Pearl Harbor, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais


Visita Silenciosa e Solene
Visitantes admiram o painel em honra aos falecidos aquando do bombardeamento do USS Arizona.
A Bordo do Memorial
Público explora o corredor aberto do memorial, com vista para o canal marinho do sul, em Pearl Harbour.
Memorial USS Arizona
Memorial-museu do couraçado USS Arizona, um dos navios afundados pela força aérea japonesa
De saída
Visitantes deixam o edifício do memorial-museu do USS Arizona prestes a fazer a viagem de regresso à costa.
Lista de Casualidades
Casal resiste junto à parede que homenageia as vítimas do USS Arizona.
Militar de Serviço
Militar desce as escadas para receber nova leva de visitantes ao memorial-museu do USS Arizona.
USS Arizona afundado
Chaminé do couraçado USS Arizona, ligeiramente fora de água devido à pouca profundidade do leito marinho em que assentou.
Esquina do Byodo in
Esquina do templo budista Byodo In, um de inúmeros testemunhos da presencia nipónica no Havai encontrados na ilha de Oahu.
Stars n’ Stripes
Bandeira dos E.U.A. ondula sobre o memorial do USS Arizona.
Pose de Kendo
Praticantes de kendo levam a cabo uma exibição no jardim do templo budista de Byodo In.
Em 7 de Dezembro de 1941, o Japão atacou a base militar de Pearl Harbor. Hoje, partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os EUA nunca esquecerão a afronta.

Na mais famosa avenida havaiana, grande parte dos transeuntes, clientes e até moradores tem origem nipónica, são súbditos do Imperador, de férias, ou trabalhadores emigrados que servem os primeiros.

Muitos dos edifícios altos ao longo da linha de água, pertencem a corporações multimilionárias japonesas financeiramente solidárias com a presença histórica dos compatriotas e a sua mais recente paixão balnear: Waikiki.

Os primeiros japoneses chegaram a bordo do Inawaka-maru, uma embarcação de carga que foi apanhada por uma tempestade de neve e de chuva, se extraviou da rota entre Kanagawa e Shimoda e acabou, sem mastro,  encalhada no extremo oeste do arquipélago havaiano.

Entre 1869 e 1885, as autoridades imperiais barraram a imigração para o Havai. Mas, daí em diante, milhares de japoneses na miséria não resistiram ao apelo das plantações de cana-de-açúcar e de ananases.

A monarquia havaiana recusava-se a considera-los cidadãos e as autoridades nipónicas actuaram para restaurar o respeito social para com os seus. A determinada altura, a marinha nipónica marcava uma presença contínua e os japoneses começaram a influir na política havaiana.

Os norte-americanos receavam que os rivais travassem a sua anexação do arquipélago e cultivaram um forte sentimento anti-nipónico.

No auge da emigração, em 1920, os Local Japanese ou Kepani – como são por vezes chamados – constituíam 43% da população havaiana.

Preocupava-os havia algum tempo a crescente americanização dos seus descendentes e, nesse ano, já tinham construído mais de 150 escolas nipónicas frequentadas por 98% das crianças japonesas. Como pudemos comprovar, o cuidado com a identidade-mãe continua a fazer sentido.

Numa incursão de fim de semana ao interior de Oahu, acabamos por dar com o Valley of the Temples e o seu templo Byodo-In, a réplica local do santuário quase milenar de Uji, situado na prefeitura de Quioto.

Exibição de Kendo, Byodo-in, Oahu, Havai

Praticantes de kendo levam a cabo uma exibição no jardim do templo budista de Byodo In.

Ali, nos jardins à beira do lago repleto de carpas (koi), tem lugar um evento comemorativo da cultura nipónica e uma anfitriã introduz, em japonês e inglês, diversas exibições: “segue-se a simulação de um combate de kendo, uma arte marcial que evoluiu da perícia dos samurais no uso da katana no Japão mas que se torna cada vez mais popular no Havai”.

Após o kendo, são apresentadas outras expressões nipónicas e o público maioritariamente nikkei rejubila com a elegância e o refinamento civilizacional dos antepassados.

Em Dezembro de 1941, o Imperador Hirohito e o seu séquito de comandantes militares inauguraram um longo período bélico em que os viriam a desonrar.  Embalados pelo exemplo expansionista nazi, decidiram alargar o território nipónico sobrelotado ao vasto Pacífico.

Começaram pela conquista da Malásia e das Índias Orientais Holandesas em que contavam fornecer-se de borracha, petróleo e outras matérias-primas. Para isso, precisavam de anular a força naval norte-americana encarregue de patrulhar aquela zona do mundo. Os milhares de habitantes com sangue japonês a residir no Havai não lhes mereceram qualquer consideração.

Na manhã de dia 7, seis porta-aviões lançaram 353 caças, bombardeiros e torpedeiros em direcção à ilha de Oahu. Os americanos identificaram-na a 252 km e emitiram o aviso mas um oficial recentemente indigitado para o cargo assumiu que se tratava da chegada prevista de 6 bombardeiros B-17 norte-americanos e optou por não validar o alarme.

Os primeiros aviões chegaram a Oahu às 7:48 da manhã. Os tripulantes dos navios americanos acordaram com os sons de alarmes, bombas e disparos.

Vestiram-se à pressa e correram para os seus postos de combate enquanto uma mensagem de altifalante ecoava “Air raid Pearl Harbor. This is not a drill” (Raide Aéreo sobre Pearl Harbor, isto não é um exercício) enquanto o líder do esquadrão emitia pela rádio o famoso código “Tora, Tora, Tora” comunicando que a missão estava a ser conseguida na perfeição.

Bandeira americana-USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Bandeira dos E.U.A. ondula sobre o memorial do USS Arizona.

Apesar da surpresa, alguns militares ianques conseguiram responder à 2ª e 3ª vaga em vão. Noventa minutos de ataque depois, 18 embarcações tinham sido destruídas, como 188 dos 402 aviões ali estacionados. Dois mil trezentos e oitenta e seis americanos perderam a vida e 1139 ficaram feridos.

No dia a seguir ao ataque, Roosevelt proferiu, no Congresso, o discurso que começou com a famosa frase “Yesterday, December, 7 1941 – a date which will live in infamy – the United States of America was suddenly and deliberately attacked by naval and air forces of the Empire of Japan.”.

Os americanos declararam formalmente guerra ao Japão. A 11 de Dezembro, a Alemanha e a Itália honraram os compromissos assumidos no Pacto Tripartido e declararam guerra aos Estados Unidos. O conflito tornou-se, assim, efectivamente mundial e só viria a ter fim 4 anos depois.

Os E.U.A. triunfaram, prosperaram e confirmaram-se como a grande potência do Mundo mas nunca mais esqueceram Pearl Harbor.

São apenas 17 os quilómetros de asfalto que separam Waikiki da enseada, passados com vista para os prédios altos de Honolulu e arredores ou em vales limitados por  encostas verdejantes. No parque de estacionamento, há uma placa que avisa que os pertences deixados nas viaturas podem ser roubados mas as autoridades protegem acima de tudo a segurança da Base Militar.

Nenhuma mochila ou bolsa pode ser levada para o interior do complexo. As câmaras, essas, têm que ser inferiores a 30.5 cm e são filtradas ao pormenor por raios-X, o que justifica a fila enorme com que faz sofrer os visitantes sob o sol tropical.

Quase todas as atracções surgem concentradas numa área de doca mais próxima onde – já não nos espantamos – é proibido fotografar. Destacam-se, ali, o Submarino-Museu USS Bowfin e o Battleship Missouri, em que, mais tarde, o General Douglas MacArthur  aceitou a rendição japonesa que pôs cobro à 2ª Guerra Mundial.

Em conjunto, estas três embarcações representam o início, o meio e o fim do conflito e os americanos trataram de que nos seus interiores fossem narrados e explicados os seus principais acontecimentos.

USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Memorial-museu do couraçado USS Arizona, um dos navios afundados pela força aérea japonesa

Mas o testemunho histórico mais marcante do complexo, o USS Arizona, jaz ao largo, no fundo da enseada e os militares de serviço fazem questão de o proteger como o monumento dogmatizado em que, com o tempo, o transformaram.

Uma balsa coberta transporta os visitantes até ao memorial. Durante a curta navegação, as ordens e reprimendas militares prepotentes e exageradas repetem-se até ao ridículo: “O senhor, ponha o braço para dentro do barco”, “jovens, sentem-se nas cadeiras se não se importam”.

Militar USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Militar desce as escadas para receber nova leva de visitantes ao memorial-museu do USS Arizona.

Durante o desembarque, mais do que uma pessoa é advertida simplesmente porque passou a que estava atrás ou ao lado mas a castração não se fica por aí.

Muito graças aos esforços de Elvis Presley – que deu um concerto benemérito e reuniu 50.000 dólares, mais de 10% do valor total – a estrutura branca do santuário seria construída sobre a secção central da embarcação, com uma geometria que se diz simbolizar a derrota inicial, a derradeira vitória e a serenidade eterna.

O USS Arizona foi directamente atingido por várias bombas e afundou em menos de 9 minutos. Aprisionou a sua tripulação debaixo de água e mais de 80% dos homens a bordo (1177) morreram. Uma das 3 câmaras do santuário funciona como o seu sepulcro.

Os nomes das vítimas surgem gravados numa parede de mármore e, de quando em quando, familiares ou amigos vêm rezar por eles ou prestar-lhes homenagem. É a única razão admissível para os militares de guarda se mostrarem tão ofendidos e furibundos de cada vez que alguém embarca em diálogos, comentários ou sequer cochichos algo mais perceptíveis.

Pearl Harbor é uma das maiores feridas da história da nação americana e o USS Arizona ainda sangra. Admiramos o topo da sua grande chaminé à tona, pela qual entrou supostamente uma bomba e, através da água azulada da lagoa, parte da restante estrutura ferrugenta.

Chamine USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Chaminé do couraçado USS Arizona, ligeiramente fora de água devido à pouca profundidade do leito marinho em que assentou.

O grande cruzador continha cerca de 5.5 milhões de litros de óleo “Bunker C”. Após o ataque, este combustível  alimentou um incêndio que durou dois dias e meio mas nem assim se esgotou. Submerge aos poucos e renova manchas coloridas que ficaram conhecidas como as lágrimas da embarcação.

Os ambientalistas já avisaram que, caso se solte, o óleo que resta nos depósitos do barco é suficiente para causar um desastre ambiental e impedir a actividade normal da marinha norte-americana na área.

Ponte USS Arizona, Pearl Harbour, Havai

Visitantes deixam o edifício do memorial-museu do USS Arizona prestes a fazer a viagem de regresso à costa.

Mas, desde 1982, as autoridades permitiram que as cinzas de 30 sobreviventes do USS Arizona fossem depositadas por mergulhadores sob um dos torreões dos seus canhões. Aos tripulantes nele serviram antes do afundamento foi e é permitido que as suas sejam lançadas sobre a área dos destroços.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cidades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
voos baratos, comprar voos baratos, bilhetes de avião baratos,
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir voos baratos tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
História
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Banco improvisado
Ilhas
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Graciosa, Açores, Monte da Ajuda
Natureza
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Grand Canyon, Arizona, Viagem América do Norte, Abismal, Sombras Quentes
Parques Naturais
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Praias
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Religião
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Bufalos, ilha do Marajo, Brasil, búfalos da polícia de Soure
Sociedade
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Vida Selvagem
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES