Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta


Arquitectura Caprichosa
Pormenores arquitectónicos, cuidados ao extremo, dos edifícios de Mdina.
Vulto da Sombra Longa
Vulto percorre uma das muitas ruelas seculares de Mdina.
A Capela do Palazzo Falson
Interior restaurado ao pormenor da capela que abençoava o Palácio Falson.
Catacumbas de São Paulo
A Catedral de São Paulo
A catedral de São Paulo, o principal templo católico de Mdina.
O Portão de Vilhena
Coche e pedreste prestes a cruzarem o velho portão de Vilhena.
Leão e Brasão de Manoel Vilhena
Escultura destacada à entrada do portão de Vilhena, o principal ponto acesso a Mdina.
The Maltese Falcon
Pedestre passa pela entrada da loja Maltese Falcon.
A Grande Mdina
A cidade fortificada de Mdina, numa meseta no interior de Malta.
Sala do Palácio Falson
Interior do palácio-museu Falson, em tempos habitado por uma das famílias nobre de Mdina.
O Pátio Falson
v
Crepúsculo Quente II
v
Crepúsculo Quente
Anoitecer empresta tons quentes, electrizados à Catedral de São Paulo.
Catedral de São Paulo II
Vultos em frente à maior das igrejas de Mdina.
Sombras do Passado
Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.

A visão destoa daquilo a quem se havia habituado quem, como nós, chega das alturas litorais de Valletta e das suas Três Cidades.

Avançamos por uma planura de um amarelo-palha, retalhada por plantações irrigadas e verdejantes.

Aos poucos, aproximamo-nos de uma meseta destacada, sustentada por uma série de socalcos, muralhada em toda a sua extensão e coroada por um casario do calcário amarelado típico de Malta.

Desse casario acanhado, projectam-se três torres e uma abóboda, cimos dos principais templos cristãos da povoação.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa

A via Triq L-IMdina mete-se por uma alameda que se some num túnel de cedros e pinheiros mansos.

Quando dela saímos, fazemo-nos à encosta. Instantes depois, damos connosco na orla tão ou mais arborizada da face sudoeste da fortaleza.

De frente para o seu fosso e para o portão de Mdina, a entrada principal da cidade, vigiada por leões que expõem o brasão do Grande Mestre da Ordem de São João de Jerusalém.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, leão

O Portão de Vilhena Adaptado à Guerra dos Tronos

O portão também tem o seu nome português: Vilhena.

António Manoel de Vilhena, Grande Mestre de 1722 até à sua morte, em 1736, foi responsável pela renovação então urgente de Mdina, a par de outras obras imponentes de Malta: o Borgo Vilhena de Floriana, o Forte Manoel e, na mesma senda de baptismos narcisistas, o Teatro Manoel.

Vilhena contratou o arquitecto e engenheiro militar Charles Francois de Mondion para várias obras da sua época. O francês ergueu o Portão Vilhena num estilo barroco louvado, recuperado vezes sem conta e, hoje, com fama planetária.

O portão foi um de dois lugares de Mdina (entre muitos mais de Malta) usados nas filmagens de “Guerra dos Tronos”.

A primeira ocasião deu-se no episódio 3 (Lord Snow) da Temporada 1, enquanto “Kings Landing”. Também passaríamos por outro lugar feito cenário, a Praça da Mesquita.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura

Em sucessivas travessias do portão, o que vemos é, em grande parte, resultado da beleza e da notoriedade extrapolada da cidade.

Cruzam a ponte cavalos que puxam coches de outros tempos com visitantes deslumbrados a bordo, calhambeques com noivos destinados à catedral de São Paulo.

E até um jipe com caixa, carregado de verdura, resultante de uma qualquer operação de jardinagem.

O trânsito de Mdina é, todavia, esporádico.

Lista de Espera da UNESCO e o Impasse da Cidade do Silêncio

Malta espera há um bom tempo que a UNESCO passe a cidade da lista indicativa (onde está desde 1998) para a de Património Mundial, em que Valletta já consta desde 1980.

As autoridades fazem tudo o que podem. Com uma ou outra excepção como as que testemunhámos, o reduto muralhado de Mdina é o único no arquipélago em que são proibidos veículos motorizados.

Afinal, Mdina ficou para a História como a “Cidade Silenciosa” de Malta. Esse título e os complementares de “Cidade Velha” e “Cidade Notável” são trunfos que o governo maltês sabe que a UNESCO não pode ignorar.

Quando entramos em Mdina, perdemo-nos, de imediato, num labirinto de ruas, ruelas, praças, portas, janelas, varandas, pátios e por aí fora, de elementos urbanos seculares, de linhas normandas e barrocas, todos eles aprimorados.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura

Instantes de deambulação depois, a questão premente instalava-se.

Porque carga de água um legado histórico complexo e majestoso como aquele era mantido à espera ?

Palácio Falson: símbolo do Fausto e da Persistência dos Nobres de Mdina

Procuramos o Palazzo Falson, um dos edifícios a que dedicámos particular atenção.

Hoje, um museu, o palácio mantém as suas dezassete divisões ainda mobiladas, apetrechadas com vários pertences históricos e uma capela decorada com quadros religiosos em que, até no próprio altar, se destaca uma pintura de Jesus Cristo cuidado por um séquito de anjos.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, capela Palazzo Falson

No Palazzo Falson, desvendamos o fausto em que viveu, em Mdina, a família homónima, à imagem da abastada e poderosa nobreza de Malta.

Nesse luxo e requinte fortificado, boa parte dos nobres da ilha, resistiram a abandoná-la, mesmo quando a acção político-militar de Malta se mudou para outras partes.

O Passado Milenar da Cidade Silenciosa, Velha e Notável

Reza a história que Mdina foi fundada, no século 8 a.C., pelos Fenícios. Nas devidas eras de ocupação de Malta, tomaram-na os Romanos, os Bizantinos e os Árabes, este o povo que lhe atribuiu o nome que preserva.

Sobranceira, distante do litoral mediterrânico e menos vulnerável a ataques de piratas e toda a laia de inimigos como as povoações da costa de Malta e as da vizinha ilha de Gozo, Mdina manteve-se a capital da ilha.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, Catedral de São PauloAté que os Cavaleiros Hospitalários da Ordem de São João, formados em Jerusalém, conquistaram Malta aos árabes. Mesmo se se refugiou em Mdina por ocasião do Cerco Otomano, a Ordem preferiu Birgu, uma das actuais Três Cidades.

Nem esta inesperada desfaçatez, nem o sismo da Sicilia de 1693, que causou destruição significativa em Mdina.

Ou sequer os planos de um dos engenheiros militares preferidos da Ordem, o capomastro Girolamo Cassar, de a reduzir e dela fazer uma fortaleza pura e dura convenceram os nobres a partir.

A Obra Ambiciosa Ditada por António Manuel de Vilhena

Avancemos até 1722. António Manuel de Vilhena chegou aos comandos de Malta. Em pouco tempo, conquistou uma imagem de benevolência e de respeito pelos súbditos que estes não estavam habituados a ver nos Mestres Hospitalários.

Vilhena ditou a recuperação integral de Mdina e a sua fortificação à altura da importância histórica da cidade e das forças que continuavam a cobiçar Malta, parte delas, às portas da ilha.

Além do portão que já abordámos, Vilhena ordenou várias edificações públicas: o Palácio Municipal e a Corte Capitanale que, nos nossos dias, faz de edilidade.

Os nobres foram-se deixando ficar.

Anos mais tarde, entre outras comoções sociais e, sobretudo militares, os franceses e os britânicos disputavam Malta sobre o litoral de Birgu, de Valletta e restantes povoações da costa leste da ilha.

Também nessa ocasião, a classe nobiliárquica privilegiada resistiu a mudar-se do seu remanso muralhado. Foi essa espécie de auto-retiro e a subsequente ausência de veículos que deram origem ao epíteto Cidade do Silêncio.

Náufrágio do Apóstolo Paulo e a Cristianização Precoce de Malta

Enquanto a calcorreávamos, fruto da abundância de turistas forasteiros, o silêncio mantinha-se parcial, mais íntegro nas catacumbas de São Paulo, parte de um sistema subterrâneo de quase 4km que compreende outras galerias.

As catacumbas fizeram de cemitério dos Fenícios e dos Romanos, em uso até pelo menos ao século VII e, de novo, durante a reconversão da ilha ao Cristianismo do século XIII.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, catacumbas de São Paulo

Uma corrente da história defende que o apóstolo Paulo era levado para Roma para ser julgado como rebelde político quando uma tormenta fulminante fez o navio naufragar.

Paulo e os restantes passageiros a bordo conseguiram nadar até Malta. Parte de uma narrativa bem mais rica, crê-se que durante a estada forçada, Paulo se refugiou numa gruta de Rabat, a cidade que hoje se estende fora das muralhas de Mdina.

Chegado o Inverno, terá sido convidado por Publius, o líder romano da ilha, para a sua casa. Nesses dias, Paulo curou uma febre intensa que afligiu o romano. Reconhecido, este, ter-se-á convertido ao Cristianismo. Tornou-se, inclusive, o primeiro Bispo de Malta.

A presença naufragada de Paulo e o seu papel decisivo na alegada cristianização precoce de Malta, justificaram os baptismos da catedral de Mdina, da igreja de Rabat e de outros monumentos porque passamos.

O Crepúsculo e o Lento Dourar da Cidade Silenciosa

Ruela após ruela, triq atrás de triq, o dia já longo da Cidade Silenciosa caminha para o fim.

Deleitamo-nos ao ver como o ocaso amarelava recantos contemplados pelo grande astro.

As sombras a alongarem-se nos becos e os pedestres surgirem de túneis seculares como fantasmas projectados.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, sombra longa

Vemo-los deambularem pela base da catedral que o lusco-fusco e a iluminação abençoam de um quente quase rosado.

Lembramo-nos de que aquela resplandecência deveria ser impressionante a dobrar, se vista à distância, quase a descolar do altiplano de Mdina.

Apressamo-nos, assim, a descer para o seu sopé leste.

Já num trilho que sulcava os minifúndios em redor, a atrapalharmos corredores que cultivavam a sua forma física, encantamo-nos com a estrutura celestial, meio espacial da catedral de São Paulo num fogo dramático contra o firmamento.

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Fortalezas

O Mundo à Defesa - Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Khiva, Uzbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que a União Soviética Aveludou

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Catedral de Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária
Cidades
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Manatee Creek, Florida, Estados Unidos da América
Em Viagem
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Étnico
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Canal de Lazer
História
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
Solovestsky Outonal
Ilhas
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Caminhada sobre a orla, vulcão villarrica, Pucon, Chile
Natureza
Vulcão Villarrica, Chile

Ascensão à Cratera do Vulcão Villarrica, Sempre em Actividade

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Glamour vs Fé
Património Mundial UNESCO
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Mini-snorkeling
Praias
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
city hall, capital, oslo, noruega
Sociedade
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT