Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay


Velho Farol, agora Lodge
Navío Pouso
Bando em Terra
Mola Mola Jipe
O Pouso
Intrusos na Colónia
Pura Curiosidade
Pela Crista das Areias
Contra o Vento
Passageiro Esquecido
A Marginal
Chacal em Busca
The Raft
A Doca
Gémeos Asados
Descolagem Apressada
Formação em Quase V
Pela Beira-Mar
Lagoa dos (muitos) Flamingos
O Pelican Point
Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.

Deixamos a vizinha urbe de Swakopmund à conta.

E a contar com o caminho tal como o fim de dia anterior o tinha revelado, uma estrada B2, recta sem fim, quase sem trânsito. Depressa percebemos o quanto nos enganávamos.

Mal cruzamos o leito seco do rio Swakop que dá o nome à cidade, metemo-nos numa névoa matinal densa e flutuante. Cobria a maior parte da beira-mar entre o oceano e as dunas que antecediam a entrega do deserto do Namibe ao Atlântico.

A névoa pairava em sucessivas bolsas. Envolvia o asfalto. A espaços, concedia-nos visões de cenários namibianos surreais. A leste da estrada, montanhas de areia que a quase contraluz convertia em mistérios voláteis, lares de órix, de gazelas, de hienas-castanhas que ansiávamos vislumbrar. Do lado oposto, do mar, areais intermináveis.

Percorridos quase 20km, chegamos à entrada de Langstrand, um refúgio balnear que surge do nada, um agrupamento de casas pré-fabricadas, umas brancas, várias coloridas, que nos pareciam recém-montadas a partir dos respectivos kits.

O satélite habitacional de Langstrand é administrado por Walvis Bay. Cumpridos outros 19km, damos com o desvio para esta que era a cidade destino.

Na sua 5ª rua, cortamos para o porto, o maior da Namíbia. Juntamo-nos a um grupo de passageiros que, como nós, sabiam o quanto prometia aquela incursão à Baía de Walvis, assim baptizada pelos colonos africâner devido a quantidade de baleias (walvis) que lá encontravam.

Walvis Bay: Navegação Rumo ao Pelican Point

Num ápice, zarpamos a bordo de uma embarcação Mola Mola.

Para um retalho de Atlântico azul-escuro e frígido, aberto apenas a norte, a direção de que, à falta de marinhas, continuavam a provir vagas de neblina que o sol tropical fazia dissipar.

Aos poucos, concluímos que quase tudo na baía de Walvis aparecia em quantidade.

Enormes bandos de corvos-marinhos surgiam das profundezas da névoa em voos rápidos, tão rasantes como a neblina.

Do convés superior, víamos como a embarcação os forçava a desvios por pouco falhados.

Navegávamos ainda contra uma maré de milhares de alforrecas rosadas.

Quando nos acercamos da ponta de Pelican Point, juntam-se a essa fauna crescente bandos de aves que inspiraram o baptismo do lugar.

E colónias de leões-marinhos irrequietos.

Oli, o guia, convida seus representantes para bordo.

Sobe, primeiro, um leão-marinho felizardo que a tripulação alimenta de peixes.

Segue-se um pelicano-branco volumoso que haveria de nos acompanhar durante quase toda a expedição.

Atingimos o extremo daquela península arenosa.

Ondas vigorosas embatem no areal elevado e salpicam as centenas de leões-marinhos que o partilham.

Ali próximas, duas estruturas quebram o predomínio natural da paisagem.

Uma delas é uma plataforma petrolífera, numa área em que a própria portuguesa Galp tem tentado a sua sorte.

A outra, um grande navio-diamantífero que buscava pedras preciosas no leito marinho.

Formavam um duo de miragens modernas que nos intrigavam, mas que nunca atormentaram os descobridores europeus destas paragens.

Liderados por um comandante português, claro está.

O Pioneirismo e Desinteresse Português na Colonização destas Paragens

Em 1485, Diogo Cão atingiu o que denominaria de Cabo Cruz, 160km a norte de Walvis Bay, hoje, famoso pelo padrão dos descobrimentos que celebra a sua façanha.

Ainda mais, pela sua colónia populosa de lobos-marinhos-do-cabo, uma das maiores à face da Terra.

Decorridos dois anos, Bartolomeu Dias seguiu-lhe o rasto, em busca de uma passagem para o oceano Índico e para as terras das especiarias.

No encalço do Cabo das Tormentas, fez o navio Almirante São Cristóvão ancorar na mesma baía de que estávamos prestes a sair.

Baptizou o abrigo de Golfo de Santa Maria da Conceição.

Por essa altura, a prioridade da Coroa Portuguesa era atingir as Índias, diz-se que, em simultâneo, encontrar o mítico Prestes João.

Desérticas e inóspitas como se revelavam, estas terras não suscitaram que o rei D. João II as reclamasse.

Aliás, o deserto do Namibe desencorajou de tal maneira as potências coloniais europeias que, só passados mais de três séculos (em 1793), os Países Baixos reivindicaram a região.

Seguiram-se os ingleses. E, em 1910, dela se apoderaram os sul-africanos.

Até à independência namibiana de 1990.

A contradizer o secular desprezo inicial da Europa, nós, como qualquer passageiro da agência Mola Mola, continuávamos num sério deslumbre.

De Volta ao Interior da Baía, sempre na Companhia de Leões-Marinhos

O timoneiro abandona a proteção da Walvis Bay. Ilude as vagas, por ali, poderosas, em busca dos cetáceos que lhe deram o nome. Nessa manhã, em vão.

De acordo, regressamos para a protecção da baía.

Navegamos o mais próximo possível das colónias de leões-marinhos, com respeito para as normas que protegiam os animais.

Essas regras não se aplicavam, da mesma maneira, a vários caiaquers.

Estes, pagaiavam entre centenas de espécimes que nadavam e executavam acrobacias e tropelias em redor, a uns poucos metros da multidão ruidosa, cheirosa e conflituosa que disputava o areal e os raios de sol.

Por altura do antigo farol de Pelican Point, hoje, convertido em lodge requintado, um chacal que tinha percorrido toda a península em busca de alimento, cirandava entre a colónia.

De olho nas crias desprotegidas ou de eventuais placentas libertadas pelas fêmeas.

Desembarcamos a pouca distância do velho farol.

Num acampamento braai já preparado, servem-nos ostras e espumante de entrada. Segue-se um repasto revigorante.

De Barco para Jipe, Península de Pelican Point Abaixo

Terminado o almoço, passamos do barco para um jipe, conduzido por Conrad, um morador de Walvis Bay que conhecia de cor e salteado aquelas paragens, e o que nelas podia ou não fazer.

Conrad passa por uns poucos surfistas que surfavam as longas e famosas ondas da Skeleton (Donkey) Bay.

Desse inusitado spot atlântico, prosseguimos para base da península.

De onde, por sua vez, cruzamos a planície lamacenta de Sandwich Harbour para o domínio homónimo em que as dunas hiperbólicas do Namibe contêm o Atlântico.

Na transição, num trecho excepcionalmente vegetado, Conrad pede-nos atenção à paisagem, de forma a encontrarmos espécimes de hienas ou herbívoros.

Detectamos impalas-de-cara-negra, gazelas e, o ponto alto, uma pequena manada de órix desconfiados.

O Inverno do Hemisfério Sul causava ventos e vagas exageradas.

As vagas, em particular, esticavam o oceano mesmo até à base das dunas. Inviabilizavam que então percorrêssemos a “zona da morte”, assim denominada por os veículos terem um tempo definido pelas marés para a percorrerem e por, demasiadas vezes, se verem encurralados pelo galgar do mar.

Conrad era demasiado experiente para cometer esse erro.

À Descoberta das Dunas Hiperbólicas do Namibe

De acordo, embrenhamo-nos para o interior do Namibe, por um labirinto de dunas que navegamos em modo de montanha-russa, com subidas graduais e descidas que o condutor escolhia o mais vertiginosas possível, por forma a irrigar a expedição de adrenalina.

No processo, atingimos a parte detrás de uma derradeira duna, cuja enorme ravina de areia, terminava 100 metros abaixo, quase directa no oceano.

“Ok, já cá estamos!” anuncia-nos o guia com tom de missão cumprida. “Se caminharem pela crista da duna acima, vão dar com a melhor vista destas paragens”.

Dito e feito.

Com o sol quase a sumir-se no Atlântico e a névoa matinal há muito dissipada, um vendaval sul-norte fazia levantar areia das arestas expostas, dificultava-nos a visão e a marcha.

Subimos o suficiente para contemplarmos aquele panorama limiar, o da duna a estender-se, a perder de vista, com o Atlântico, submisso, a seus pés.

De Regresso à Cidade de Walvis Bay, com Passagem na Lagoa dos Flamingos

Meia-hora depois, voltamos a atravessar a imensidão arenosa do Parque Nacional Namib-Naukluft.

Logo, o reduto rosado das salinas de Walvis Bay.

Já na marginal da cidade, Conrad detém-se para apreciarmos a lagoa dos flamingos e as centenas de aves pernaltas que, a essa hora, por lá se agrupavam.

Pouco depois, Walvis Bay assumiu o seu tranquilo turno da noite.

Regressamos a Swakopmund, pela mesma B2 em recta sem fim e sem trânsito, com que voltámos a poder contar.

COMO IR

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:  Voo Lisboa – Luanda – Windhoek (Namíbia)  em TAAG: www.taag.com por a partir de 750€.

Reserve o seu programa de viagem na Namíbia com a Lark Journeys: www.larkjourneys.com   Whats App: +264 81 209 47 83

FB e Instagram: Lark.Journeys

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Twyfelfontein - Ui Aes, Namíbia

À Descoberta da Namíbia Rupestre

Durante a Idade da Pedra, o vale hoje coberto de feno do rio Aba-Huab, concentrava uma fauna diversificada que ali atraía caçadores. Em tempos mais recentes, peripécias da era colonial coloriram esta zona da Namíbia. Não tanto como os mais de 5000 petróglifos que subsistem em Ui Aes / Twyfelfontein.
Cidade do Cabo, África do Sul

Ao Fim e ao Cabo

A dobragem do Cabo das Tormentas, liderada por Bartolomeu Dias, transformou esse quase extremo sul de África numa escala incontornável. E, com o tempo, na Cidade do Cabo, um dos pontos de encontro civilizacionais e urbes monumentais à face da Terra.
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Robben Island, África do Sul

A Ilha ao Largo do Apartheid

Bartolomeu Dias foi o primeiro europeu a vislumbrar a Robben Island, aquando da sua travessia do Cabo das Tormentas. Com os séculos, os colonos transformaram-na em asilo e prisão. Nelson Mandela deixou-a em 1982, após dezoito anos de pena. Decorridos outros doze, tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul.
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Spitzkoppe, Damaraland, Namíbia

A Montanha Afiada da Namíbia

Com 1728 metros, o “Matterhorn Namibiano” ergue-se abaixo das dez maiores elevações da Namíbia. Nenhuma delas se compara com a escultura granítica, dramática e emblemática de Spitzkoppe.
PN Etosha, Namíbia

A Vida Exuberante da Namíbia Branca

Um salar vasto rasga o norte namibiano. O Parque Nacional Etosha que o envolve revela-se um habitat árido, mas providencial, de incontáveis espécies selvagens africanas.
Palmwag, Namíbia

Em Busca de Rinocerontes

Partimos do âmago do oásis gerado pelo rio Uniab, habitat do maior número de rinocerontes negros do sudoeste africano. Nos passos de um pisteiro bosquímano, seguimos um espécime furtivo, deslumbrados por um cenário com o seu quê de marciano.
O rio Zambeze, PN Mana Poools
Safari
Kanga Pan, Mana Pools NP, Zimbabwe

Um Manancial Perene de Vida Selvagem

Uma depressão situada a 15km para sudeste do rio Zambeze retém água e minerais durante toda a época seca do Zimbabué. A Kanga Pan, como é conhecida, nutre um dos ecossistemas mais prolíficos do imenso e deslumbrante Parque Nacional Mana Pools.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Sydney, cidade criminosos exemplar da Austrália, Harbour Bridge
Cidades
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Pórtico de entrada em Ellikkalla, Uzbequistão
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Catedral de Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária
História
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Seixal, Ilha da Madeira, piscina
Ilhas
Seixal, Madeira, Portugal

A Ilha da Madeira do Coração

Quem visita a Madeira, encanta-se com o seu dramatismo quase tropical. Neste caso, o autor deve confessar que foi o destino das suas primeiras três viagens de avião. Que tem uma amiga de lá, que o fez ser um pouco de lá. Da Madeira virada ao Norte sem fim. Do destemido e acolhedor Seixal.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Levada do Caldeirão Verde, Madeira, Portugal, terras altas
Natureza
Levada do Caldeirão Verde, Madeira, Portugal

Água Cima, Água Abaixo

É apenas um dos mais de cem sistemas de canais prodigiosos que os madeirenses construíram para irrigarem os cultivos. Os seus cenários verdejantes, escarpados e dramáticos fazem os visitantes da ilha fluírem em contínuo ao longo da levada do Caldeirão Verde.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ribeiro Frio, Madeira, Vereda dos Balcões,
Parques Naturais
Parque Florestal Ribeiro Frio, Madeira

Ribeiro Frio Acima, na Senda dos Balcões

Há muito que esta região do interior elevado da Madeira tem a cargo a repopulação das trutas arco-íris da ilha. Entre os vários trilhos e levadas que confluem nos seus viveiros, o Parque Florestal Ribeiro Frio oculta panoramas grandiosos sobre o Pico Arieiro, o Pico Ruivo e o vale da Ribeira da Metade que se estende à costa norte.
Património Mundial UNESCO
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Praias
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Madu River: dono de um Fish SPA, com os pés dentro do viveiro de peixes-doutores
Religião
Rio e Lagoa Madu, Sri Lanka

No Curso do Budismo Cingalês

Por ter escondido e protegido um dente de Buda, uma ilha diminuta da lagoa da lagoa Madu recebeu um templo evocativo e é considerada sagrada. O Maduganga imenso em redor, por sua vez, tornou-se uma das zonas alagadas mais louvadas do Sri Lanka.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.