Dorrigo a Bellingen, Austrália

Entre Tree-Changers, por Florestas da Gondwana


Memorial dos Combatentes da 1ª Guerra Mundial
Dorrigo Hotel
O Skywalk do PN Dorrigo
Crystal Shower II
A Ponte Suspensa da Crystal Shower
Crystal Shower
Outra Cascata
Dangar Falls
Bromélias Exuberantes
Arquitectura de Bellingen
Os Prados de Dorrigo
Gelato e Cia
Modelo Frontão – Arcadas
Floresta de Gondwana
Os australianos criaram o termo para definir as pessoas que decidem mudar-se para o campo. Bellingen, no norte de Nova Gales do Sul, tornou-se uma povoação que ilustra a tendência. À entrada de uma imensidão florestal pré-histórica e do parque nacional homónimo, Dorrigo segue-lhe os passos.

O percurso de Sydney para norte depressa nos refresca a memória quanto à vastidão da Grande Ilha. Viajamos pela auto-estrada espaçosa e imaculada da Pacific Highway.

Mesmo assim, sob um calor intenso do Estio australiano, os mais de 500 km, todos contados na província de Nova Gales do Sul, tardam em passar.

Por altura de Raleigh, flectimos para oeste e para o interior. Da Pacific Highway, passamos a uma via menor. Acompanha o leito do rio Bellinger, por sua vez, abastecido por sucessivos tributários.

A Waterfall Way flui por terras ainda com forte ligação aborígene e que, de acordo, preservam nomes longos, amiúde, começados por W e com os habituais sons indígenas “llong” “gong” “unga” “urri” e afins.

Por volta das cinco da tarde, aproximamo-nos do PN Dorrigo, o grande atractivo natural da região.

Com o sol, não tarda, a pôr-se, derreados do dia quase todo no carro, prosseguimos até à vila homónima, a que lhe serve de base de exploração.

Dorrigo, às portas do Verdejante Parque Nacional Dorrigo

Pouco mais que um lugarejo bastante alargado, lá encontramos, sem grande dificuldade, o hotel em que vamos dormir. Para não variar, chama-se Dorrigo.

É um dos edifícios históricos da povoação, com o interior quase todo erguido em madeira e em estilo rústico.

A sua fachada, uma estrutura de arcada em U bem aberto, para contrastar, é de ferro fundido, típica da arquitectura colonial britânica de 1920.

O Hotel Dorrigo foi fundado em 1925, por Michael Nicholas Feros, um emigrante grego empreendedor. Decorrido quase um século, o edifício mantem-se listado como herança patrimonial da Austrália.

Gerem-no os descendentes de Michael, falecido, em 1969, com 74 anos.

Verdade seja dita que nos começam a sugerir uma espécie de geração ausente.

De novo, confrontamo-nos com aquela sensação australiana de estarmos por conta própria. Depois de um check in apressado, não voltamos a encontrar ninguém na recepção. Nem no restaurante. Não encontramos ninguém, em lado nenhum.

De manhã, volta a acontecer. Servimo-nos do pequeno-almoço, de um pequeno buffet legado à sala de refeições. Quando queremos deixar a chave do quarto, depressa desistimos. Encantador na sua imponência colonial, o Dorrigo Hotel revela-se ermo e despovoado como o interior infindável da Austrália.

Pura e dura, a realidade está em que, como tantos outros aussies pragmáticos e danados para o negócio, os Feros odeiam diminuir os seus lucros com ordenados de funcionários. Tanto como lhes desagrada sacrificarem a sua liberdade para neles ficarem de plantão.

De espírito viajante, de mente errante, louvamos o desafogo com que nos prendam.

Quando a preparámos, nem em sonhos nos ocorrera passarmos por uma pseudo-cidade remota e diminuta como aquela, que abriga pouco mais que mil habitantes.

E, no entanto, a estranha Dorrigo intriga-nos.

As Origens Coloniais da Velha Dorrigo

Estimula-nos a deambular. Sem surpresa, esperavam-nos surpresas.

Na sua mais profunda origem, a área em que se instalou a povoação era um domínio do povo aborígene Gumbainggir, prevalecente na actual metade superior de Nova Gales do Sul.

A invasão e ocupação do seu território milenar intensificou-se nos passos de lenhadores e comerciantes de madeira, em especial do valioso cedro vermelho australiano que, a partir de 1860, abriram caminho à colonização destas paragens.

Mesmo em frente ao Dorrigo Hotel, destaca-se uma estátua alva de um soldado, virado a leste, sobre um pedestal negro.

Nela, letras douradas louvam os veteranos australianos tombados na Primeira Guerra Mundial, em particular, os enviados de Dorrigo, num total de 460 homens e uma enfermeira.

O memorial, forma uma espécie de rotunda da Waterfall Way que viríamos a explorar. Subsiste, mas já teve que ser reedificado. A sua posição vulnerável contribuiu para que, em 2020, um condutor desgovernado o derrubasse.

Malgrado o óbvio protagonismo do monumento, sem que o esperássemos, é a relação improvável e até inverosímil de Dorrigo com outro conflito familiar que acaba por nos deslumbrar.

E o Baptismo que Continua envolto em Controvérsia

Regressemos aos primórdios da povoação e aos passos dos madeireiros. Na senda da colonização britânica da região ter-se-á popularizado que, Edward Parke, um major que desbravava a zona, a teria decidido baptizar de Dorrigo.

Por estranho que pareça, em honra de Don Dorrigo, um general espanhol, aliado de Napoleão, que Parke defrontara durante a Guerra Peninsular de 1808-1814.

Opiniões contrárias consideram esta explicação alucinatória.

Defendem que, à imagem de uma miríade de outras nomenclaturas coloniais australianas, Dorrigo terá provindo, sim, de uma adaptação de um termo do dialecto gumbaingirr: “dundurriga”, o nome de uma espécie de eucalipto nativo por ali abundante.

A pequena cidade rural de Dorrigo acaba por se provar sedativa.

O Refúgio Refrescante da Waterfall Way

Com o calor a reforçar-se, mudamo-nos para o âmago do Parque Nacional Dorrigo, em busca da frescura da Waterfall Way que o sulca.

Entre quedas d’água e cascatas, caminhamos quase 8km.

Ao fim de apenas 2km, deleitamo-nos com a visão dos 30 metros de fluxo vertical e da lagoa verdejante das Dangar Falls, parte do percurso do rio Bielsdown que, para sul, corre no limiar de Dorrigo.

Adiante, damos com as Crystal Shower falls, acessíveis por uma ponte suspensa e um trilho que nos permite salpicar-nos na parte de trás do seu chuveiro natural.

Os trilhos que percorremos, por sua vez, cruzam a vastidão da floresta tropical de Gondwana da Austrália.

É assim denominada por, apesar das incursões dos madeireiros a partir do final do século XIX, subsistir desde o período da Terra em que os actuais continentes, na sua maioria situados no Hemisfério Sul e ainda o subcontinente indiano permaneciam unidos em redor da actual Antárctida.

Cumprida a caminhada, conduzimos até ao Skywalk do PN Dorrigo.

Damos com um passadiço apontado ao céu.

Estende-se por 70 metros, sobre a vegetação.

Termina numa plataforma de observação do vale do Bellinger imediato e da floresta a perder vista.

Aquela imensidão pré-histórica volta a remeter-nos para a da Austrália, para o muito que tínhamos planeado e nos faltava cobrir.

Nessa inevitável ansiedade geográfica, fiéis ao que tínhamos delineado, regressamos ao carro e à Waterfall Way, apontados a leste, ao oceano Pacífico.

Bellingen, a Vizinha a Leste de Dorrigo

E, bem antes do mar, a Bellingen, a outra povoação, ainda mais famosa, muito mais habitada que Dorrigo, no caminho desta via.

Durante décadas, Bellingen acolheu milhares de australianos das urbes aussies do Leste, apostados numa vida de retiro, sem sacrifício do eclectismo e da sofisticação a que se haviam habituado.

Tal como Dorrigo, fundada em função da comercialização do cedro vermelho, a povoação viu o seu nome supostamente homónimo do rio ser adulterado, para sempre, por um desenhador de mapas.

À passagem para o século XX, os cedros vermelhos estavam esgotados.

As áreas limpas de árvores permitiram aos colonos gerarem terras de cultivo e, sobretudo, pastos que contribuíram para a cada vez mais prolífica produção de gado e de lacticínios de Nova Gales do Sul.

As terras em redor tornaram-se retalhos bucólicos de distintos tons de verde ervado, pontuados por bolsas de floresta.

Dos Pastos e Lacticínios, à Povoação da Moda Tree-Changer

As exportações de lacticínios australiana e da zona de Bellingen iam de vento em popa quando a Grã-Bretanha aderiu à CEE e se viu quase forçada a importar os mesmos produtos dos países vizinhos.

Bellingen entrou num segundo hiato evolutivo. Salvou-a, em tempos mais recentes, um fluxo contínuo de tree-changers.

O termo define os australianos que se fartam de viver na dispendiosa costa da Grande Ilha e se mudam de armas e bagagens para o interior. Na solarenga Bellingen e em redor, compraram milhares de hectares de terra arável aos fazendeiros residentes.

No âmago turístico da povoação, inauguraram centenas de lojas a que emprestam conceitos e criatividade urbana, de certo modo, hipster das povoações litorâneas de que provêm.

É por lá que almoçamos.

Cirandamos pelas ruelas do centro histórico, de olhos no charme arquitectónico do casario coroado por frontais elegantes, acima de varandas assentes em arcadas térreas.

Voltamos a deter-nos num tal de “Bellingen Gelato Bar”.

Desta feita, combatemos o calor estival com um gelado com muito de recompensador.

Da mesa no exterior, vemos um jovem casal examinar um sortido de anúncios afixados num placard, em busca de uma qualquer oportunidade proporcionada pelos mais de 30 mil moradores.

Nos últimos tempos, Dorrigo tem-se afirmado como uma alternativa com potencial, mas, em termos turísticos, anos-luz atrás de Bellingern, mesmo se as separa apenas meia-hora de Waterfall Way.

Com tanto de Nova Gales do Sul por descobrir, damos por encerrada a incursão.

Apontamos ao litoral que, sendo australianos, nunca abandonaríamos, da Horseshoe Bay.

 

COMO IR

Reserve o seu programa de viagem na Austrália com o operador QUADRANTE VIAGENS:  Tel. 256 33 11 10

email: [email protected]

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Melbourne, Austrália

Uma Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
bebe entre reis, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Presa por vários arames
Cidades
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores, quarto de arco-íris
Cultura
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
mural de extraterrestre, Wycliffe Wells, Australia
Em Viagem
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Étnico
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

St. Augustine, Cidade da Flórida, EUA, a ponte dos Leões
História
Saint Augustine, Florida, E.U.A.

De Regresso aos Primórdios da Florida Hispânica

A disseminação de atracções turísticas de gosto questionável, torna-se superficial se tivermos em conta a profundidade histórica em questão. Estamos perante a cidade dos E.U.A. contíguos há mais tempo habitada. Desde que os exploradores espanhóis a fundaram, em 1565, que St. Augustine resiste a quase tudo.
Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Ilhas
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Natureza
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
bandeira argentina no lago-glaciar perito moreno-argentina
Parques Naturais
Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Resiste

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina
New Orleans luisiana, First Line
Património Mundial UNESCO
New Orleans, Luisiana, E.U.A.

A Musa do Grande Sul Americano

New Orleans destoa dos fundos conservadores dos E.U.A. como a defensora de todos os direitos, talentos e irreverências. Em tempos francesa, para sempre afrancesada, a cidade do jazz inspira, a novos ritmos contagiantes, a fusão de etnias, culturas, estilos e sabores.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Praia Balandra, México, Baja Califórnia, vista aérea
Praias
Playas Balandra e El Tecolote, Baja California Sur, México

Tesouros Balneares do Mar de Cortés

Proclamada, amiúde, a praia mais bonita do México, encontramos na enseada recortada de playa Balandra um caso sério de exotismo paisagístico. Em duo com a vizinha playa Tecolote, revela-se uma das beira-mares realmente imperdíveis da vasta Baixa Califórnia.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Uma espécie de portal
Sociedade
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.