New Orleans, Luisiana, Estados Unidos

Big Freedia: em Modo Bounce


New Orleans é o berço do jazz e o jazz soa e ressoa nas suas ruas. Como seria de esperar, numa cidade tão criativa, lá emergem novos estilos e actos irreverentes. De visita à Big Easy, aventuramo-nos à descoberta do Bounce hip hop.

Nas mais distintas dimensões, os espectáculos sucedem-se, renovam e reforçam a notoriedade mundial de New Orleans. Nos dias que passamos na cidade, realiza-se um de muitos.

Baptizado de Fried Chicken Festival, o evento impinge um imaginário mais gastronómico que musical. Na Crescent City, as duas componentes andam, há muito tempo, lado a lado. Tornaram-se uma receita incontornável.

A caminho do evento, percorremos a Franklin Avenue, dos arredores do centro histórico, para norte, na direcção do lago Pontchartrain, um dos vários a norte da cidade, separados do Golfo do México por meros canais sinuosos. Damos entrada com o sol a despedir-se e a conceder uma penumbra iluminada mais condizente.

Cruzamos uma comunidade de trailers e outros estabelecimentos descartáveis, sobretudo de comes e bebes. Reinavam a cerveja e, como era suposto, o frango frito. A gastarmos as últimas energias, optamos por, antes do que quer que fosse, jantarmos numa área também dedicada à imprensa.

Servem-nos jambalaias. Acompanhamo-las com margaritas. Na sequência, mudamo-nos para o mais frontal e próximo do palco que conseguimos.

The Red Sample. Uma Amostra Entusiasmante da Nova Música de Atlanta

Actuam os The Red Sample, banda da Atlanta que viu nascer os Outkast, Ludacris e Lil Baby mas, de tal maneira adornada e sonorizada por um duo de tubas, que a julgamos de New Orleans.

Os Red Sample mantêm o público entusiasmado e, em boa parte, dançante.

Após um intervalo de reabastecimento de bebidas animado por um DJ, irrompe em palco Big Freedia, artista da casa, orgulho de uma multidão de orleanianos e norte-americanos que vivem algures na fronteira da sexualidade.

Big Freedia é o nome artístico de Freddie Ross Jr., nascido em 1978, em New Orleans.

Big Freedia. Queen do Bounce Hip-Hop

Como tantas outras estrelas dos E.U.A., Freddie teve o seu baptismo e formação musical inicial no coro de uma igreja local. A orientação liberal e abertura de mente de New Orleans, permitiu-lhe progredir no coro da universidade que frequentou.

De tal maneira apreciado e respeitado que se tornou seu director, uma nomeação improvável na maior parte do Luisiana e dos Estados Unidos conservadores que cercam The Big Easy.

A aventura musical de Freddie Ross, estava só a começar.

Em entrevistas, Freddie confessou que, de início, sentia pânico de actuar, que teve que se forçar repetidas vezes a fazê-lo, com desconforto, até se sentir à vontade.

Pois, já a uns poucos metros do palco, a espaços, quase sob os amplificadores, vemos o enorme Big Freedia, dono de uma voz trovejante com ligeiro polimento efeminado, afirmar-se e à sua música com a determinação e segurança com que se habituou a neutralizar as inevitáveis polémicas.

Big Freedia fez questão de esclarecer ao website The Root: “Se soubesse que a Queen (na sua autobiografia) “God Save the Queen Diva” iria gerar tanta confusão, tinha-me chamado de “king”. Ora, há muito que o mesmo se aplica a Freedia e à sua fluída sexualidade.

Em 2004, numa das ruas de New Orleans, em frente à casa de um amigo, um qualquer adolescente branco disparou sobre o seu carro.

O facto de ter levantado um braço a proteger a cabeça, salvou-o de morrer. Uma das balas, nesse mesmo braço subsiste e gera dor.

Bounce pela Noite Fora

Pouco depois de Big Freedia tomar conta do palco, ladeado das suas dançarinas e dançarinos incansáveis, confrontamo-nos com uma amostra ritmada do quanto havia mutado nos seus 45 anos de vida.

De como se tornou uma personagem idolatrada, sobretudo de uma comunidade aficionada do bounce, um abanar das ancas e do rabo que evoluiu de forma pós-tribal de dança para um quase modo de vida.

Nessa ocasião, Big Freedia actua do alto do seu 1.90m (ou quase), de microfone bem próximo da boca, segurado por mãos com unhas longas, pejadas de brilhantes.

O seu canto vigoroso, quase agressivo, dita o ritmo a que gingam os dançarinos. Não só.

Já tínhamos reparado que uma comunidade de mulheres se havia agrupado de um lado do palco. A determinada altura, Big Freedia deixa-se por elas ladear e activa excertos de temas e ritmos de bounce. As suas dançarinas abrem as hostilidades.

Logo, Big Freedia convida as mulheres em pulgas a exibirem os seus próprios bounces, sem cerimónias ou timidez. Umas poucas, exibem corpos e elasticidade de atletas.

Como acontece entre os habitantes de New Orleans e dos E.U.A. em geral, outras – na verdade demasiadas – executam bounces e twerks com exagerado excesso de peso.

Nem por isso menos empenhados.

Voltam a dar-nos acesso ao espaço dos fotógrafos. Vemo-nos quase debaixo dos rabos oscilantes e vibrantes do mulherio em êxtase, e do de Shantoni Xavier o dançarino masculino do trio que anima a actuação de Big Freedia, esguio, escultural, ágil, de movimentos efeminados exuberantes.

Em cada exibição individual, Big Freedia e o grupo em volta apontam, incentivam e celebram a participante em destaque.

Ao fazerem-no, glorificam o Bounce, outro dos estilos (ou melhor, sub-estilos) do hip hop sulista dos Estados Unidos que se diz ter nascido em New Orleans.

A Génese Orleaniana do Bounce Hip Hop

O Bounce hip hop surgiu há mais de duas décadas, estima-se que dois anos após o nascimento de Freddie Ross Jr., notado em desenvolvimento nos recém-construídos bairros de habitação social de New Orleans.

O que passou a distinguir o Bounce das restantes formas de hip-hop foi como gerava rituais festivos de chamada-resposta, com um cantor ou speaker a pautarem o ritmo, e as coreografias.

E um grupo ou multidão de participantes a responderem com determinados movimentos.

Sem surpresa, os jovens de New Orleans, depressa adicionaram cânticos e chamamentos de dança indígenas tradicionais dos dias loucos do Mardi Gras, amiúde, com forte teor sexual.

Os sons e ritmos que serviram e servem de base ao desenrolar do Bounce Hip Hop vêm de temas como “Triggerman Beat”, “Drag Rap” dos Showboys e “Brown Beats” de Cameron Paul.

Sobre esta base e outras comparáveis, o Bounce Hip Hop agita-se e complica-se.

Em certos casos, os cantores e DJs recorrem ao assobio e a gritos que evocam bairros da grande New Orleans e até os seus tais projectos sociais.

O próprio Bounce tornou-se um multi-projecto, ao longo dos anos, lançado, promovido e comercializado por dezenas de editoras discográficas.

De tempos a tempos, Big Freedia e outros dos protagonistas do Bounce: DJ Jimo, Hot Boy Ronald, Juvenile, DJ Jubilee, Partners-N-Crime e Magnolia Shorty, entre outros, gritam “Break!!”

Pontuam, assim, os temas e samples, repletos de repetições, reverberações e codificações vocais que, soando a martelos pneumáticos, ditam a velocidade do oscilar das ancas e rabos, o louvado bounce a que assistíamos, que fotografámos, entre o transe e a incredulidade.

Atrás de nós, cantava, dançava, twerkava e bounçava uma multidão em êxtase, sobretudo de mulheres. Em vez das habituais letras repletas de “bitches”, “hoes” e afins cantadas pelos hip-hoppers mais famosos, Big Freedia, canta, com óbvia hostilidade, sobre namorados e amantes decepcionantes.

Ora, essas, são letras e queixas em que as mulheres se reveem e que têm prazer em acompanhar.

Como comprovámos por toda a cidade, New Orleans preserva intacta a sua valorização dos artistas gay, travestis, drag e outros, por norma, desprezados pelos americanos conservadores.

Malgrado as quatro décadas decorridas, New Orleans mantem-se a Capital Mundial do Bounce, num âmbito dinâmico que se intersecta, com frequência, com o também prolífico hip hop LGBT da cidade.

Big Freedia, em particular, tem aproveitado a admiração que New Orleans e os Estados Unidos liberais dele sentem. Em 2011, foi eleito “Best Emerging Artist” e Best Hip-Hop / Rap Artist dos Best of the Beat Awards da revista Off Beat.

Dois anos depois, um canal de cabo dos EUA dedicou-lhe todo um reality show que acompanhou a sua vida em digressão e em casa.

Em 2022, Beyonce voltou a incluir a voz de Big Freedia, bem destacada no seu êxito “Break My Soul”

COMO IR

Reserve o voo Lisboa – Miami (Flórida), Estados Unidos, com a TAP: flytap.com por a partir de 820€.

De Miami, poderá cumprir a ligação para New Orleans (1h30) por, a partir de 150€, ida-e-volta.

 

Onde Ficar:

The Mercantile Hotel:

themercantilehotelneworleans.com

Tel.: +1 504 558 1914-1914

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Pearl Harbor, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais

Em 7 de Dezembro de 1941, o Japão atacou a base militar de Pearl Harbor. Hoje, partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os EUA nunca esquecerão a afronta.
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Entrada para a Cidade das Areias de Dunhuang, China
Cidades
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Salto Negao, chapada diamantina, bahia gema, brasil
História
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Bangkas na ilha de Coron, Filipinas
Ilhas
Coron, Busuanga, Filipinas

A Armada Japonesa Secreta mas Pouco

Na 2ª Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Natureza
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Fuga de Seljalandsfoss
Parques Naturais
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Património Mundial UNESCO
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Praias
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Religião
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.