Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura


Vista do cimo de El Islote
A playa Cofete dividida em duas baías irresistíveis como visto do cimo de El Islote.
Escultura caprina de Sicasumbre
Homenagem às cabras majoreras do artista da ilha majorero Juan Miguel Cubas.
Passeio solitário
Morador percorre uma vastidão inóspita entre o farol de Jandía e Puerto de La Cruz.
Rumo a Cofete
Estrada sinuosa que conduz da costa sudeste ao Miradouro sobre a Praia Cofete e à costa Sudoeste de Fuerteventura.
Costa sudoeste & Praia Cofete
Um dos recantos mais intocados de Fuerteventura, a vertente do seu extremo sudoeste e a longa praia Cofete.
El Puertito
Vista da aldeola litoral de Puerto de La Cruz, mais conhecida por El Puertito.
Pasto rugoso
Cabras pastam na extensão pedregosa de um curral.
Velas aos ventos alísios
Windsurfers deslizam sobre o oceano Atlântico turquesa ao largo de Jandía.
Atlântico de Oeste
Ondas desfazem-se no areal vasto da Playa Cofete.
O tecelão
Filipe Marrero Frances, um artesão que demonstra a arte majorera de tecer na casa-museu Santa Maria.
A secura verde de Cofete
Um dos muitos cacto viçosos que despontam na encosta pedregosa de Cofete.
Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.

Não temos como escapar-lhes. Desde o primeiro momento em que deixamos Caleta de Fuste em direcção a sul, repetem-se as rotundas que, na paisagem árida e desafogada, cumprem a sua função de fazer fluir o trânsito insular. Estamos em época baixa.

Fuerteventura é a segunda maior ilha das Canárias e a mais próxima de África. O cabo marroquino de Juby dista 100 km da sua costa oriental. À boa moda do Saara, logo ali a leste, o céu mantêm-se azul. Mesmo de manhã cedo, o grande astro amorna-nos a pele e activa-nos a alma de exploradores.

Passamos Tarajalejo e La Lajita. Damos entrada na espécie de bota que encerra Fuerteventura a sudoeste. O cimo do seu cano destoa do cenário que deixávamos para trás. Preenche-o um istmo sobrecarregado de dunas e grandes ergs que nos impedem de ver o litoral a barlavento.

Sem que o esperássemos, a estrada FV-2 em que seguíamos desemboca num trecho de autoestrada que progride pelo sopé daquele reino das areias.

A Vastidão Desértico-Marinha de Jandia

Aqui e ali, vislumbramos os panoramas marinhos das sucessivas Playas de Jandía. Um desses vislumbres revela-nos uma península demasiado  resplandecente para a podermos ignorar. Mesmo se a próxima saída tem o nome suspeito de Mal Nombre, tomamo-la.

Já na estrada costeira usada antes do advento da autoestrada, damos com o Mirador del Salmo. Dali, desvendamos uma península quase piramidal de areia que se desfaz num mar esmeralda e, a maior distância e profundidade, azul petróleo.

Windsurfers, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Windsurfers deslizam sobre o oceano Atlântico turquesa ao largo de Jandía.

Ao largo, uma armada ziguezagueante de windsurfers e kitesurfers sulcam-no. Sopram-nos os ventos alísios furiosos que o Saara projecta Atlântico fora, com tal brutidão que, com frequência, os praticantes não os aguentam e se estatelam com espalhafato.

Apreciamos aquele panorama surreal e a movimentação náutica, que o grande oceano e as montanhas do norte da ilha em fundo faziam ainda mais ínfima. Vinte minutos depois, voltamos à estrada.

Da Playa de Butihondo para sul, a concentração de resorts à beira-mar e para o interior da estrada litoral aumenta.

Morro Jable – Uma Colónia Germânica no Limiar do Asfalto

As Canárias – e Fuerteventura em particular- abrigam bolsas que são quase colónias de férias de determinados países. A zona em que dávamos entrada era, sem lugar para dúvidas, teutónica. “Deutscher Arzt Zahnarzt”, anuncia uma placa acima de um passeio da marginal, uma de tantas outras porque nos fomos cruzando.

O domínio dos ergs ficara para trás. Estávamos no sopé sotavento das derradeiras montanhas meridionais da ilha. Os germânicos mas não só, tinham ali instalado uma quase conurbação de resorts, hotéis, aparthotéis e afins que só deixavam espaço ao farol del Matorral e aos areais vastos a norte e a sul.

A cada lomba na estrada, a cada subida e descida, confrontávamo-nos com novos complexos hoteleiros e habitacionais. Alguns, alvos. Outros, com cores tão ou mais garridas que as da complexa geologia vulcânica da ilha: amarelos-torrados, laranjas, ocres e tons quentes deste tipo.

De qualquer maneira, sempre considerámos Morro Jable uma mera referência, um ponto de passagem rumo ao reduto litoral que estimávamos no imaginário como o mais intocado e impressionante de Fuerteventura.

Estrada para Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Estrada sinuosa que conduz da costa sudeste ao Miradouro sobre a Praia Cofete e à costa Sudoeste de Fuerteventura.

Para lá chegarmos, despedimo-nos de vez de Morro Jable e do asfalto. Seguimos por uma estrada de brita e pedra que não tardou a serpentear e a trepar montanha acima.

Aos poucos, ascendemos do nível do mar do sotavento até à crista da pequena cordilheira que divide o fundo da bota de Fuerteventura ao meio. Passamos por cabras entregues ao seu repasto e por novas colónias de cactos hirtos e verdejantes.

Retém-nos, por algum tempo, um camião cisterna do Ayuntamento de Pájara que rega a estrada para suavizar o piso abrasivo e diminuir a poeira libertada.

A Visão Surreal da Costa Sudoeste e da Praia Sem Fim de Cofete

Curva atrás de curva, com a pressa possível, lá atingimos o cimo inconfundível do miradouro de Cofete. Daquele alto, uma vez mais expostos aos alísios furibundos, deslumbramo-nos com a crueza do cenário protegido do Parque Natural de Jandia, na vertente oposta à que havíamos ascendido.

Praia Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Um dos recantos mais intocados de Fuerteventura, a vertente do seu extremo sudoeste e a longa praia Cofete.

Dali por diante, a perder de vista, uma ladeira longilínea, ocre, estriada, descia com inesperada suavidade dos sucessivos cumes vulcânicos até se entregar ao areal que a apartava do oceano.

Lançado de norte, este Atlântico revelava-se bem mais bravio que o que banhava a ilha ao sul. Vislumbrávamos ainda o que pensávamos ser o limite sudoeste do istmo de areia que tínhamos cruzado autoestrada fora.

Cumprimos sem incidentes a secção mais apertada e vertiginosa do caminho. Em seguida, descemos até ao sopé arenoso da montanha.

Toda a enorme praia na base da encosta usava aquele nome de Cofete. Não só a praia.

Antecedia-a Casas de Cofete, uma mini-povoação meio amuralhada meio abarracada, com meros 25 habitantes – vários criadores de cabras – direito a cemitério e – bem mais útil aos visitantes vindos do lado urbanizado da ilha – um barzinho que servia cañas, queijo majorero e outras especialidades. Mas, estávamos ali pela Cofete praia.

Playa Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Ondas desfazem-se no areal vasto da Playa Cofete.

Estacionamos. Desentorpecemos as pernas. Contemplamos a beleza crua daquela costa selvagem. Corremos para o mar, mandamos uns mergulhos e, na volta, relaxamos ao sol.

El Islote: Cofete Dividida em Duas Irresistíveis Metades

Pouco depois, inauguramos uma longa caminhada que nos conduziu quase à ponta oposta do areal. Só detemos em El Islote, um grande rochedo no limite da rebentação, acessível por uma língua de areia que marcava uma fronteira. Subimos ao tal Islote áspero.

Do cimo, apuramos que a língua de areia dividia parte da infindável Cofete em duas baías quase simétricas, arredondadas e sedutoras. Numa, balançavam águas tom de esmeralda.

Na outra, um mar mais para o turquesa. Deitado entre ambas, um nudista “evadido” e bronzeado usufruía daquela dádiva balnear. A longos espaços, pass(e)avam por ali casais que não resistiam a banhar-se. Foi o que voltámos a fazer.

Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

A playa Cofete dividida em duas baías irresistíveis como visto do cimo de El Islote.

Com a manhã a avançar, caminhamos os 4km de regresso ao carro e conduzimos de volta à vertente sul. Esticamos o trajecto até à biqueira da bota da ilha, marcada pelo Farol de Punta Jandía. Apreciamos e fotografamos o pueblo pitoresco de Puerto de la Cruz, formado pelo que poderiam ser grandes blocos de legos brancos.

Puerto de la Cruz. O Pitoresco Puertito Branco

Ao vê-lo, cândido, espartilhado entre o oceano azulão e os montes vulcânicos dantescos, percebemos porque os moradores destas paragens lhe têm tanto carinho e o tratam por Puertito.

Puerto de la Cruz, ilhas Canárias, Espanha

Vista da aldeola litoral de Puerto de La Cruz, mais conhecida por El Puertito.

Por aquela altura, já nos chegava dos fundos de Fuerteventura. Retrocedemos para Morro Jable. Reentramos no quase maciço principal da ilha. Internamo-nos no seu âmago árido e montanhoso, apontados a Pájara.

Como seria de esperar, não conseguimos lá chegar sem nos voltarmos a maravilhar e a deter.

Subíamos a estradinha FV-605 aos esses quando, num desses meandros, as formas dramáticas da montanha Cardón nos tomam de assalto. Estacionamos nas imediações. Um varandim contíguo revela-nos um deserto em tons pastel, esculpido com ves, bossas e depressões que precediam uma cordilheira mais distante.

A Janela de Fuerteventura para o Espaço

Do nada, um corvo aterra à nossa frente. Grasna-nos, como que a reclamar  posse dos seus domínios. Fossem de quem fossem, as autoridades de Fuerteventura tinham-se assegurado de os ligar a outras galáxias.

Corvo no sopé do observatório espacial de Sicasumbre, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Corvo à beira da estrada, no sopé do observatório espacial de Sicasumbre.

Um trilho curto conduz-nos a um cimo. Nesse topo, encontramos o Mirador Astronómico de Sicasumbre, uma base terra-a-terra ali instalada devido a Fuerteventura integrar a Reserva Starlight, por ter das melhores noites do Planeta Azul para observar os astros.

Ainda faltavam umas boas horas para o ocaso. Conformamo-nos com admirarmos o cenário vespertino algo extraterrestre em redor e as esculturas de cabras do artista majorero Juan Miguel Cubas.

Obra de arte no observatório espacial Sicasumbre, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Homenagem às cabras majoreras do artista da ilha majorero Juan Miguel Cubas.

Damos com a pequena cidade histórica de Pájara a meio da tarde e já com pouca vida. Dedicamos um quarto de hora à invulgar fachada tripartida da sua Iglésia de la Virgen de Regla e à praceta ajardinada que a envolvia. Tão cedo quanto pudemos, rumamos a Betancuria.

Quando os Cruzados Normandos Chegaram para Ficar

Os primeiros habitantes das Canárias e de Fuerteventura chegaram do norte de África. Após várias expedições portuguesas e espanholas às ilhas no século XIV, Fuerteventura acolheu dois reinos tribais guanches (indígenas com origem bérber) divididos por uma muralha com 6km. O  reino meridional de Jandía ia até La Pared. Maxorata, o rival, ocupava o resto da ilha.

Em, 1402, os normandos Jean de Béthencourt e Gadifer de la Salle, no comando de apenas 63 marinheiros resistentes de uma deserção, chegaram e alteraram a ordem há muito vigente. Fizeram de Lanzarote a sua base. A partir de Lanzarote, ocuparam outras ilhas. Fuerteventura, era a mais próxima.

Vencidas algumas agruras iniciais, obtiveram apoio de Castela e, em 1405, completaram a conquista. Fundaram, então, na costa oeste, Betancuria, a primeira povoação europeia da ilha.

Betancuria, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Casario alvo e em boa parte secular de Betancuria, a primeira capital de Fuerteventura.

Após complexa validação papal, o domínio colonial europeu de Fuerteventura foi efectivado. A população aumentou mas as fortificações contra os inimigos berberes e os piratas provaram-se insuficientes.

Em 1593, uma invasão berber arrasou a cidade. Mesmo em parte reconstruída, em 1834, Betancuria perdeu o estatuto de capital para Puerto del Rosário. Entrou num marasmo e decadência de que só recentemente recuperou.

“Aquilo é quase tudo de um alemão!” afiança-nos mais tarde a recepcionista do Ecomuseu de la Alcogida. “Ele é que se interessou, comprou e recuperou boa parte dos edifícios e fez com que a cidade seja a atracção que hoje é”.

Betancuria: a Génese Colonial de Fuerteventura

De facto, os visitantes de Fuerteventura realmente interessados na sua história e cultura só têm um caminho: passar por Betancuria. Ao tempo a que lá damos entrada, a praceta da Igreja Catedral de Santa Maria e as ruelas em redor são batidas por um sol suave. Tendo em conta o fluxo  normal da hora de ponta, em época alta, mantêm-se bem transitáveis.

igreja Catedral de Santa Maria, em Betancuria, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Casal percorre o adro da igreja Catedral de Santa Maria, em Betancuria.

Entramos na casa-museu Santa Maria. Apreciamos um vídeo que exibe a labuta de um criador de cabras no ambiente rude em que vive e as pastoreia. Logo ao lado, Felipe, um senhor já com a sua idade, trabalha num tear. Observamo-lo e perguntamos se o podemos fotografar.

De início mostra-se tímido mas, mal puxamos pela conversa, desatamos um à vontade mútuo e uma tagarelice quase tão intrincada como os fios e laços da manta de pastor majorera que nos dizia demorar vinte dias a completar. “Sabem que eu ensinei uma actriz do filme “Exodus” (Ridley Scott, 2014) que cá foi filmado a tecer?“

Tecelão da casa-museu Santa Maria, Betancuria, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Filipe Marrero Frances, um artesão que demonstra a arte majorera de tecer na casa-museu Santa Maria.

“A sério? Isso foi a sua missão bíblica!”  respondemos-lhe, mesmo se espantados com o que nos contava, em tom meio gozão, e geramos uma gargalhada partilhada. “Vocês haviam de estar lá na minha terra (Tuinaje) era a 13 de Outubro.

Iam ver uma festa a valer! Nós organizamos lá a Fiesta Jurada, sabem?

Encenamos aquela época em que os piratas nos atacavam e nós resistíamos por todos os meios e mais alguns.” Não é só esse seu repto que nos incita a voltar.

Fuerteventura revelou-se um velho mundo insular em que deixámos quase tudo por descobrir.

 

A BINTER CANÁRIAS OPERA VOOS DIRECTOS DE LISBOA PARA TENERIFE e GRAN CANÁRIA ÀS QUINTAS e DOMINGOS. DESTAS ILHAS, PODERÁ VOAR COM A BINTER CANÁRIAS  PARA FUERTEVENTURA OU OUTRAS ILHAS DO ARQUIPÉLAGO DAS CANÁRIAS.

Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Wall like an Egyptian
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Para diante
Cidades

Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Santa Maria, Ilha mãe dos Açores
História
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Ilhas
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
O Apogeu da América do Norte
Natureza

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
city hall, capital, oslo, noruega
Património Mundial UNESCO
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
No sopé do grande Aratat
Religião

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Autocarro garrido em Apia, Samoa Ocidental
Sociedade
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.