Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval


Casal Gótico

Estátuas destacam-se da arquitectura gótica da igreja de Santa Maria Mayor, o principal templo católico de Valderrobres.

Dourado de Matarraña

Iluminação nocturna faz destacar o dourado dos edíficios principais da praça central de Valderrobres.

Um súbdito do tempo

Visitante percorre uma ala sombria do velho castelo de Valderrobres.

Gran La Fresneda

Casario denso e antigo que preenche a encosta suave em que se instalou La Fresneda.

Rua acima

Idoso esforça-se por subir uma ladeira íngreme de Valderrobres.

À beira rio

Varandas tipicas do casario nas margens do rio Valderrobres.

Fé nas alturas

A Ermida de Santa Bárbara, nas imediações de La Fresneda.

Comércio Abrigado

Vendedor e cliente numa mercearia tradicional de nome M.Manero, em La Morella.

Formas ovinas

Rebanho de ovelhas compacto pasta nas imediações de La Fresneda.

Poder nas alturas

Castelo medieval sobrepõe-se ao casario antigo de La Morella, uma cidade muralhada da comunidade valenciana.

Valderrobrenses vindos de Longe

Dois emigrantes equatorianos moradores de Valderrobres apanham sol sobre a ponte medieval da cidade.

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Marcar o quilómetro zero de uma viagem para uma antiga estação de comboio tem que se lhe diga. O privilégio calhou à La Parada del Compte, nas proximidades de Torre del Compte que, em 1973, depois de quase dois séculos a receber o Tren de La Val de Zafán, foi condecorada com um letreiro “Estación Cerrada a la Circulación” e votada ao abandono.

Tal como por Portugal, em Espanha, essas injustiças ferroviárias já há muito tinham passado à história mas, ao passearem pela comarca de Matarraña, José Maria Naranjo e Pilar Vilés pararam na zona, encantaram-se com a paisagem em redor e agarraram a oportunidade. José Maria era, ele próprio, parte de uma quarta geração de ferroviários. Ao inteirar-se da liquidação praticada pela RENFE e com algum apoio do Governo de Aragão, partiu a todo o vapor para o projecto de transformar a não tarda nada ruína numa estação dos sentidos.

O enquadramento natural ajudou. A nova Parada del Compte hoteleira surge cercada de uma fauna e flora mediterrânica, refrescada pela ribeira del Matarraña que mantém os campos verdes e mata a sede aos rebanhos que os costumam frequentar. As vistas mais longínquas também não ficam atrás. Para sudeste, olivais e pinhais vastos. A sul, a vila de Torre del Compte e os Ports de Beceit-Tortosa, um maciço montanhoso escarpado.

Apesar do conforto físico e espiritual assegurado pelo Parada del Compte, estava na hora de regressar à estrada. A viagem em que nos tínhamos metido era outra, feita no tempo. Em volta, esperava-nos a comarca de Matarraña, um reduto medieval irrigado pelo rio homónimo e seus afluentes em terras de oliveiras e amendoeiras que teimava em resistir à invasão do grande público espanhol.

O motor do carro nem chega a aquecer quando se justifica a primeira paragem. Temos Torre del Compte pela frente e, mesmo sem donzela para salvar, parece-nos impossível fugir ao apelo.

A povoação surge, como que em equilíbrio, no topo de uma encosta com 500 metros de altura. Conserva uma boa parte do seu recinto amuralhado e uma das seis portas de acesso primitivas. Uma destas portas, a de San Roque, dá para a calle com o mesmo nome, uma das mais belas da vila, delimitada por casas solarengas caiadas e com pisos superiores dotados de galerias de arcos.

Percorremo-la de princípio ao fim, passamos um vendedor ambulante de frutas e vegetais, a fachada da igreja e outras menos imponentes.  Depois de arriscar um ou outro desvio, encontramos o miradouro que procurávamos, sobre o vale do rio Matarraña. Apreciamos a paisagem quando nos interpela um local: “Também têm seca por lá?”.

Nestes pueblos, as notícias saltam de varanda em varanda e a informação de que éramos portugueses dada, há meia hora, numa curta conversa à entrada da vila, quase nos ultrapassou a caminho da outra extremidade. “É mais ou menos como cá.” retribuímos. Por agora, nada de especial. Quando nos aproximarmos mais do Verão é que se vai ver.” A resposta pareceu deixar o interlocutor intrigado.

Regressamos ao asfalto com o plano de visitar a capital da comarca, Valderrobres, não sem antes fazer uma escala estratégica em La Fresneda. O troço até lá é curto mas deixa confirmar que, por estes lados, campo e povoações ainda têm os seus próprios espaços. Vamos para onde formos, curva após curva, sucedem-se pomares sem fim e mais olivais e amendoais. À parte, como quem não tem nada a ver com o cenário bucólico e continua apenas a perscrutar o horizonte em busca dos exércitos infiéis, lá estão as fortalezas, as torres das igrejas e seus casarios. 

La Fresneda resultou da convivência das ordens militares del Temple e Calatrava e religiosa de los Mínimos, num território em que, apesar da presença da Santa Inquisição, acabaram por se encaixar, também, muçulmanos e judeus.

Lado a lado com toda a sua beleza, grandiosidade e autenticidade histórica, desse passado de frágil separação entre a luz e as trevas, subsiste ainda uma atmosfera mística. Abriga-se nas várias igrejas e na ermida de Santa Bárbara (isolada num ermo e protegida por ciprestes centenários) e atinge o auge na Casa Consistorial, cujos níveis inferiores escondem o cárcere mais terrífico da comarca. É uma classificação de que só se desdenha até se saber que as suas masmorras são formadas por vários níveis interligados por um alçapão, através do qual os carrascos atiravam os presos, de grande altura, para o mais profundo. Aqui, o famoso “I wasn't expecting the Spanish Inquisition” da trupe Monty Python, ainda faria menos sentido. 

Retornamos à luz e à estrada. Pouco depois, já vislumbramos os contornos elevados dos inevitáveis castelo e igreja locais. Além da capital, Valderrobres é o coração da comarca. A cidade é dividida em dois pelo mesmo Matarraña que nos tem vindo a acompanhar. Numa margem, fica o monumental casco antigo, na outra, o anexo moderno. A uni-las, estende-se uma elegante ponte de pedra que conduz à porta da fortaleza, em que se detecta facilmente uma dupla função.

Por cima do arco, no seu nicho de pedra, está um São Roque peregrino que, de joelho esquerdo descoberto (sinal de saber gnóstico), há séculos dá as boas-vindas a quem vem por bem. Alguns metros acima, surge um mata-cães, estrategicamente colocado para a empresa de desmotivar exércitos inimigos, fossem fiéis ou infiéis. Tudo indica que, nestes tempos de paz e turismo, seja o santo quem mais trabalho tem. Passada a porta, descobre-se a Plaza Mayor e, nela, esplanadas repletas de visitantes e valderrobrenses em pleno festim.

Logo ao lado, fica o Fonda de la Plaza, um restaurante-estalagem típico em que Trini Gil e Sebastian Gea continuam a honrar a tradição secular da fonda (espécie de estalagem medieval) e o título de edifício mais antigo de Valderrobres.  Como qualquer nativo se prontificaria a confirmar, cumprem o seu desígnio na perfeição. “Todos os dias, servimos bandejas sem fim dos melhores manjares da comarca!” O menu deixa bem claro de quais falam: conejo escabechado, espalda rellena ou ternasco asado que, se o cliente concordar, saem acompanhados pelos melhores vinhos da região e são seguidos de sobremesas divinais: almendrats, casquets ou o melocoton al viño.

Para levar ao extremo a cotação deste restaurante genuíno, há que esclarecer que, em Matarraña, as fondas são quase uma instituição. Ao longo do tempo, sempre ocuparam lugares na base das povoações, onde poupavam aos viajantes as subidas íngremes e asseguravam calor, boa comida e companhia.

Deixamos para trás a Plaza Mayor e embrenhamo-nos nas ruelas de Valderrobres que alternamos com escadarias a caminho do topo da encosta. Mais alguns degraus e surge o cume, esmagado pela presença dominante do castelo palácio e da igreja gótica de Santa Maria. Chegamos apenas a tempo de uma visita não guiada, enriquecida por um pôr-do-sol sem cerimónias. Com o fim do dia, o palácio fecha. 

Já de noite, passamos Fuentespalda em direcção a Monroyo. Nove quilómetros depois, cortamos para Ráfales. Como já esperávamos, Ráfales revela-se mais um pueblo no cume de uma colina, com um casco antigo imaculado, em que se destacam a Plaza Mayor, as igrejas e uma Casa Consistorial com mais masmorras. 

Tudo o que é demais enjoa e, como tal, na manhã seguinte, optamos por explorar um pouco dos arredores campestres. Atravessamos a vila com o objectivo de espreitar o limite de El Estrets, um maciço de rocha impressionante, daqueles a que só os alpinistas sabem dar valor. De onde estamos, veem-se os penhascos, mas a distância retira-lhes grandiosidade. Mudamos de planos. Decidimos deixar Matarraña e irmos directo para La Morella, província de Castellon. Sinuoso, este trajecto avança ao longo de densos pinhais e, adiante, tem que vencer os declives do El Maestrazgo, numa área que a altitude vai tornando fria e inóspita.

Depois de uma longa subida, 25 km após Monroyo, dá-se finalmente com o que, no deserto, poderia ser miragem. A mais de 1000 metros acima do nível do mar, como que a coroar uma colina, surge um castelo tosco com vários níveis de muralhas que se adaptam às formas de uma base rochosa. 

Somos obrigados a reconhecer que, assim a cru, a descrição não se afastara o suficiente do que tínhamos vindo a encontrar e cuja repetição nos fez apressar a visita de Ráfales. No entanto, pela sumptuosidade épica do enquadramento, Morella conseguiu activar-nos, de novo, o imaginário medieval.  

Já a pé, à medida que nos aproximamos das muralhas, não resistimos a vislumbrar, nas inúmeras excursões recém-chegadas de autocarro, exércitos mouros. Aceleramos o passo para vermos se ainda conseguíamos apreciar a cidade antes da invasão.

As diferenças saltam à vista. Talvez devido ao domínio mais prolongado dos Muçulmanos (até 1232), o casario é branco e, porque a encosta se espraia suavemente, as ruas e praças são algo mais largas e arejadas. Sente-se também o dedo do turismo. Ao contrário do que se passava em Matarraña, lojas de recuerdos não faltam. Espreitamos os postais. Há um em particular que nos capta a atenção: Morella nevada. Parece duplamente fascinante. Começamos a magicar um regresso invernal. “A zona é alta e gélida grande parte do ano. Apanhá-la com neve não devia ser complicado”. É mais um projecto de retorno para a lista. Este deve entrar lá para quinquagésimo lugar. Mesmo assim, nunca se sabe.

De volta à realidade, constatamos que está outra vez na hora de mudar de ares. A última noite foi programada para a costa. De Morella até lá conduzimos 65 km que interrompemos apenas uma ou duas vezes para fotografar da beira da estrada. Seguimos em direcção a Vinaròs cujo centro evitamos e continuamos rumo a Alcanar. Ao km 1059 de uma tal de ruta N-340, damos com o pequeno letreiro da Finca Tancat de Codorniu. O desvio conduz a um mar de laranjais que encobre a vista para o Mediterrâneo e tudo resto, mas a estrada apertada lá nos deixa no sítio certo. Acabamos por dar entrada numa antiga mansão de veraneio de Alfonso XII, um Borbón que, no século XIX, conquistou o cognome de Pacificador.

A Espanha Medieval tinha-nos deixado de rastos. Seguimos o mote do rei e dedicámo-nos à paz e ao descanso. 

Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Habitante de Mindelo, a capital de São Vicente e a capital cultural de Cabo Verde
Cidades
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Seydisfjordur
Cultura

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Em Viagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
The Rock
História

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Praia Islandesa
Ilhas

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Cavalgada em tons de Dourado
Natureza

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mini-snorkeling
Parques Naturais

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Foz incandescente
Património Mundial UNESCO

Big Island, Havai

À Procura de Rios de Lava

São 5 os vulcões que fazem a Big Island aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Magníficos Dias Atlânticos
Praias

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

Teleférico de Sanahin, Arménia
Religião
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Praia portuária
Sociedade

Sentosa, Singapura

O Recreio de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.