Seixal, Madeira, Portugal

A Ilha da Madeira do Coração


A Velha ER-101
Piscina Agitada
Fé Acima do Abismo
Praia da Laje II
Lares Virados a Norte
Véu da Noiva
Éden Vulcânico
Casario em Curva
Piscina do Atlântico
A Aldeia
Túnel para o Mar
Seixal e o Grande Norte
Véu da Noiva II
A Nova Praia
Praia da Laje
Convívio Marinho
As Escarpas da Aldeia
Quem visita a Madeira, encanta-se com o seu dramatismo quase tropical. Neste caso, o autor deve confessar que foi o destino das suas primeiras três viagens de avião. Que tem uma amiga de lá, que o fez ser um pouco de lá. Da Madeira virada ao Norte sem fim. Do destemido e acolhedor Seixal.

Ter um voo estreante, no dia de Natal, com aterragem no aeroporto do Funchal é digno de registo.

O que dizer então, quando, a essa aterragem, se segue uma viagem de carro entre o Funchal e o Seixal, pela estrada antiga.

Passaram-se umas duas décadas. A memória perdura. Anfitriã e conhecedora do caminho, a Sofia Lima assume o volante.

Conduz-nos acima e abaixo das ravinas letais entre São Vicente e o Seixal, com uma confiança de condutora de rally que nos deixa algures entre o entusiasmo e o receio.

Entramos e saímos de túneis de superfícies pouco polidas que comprovam um árduo trabalho de picareta e afins, começado em 1950 e a que se popularizou tratar por “furados”.

Deles saídos, ficamos com o Atlântico ou pela frente ou do lado, com frequência, lá bem em baixo, onde as vagas castigam as falésias.

Em pleno Inverno, quedas d’água banham a via estreita e lavam o carro à força.

Grandes calhaus basálticos que se acumulam junto ao murinho que protege os veículos de mergulhos para o oceano, lembram-nos que não é só água que ali cai.

Sublinhavam o facto mais que óbvio que cada viagem para o Seixal era uma aventura. E o Seixal não tinha sequer começado.

Chegamos sobre a noite. Instalamo-nos na pousada que a Sofia nos tinha reservado.

Pouco depois, estamos a beber copos no “Arco-Íris” o bar incontornável da povoação, do Manelito e do Carlucho. E a travarmos conhecimento com os compinchas da anfitriã.

Seixal, As Oitavas, as Lapinhas e uma Farra Desenfreada

Dura o que dura. Na Madeira, as tradições, como a fé católica, são levadas a sério.

No calendário, 26 de Dezembro dita as Oitavas do Natal, de tal forma veneradas que as autoridades decretaram o dia feriado regional.

Seixal, Ilha da Madeira, a Aldeia

É costume andar-se de casa em casa, na versão religiosa, a apreciar-se as lapinhas (leia-se presépio) dos vizinhos.

Na prática profanada, o costume serve de pretexto para uma festança tão itinerante como arreigada.

Mais que exibir a lapinha da casa, cada família acolhe os visitantes com comes e bebes sobrados do Natal (mas não só) e caprichados. Nos bebes, em particular, contam-se whiskies e aguardentes velhos, vinho caseiro produzido com as uvas jaqué locais e tantos outros.

Oferecem-se ao forasteiro com uma amabilidade e firmeza que não parecem admitir recusa. À medida que o tempo passa, aceitá-las produz efeitos inesperados.

Quando começam as visitas, os amigos lisboetas mantêm-se juntos. Lá para meio, sem saber sequer como, o grupo desfaz-se por distintos lares do Seixal.

Recordo-me de visitar alguns já sozinho. Um deles, pertencia a um casal de emigrantes recém-regressado da África do Sul, orgulhosos por lhe darem a provar o vinho jaqué que os religava à terra. Ao Seixal e à Madeira.

Mais tarde, voltamos a juntar-nos no “Arco-Íris”. Ao balcão, em volta da mesa de matraquilhos e de mais Coral Tónica. Cada qual, com as suas estórias mirabolantes por contar.

Como viríamos a perceber, no Seixal, os Oitavos prolongavam-se, assim, semana fora. A descoberta dos cenários deslumbrantes da povoação e em redor compensavam os despertares tardios e algo ressacados no hotel “Brisa Mar”.

Uns dias depois, regressamos a Lisboa. Com as vidas ainda a fervilharem de tudo o que tínhamos vivido no Seixal. Com novas amizades, algumas de seixaleiros, então, a viverem no continente.

O Regresso Estival ao Seixal

Chegamos às férias do Verão. Marques, um desses seixaleiros com quem mantinha contacto, convida-me a regressar. Oferece-me estadia na casa da família. Aceito o convite de bom grado.

Filipe, um dos irmãos de Marques, na altura e como tantos madeirenses, ainda emigrado em Caracas, Venezuela, faz caça submarina no mar ao largo, por norma, diante do cais e das piscinas naturais.

Dia após dia, assim nos assegura peixe fresco que a mãe de ambos cozinha para as refeições, acompanhadas de batatas-doces e semilhas cozidas, colhidas da horta da casa.

Em vez dos Oitavos e das Lapinhas natalícias, são os arraiais de Verão do Seixal e das povoações vizinhas que justificam a festa e inevitáveis desvarios.

Em pleno Estio, essa diversão tem uma deliciosa extensão balnear. Nas piscinas naturais do Seixal. Ao largo do Cais. Na Poça do Mata Sete, baptizada com a verdade da tragédia, por mais pungente que tenha sido.

E, a pouca distância, mas nos antípodas da seriedade, ainda na Praia da Laje, a que os moradores passaram a chamar de Jamaica devido ao visual tropical das palmeiras há uns anos lá plantadas.

Malgrado o bem-disposto imaginário caribenho, a sua beira-mar não tem nem vestígios de areia branca ou coralífera.

Cobrem-na os grandes seixos basálticos que as vagas continuam a polir e que inspiram o brasão de armas da aldeia, na base de um seixo (árvore) complementar.

Por altura dessa evasão balnear, não existia sequer a praia de areia negra contígua ao porto e que, hoje, atrai, todos os anos, milhares de visitantes à povoação.

Quando nela me banho com vista para a paisagem grandiosa do leste do Norte, confirmo-a a melhor praia da ilha da Madeira.

Assim a classificaria mesmo que me considerasse isento.

O Incrível Monumento Rodoviário da Estrada de Ouro

Voltamos a percorrer a estrada-velha e os seus túneis entre São Vicente e o Seixal. Examinamo-los com a atenção merecida.

Percebemos o trabalho, a engenharia prodigiosa e os custos que requereu, de tal monta que ficou conhecida como a Estrada de Ouro de Portugal.

Para chegarmos ao verdadeiro valor da obra, talvez seja melhor atentarmos aos atrasos de vida que solucionou. Durante muito tempo, o Porto Moniz só era alcançável pelo sul da ilha.

E, em períodos de intempérie, uma viagem entre o Funchal e o Seixal (hoje 40km, 50 minutos), fazia-se em modo de montanha-russa, acima e abaixo da crista da Encumeada. Podia demorar quatro horas.

Ou cinco. Ou as que fossem, de acordo com o que o destino reservasse.

Decorridas mais de duas décadas, no regresso à Madeira e ao Seixal, viajamos por vários dos túneis modernos e desafogados que ligam as localidades pelo interior da ilha.

Hoje, entre os antigos e os novos, mais de 150 túneis fazem da Madeira uma ilha-queijo-suíço.

Os de João Delgado e do Seixal, substituíram a arrojada ER-101, tornada atracção histórica e turística, ainda com o seu quê de aventureira.

Aventuras Desventuradas na Antiga ER101

Deixamos a estrada moderna. Metemo-nos na antiga, apostados em recuperarmos a sensação do que era percorrê-la. Instantes depois, arrependemo-nos.

O resquício da via parece-nos ainda mais apertado do que nos lembrávamos.

Encharcam-no distintas quedas d’água de que falhamos em compreender a origem.

Partes do asfalto gasto surgem salpicadas de lascas de basalto também caídas do cimo, dali imperceptível, das falésias.

Em vez de lúdica, a experiência revela-se temerária. Invertemos marcha o mais depressa e melhor que conseguimos, no aperto e na iminência do precipício, com o Atlântico, lá em baixo, a insinuar-se.

Ainda o desconhecíamos, mas o atrevimento vinha com um preço. Durante a tarde, percebemos que uma das lascas de basalto tinha gerado um furo lento num pneu. Quando passamos por São Vicente, perdemos tempo a consertá-lo.

Completada a manobra, voltamos à segurança da estrada nova.

Refugiamo-nos no miradouro para o Véu da Noiva, a cascata emblemática que se precipita para o mar de uma altura de 110 metros, diante do velho traçado da ER-101.

Uma Aldeia tão Inclinada como Fértil

Se a Madeira é íngreme e vertiginosa, o Seixal abusa.

O povoamento da costa Norte da ilha e da aldeia requereu forte determinação e engenho condizente. Boa parte das suas casas situam-se entre falésias e abismos.

As hortas e os cultivos, fazem-se sempre inclinados, como as vinhas locais, dispostas em terraços conquistados a zonas menos íngremes dos penhascos, protegidas do vento e das intempéries por barreiras de urze e de fetos frondosos.

Mesmo produzidas em redutos  que qualquer forasteiro classificaria de inutilizáveis e em pouca quantidade, as uvas de casta sercial do Seixal são resistentes à gravidade, ao míldio e ao oídio. Há muito que enriquecem os bons Vinhos da Madeira, os mais secos.

As regas destas vinhas e dos restantes cultivos dependem do aproveitamento da água da ribeira que desce do cimo do Fanal e que divide o povoado quase ao meio, através das levadas e canais em que os madeirenses e os seixaleiros se tornaram peritos.

Da última vez que passámos pelo Seixal, fizemo-lo como parte de um trabalho bastante mais abrangente na ilha da Madeira, fora do Natal – Passagem de Ano, do período dos arraiais ou de qualquer outras festas.

Não ficámos lá a dormir e só conseguimos rever duas ou três das pessoas que lá conhecíamos.

Seixaleiros que Partem, Seixaleiros que Voltam

Desde 1950 que a remota Seixal perdia população, sobretudo devido à diáspora para a Venezuela, para a África do Sul, para a Austrália e tantos outros destinos. Neste tempo, a aldeia passou de 1360 habitantes para apenas 656, em 2011.

Apercebemo-nos, todavia, que o prestígio turístico da Madeira, desde há vários anos eleita “Melhor Destino Insular do Mundo”, o chamariz da praia de areia negra e os acessos facilitados pelos túneis lá levam, agora, muitos mais visitantes e dos quatro cantos do mundo.

Em simultâneo, a realidade atroz em que se tem mantido a Venezuela e a violência na África do Sul, têm feito regressar muitos emigrantes madeirenses.

Mesmo já sem falarem português, alguns, abrem pequenos negócios com que procuram refazer as vidas. Mesmo que lhes faltem os grandes lucros de outras paragens.

Mesmo que só tenham vista para o Norte e para o Atlântico imenso.

Recebe-os, como nos acolheu, o abraço subtropical e edénico do Seixal.

Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Parque Florestal Ribeiro Frio, Madeira

Ribeiro Frio Acima, na Senda dos Balcões

Há muito que esta região do interior elevado da Madeira tem a cargo a repopulação das trutas arco-íris da ilha. Entre os vários trilhos e levadas que confluem nos seus viveiros, o Parque Florestal Ribeiro Frio oculta panoramas grandiosos sobre o Pico Arieiro, o Pico Ruivo e o vale da Ribeira da Metade que se estende à costa norte.
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Levada do Caldeirão Verde, Madeira, Portugal

Água Cima, Água Abaixo

É apenas um dos mais de cem sistemas de canais prodigiosos que os madeirenses construíram para irrigarem os cultivos. Os seus cenários verdejantes, escarpados e dramáticos fazem os visitantes da ilha fluírem em contínuo ao longo da levada do Caldeirão Verde.
Fanal, Madeira, Portugal

Fanal. Um Pasto algo Surreal

Irrigadas pelas nuvens que chegam do Atlântico Norte, as terras altas e verdejantes do Fanal são ideais para o pasto de bovinos. O gado parece já fazer parte da paisagem mágica e nem sequer as incursões humanas como a nossa parecem afectar a sua rotina.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil
Cidades
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Cultura
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Casal Gótico
Em Viagem

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Retorno na mesma moeda
Étnico
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
História
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Santo Antão, Cabo Verde, Porto Novo a Ribeira Grande, Morro do Tubarão
Ilhas
Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Natureza
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Catedral de Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária
Património Mundial UNESCO
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Praias
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Máquinas Bebidas, Japão
Sociedade
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Bwabwata Parque Nacional, Namíbia, girafas
Vida Selvagem
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.