Usbequistão


Usbequistão
Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão
Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Margilan, Usbequistão
Um Ganha-Pão do Usbequistão
Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão

Khiva, Usbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que os Soviéticos Aveludaram

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Samarcanda, Usbequistão

Um Desvio na Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Usbequistão.

Mar de Aral, Usbequistão

O Lago que o Algodão Absorveu

Em 1960, era um dos 4 maiores lagos do mundo mas projectos de irrigação secaram grande parte da água e do modo de vida dos pescadores. Em troca, a URSS inundou o Usbequistão com ouro branco vegetal.

Pórtico do tempo
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Um matrimónio espacial

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Oeste Dourado

Khiva, Usbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que os Soviéticos Aveludaram

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.

Orgulho

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Silhuetas Registão

Samarcanda, Usbequistão

Um Desvio na Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Usbequistão.

Mapa


Dinheiro e Custos


A moeda do Usbequistão é o sum (UZS). O Usbequistão é considerado um país bastante acessível. Existem algumas caixas ATM funcionais em Tashkent. À data deste texto, o máximo que poderia conseguir noutros bancos –  NBU – eram cash advances muito desvantajosos contra apresentação de cartões de crédito, ou desconto de traveler checks. 

ALOJAMENTO

Existem hotéis suficientes no país para dar resposta à procura turística actual. Nas cidades históricas, como Bukhara e Khiva, os mais apelativos ficam em edifícios seculares adaptados de velhas madrassas. Sem a sofisticação ou o conforto dos melhores hotéis de outras partes do Mundo, proporcionam estadias que são verdadeiras experiências históricas. Tenha em conta, todavia, que os hotéis deste tipo mais conceituados cobram os valores mais elevados de estadia no país, 100€ a 150€ em época alta, por quarto duplo, por noite.

Em alternativa, existem hotéis e pequenas pousadas de cariz mais urbano com preços de estadia acessíveis. Outra forma de alojamento popular um pouco por todo país são os acampamentos de yurtas, grandes tendas típicas alinhadas com outras mais pequenas e que, no total, podem acolher dezenas de pessoas. Espere pagar em volta de 45€ a 60€ por pessoa, por noite com refeições e passeios de camelo incluídos

Os mais famosos são:

Nurata Yurt Camp, cerca de 500 km, 7 horas de carro de Tashkent

Ayaz Kala Yurt Camp, cerca de 100 km de Khiva, 70 km de Urgench

Aydar Yurt Camp, na região de Navoi, no centro do deserto de Kyzyl Kum

ALIMENTAÇÃO

Os usbeques orgulham-se da sua gastronomia e cada restaurante faz questão de servir os pratos e iguarias nacionais – osh (plov), chuchvara,  manti, somsa e lagman, entre tantos outros, com um toque particular. Peça sempre a carta – se disponível com tradução e inglês – por forma a saber o que vai pedir e poder controlar quanto vai pagar. De resto, não precisa de procurar pelos restaurantes mais conceituados do país para ter uma óptima experiência. Se tiver meteorologia para isso, sente-se num restaurante-esplanada e desfruta de uma das melhores cozinhas da Ásia Central, por preços muito em conta. Num restaurante popular, conte pagar 4€ em média, por pessoa por uma refeição simples, 12€ como limite máximo por uma refeição com vários pratos e tudo o mais incluído.

INTERNET

Existem Internet cafés na maior parte das cidades. Em alternativa, caso tenha um smartphone desbloqueado, ou portátil e uma pen (USB stick compatível) pode comprar um cartão SIM das marcas Ucell, Beeline ou Perfectum Mobile. Para isso, tem que apresentar o passaporte.

Como ir


VISTOS E OUTROS PROCEDIMENTOS

É necessário visto para entrar no Usbequistão e não é possível obtê-lo à chegada. À boa maneira ex-soviética, o processo do pedido deve ser feito na secção consular mais próxima e é exigente e burocrático.  Pode sempre simplificá-lo se optar por viajar com o apoio de uma agência de viagens/operador português. Neste caso, só tem que enviar o passaporte válido com suficiente antecedência e o receptivo usbeque trata de obter os vistos e devolver os passaportes atempadamente. 

CUIDADOS DE SAÚDE

Normalmente de Junho a Outubro verificam-se alguns casos de malária mas apenas no sul e leste do país, junto às fronteiras com o Tajiquistão, Afeganistão e Quirguistão. 

Para mais informações sobre saúde em viagem, consulte o Portal da Saúde do Ministério da Saúde e Clínica de Medicina Tropical e do Viajante. Em FitForTravel encontra conselhos de saúde e prevenção de doenças específicas de cada país (em língua inglesa).

VIAGEM PARA O USBEQUISTÃO

A forma mais rápida, económica e prática de chegar de Lisboa ao Usbequistão é voar com a Turkish Airlines, via Istambul. O voo deverá ter uma duração mínima de 15 horas (incluindo escala) e um preço em redor dos 850€.

A não perder


 

  • Tashkent
  • Khiva
  • ​Bukhara
  • ​Samarcanda
  • Ayaz Qala
  • Montanhas Nuratau
  • Mar de Aral (Moynaq)
  • Vale de Fergana

Explorar


VOOS INTERNOS

A maioria das rotas turísticas é bem servida de voos operados pela companhia aérea nacional, a Uzbekistan Airways. Reserve com mais de três dias de antecedência para evitar problemas com overbooking nos aeroportos. Mesmo assim, não é 100% garantido que não venha a acontecer.

COMBOIO

A linha fulcral do país é Tashkent – Samarcanda – Bukhara é regularmente percorrida por composições de dimensão considerável. Uma delas, a “Registon” demora 4 horas a viajar da capital Tashkent até Samarcanda. Outra mais recente, a “Afrosiob” liga Tashkent a Samarcanda em apenas 2,5 horas. A “Sharq” percorre os 600km que separam Tashkent de Bukhara em 7,5 horas.

Um destes comboios faz o percurso integral de noite com carruagens-cama o que permite poupar uma noite de estadia e descansar neste percurso. Outros itinerários nocturnos muito úteis ligam Tashkent a Samarcanda e a Urgench; ainda a Nukus-Kungrad. Estas ligações aproximações vantajosas e tranquilas ate Khiva e até ao Mar de Aral, dois dos lugares mais emblemáticos do Usbequistão.

Existem vários tipos de comboios:

Rápidos (tezyurar poyezd) ou expressos; de alta velocidade (yuqori tezlikdagi poyezd); de Passageiros (yo'lovchi tashuvchi poyezd)

Existem ainda quatro tipos de vagões e compartimentos cama:

Soft (alohida xonali vagon) – compartimentos de 2 beliches; Kupeli  – compartimentos de 4 beliches; Platskart – beliches a ocuparem toda uma carruagem.

AUTOCARRO

Opte pelo autocarro para viagens longas se estiver com orçamento hiper-apertado e tiver tempo de sobra para a lentidão da viagem e paciência para todos os imprevistos que poderão acontecer. As próprias paragens para descanso podem vir a revelar-se uma aventura, feitas em restaurantes de beira de estrada com poucas ou nenhumas condições, incluindo casas de banho pior que básicas.

Já os autocarros citadinos funcionam com relativa estabilidade e velocidade. Mais uma vez, apenas se estiver com orçamento muito controlado, são uma óptima alternativa aos pouco dispendiosos táxis. Em Tashkent existe metro. Se o metro passar por onde deseja chegar, prefira o metro. 

ALUGUER DE VIATURA

À data de criação deste texto, não existiam rent-a-cars no Usbequistão. É possível conduzir um carro próprio mas terá que o comprar ou trazer de outro país. O Usbequistão continua a seguir a tradição soviética. Caso se atreva a guiar um carro próprio, prepare-se para frequentes operações stop com pouca coerência em que é provável os oficiais sugerirem determinadas ofertas para o poupar a despesas maiores com multas e outras responsabilidades.

Em alternativa a comprar um carro, poderá contratar os serviços de um motorista com carro próprio. Não é fácil estimar um preço para este tipo de serviço. Acima de tudo, regateie com paciência e cortesia e acorde um valor que lhe pareça justo para ambas as partes. Se quiser uma referência, no Usbequistão, despesas de combustível e outras à parte 60€ a 150€ por dia, serão provavelmente vistos como excelentes pagamentos.

Quando ir


O Usbequistão, como vários dos vizinhos da Ásia Central é um país de grandes contrastes climatéricos. O Inverno traz invariavelmente temperaturas congelantes com pouca precipitação que quando ocorre é de neve. Já durante o longo Verão, é habitual um calor seco mas muito intenso, facilmente 40ºC ou 45ºC bem reais em Tashkent e noutras regiões baixas.

Tendo em conta estes extremos e que a maior parte da escassa chuva (o país é semi-desértico) cai em Março e Abril, salvo se for um fã inveterado do frio, do gelo e da neve ou do calor sufocante, o ideal é planear a sua viagem para o fim da Primavera –  de meio de Março ao fim de Maio – ou para o Outono – de meio de Setembro a fim de Outubro.