Pearl Harbor, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais


Visita Silenciosa e Solene
Visitantes admiram o painel em honra aos falecidos aquando do bombardeamento do USS Arizona.
A Bordo do Memorial
Público explora o corredor aberto do memorial, com vista para o canal marinho do sul, em Pearl Harbour.
Memorial USS Arizona
Memorial-museu do couraçado USS Arizona, um dos navios afundados pela força aérea japonesa
De saída
Visitantes deixam o edifício do memorial-museu do USS Arizona prestes a fazer a viagem de regresso à costa.
Lista de Casualidades
Casal resiste junto à parede que homenageia as vítimas do USS Arizona.
Militar de Serviço
Militar desce as escadas para receber nova leva de visitantes ao memorial-museu do USS Arizona.
USS Arizona afundado
Chaminé do couraçado USS Arizona, ligeiramente fora de água devido à pouca profundidade do leito marinho em que assentou.
Esquina do Byodo in
Esquina do templo budista Byodo In, um de inúmeros testemunhos da presencia nipónica no Havai encontrados na ilha de Oahu.
Stars n’ Stripes
Bandeira dos E.U.A. ondula sobre o memorial do USS Arizona.
Pose de Kendo
Praticantes de kendo levam a cabo uma exibição no jardim do templo budista de Byodo In.
Em 7 de Dezembro de 1941, o Japão atacou a base militar de Pearl Harbor. Hoje, partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os EUA nunca esquecerão a afronta.

Na mais famosa avenida havaiana, grande parte dos transeuntes, clientes e até moradores tem origem nipónica, são súbditos do Imperador, de férias, ou trabalhadores emigrados que servem os primeiros.

Muitos dos edifícios altos ao longo da linha de água, pertencem a corporações multimilionárias japonesas financeiramente solidárias com a presença histórica dos compatriotas e a sua mais recente paixão balnear: Waikiki.

Os primeiros japoneses chegaram a bordo do Inawaka-maru, uma embarcação de carga que foi apanhada por uma tempestade de neve e de chuva, se extraviou da rota entre Kanagawa e Shimoda e acabou, sem mastro,  encalhada no extremo oeste do arquipélago havaiano.

Entre 1869 e 1885, as autoridades imperiais barraram a imigração para o Havai. Mas, daí em diante, milhares de japoneses na miséria não resistiram ao apelo das plantações de cana-de-açúcar e de ananases.

A monarquia havaiana recusava-se a considera-los cidadãos e as autoridades nipónicas actuaram para restaurar o respeito social para com os seus. A determinada altura, a marinha nipónica marcava uma presença contínua e os japoneses começaram a influir na política havaiana.

Os norte-americanos receavam que os rivais travassem a sua anexação do arquipélago e cultivaram um forte sentimento anti-nipónico.

No auge da emigração, em 1920, os Local Japanese ou Kepani – como são por vezes chamados – constituíam 43% da população havaiana.

Preocupava-os havia algum tempo a crescente americanização dos seus descendentes e, nesse ano, já tinham construído mais de 150 escolas nipónicas frequentadas por 98% das crianças japonesas. Como pudemos comprovar, o cuidado com a identidade-mãe continua a fazer sentido.

Numa incursão de fim de semana ao interior de Oahu, acabamos por dar com o Valley of the Temples e o seu templo Byodo-In, a réplica local do santuário quase milenar de Uji, situado na prefeitura de Quioto.

Exibição de Kendo, Byodo-in, Oahu, Havai

Praticantes de kendo levam a cabo uma exibição no jardim do templo budista de Byodo In.

Ali, nos jardins à beira do lago repleto de carpas (koi), tem lugar um evento comemorativo da cultura nipónica e uma anfitriã introduz, em japonês e inglês, diversas exibições: “segue-se a simulação de um combate de kendo, uma arte marcial que evoluiu da perícia dos samurais no uso da katana no Japão mas que se torna cada vez mais popular no Havai”.

Após o kendo, são apresentadas outras expressões nipónicas e o público maioritariamente nikkei rejubila com a elegância e o refinamento civilizacional dos antepassados.

Em Dezembro de 1941, o Imperador Hirohito e o seu séquito de comandantes militares inauguraram um longo período bélico em que os viriam a desonrar.  Embalados pelo exemplo expansionista nazi, decidiram alargar o território nipónico sobrelotado ao vasto Pacífico.

Começaram pela conquista da Malásia e das Índias Orientais Holandesas em que contavam fornecer-se de borracha, petróleo e outras matérias-primas. Para isso, precisavam de anular a força naval norte-americana encarregue de patrulhar aquela zona do mundo. Os milhares de habitantes com sangue japonês a residir no Havai não lhes mereceram qualquer consideração.

Na manhã de dia 7, seis porta-aviões lançaram 353 caças, bombardeiros e torpedeiros em direcção à ilha de Oahu. Os americanos identificaram-na a 252 km e emitiram o aviso mas um oficial recentemente indigitado para o cargo assumiu que se tratava da chegada prevista de 6 bombardeiros B-17 norte-americanos e optou por não validar o alarme.

Os primeiros aviões chegaram a Oahu às 7:48 da manhã. Os tripulantes dos navios americanos acordaram com os sons de alarmes, bombas e disparos.

Vestiram-se à pressa e correram para os seus postos de combate enquanto uma mensagem de altifalante ecoava “Air raid Pearl Harbor. This is not a drill” (Raide Aéreo sobre Pearl Harbor, isto não é um exercício) enquanto o líder do esquadrão emitia pela rádio o famoso código “Tora, Tora, Tora” comunicando que a missão estava a ser conseguida na perfeição.

Bandeira americana-USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Bandeira dos E.U.A. ondula sobre o memorial do USS Arizona.

Apesar da surpresa, alguns militares ianques conseguiram responder à 2ª e 3ª vaga em vão. Noventa minutos de ataque depois, 18 embarcações tinham sido destruídas, como 188 dos 402 aviões ali estacionados. Dois mil trezentos e oitenta e seis americanos perderam a vida e 1139 ficaram feridos.

No dia a seguir ao ataque, Roosevelt proferiu, no Congresso, o discurso que começou com a famosa frase “Yesterday, December, 7 1941 – a date which will live in infamy – the United States of America was suddenly and deliberately attacked by naval and air forces of the Empire of Japan.”.

Os americanos declararam formalmente guerra ao Japão. A 11 de Dezembro, a Alemanha e a Itália honraram os compromissos assumidos no Pacto Tripartido e declararam guerra aos Estados Unidos. O conflito tornou-se, assim, efectivamente mundial e só viria a ter fim 4 anos depois.

Os E.U.A. triunfaram, prosperaram e confirmaram-se como a grande potência do Mundo mas nunca mais esqueceram Pearl Harbor.

São apenas 17 os quilómetros de asfalto que separam Waikiki da enseada, passados com vista para os prédios altos de Honolulu e arredores ou em vales limitados por  encostas verdejantes. No parque de estacionamento, há uma placa que avisa que os pertences deixados nas viaturas podem ser roubados mas as autoridades protegem acima de tudo a segurança da Base Militar.

Nenhuma mochila ou bolsa pode ser levada para o interior do complexo. As câmaras, essas, têm que ser inferiores a 30.5 cm e são filtradas ao pormenor por raios-X, o que justifica a fila enorme com que faz sofrer os visitantes sob o sol tropical.

Quase todas as atracções surgem concentradas numa área de doca mais próxima onde – já não nos espantamos – é proibido fotografar. Destacam-se, ali, o Submarino-Museu USS Bowfin e o Battleship Missouri, em que, mais tarde, o General Douglas MacArthur  aceitou a rendição japonesa que pôs cobro à 2ª Guerra Mundial.

Em conjunto, estas três embarcações representam o início, o meio e o fim do conflito e os americanos trataram de que nos seus interiores fossem narrados e explicados os seus principais acontecimentos.

USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Memorial-museu do couraçado USS Arizona, um dos navios afundados pela força aérea japonesa

Mas o testemunho histórico mais marcante do complexo, o USS Arizona, jaz ao largo, no fundo da enseada e os militares de serviço fazem questão de o proteger como o monumento dogmatizado em que, com o tempo, o transformaram.

Uma balsa coberta transporta os visitantes até ao memorial. Durante a curta navegação, as ordens e reprimendas militares prepotentes e exageradas repetem-se até ao ridículo: “O senhor, ponha o braço para dentro do barco”, “jovens, sentem-se nas cadeiras se não se importam”.

Militar USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Militar desce as escadas para receber nova leva de visitantes ao memorial-museu do USS Arizona.

Durante o desembarque, mais do que uma pessoa é advertida simplesmente porque passou a que estava atrás ou ao lado mas a castração não se fica por aí.

Muito graças aos esforços de Elvis Presley – que deu um concerto benemérito e reuniu 50.000 dólares, mais de 10% do valor total – a estrutura branca do santuário seria construída sobre a secção central da embarcação, com uma geometria que se diz simbolizar a derrota inicial, a derradeira vitória e a serenidade eterna.

O USS Arizona foi directamente atingido por várias bombas e afundou em menos de 9 minutos. Aprisionou a sua tripulação debaixo de água e mais de 80% dos homens a bordo (1177) morreram. Uma das 3 câmaras do santuário funciona como o seu sepulcro.

Os nomes das vítimas surgem gravados numa parede de mármore e, de quando em quando, familiares ou amigos vêm rezar por eles ou prestar-lhes homenagem. É a única razão admissível para os militares de guarda se mostrarem tão ofendidos e furibundos de cada vez que alguém embarca em diálogos, comentários ou sequer cochichos algo mais perceptíveis.

Pearl Harbor é uma das maiores feridas da história da nação americana e o USS Arizona ainda sangra. Admiramos o topo da sua grande chaminé à tona, pela qual entrou supostamente uma bomba e, através da água azulada da lagoa, parte da restante estrutura ferrugenta.

Chamine USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Chaminé do couraçado USS Arizona, ligeiramente fora de água devido à pouca profundidade do leito marinho em que assentou.

O grande cruzador continha cerca de 5.5 milhões de litros de óleo “Bunker C”. Após o ataque, este combustível  alimentou um incêndio que durou dois dias e meio mas nem assim se esgotou. Submerge aos poucos e renova manchas coloridas que ficaram conhecidas como as lágrimas da embarcação.

Os ambientalistas já avisaram que, caso se solte, o óleo que resta nos depósitos do barco é suficiente para causar um desastre ambiental e impedir a actividade normal da marinha norte-americana na área.

Ponte USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Visitantes deixam o edifício do memorial-museu do USS Arizona prestes a fazer a viagem de regresso à costa.

Mas, desde 1982, as autoridades permitiram que as cinzas de 30 sobreviventes do USS Arizona fossem depositadas por mergulhadores sob um dos torreões dos seus canhões. Aos tripulantes nele serviram antes do afundamento foi e é permitido que as suas sejam lançadas sobre a área dos destroços.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
MAL(E)divas
Cidades
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Cultura
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Moradora de Dali, Yunnan, China
Étnico
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pequena súbdita
História

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Ilhas
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Punta Cahuita
Natureza
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Parques Naturais
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Ilha de São Miguel, Acores Deslumbrantes por Natureza
Património Mundial UNESCO
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Wall like an Egyptian
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.