Birgu, Malta

À Conquista da Cidade Vittoriosa


vittoriosa-birgu-malta-birgu-waterfront
Igreja de São Lourenço
Perdidos na História
Encontro sob o Partit Laburista
Viajem de Dghjasa
vittoriosa-birgu-malta-escadaria-vulto
vittoriosa-birgu-malta-estatua-sao-lourenco
Triunfo Bronze
Forte San Angelo
MDCCXXII
Vittoriosa, ex-Birgu
A Marina de Birgu II
A Marina de Birgu
Malta Vittoriosa
xilitla-huasteca-potosina-san-luis-potosi-moldura-gradeada
Vittoriosa é a mais antiga das Três Cidades de Malta, quartel-general dos Cavaleiros Hospitalários e, de 1530 a 1571, a sua capital. A resistência que ofereceu aos Otomanos no Grande Cerco de Malta manteve a ilha cristã. Mesmo se, mais tarde, Valletta lhe tomou o protagonismo administrativo e político, a velha Birgu resplandece de glória histórica.

Deambulávamos pelo passado amarelado de Malta. Uma inesperada incursão à praça Misrah ir Rbha, em Vittoriosa, revela-nos uma deliciosa fusão das dimensões temporais da ilha.

Três miúdos vestidos com equipamentos de clubes malteses de futebol aparecem de recantos distintos.

À hora que tinham combinada ou a que estavam habituados, cumprimentam-se, conversam um pouco.

Acabam por se sentar, aconchegados contra uma das portas cor-de-vinho de um dos edifícios seculares.

Acima deles, a imagem de uma jovem parece contemplar o porvir de Malta.

Surge destacada, num cartaz, sobre o letreiro da sede local do Partit Laburista e da tocha acesa que lhe serve de símbolo.

Mais para o meio da praça, uma estátua branca, diminuta, se comparada com o pedestal que a suporta, empunha uma cruz.

A figura homenageia São Lourenço, patrono de Birgu e também da ilha de Gozo.

Uma sequência de rampas e escadarias conduz-nos para mais perto da Birgu Waterfront, ainda antes, à igreja de São Lourenço, um dos principais templos católicos da península.

A par com a da Anunciação que se projecta do seu meio, sobranceira face ao todo do casario.

À medida que percorremos os becos e ruelas que as separam, testemunhamos a fusão do dia-a-dia da cidade com o intruso dos visitantes turistas.

Um casal de trajes claros e leves, ideais para o calor estival de Malta estuda, num qualquer livro ou guia, o contexto do cenário que os deslumbra.

Enquanto o fazem, um padre ainda enfiado na sua batina, passa de um recanto na penumbra para a via solarenga que leva à praça.

Pouco depois, um outro, de hábito escuro, surge do sol. Some-se na sombra crescente e nos meandros sinuosos da história, entre Birgu e Vittoriosa.

Os Cenários Amarelados e Sagrados dos Cavaleiros Hospitalários

Não fossem os turistas e a limpeza quase imaculada da cidade, este jogo de luz e de trevas quase se podia passar na Idade Medieval e nos séculos seguintes em que os Cavaleiros Hospitalários tomaram conta da ilha.

O Palácio do Inquisidor continua apenas duas ruas acima da igreja de São Lourenço, outras tanto abaixo da Armaria dos Cavaleiros de Malta. É um dos poucos palácios usados pela Inquisição ainda intactos tanto na Europa como na América do Sul.

Em Malta, foi habitado e usado durante cinco séculos. Desde que, em 1574, Monsignor Pietro Dusina, chegou de Itália, recém-nomeado o delegado apostólico e o primeiro inquisidor de Malta.

Até ao meio do século XVIII, os sucessivos moradores esforçaram-se por aprimorar e tornar o palácio, antes vago, numa residência digna e acolhedora.

Lá encontramos uma área de cozinha desafogada.

E, no primeiro andar, os aposentos e outras áreas privadas sofisticadas. Como era suposto, coexistiam com estes espaços pessoais e humanizados, o Santo Ofício, os calabouços e a sala de tortura.

Vasculhamo-los, curiosos como nunca quanto ao estranho conluio da vida e da morte ou, pelo menos, condenação à morte, bastante mais deslumbrados e entretidos que quando cirandamos pelo Museu Marítimo de Malta, também situado na Birgu Waterfront.

Ali, entusiasmam-nos, sobretudo, os modelos dos barcos de guerra usados pelos Cavaleiros de São João.

De Vittoriosa a Cospicua, e de Volta a Birgu

Se o museu exibe e explica o passado flutuante de Malta, desde as suas batalhas contra os piratas do norte de África, à 2ª Guerra Mundial, o sub-braço de mar em frente acolhe dezenas de vidas embarcadas dos nossos dias.

Malta conta com várias marinas, quatro delas em redor de Valeta e das suas cidades.

As maiores são a de Msida – a noroeste da península em que se desenvolveu a capital. E a de Birgu, situada entre Vittoriosa e a “irmã” Senglea, numa das várias reentrâncias perpendiculares ao Grand Harbour da ilha.

À medida que caminhamos pela marginal Xatt Il-Forn e Xatt ir-Rizq, passamos pelas embarcações ancoradas, desde enormes e multimilionários iates, a pequenas lanchas e veleiros, mais propícios a um Mediterrâneo tranquilo.

Quanto mais avançamos para o fundo do braço de mar secundário e da marina, mais diminui o calado dos barcos.

Por altura da Normal Bridge, o braço de mar volta a estreitar para o canal de Bormla.

Na sua extensão terrestre, uma estátua dourada da Madonna, (Nossa Senhora, não a Louise Ciccone de “Like a Virgin”), abençoa a outra das Três Cidades em que, sem sabermos como, tínhamos já entrado: Cospicua.

Invertemos o rumo, na direcção do extremo oposto da península e de Birgu, o encerrado pelo Forte de St. Angelo.

A Entrada em Malta da Ordem de São João dos Cavaleiros Hospitalários

A Ordem dos Cavaleiros do Hospital de São João de Jerusalém, como eram denominados na íntegra, instalou-se em Malta, em 1530, após o cada vez mais poderoso Império Otomano a ter expulso da ilha de Rodes.

Malta foi um dos territórios que o Imperador Espanhol Carlos V concedeu aos Hospitalários, a par da ilha de Gozo e da cidade, hoje Líbia, de Tripoli.

Ainda antes de assumirem o controle da ilha, em 1526, os Hospitalários enviaram uma delegação de oito cavaleiros representativos de cada uma das suas divisões administrativas, identificadas como Línguas.

Quando chegaram, apesar de a povoação local ser básica e difícil de defender, decidiram erguer, ali, a capital de Malta.

Mdina, a de então, tinha fortificações satisfatórias. No entanto, estava situada no interior da ilha, o que anulava o poderio naval que os Cavaleiros Hospitalários cada vez mais requeriam.

Por outro lado, os Hospitalários sabiam que os Otomanos não desistiriam de os aniquilar.

Fortificaram Birgu à altura dessa noção.

No lugar do antigo Castrum Maris, fizeram erguer o Castelo Saint Angelo. Separaram-no da povoação com um canal exíguo que só podia ser cruzado por uma ponte levadiça.

Uma vez terminado, deliberaram que o castelo seria o aposento fortificado do Grã-Mestre de Malta, o primeiro com domicílio na ilha, já na ordem do 40º, se contados desde a génese da Ordem.

O 49º Grã-Mestre a lá residir, Jean Parisot de Valette, teve pouco sossego. Obcecados por dominarem o Mediterrâneo, os Otomanos voltaram à carga. Em 1551, falharam a conquista de Malta.

O Grande Cerco de Malta e a Resistência de Birgu

Tomaram Tripoli.

Em 1565, numa segunda tentativa mais bem preparada, cercaram a ilha. O cerco durou quase quatro meses, de Maio a Setembro desse ano. A localização de Birgu no âmago do Grand Harbour fez com que os principais confrontos lá se tivessem dado.

A defesa de Birgu e de Malta estiveram periclitantes. Contudo, a destreza militar de Valette e reforços providenciais chegados da Sicília ditaram a retirada dos Otomanos.

Os Cavaleiros Hospitalários e os Malteses saíram triunfantes, mas por pouco.

Valette ansiava por uma inexpugnabilidade quase total para Malta. Fez aprovar que a capital fosse passada para o cimo do Monte Sceberras, sobre a península a norte de Birgu. Veio a chamar-se Valeta.

Hoje, assim se mantém.

Em 1571, os Cavaleiros Hospitalários transferiram-se em peso para Valeta. Até então, a igreja a que chamavam sua era a de São Lourenço. Quando, em 1577, a Co-Catedral de São João de Valeta ficou pronta, passaram a usá-la.

Devido ao papel determinante que desempenhou na resistência aos Otomanos, Birgu recebeu o título de Città Vittoriosa. Por outro lado, perdeu o protagonismo político que mantinha. Dedicou-se sobretudo ao comércio e a serviços náuticos.

A tranquilidade que viveu durante quase dois séculos foi quebrada, uma vez mais, pelas piores razões bélicas.

Da Expulsão de Napoleão à Reconstrução do Pós-Guerra

Chegamos a 1798. Napoleão colocou a invencibilidade de Valeta à prova. E ganhou. Só dois anos depois, com o auxílio precioso da Grã-Bretanha, de Nápoles e até de forças portuguesas, os franceses retiraram.

Malta tornou-se um protectorado Britânico. Birgu, acolheu a Frota Mediterrânica da Royal Navy, uma espécie de preâmbulo para a função de grande marina que continua a desempenhar, todos estes anos após os Britânicos terem deixado a ilha (1979).

Não seria o único preâmbulo ou prenúncio digno de registo. Em 1806, o grande paiol que lá era guardado explodiu e o acidente tirou a vida a mais duas centenas de pessoas.

Durante a 2ª Guerra Mundial, devido à proximidade face aos Estaleiros Navais, Vittoriosa foi bombardeada vezes sem conta. Vários dos seus edifícios históricos mais emblemáticos ficaram arrasados.

Foi o caso da Torre do Relógio, uma torre de vigia erguida ainda no período medieval, com vistas desobstruídas sobre o Grand Harbour em que se esperavam as embarcações e frotas inimigas.

Foi também arrasado o Albergue d’Allemagne, um dos edifícios em que os Cavaleiros Hospitalários se alojavam.

O Forte Saint Angelo recém-devolvido aos Hospitalários

Por fim, ficamos de frente para o Fort Saint Angelo. Tínhamos a intenção de o visitar. Mas vemo-nos barrados pelo destino que a história de Malta lhe reservou. Recentemente, o Governo de Malta chegou a um acordo com a Ordem dos Cavaleiros de São João, regressados à ilha.

Uma parte do forte foi cedida, por 99 anos, para uso exclusivo dos Hospitalários. Integra, assim, uma espécie de estado independente sobre o qual Malta não possui jurisdição.

Outras secções do forte pertencem à Heritage Malta, uma organização encarregada do património histórico da ilha. Estará prevista uma recuperação com fins turísticos.

Sem solução, nem vista, deixamos para uma próxima vez.

Acabamos por o admirar mais tarde, a partir do Miradouro dos Upper Barraka Gardens, de onde a sofrida mas triunfante Vittoriosa se volta a insinuar.

Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta

Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Fortalezas

O Mundo à Defesa - Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Khiva, Uzbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que a União Soviética Aveludou

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Forte de San Louis, Fort de France-Martinica, Antihas Francesas
Cidades
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Cultura
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Étnico
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
História
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Vida da Capital
Ilhas
Victoria, Mahé, Seychelles

De “Estabelecimento” Francófono à Capital Crioula das Seychelles

Os franceses povoaram o seu “L’Établissement” com colonos europeus, africanos e indianos. Dois séculos depois, os rivais britânicos tomaram-lhes o arquipélago e rebaptizaram a cidade em honra da sua rainha Victoria. Quando a visitamos, a capital das Seychelles mantém-se tão multiétnica como diminuta.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Natureza
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Thingvelir, Origens Democracia Islândia, Oxará
Parques Naturais
PN Thingvellir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.
Via Conflituosa
Património Mundial UNESCO
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Praias
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT