Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura


Vista do cimo de El Islote
A playa Cofete dividida em duas baías irresistíveis como visto do cimo de El Islote.
Escultura caprina de Sicasumbre
Homenagem às cabras majoreras do artista da ilha majorero Juan Miguel Cubas.
Passeio solitário
Morador percorre uma vastidão inóspita entre o farol de Jandía e Puerto de La Cruz.
Rumo a Cofete
Estrada sinuosa que conduz da costa sudeste ao Miradouro sobre a Praia Cofete e à costa Sudoeste de Fuerteventura.
Costa sudoeste & Praia Cofete
Um dos recantos mais intocados de Fuerteventura, a vertente do seu extremo sudoeste e a longa praia Cofete.
El Puertito
Vista da aldeola litoral de Puerto de La Cruz, mais conhecida por El Puertito.
Pasto rugoso
Cabras pastam na extensão pedregosa de um curral.
Velas aos ventos alísios
Windsurfers deslizam sobre o oceano Atlântico turquesa ao largo de Jandía.
Atlântico de Oeste
Ondas desfazem-se no areal vasto da Playa Cofete.
O tecelão
Filipe Marrero Frances, um artesão que demonstra a arte majorera de tecer na casa-museu Santa Maria.
A secura verde de Cofete
Um dos muitos cacto viçosos que despontam na encosta pedregosa de Cofete.
Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.

Não temos como escapar-lhes. Desde o primeiro momento em que deixamos Caleta de Fuste em direcção a sul, repetem-se as rotundas que, na paisagem árida e desafogada, cumprem a sua função de fazer fluir o trânsito insular. Estamos em época baixa.

Fuerteventura é a segunda maior ilha das Canárias e a mais próxima de África. O cabo marroquino de Juby dista 100 km da sua costa oriental. À boa moda do Saara, logo ali a leste, o céu mantêm-se azul. Mesmo de manhã cedo, o grande astro amorna-nos a pele e activa-nos a alma de exploradores.

Passamos Tarajalejo e La Lajita. Damos entrada na espécie de bota que encerra Fuerteventura a sudoeste. O cimo do seu cano destoa do cenário que deixávamos para trás. Preenche-o um istmo sobrecarregado de dunas e grandes ergs que nos impedem de ver o litoral a barlavento.

Sem que o esperássemos, a estrada FV-2 em que seguíamos desemboca num trecho de autoestrada que progride pelo sopé daquele reino das areias.

A Vastidão Desértico-Marinha de Jandia

Aqui e ali, vislumbramos os panoramas marinhos das sucessivas Playas de Jandía. Um desses vislumbres revela-nos uma península demasiado  resplandecente para a podermos ignorar. Mesmo se a próxima saída tem o nome suspeito de Mal Nombre, tomamo-la.

Já na estrada costeira usada antes do advento da autoestrada, damos com o Mirador del Salmo. Dali, desvendamos uma península quase piramidal de areia que se desfaz num mar esmeralda e, a maior distância e profundidade, azul petróleo.

Windsurfers, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Windsurfers deslizam sobre o oceano Atlântico turquesa ao largo de Jandía.

Ao largo, uma armada ziguezagueante de windsurfers e kitesurfers sulcam-no. Sopram-nos os ventos alísios furiosos que o Saara projecta Atlântico fora, com tal brutidão que, com frequência, os praticantes não os aguentam e se estatelam com espalhafato.

Apreciamos aquele panorama surreal e a movimentação náutica, que o grande oceano e as montanhas do norte da ilha em fundo faziam ainda mais ínfima. Vinte minutos depois, voltamos à estrada.

Da Playa de Butihondo para sul, a concentração de resorts à beira-mar e para o interior da estrada litoral aumenta.

Morro Jable – Uma Colónia Germânica no Limiar do Asfalto

As Canárias – e Fuerteventura em particular- abrigam bolsas que são quase colónias de férias de determinados países. A zona em que dávamos entrada era, sem lugar para dúvidas, teutónica. “Deutscher Arzt Zahnarzt”, anuncia uma placa acima de um passeio da marginal, uma de tantas outras porque nos fomos cruzando.

O domínio dos ergs ficara para trás. Estávamos no sopé sotavento das derradeiras montanhas meridionais da ilha. Os germânicos mas não só, tinham ali instalado uma quase conurbação de resorts, hotéis, aparthotéis e afins que só deixavam espaço ao farol del Matorral e aos areais vastos a norte e a sul.

A cada lomba na estrada, a cada subida e descida, confrontávamo-nos com novos complexos hoteleiros e habitacionais. Alguns, alvos. Outros, com cores tão ou mais garridas que as da complexa geologia vulcânica da ilha: amarelos-torrados, laranjas, ocres e tons quentes deste tipo.

De qualquer maneira, sempre considerámos Morro Jable uma mera referência, um ponto de passagem rumo ao reduto litoral que estimávamos no imaginário como o mais intocado e impressionante de Fuerteventura.

Estrada para Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Estrada sinuosa que conduz da costa sudeste ao Miradouro sobre a Praia Cofete e à costa Sudoeste de Fuerteventura.

Para lá chegarmos, despedimo-nos de vez de Morro Jable e do asfalto. Seguimos por uma estrada de brita e pedra que não tardou a serpentear e a trepar montanha acima.

Aos poucos, ascendemos do nível do mar do sotavento até à crista da pequena cordilheira que divide o fundo da bota de Fuerteventura ao meio. Passamos por cabras entregues ao seu repasto e por novas colónias de cactos hirtos e verdejantes.

Retém-nos, por algum tempo, um camião cisterna do Ayuntamento de Pájara que rega a estrada para suavizar o piso abrasivo e diminuir a poeira libertada.

A Visão Surreal da Costa Sudoeste e da Praia Sem Fim de Cofete

Curva atrás de curva, com a pressa possível, lá atingimos o cimo inconfundível do miradouro de Cofete. Daquele alto, uma vez mais expostos aos alísios furibundos, deslumbramo-nos com a crueza do cenário protegido do Parque Natural de Jandia, na vertente oposta à que havíamos ascendido.

Praia Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Um dos recantos mais intocados de Fuerteventura, a vertente do seu extremo sudoeste e a longa praia Cofete.

Dali por diante, a perder de vista, uma ladeira longilínea, ocre, estriada, descia com inesperada suavidade dos sucessivos cumes vulcânicos até se entregar ao areal que a apartava do oceano.

Lançado de norte, este Atlântico revelava-se bem mais bravio que o que banhava a ilha ao sul. Vislumbrávamos ainda o que pensávamos ser o limite sudoeste do istmo de areia que tínhamos cruzado autoestrada fora.

Cumprimos sem incidentes a secção mais apertada e vertiginosa do caminho. Em seguida, descemos até ao sopé arenoso da montanha.

Toda a enorme praia na base da encosta usava aquele nome de Cofete. Não só a praia.

Antecedia-a Casas de Cofete, uma mini-povoação meio amuralhada meio abarracada, com meros 25 habitantes – vários criadores de cabras – direito a cemitério e – bem mais útil aos visitantes vindos do lado urbanizado da ilha – um barzinho que servia cañas, queijo majorero e outras especialidades. Mas, estávamos ali pela Cofete praia.

Playa Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Ondas desfazem-se no areal vasto da Playa Cofete.

Estacionamos. Desentorpecemos as pernas. Contemplamos a beleza crua daquela costa selvagem. Corremos para o mar, mandamos uns mergulhos e, na volta, relaxamos ao sol.

El Islote: Cofete Dividida em Duas Irresistíveis Metades

Pouco depois, inauguramos uma longa caminhada que nos conduziu quase à ponta oposta do areal. Só detemos em El Islote, um grande rochedo no limite da rebentação, acessível por uma língua de areia que marcava uma fronteira. Subimos ao tal Islote áspero.

Do cimo, apuramos que a língua de areia dividia parte da infindável Cofete em duas baías quase simétricas, arredondadas e sedutoras. Numa, balançavam águas tom de esmeralda.

Na outra, um mar mais para o turquesa. Deitado entre ambas, um nudista “evadido” e bronzeado usufruía daquela dádiva balnear. A longos espaços, pass(e)avam por ali casais que não resistiam a banhar-se. Foi o que voltámos a fazer.

Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

A playa Cofete dividida em duas baías irresistíveis como visto do cimo de El Islote.

Com a manhã a avançar, caminhamos os 4km de regresso ao carro e conduzimos de volta à vertente sul. Esticamos o trajecto até à biqueira da bota da ilha, marcada pelo Farol de Punta Jandía. Apreciamos e fotografamos o pueblo pitoresco de Puerto de la Cruz, formado pelo que poderiam ser grandes blocos de legos brancos.

Puerto de la Cruz. O Pitoresco Puertito Branco

Ao vê-lo, cândido, espartilhado entre o oceano azulão e os montes vulcânicos dantescos, percebemos porque os moradores destas paragens lhe têm tanto carinho e o tratam por Puertito.

Puerto de la Cruz, ilhas Canárias, Espanha

Vista da aldeola litoral de Puerto de La Cruz, mais conhecida por El Puertito.

Por aquela altura, já nos chegava dos fundos de Fuerteventura. Retrocedemos para Morro Jable. Reentramos no quase maciço principal da ilha. Internamo-nos no seu âmago árido e montanhoso, apontados a Pájara.

Como seria de esperar, não conseguimos lá chegar sem nos voltarmos a maravilhar e a deter.

Subíamos a estradinha FV-605 aos esses quando, num desses meandros, as formas dramáticas da montanha Cardón nos tomam de assalto. Estacionamos nas imediações. Um varandim contíguo revela-nos um deserto em tons pastel, esculpido com ves, bossas e depressões que precediam uma cordilheira mais distante.

A Janela de Fuerteventura para o Espaço

Do nada, um corvo aterra à nossa frente. Grasna-nos, como que a reclamar  posse dos seus domínios. Fossem de quem fossem, as autoridades de Fuerteventura tinham-se assegurado de os ligar a outras galáxias.

Corvo no sopé do observatório espacial de Sicasumbre, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Corvo à beira da estrada, no sopé do observatório espacial de Sicasumbre.

Um trilho curto conduz-nos a um cimo. Nesse topo, encontramos o Mirador Astronómico de Sicasumbre, uma base terra-a-terra ali instalada devido a Fuerteventura integrar a Reserva Starlight, por ter das melhores noites do Planeta Azul para observar os astros.

Ainda faltavam umas boas horas para o ocaso. Conformamo-nos com admirarmos o cenário vespertino algo extraterrestre em redor e as esculturas de cabras do artista majorero Juan Miguel Cubas.

Obra de arte no observatório espacial Sicasumbre, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Homenagem às cabras majoreras do artista da ilha majorero Juan Miguel Cubas.

Damos com a pequena cidade histórica de Pájara a meio da tarde e já com pouca vida. Dedicamos um quarto de hora à invulgar fachada tripartida da sua Iglésia de la Virgen de Regla e à praceta ajardinada que a envolvia. Tão cedo quanto pudemos, rumamos a Betancuria.

Quando os Cruzados Normandos Chegaram para Ficar

Os primeiros habitantes das Canárias e de Fuerteventura chegaram do norte de África. Após várias expedições portuguesas e espanholas às ilhas no século XIV, Fuerteventura acolheu dois reinos tribais guanches (indígenas com origem bérber) divididos por uma muralha com 6km. O  reino meridional de Jandía ia até La Pared. Maxorata, o rival, ocupava o resto da ilha.

Em, 1402, os normandos Jean de Béthencourt e Gadifer de la Salle, no comando de apenas 63 marinheiros resistentes de uma deserção, chegaram e alteraram a ordem há muito vigente. Fizeram de Lanzarote a sua base. A partir de Lanzarote, ocuparam outras ilhas. Fuerteventura, era a mais próxima.

Vencidas algumas agruras iniciais, obtiveram apoio de Castela e, em 1405, completaram a conquista. Fundaram, então, na costa oeste, Betancuria, a primeira povoação europeia da ilha.

Betancuria, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Casario alvo e em boa parte secular de Betancuria, a primeira capital de Fuerteventura.

Após complexa validação papal, o domínio colonial europeu de Fuerteventura foi efectivado. A população aumentou mas as fortificações contra os inimigos berberes e os piratas provaram-se insuficientes.

Em 1593, uma invasão berber arrasou a cidade. Mesmo em parte reconstruída, em 1834, Betancuria perdeu o estatuto de capital para Puerto del Rosário. Entrou num marasmo e decadência de que só recentemente recuperou.

“Aquilo é quase tudo de um alemão!” afiança-nos mais tarde a recepcionista do Ecomuseu de la Alcogida. “Ele é que se interessou, comprou e recuperou boa parte dos edifícios e fez com que a cidade seja a atracção que hoje é”.

Betancuria: a Génese Colonial de Fuerteventura

De facto, os visitantes de Fuerteventura realmente interessados na sua história e cultura só têm um caminho: passar por Betancuria. Ao tempo a que lá damos entrada, a praceta da Igreja Catedral de Santa Maria e as ruelas em redor são batidas por um sol suave. Tendo em conta o fluxo  normal da hora de ponta, em época alta, mantêm-se bem transitáveis.

igreja Catedral de Santa Maria, em Betancuria, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Casal percorre o adro da igreja Catedral de Santa Maria, em Betancuria.

Entramos na casa-museu Santa Maria. Apreciamos um vídeo que exibe a labuta de um criador de cabras no ambiente rude em que vive e as pastoreia. Logo ao lado, Felipe, um senhor já com a sua idade, trabalha num tear. Observamo-lo e perguntamos se o podemos fotografar.

De início mostra-se tímido mas, mal puxamos pela conversa, desatamos um à vontade mútuo e uma tagarelice quase tão intrincada como os fios e laços da manta de pastor majorera que nos dizia demorar vinte dias a completar. “Sabem que eu ensinei uma actriz do filme “Exodus” (Ridley Scott, 2014) que cá foi filmado a tecer?“

Tecelão da casa-museu Santa Maria, Betancuria, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Filipe Marrero Frances, um artesão que demonstra a arte majorera de tecer na casa-museu Santa Maria.

“A sério? Isso foi a sua missão bíblica!”  respondemos-lhe, mesmo se espantados com o que nos contava, em tom meio gozão, e geramos uma gargalhada partilhada. “Vocês haviam de estar lá na minha terra (Tuinaje) era a 13 de Outubro.

Iam ver uma festa a valer! Nós organizamos lá a Fiesta Jurada, sabem?

Encenamos aquela época em que os piratas nos atacavam e nós resistíamos por todos os meios e mais alguns.” Não é só esse seu repto que nos incita a voltar.

Fuerteventura revelou-se um velho mundo insular em que deixámos quase tudo por descobrir.

 

A BINTER CANÁRIAS OPERA VOOS DIRECTOS DE LISBOA PARA TENERIFE e GRAN CANÁRIA ÀS QUINTAS e DOMINGOS. DESTAS ILHAS, PODERÁ VOAR COM A BINTER CANÁRIAS  PARA FUERTEVENTURA OU OUTRAS ILHAS DO ARQUIPÉLAGO DAS CANÁRIAS.

Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Baleias caçada com Bolhas, Juneau a Pequena Capital do Grande alasca
Cidades
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cabine lotada
Cultura
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
História
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha
Ilhas
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Natureza
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Parques Naturais
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
No rumo da Democracia
Património Mundial UNESCO

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
No sopé do grande Aratat
Religião

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.