, mas lembro-me de o meu pai me levar para o trabalho e de me maravilhar com as descargas dos enormes esturjões e peixes-gato.”

Desvios Sistemáticos do Lago que o Algodão Absorveu para Sempre

À medida que o caudal dos grandes rios tributários foi desviado para os campos de algodão, a água ligeiramente salobra em que aquelas e outras vinte espécies de peixes proliferavam, tornou-se cada vez mais escassa e salina.

A determinada altura, recuou tanto que não mais se via do litoral e deixou as embarcações de pesca encalhadas no leito seco, num estado, ainda assim, não tão decadente como o que estávamos prestes a encontrar.

monumento, Mar de Aral, Usbequistão

Monumento ao Mar de Aral Integral.

Despedimo-nos e deixamos o museu.

Ravshan  e Nilufar conduzem-nos ao limite oposto da povoação e a um promontório encimado por um monumento aguçado de cimento que remete para os tempos fartos do Aral, e em cuja sombra dormita um homem karakalpaque.

Dali, avistamos o areal sem fim aparente e salpicado de arbustos, em tempos coberto pelo lago e, no sopé da encosta, uma série de carcaças de embarcações alinhadas.

barcos em doca seca, Mar de Aral, Usbequistão

Barcos perdidos no leito seco antes coberto pelo Mar de Aral.

O Mar de Areia Surreal de Aral

Descemos e exploramos de perto e sobre os convés retorcidos aquela misteriosa herança de ferrugem que as autoridades da região resolveram mover da sua posição original no lago para melhor satisfazerem a curiosidade dos visitantes.

É algo que, segundo apuramos mais tarde, o tal homem raramente se presta a fazer.

Já em Tashkent, a capital uzbeque, falamos com Temur, o chefe de Nilufar e de Ravshan sobre a viagem e, por alguma razão, mencionamos o monumento e o nativo karakalpaque.

“Ah já sei de quem é que estão a falar, exclama entusiasmado, Temur.

“Esse homem está sempre por ali mas quase nunca fala com quem chega. Uma vez, sem eu saber muito bem porquê, engraçou comigo e contou-me uma série de coisas sobre os velhos tempos de Moynaq: que o Mar de Aral era tão profundo que chegava quase ao topo do miradouro onde colocaram agora o monumento.

Que os nativos se deslocavam a partir dali, de helicóptero, para outras povoações lacustres distantes. Que, no pino do Inverno, as extremidades do lago gelavam de tal maneira que os pescadores usavam cavalos para ir buscar as redes às zonas interiores ainda desbloqueadas.

barco enferrujado, Mar de Aral, Usbequistão

Barco enferrujado e encalhado sobre pequena duna do Mar de Aral

Que chegaram a acontecer acidentes e vários cavalos e pessoas se afogaram na água gélida ou foram salvos in extremis pelos helicópteros que as vítimas avisavam com disparos de sinalização e dispositivos de radar de segurança.”

De si, o tal karakalpaque falou pouco. Contou apenas a Temur que o barco em que trabalhava se chamava ‘Буйный’ (revoltoso ou tempestuoso).

Como fez ao Mar de Aral, o algodão uzbeque secou-lhe a identidade.

Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Samarcanda, Uzbequistão

Um Legado Monumental da Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Uzbequistão.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Uma espécie de portal
Cidades
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Cultura
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
voos baratos, comprar voos baratos, bilhetes de avião baratos,
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir voos baratos tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Silhuetas Islâmicas
Étnico

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
História
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores, quarto de arco-íris
Ilhas
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Tambores e tatoos
Natureza
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Enriquillo, Grande lago das Antilhas, República Dominicana, vista da Cueva das Caritas de Taínos
Parques Naturais
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Património Mundial UNESCO
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
A República Dominicana Balnear de Barahona, Balneário Los Patos
Praias
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Sociedade
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES