Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura


Vista do cimo de El Islote
A playa Cofete dividida em duas baías irresistíveis como visto do cimo de El Islote.
Escultura caprina de Sicasumbre
Homenagem às cabras majoreras do artista da ilha majorero Juan Miguel Cubas.
Passeio solitário
Morador percorre uma vastidão inóspita entre o farol de Jandía e Puerto de La Cruz.
Rumo a Cofete
Estrada sinuosa que conduz da costa sudeste ao Miradouro sobre a Praia Cofete e à costa Sudoeste de Fuerteventura.
Costa sudoeste & Praia Cofete
Um dos recantos mais intocados de Fuerteventura, a vertente do seu extremo sudoeste e a longa praia Cofete.
El Puertito
Vista da aldeola litoral de Puerto de La Cruz, mais conhecida por El Puertito.
Pasto rugoso
Cabras pastam na extensão pedregosa de um curral.
Velas aos ventos alísios
Windsurfers deslizam sobre o oceano Atlântico turquesa ao largo de Jandía.
Atlântico de Oeste
Ondas desfazem-se no areal vasto da Playa Cofete.
O tecelão
Filipe Marrero Frances, um artesão que demonstra a arte majorera de tecer na casa-museu Santa Maria.
A secura verde de Cofete
Um dos muitos cacto viçosos que despontam na encosta pedregosa de Cofete.
Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.

Não temos como escapar-lhes. Desde o primeiro momento em que deixamos Caleta de Fuste em direcção a sul, repetem-se as rotundas que, na paisagem árida e desafogada, cumprem a sua função de fazer fluir o trânsito insular. Estamos em época baixa.

Fuerteventura é a segunda maior ilha das Canárias e a mais próxima de África. O cabo marroquino de Juby dista 100 km da sua costa oriental. À boa moda do Saara, logo ali a leste, o céu mantêm-se azul. Mesmo de manhã cedo, o grande astro amorna-nos a pele e activa-nos a alma de exploradores.

Passamos Tarajalejo e La Lajita. Damos entrada na espécie de bota que encerra Fuerteventura a sudoeste. O cimo do seu cano destoa do cenário que deixávamos para trás. Preenche-o um istmo sobrecarregado de dunas e grandes ergs que nos impedem de ver o litoral a barlavento.

Sem que o esperássemos, a estrada FV-2 em que seguíamos desemboca num trecho de autoestrada que progride pelo sopé daquele reino das areias.

A Vastidão Desértico-Marinha de Jandia

Aqui e ali, vislumbramos os panoramas marinhos das sucessivas Playas de Jandía. Um desses vislumbres revela-nos uma península demasiado  resplandecente para a podermos ignorar. Mesmo se a próxima saída tem o nome suspeito de Mal Nombre, tomamo-la.

Já na estrada costeira usada antes do advento da autoestrada, damos com o Mirador del Salmo. Dali, desvendamos uma península quase piramidal de areia que se desfaz num mar esmeralda e, a maior distância e profundidade, azul petróleo.

Windsurfers, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Windsurfers deslizam sobre o oceano Atlântico turquesa ao largo de Jandía.

Ao largo, uma armada ziguezagueante de windsurfers e kitesurfers sulcam-no. Sopram-nos os ventos alísios furiosos que o Saara projecta Atlântico fora, com tal brutidão que, com frequência, os praticantes não os aguentam e se estatelam com espalhafato.

Apreciamos aquele panorama surreal e a movimentação náutica, que o grande oceano e as montanhas do norte da ilha em fundo faziam ainda mais ínfima. Vinte minutos depois, voltamos à estrada.

Da Playa de Butihondo para sul, a concentração de resorts à beira-mar e para o interior da estrada litoral aumenta.

Morro Jable – Uma Colónia Germânica no Limiar do Asfalto

As Canárias – e Fuerteventura em particular- abrigam bolsas que são quase colónias de férias de determinados países. A zona em que dávamos entrada era, sem lugar para dúvidas, teutónica. “Deutscher Arzt Zahnarzt”, anuncia uma placa acima de um passeio da marginal, uma de tantas outras porque nos fomos cruzando.

O domínio dos ergs ficara para trás. Estávamos no sopé sotavento das derradeiras montanhas meridionais da ilha. Os germânicos mas não só, tinham ali instalado uma quase conurbação de resorts, hotéis, aparthotéis e afins que só deixavam espaço ao farol del Matorral e aos areais vastos a norte e a sul.

A cada lomba na estrada, a cada subida e descida, confrontávamo-nos com novos complexos hoteleiros e habitacionais. Alguns, alvos. Outros, com cores tão ou mais garridas que as da complexa geologia vulcânica da ilha: amarelos-torrados, laranjas, ocres e tons quentes deste tipo.

De qualquer maneira, sempre considerámos Morro Jable uma mera referência, um ponto de passagem rumo ao reduto litoral que estimávamos no imaginário como o mais intocado e impressionante de Fuerteventura.

Estrada para Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Estrada sinuosa que conduz da costa sudeste ao Miradouro sobre a Praia Cofete e à costa Sudoeste de Fuerteventura.

Para lá chegarmos, despedimo-nos de vez de Morro Jable e do asfalto. Seguimos por uma estrada de brita e pedra que não tardou a serpentear e a trepar montanha acima.

Aos poucos, ascendemos do nível do mar do sotavento até à crista da pequena cordilheira que divide o fundo da bota de Fuerteventura ao meio. Passamos por cabras entregues ao seu repasto e por novas colónias de cactos hirtos e verdejantes.

Retém-nos, por algum tempo, um camião cisterna do Ayuntamento de Pájara que rega a estrada para suavizar o piso abrasivo e diminuir a poeira libertada.

A Visão Surreal da Costa Sudoeste e da Praia Sem Fim de Cofete

Curva atrás de curva, com a pressa possível, lá atingimos o cimo inconfundível do miradouro de Cofete. Daquele alto, uma vez mais expostos aos alísios furibundos, deslumbramo-nos com a crueza do cenário protegido do Parque Natural de Jandia, na vertente oposta à que havíamos ascendido.

Praia Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Um dos recantos mais intocados de Fuerteventura, a vertente do seu extremo sudoeste e a longa praia Cofete.

Dali por diante, a perder de vista, uma ladeira longilínea, ocre, estriada, descia com inesperada suavidade dos sucessivos cumes vulcânicos até se entregar ao areal que a apartava do oceano.

Lançado de norte, este Atlântico revelava-se bem mais bravio que o que banhava a ilha ao sul. Vislumbrávamos ainda o que pensávamos ser o limite sudoeste do istmo de areia que tínhamos cruzado autoestrada fora.

Cumprimos sem incidentes a secção mais apertada e vertiginosa do caminho. Em seguida, descemos até ao sopé arenoso da montanha.

Toda a enorme praia na base da encosta usava aquele nome de Cofete. Não só a praia. Antecedia-a Casas de Cofete, uma mini-povoação meio amuralhada meio abarracada, com meros 25 habitantes – vários criadores de cabras – direito a cemitério e – bem mais útil aos visitantes vindos do lado urbanizado da ilha – um barzinho que servia cañas, queijo majorero e outras especialidades. Mas, estávamos ali pela Cofete praia.

Playa Cofete, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Ondas desfazem-se no areal vasto da Playa Cofete.

Estacionamos. Desentorpecemos as pernas. Contemplamos a beleza crua daquela costa selvagem. Corremos para o mar, mandamos uns mergulhos e, na volta, relaxamos ao sol.

El Islote: Cofete Dividida em Duas Irresistíveis Metades

Pouco depois, inauguramos uma longa caminhada que nos conduziu quase à ponta oposta do areal. Só detemos em El Islote, um grande rochedo no limite da rebentação, acessível por uma língua de areia que marcava uma fronteira. Subimos ao tal Islote áspero.

Do cimo, apuramos que a língua de areia dividia parte da infindável Cofete em duas baías quase simétricas, arredondadas e sedutoras. Numa, balançavam águas tom de esmeralda.

Na outra, um mar mais para o turquesa. Deitado entre ambas, um nudista “evadido” e bronzeado usufruía daquela dádiva balnear. A longos espaços, pass(e)avam por ali casais que não resistiam a banhar-se. Foi o que voltámos a fazer.

Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

A playa Cofete dividida em duas baías irresistíveis como visto do cimo de El Islote.

Com a manhã a avançar, caminhamos os 4km de regresso ao carro e conduzimos de volta à vertente sul. Esticamos o trajecto até à biqueira da bota da ilha, marcada pelo Farol de Punta Jandía. Apreciamos e fotografamos o pueblo pitoresco de Puerto de la Cruz, formado pelo que poderiam ser grandes blocos de legos brancos.

Puerto de la Cruz. O Pitoresco Puertito Branco

Ao vê-lo, cândido, espartilhado entre o oceano azulão e os montes vulcânicos dantescos, percebemos porque os moradores destas paragens lhe têm tanto carinho e o tratam por Puertito.

Puerto de la Cruz, ilhas Canárias, Espanha

Vista da aldeola litoral de Puerto de La Cruz, mais conhecida por El Puertito.

Por aquela altura, já nos chegava dos fundos de Fuerteventura. Retrocedemos para Morro Jable. Reentramos no quase maciço principal da ilha. Internamo-nos no seu âmago árido e montanhoso, apontados a Pájara.

Como seria de esperar, não conseguimos lá chegar sem nos voltarmos a maravilhar e a deter.

Subíamos a estradinha FV-605 aos esses quando, num desses meandros, as formas dramáticas da montanha Cardón nos tomam de assalto. Estacionamos nas imediações. Um varandim contíguo revela-nos um deserto em tons pastel, esculpido com ves, bossas e depressões que precediam uma cordilheira mais distante.

A Janela de Fuerteventura para o Espaço

Do nada, um corvo aterra à nossa frente. Grasna-nos, como que a reclamar  posse dos seus domínios. Fossem de quem fossem, as autoridades de Fuerteventura tinham-se assegurado de os ligar a outras galáxias.

Corvo no sopé do observatório espacial de Sicasumbre, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Corvo à beira da estrada, no sopé do observatório espacial de Sicasumbre.

Um trilho curto conduz-nos a um cimo. Nesse topo, encontramos o Mirador Astronómico de Sicasumbre, uma base terra-a-terra ali instalada devido a Fuerteventura integrar a Reserva Starlight, por ter das melhores noites do Planeta Azul para observar os astros.

Ainda faltavam umas boas horas para o ocaso. Conformamo-nos com admirarmos o cenário vespertino algo extraterrestre em redor e as esculturas de cabras do artista majorero Juan Miguel Cubas.

Obra de arte no observatório espacial Sicasumbre, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Homenagem às cabras majoreras do artista da ilha majorero Juan Miguel Cubas.

Damos com a pequena cidade histórica de Pájara a meio da tarde e já com pouca vida. Dedicamos um quarto de hora à invulgar fachada tripartida da sua Iglésia de la Virgen de Regla e à praceta ajardinada que a envolvia. Tão cedo quanto pudemos, rumamos a Betancuria.

Quando os Cruzados Normandos Chegaram para Ficar

Os primeiros habitantes das Canárias e de Fuerteventura chegaram do norte de África. Após várias expedições portuguesas e espanholas às ilhas no século XIV, Fuerteventura acolheu dois reinos tribais guanches (indígenas com origem bérber) divididos por uma muralha com 6km. O  reino meridional de Jandía ia até La Pared. Maxorata, o rival, ocupava o resto da ilha.

Em, 1402, os normandos Jean de Béthencourt e Gadifer de la Salle, no comando de apenas 63 marinheiros resistentes de uma deserção, chegaram e alteraram a ordem há muito vigente. Fizeram de Lanzarote a sua base. A partir de Lanzarote, ocuparam outras ilhas. Fuerteventura, era a mais próxima.

Vencidas algumas agruras iniciais, obtiveram apoio de Castela e, em 1405, completaram a conquista. Fundaram, então, na costa oeste, Betancuria, a primeira povoação europeia da ilha.

Betancuria, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Casario alvo e em boa parte secular de Betancuria, a primeira capital de Fuerteventura.

Após complexa validação papal, o domínio colonial europeu de Fuerteventura foi efectivado. A população aumentou mas as fortificações contra os inimigos bérberes e os piratas provaram-se insuficientes.

Em 1593, uma invasão bérber arrasou a cidade. Mesmo em parte reconstruída, em 1834, Betancuria perdeu o estatuto de capital para Puerto del Rosário. Entrou num marasmo e decadência de que só recentemente recuperou.

“Aquilo é quase tudo de um alemão!” afiança-nos mais tarde a recepcionista do Ecomuseu de la Alcogida. “Ele é que se interessou, comprou e recuperou boa parte dos edifícios e fez com que a cidade seja a atracção que hoje é”.

Betancuria: a Génese Colonial de Fuerteventura

De facto, os visitantes de Fuerteventura realmente interessados na sua história e cultura só têm um caminho: passar por Betancuria. Ao tempo a que lá damos entrada, a praceta da Igreja Catedral de Santa Maria e as ruelas em redor são batidas por um sol suave. Tendo em conta o fluxo  normal da hora de ponta, em época alta, mantêm-se bem transitáveis.

igreja Catedral de Santa Maria, em Betancuria, Fuerteventura, Canárias, Espanha

Casal percorre o adro da igreja Catedral de Santa Maria, em Betancuria.

Entramos na casa-museu Santa Maria. Apreciamos um vídeo que exibe a labuta de um criador de cabras no ambiente rude em que vive e as pastoreia. Logo ao lado, Felipe, um senhor já com a sua idade, trabalha num tear. Observamo-lo e perguntamos se o podemos fotografar.

De início mostra-se tímido mas, mal puxamos pela conversa, desatamos um à vontade mútuo e uma tagarelice quase tão intrincada como os fios e laços da manta de pastor majorera que nos dizia demorar vinte dias a completar. “Sabem que eu ensinei uma actriz do filme “Exodus” (Ridley Scott, 2014) que cá foi filmado a tecer?“

Tecelão da casa-museu Santa Maria, Betancuria, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha

Filipe Marrero Frances, um artesão que demonstra a arte majorera de tecer na casa-museu Santa Maria.

“A sério? Isso foi a sua missão bíblica!”  respondemos-lhe, mesmo se espantados com o que nos contava, em tom meio gozão, e geramos uma gargalhada partilhada. “Vocês haviam de estar lá na minha terra (Tuinaje) era a 13 de Outubro.

Iam ver uma festa a valer! Nós organizamos lá a Fiesta Jurada, sabem?

Encenamos aquela época em que os piratas nos atacavam e nós resistíamos por todos os meios e mais alguns.” Não é só esse seu repto que nos incita a voltar.

Fuerteventura revelou-se um velho mundo insular em que deixámos quase tudo por descobrir.

 

A BINTER CANÁRIAS OPERA VOOS DIRECTOS DE LISBOA PARA TENERIFE e GRAN CANÁRIA ÀS QUINTAS e DOMINGOS. DESTAS ILHAS, PODERÁ VOAR COM A BINTER CANÁRIAS  PARA FUERTEVENTURA OU OUTRAS ILHAS DO ARQUIPÉLAGO DAS CANÁRIAS.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Em louvor do vulcão
Cerimónias e Festividades

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Teleférico de Sanahin, Arménia
Cidades
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Cultura
Montalegre, Portugal

Lá pelo Alto de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta das povoações e outros lugares deslumbrantes deste cimo elevado e raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Cavalos sob nevão, Islândia
Em Viagem
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Embaixada
História

Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Grande Xógum

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.

Pesca no Paraíso
Ilhas

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Uma Busca solitária
Natureza

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Entusiasmo Vermelho
Parques Naturais

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Cidade dourada
Património Mundial UNESCO

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Aulas de surf
Praias

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

As forças ocupantes
Religião

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Cabana de Brando
Sociedade

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.