Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta


Arquitectura Caprichosa
Pormenores arquitectónicos, cuidados ao extremo, dos edifícios de Mdina.
Vulto da Sombra Longa
Vulto percorre uma das muitas ruelas seculares de Mdina.
A Capela do Palazzo Falson
Interior restaurado ao pormenor da capela que abençoava o Palácio Falson.
Catacumbas de São Paulo
A Catedral de São Paulo
A catedral de São Paulo, o principal templo católico de Mdina.
O Portão de Vilhena
Coche e pedreste prestes a cruzarem o velho portão de Vilhena.
Leão e Brasão de Manoel Vilhena
Escultura destacada à entrada do portão de Vilhena, o principal ponto acesso a Mdina.
The Maltese Falcon
Pedestre passa pela entrada da loja Maltese Falcon.
A Grande Mdina
A cidade fortificada de Mdina, numa meseta no interior de Malta.
Sala do Palácio Falson
Interior do palácio-museu Falson, em tempos habitado por uma das famílias nobre de Mdina.
O Pátio Falson
v
Crepúsculo Quente II
v
Crepúsculo Quente
Anoitecer empresta tons quentes, electrizados à Catedral de São Paulo.
Catedral de São Paulo II
Vultos em frente à maior das igrejas de Mdina.
Sombras do Passado
Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.

A visão destoa daquilo a quem se havia habituado quem, como nós, chega das alturas litorais de Valletta e das suas Três Cidades.

Avançamos por uma planura de um amarelo-palha, retalhada por plantações irrigadas e verdejantes.

Aos poucos, aproximamo-nos de uma meseta destacada, sustentada por uma série de socalcos, muralhada em toda a sua extensão e coroada por um casario do calcário amarelado típico de Malta.

Desse casario acanhado, projectam-se três torres e uma abóboda, cimos dos principais templos cristãos da povoação.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa

A via Triq L-IMdina mete-se por uma alameda que se some num túnel de cedros e pinheiros mansos.

Quando dela saímos, fazemo-nos à encosta. Instantes depois, damos connosco na orla tão ou mais arborizada da face sudoeste da fortaleza.

De frente para o seu fosso e para o portão de Mdina, a entrada principal da cidade, vigiada por leões que expõem o brasão do Grande Mestre da Ordem de São João de Jerusalém.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, leão

O Portão de Vilhena Adaptado à Guerra dos Tronos

O portão também tem o seu nome português: Vilhena.

António Manoel de Vilhena, Grande Mestre de 1722 até à sua morte, em 1736, foi responsável pela renovação então urgente de Mdina, a par de outras obras imponentes de Malta: o Borgo Vilhena de Floriana, o Forte Manoel e, na mesma senda de baptismos narcisistas, o Teatro Manoel.

Vilhena contratou o arquitecto e engenheiro militar Charles Francois de Mondion para várias obras da sua época. O francês ergueu o Portão Vilhena num estilo barroco louvado, recuperado vezes sem conta e, hoje, com fama planetária.

O portão foi um de dois lugares de Mdina (entre muitos mais de Malta) usados nas filmagens de “Guerra dos Tronos”.

A primeira ocasião deu-se no episódio 3 (Lord Snow) da Temporada 1, enquanto “Kings Landing”. Também passaríamos por outro lugar feito cenário, a Praça da Mesquita.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura

Em sucessivas travessias do portão, o que vemos é, em grande parte, resultado da beleza e da notoriedade extrapolada da cidade.

Cruzam a ponte cavalos que puxam coches de outros tempos com visitantes deslumbrados a bordo, calhambeques com noivos destinados à catedral de São Paulo.

E até um jipe com caixa, carregado de verdura, resultante de uma qualquer operação de jardinagem.

O trânsito de Mdina é, todavia, esporádico.

Lista de Espera da UNESCO e o Impasse da Cidade do Silêncio

Malta espera há um bom tempo que a UNESCO passe a cidade da lista indicativa (onde está desde 1998) para a de Património Mundial, em que Valletta já consta desde 1980.

As autoridades fazem tudo o que podem. Com uma ou outra excepção como as que testemunhámos, o reduto muralhado de Mdina é o único no arquipélago em que são proibidos veículos motorizados.

Afinal, Mdina ficou para a História como a “Cidade Silenciosa” de Malta. Esse título e os complementares de “Cidade Velha” e “Cidade Notável” são trunfos que o governo maltês sabe que a UNESCO não pode ignorar.

Quando entramos em Mdina, perdemo-nos, de imediato, num labirinto de ruas, ruelas, praças, portas, janelas, varandas, pátios e por aí fora, de elementos urbanos seculares, de linhas normandas e barrocas, todos eles aprimorados.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura

Instantes de deambulação depois, a questão premente instalava-se.

Porque carga de água um legado histórico complexo e majestoso como aquele era mantido à espera ?

Palácio Falson: símbolo do Fausto e da Persistência dos Nobres de Mdina

Procuramos o Palazzo Falson, um dos edifícios a que dedicámos particular atenção.

Hoje, um museu, o palácio mantém as suas dezassete divisões ainda mobiladas, apetrechadas com vários pertences históricos e uma capela decorada com quadros religiosos em que, até no próprio altar, se destaca uma pintura de Jesus Cristo cuidado por um séquito de anjos.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, capela Palazzo Falson

No Palazzo Falson, desvendamos o fausto em que viveu, em Mdina, a família homónima, à imagem da abastada e poderosa nobreza de Malta.

Nesse luxo e requinte fortificado, boa parte dos nobres da ilha, resistiram a abandoná-la, mesmo quando a acção político-militar de Malta se mudou para outras partes.

O Passado Milenar da Cidade Silenciosa, Velha e Notável

Reza a história que Mdina foi fundada, no século 8 a.C., pelos Fenícios. Nas devidas eras de ocupação de Malta, tomaram-na os Romanos, os Bizantinos e os Árabes, este o povo que lhe atribuiu o nome que preserva.

Sobranceira, distante do litoral mediterrânico e menos vulnerável a ataques de piratas e toda a laia de inimigos como as povoações da costa de Malta e as da vizinha ilha de Gozo, Mdina manteve-se a capital da ilha.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, Catedral de São PauloAté que os Cavaleiros Hospitalários da Ordem de São João, formados em Jerusalém, conquistaram Malta aos árabes. Mesmo se se refugiou em Mdina por ocasião do Cerco Otomano, a Ordem preferiu Birgu, uma das actuais Três Cidades.

Nem esta inesperada desfaçatez, nem o sismo da Sicilia de 1693, que causou destruição significativa em Mdina.

Ou sequer os planos de um dos engenheiros militares preferidos da Ordem, o capomastro Girolamo Cassar, de a reduzir e dela fazer uma fortaleza pura e dura convenceram os nobres a partir.

A Obra Ambiciosa Ditada por António Manuel de Vilhena

Avancemos até 1722. António Manuel de Vilhena chegou aos comandos de Malta. Em pouco tempo, conquistou uma imagem de benevolência e de respeito pelos súbditos que estes não estavam habituados a ver nos Mestres Hospitalários.

Vilhena ditou a recuperação integral de Mdina e a sua fortificação à altura da importância histórica da cidade e das forças que continuavam a cobiçar Malta, parte delas, às portas da ilha.

Além do portão que já abordámos, Vilhena ordenou várias edificações públicas: o Palácio Municipal e a Corte Capitanale que, nos nossos dias, faz de edilidade.

Os nobres foram-se deixando ficar.

Anos mais tarde, entre outras comoções sociais e, sobretudo militares, os franceses e os britânicos disputavam Malta sobre o litoral de Birgu, de Valletta e restantes povoações da costa leste da ilha.

Também nessa ocasião, a classe nobiliárquica privilegiada resistiu a mudar-se do seu remanso muralhado. Foi essa espécie de auto-retiro e a subsequente ausência de veículos que deram origem ao epíteto Cidade do Silêncio.

Náufrágio do Apóstolo Paulo e a Cristianização Precoce de Malta

Enquanto a calcorreávamos, fruto da abundância de turistas forasteiros, o silêncio mantinha-se parcial, mais íntegro nas catacumbas de São Paulo, parte de um sistema subterrâneo de quase 4km que compreende outras galerias.

As catacumbas fizeram de cemitério dos Fenícios e dos Romanos, em uso até pelo menos ao século VII e, de novo, durante a reconversão da ilha ao Cristianismo do século XIII.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, catacumbas de São Paulo

Uma corrente da história defende que o apóstolo Paulo era levado para Roma para ser julgado como rebelde político quando uma tormenta fulminante fez o navio naufragar.

Paulo e os restantes passageiros a bordo conseguiram nadar até Malta. Parte de uma narrativa bem mais rica, crê-se que durante a estada forçada, Paulo se refugiou numa gruta de Rabat, a cidade que hoje se estende fora das muralhas de Mdina.

Chegado o Inverno, terá sido convidado por Publius, o líder romano da ilha, para a sua casa. Nesses dias, Paulo curou uma febre intensa que afligiu o romano. Reconhecido, este, ter-se-á convertido ao Cristianismo. Tornou-se, inclusive, o primeiro Bispo de Malta.

A presença naufragada de Paulo e o seu papel decisivo na alegada cristianização precoce de Malta, justificaram os baptismos da catedral de Mdina, da igreja de Rabat e de outros monumentos porque passamos.

O Crepúsculo e o Lento Dourar da Cidade Silenciosa

Ruela após ruela, triq atrás de triq, o dia já longo da Cidade Silenciosa caminha para o fim.

Deleitamo-nos ao ver como o ocaso amarelava recantos contemplados pelo grande astro.

As sombras a alongarem-se nos becos e os pedestres surgirem de túneis seculares como fantasmas projectados.

Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, sombra longa

Vemo-los deambularem pela base da catedral que o lusco-fusco e a iluminação abençoam de um quente quase rosado.

Lembramo-nos de que aquela resplandecência deveria ser impressionante a dobrar, se vista à distância, quase a descolar do altiplano de Mdina.

Apressamo-nos, assim, a descer para o seu sopé leste.

Já num trilho que sulcava os minifúndios em redor, a atrapalharmos corredores que cultivavam a sua forma física, encantamo-nos com a estrutura celestial, meio espacial da catedral de São Paulo num fogo dramático contra o firmamento.

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Fortalezas

O Mundo à Defesa - Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Khiva, Uzbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que a União Soviética Aveludou

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
bebe entre reis, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Cidades
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Djerbahood, Erriadh, Djerba, Espelho
Cultura
Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Camponesa, Majuli, Assam, India
Étnico
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
San Juan, Cidade Velha, Porto Rico, Reggaeton, bandeira em Portão
Ilhas
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Natureza
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Parques Naturais
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Património Mundial UNESCO
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Religião
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Salão de Pachinko, video vício, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo – Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT