Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas


O Monte Fragmentado
Cenário repleto de picos em redor da Mangazina di Rei.
Kaya Para Mira
Placa assinala a entrada espinhosa para a Kaya (calle) Para Mira.
Rincon
A primeira povoação das actuais Antilhas Holandesas, na origem, espanhola.
Touched
Banca colorida de artesanato de Coron.
Floresta de Cactos
Cenário repleto de cactos, na época do ano da imagem, bastante verdejantes.
Uma Tasca Arejada
Clientes num café humilde mas colorido de Rincon.
Izain Mercera
O anfitrião sorridente da Mangazina di Rei, a principal casa de cultura de Rincon.
De Bonaire para o Mundo
Visitantes da Distilaria Kadushi examinam um maoa exposto.
Caduchis
Floresta litoral de grandes cactos, da espécie mais portentosa de Bonaire.
Alambique Caduchi
Complexo processo de destilação exposto na destilaria Kadushi.
Balcão Arriscado
Recanto-balcão da distilaria Kadushi.
Licores Kadushi
Montra dos vários licores produzidos pela distilaria Kadushi.
Uma Beira da Estrada Espinhosa
Via pouco asfaltada e muito espinhosa nos arredores de Rincon.
rincon-bonaire-ilha-abc-saint-ludovicus-bertrand-igreja-ilha-abc-caraibas-holandesas
Saint Ludovicus
Sons do Mar
Izain Mercera toca búzio, numa das salas da Mangazina di Rei.
Ferrinhos & Outros
Conjunto de instrumentos de música usados pelos nativos de Bonaire.
Cacto Inexpugnável
Outra espécie arredondada de cactos de Bonaire.
Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.

Cactos. Cactos e mais cactos.

Poucos lugares na Terra terão maior concentração destas plantas perfurantes que a ilha de Bonaire. Tínhamos passado toda a manhã por eles cercados, ao longo da costa oeste.

E, logo, à descoberta do Parque Nacional Washington Slagbaai, surpreendidos por uma das poucas manhãs cinzentas e chuvosas que estas partes sul e mais secas das Caraíbas terão testemunhado.

Deixamos o parque, já pelo seu lado oriental, para uma estrada asfaltada registada como Kaya G.R.E. Herrera. Entre cactos, essa via contorce-se na direcção do meio da ilha.

O Vislumbre da Rincon Amarelada a Salpicar a Vegetação

Uns poucos quilómetros depois, já do cimo de uma outra Kaya, a Para Mira, damos com o casario amarelado de Rincon.

Vemo-lo concentrado mais próximo do sopé de um grande paredão de arriba, de topo liso, com forro espinhoso, claro está.

Dele se destaca uma igreja de frontão triangulado e uma torre com visual de foguetão.

Já na iminência das primeiras casas, uma leva de postes de electricidade viabiliza o uso dos electrodomésticos que facilitaram a vida dos moradores, pelo menos, assim terá sido suposto.

Daquela distância, subsumida no verde da vegetação, o casario parece-nos mais de um lugarejo perdido no nada que de uma cidade.

Fosse como fosse, estávamos perante a segunda urbe de Bonaire, perante a “outra” da capital Kralendijk. Quando nos aproximamos, constatamos que tinha bastante mais vida do que dali aparentava.

Rincon permanece no lugar exacto que os colonos espanhóis lhe destinaram há mais de meio milénio.

A Chegada e Colonização de Rincon, pelos Espanhóis

Apenas um ano antes da viragem para o século XVI, um trio formado por Alonso de Ojeda, por Juán de La Cosa e pelo florentino – pouco depois, nacionalizado castelhano, Américo Vespúcio que teve a honra de dar o nome ao Novo Mundo – encontraram a ilha que agora explorávamos, nos fundos das Caraíbas.

Reclamaram-na para Espanha enquanto Ilha do Pau Brasil, devido à abundância dessa madeira. O assentamento do novo território deu-se uns poucos anos depois.

Com a rota para aquelas partes do mundo recém-desvendada, os piratas britânicos, franceses e de outras nações não tardaram a por ali assentar arraiais.

Preocupados com a sua vulnerabilidade, os espanhóis decidiram povoá-la num vale blindado pelos cactos, afundado e, como tal, escondido dos monóculos dos piratas.

Por essa altura, à imagem de outras Antilhas, habitavam já essa Ilha de Brasil (e o tal vale) os índios caquetios, de etnia aruaque.

Tratavam-na por Bojnay (terras baixas), termo que se crê estar na génese de Bonaire.

Os espanhóis descreveram os indígenas como criaturas pré-históricas, moradores de cabanas de barro. Em pouco tempo, escravizaram-nos.

Mudaram-nos para a ilha de Hispaniola, para as imediações da actual Santo Domingo.

Ali, desde há algum tempo, mantinham operacionais minas de prata, uma das matérias-primas que mais apreciavam subtrair às Américas para assim enriquecer a Coroa e o Império que não cessava de aumentar.

Juan de Ampies e o Projecto da Criação de Gado a partir de Rincon

Nessa ânsia de controlar o máximo possível do Mundo, a Coroa Espanhola apontou um comandante para as hoje conhecidas como ilhas ABC: Aruba, Bonaire e Curaçao.

A tarefa calhou a Juan de Ampies. Ocorreu a Ampies que a abrolhosa Bonaire poderia, pelo menos, servir de ilha criadora de gado, que poderia fornecer os territórios hispânicos vizinhos, sobretudo de couro.

O seu plano passou por recolonizar a ilha de uns poucos espanhóis e de bastantes mais escravos indígenas de lá recém-removidos para que estes se encarregassem da pastorícia e pecuária.

De acordo, além de fazer regressar alguns Caquetios, Juan de Ampies assegurou que fossem enviados da Metrópole, navios carregados de animais.

De cavalos, cabras, ovelhas, burros, porcos e vacas destinados a uma criação centrada em Rincon.

Cruzamo-nos com descendentes desses animais nas ruas da cidade e nos seus arredores. Com uma manada errante de cabras numa perpendicular de terra batida da Kaya Para Mira.

E com burros esquivos na beira-mar da costa leste de Bonaire.

A Miscelânea Genética Ainda Mais Complexa, em Bonaire

Os habitantes de Rincon, por sua vez, descendem desses espanhóis fundadores, dos índios caquetios que os serviram e, em quase todos os casos, de ambos. Mas não só. No entretanto, os holandeses e até alguns portugueses complicaram a base genética da ilha.

Deambulamos pelas ruas e ruelas centrais de Rincon, em redor da igreja Sint-Ludovicus Bertandus, a Parokia San Luis Beltran, no dialecto Papiamento.

Àquela hora em que o calor apertava, passamos por uns poucos transeuntes apressados para se enfiarem no fresco das suas casas ou dos seus cafés-tascas preferidos.

Destilaria Cadushi e os Licores Mais Famosos de Bonaire

À falta de interlocutores disponíveis, resolvemos visitar a sede da destilaria Cadushi, produtora de uma profusão de licores.

Todos incluem sabores do incontáveis cactos de Bonaire, os Aloé Vera e os chamados Kadushis, os maiores das três espécies da ilha que mais parecem árvores.

Provamos alguns sabores, investigamos um velho alambique e o jardim criativo da fazenda, à conversa com empregados jovens.

Logo, mudamos de ares.

A Fortaleza Cultural de Bonaire da Mangazina di Rei

Seguimos para o âmago da preservação histórica e cultural de Rincon e de Bonaire, a sua Mangazina di Rei.

Lá nos recebe Izain Mercera, habitante crioulo, claro está, senhor de uma pele dourada sob um chapéu de palha, sorriso suave e fácil. Falamos em espanhol, com tentativas esporádicas de uso de Papiamento que não estávamos preparados para prolongar.

Izain explica-nos a origem do edifício, considerado o segundo mais antigo de Bonaire e da espécie de granja que o envolve.

Como forma de ilustrar um trecho mais cultural da explanação, toca-nos excertos de temas populares da ilha, num jambé.

Com apoio de uns ferrinhos, de um búzio de sopro e de um outro estranho instrumento, uma caixa com uma espécie de patilhas de metal que os seus dedos faziam vibrar e soar.

O anfitrião mostra-nos a área museológica do complexo e a vista desafogada sobre o vale dos cactos em redor, uma vez mais, para surpresa de todos, irrigado por nova chuva intensa.

Explica-nos como, em 1990, a organização redundou numa Fundação incumbida de formar as novas gerações quanto à génese cultural de Bonaire, desde os confins culturais do seu povo, às suas tradições musicais e até técnicas de cultivo específicas de uma terra tão repleta de cactos.

Como o nome deixa antever, a Mangazina di Rei, foi um armazém com uso real.

Ditaram os meandros da história que, anos após o comando de Juan de Ampies, tivesse sido propriedade de um monarca holandês, em vez de um espanhol.

A Passagem de Bonaire e de Rincon para a Posse dos Holandeses

Na segunda década do século XVII, a Companhia Holandesa das Índias estava hiperactiva. Garantia que os Holandeses rivalizassem com os Espanhóis e os Portugueses.

Em simultâneo, os holandeses eram clientes regulares dos produtos e serviços das ilhas ABC, em particular de Bonaire, onde as embarcações ancoravam para se abastecerem de água, de madeira e da carne lá produzida.

Desde 1568 que os Holandeses travavam a Guerra dos 80 anos com os Espanhóis, de forma indirecta, também com os portugueses, na medida em que, sob a Dinastia Filipina, os territórios portugueses passaram a ser considerados espanhóis.

Ora, as Caraíbas e as suas Antilhas depressa se revelaram um palco tropical da guerra. Em 1633, os espanhóis capturaram Sint Maarten aos holandeses. Estes, retaliaram.

Capturaram Aruba, Bonaire e Curacao aos Espanhóis. Uma tal de Paz de Münster pôs fim à Guerra dos 80 anos. Deixou trocados territórios de ambos os lados.

As ABC ficaram dos holandeses que, só viriam a perder o seu controle, por breves anos, para os britânicos.

Depois, durante as Guerras Napoleónicas e, mais recente, na 2ª Guerra Mundial, para os alemães.

Esta prevalência holandesa justificou o tal armazém em que nos recebeu Izain Mercera, um depósito erguido no século XIX pelo governo holandês para armazenar as rações que alimentavam os escravos ao serviço da administração.

A Chegada de Mais Escravos e dos Judeus Sefarditas Refugiados, à Vizinha Curaçao

Durante a Guerra dos 80 Anos, os Holandeses chegaram a descarregar prisioneiros espanhóis e portugueses em Bonaire. A grande evolução na estrutura demográfica da ilha deu-se quando transformaram Curaçao no principal polo esclavagista das Antilhas.

Ao mesmo tempo, converteram Bonaire numa exportadora de pau-brasil, de milho e sobretudo do sal que continua a abundar no sul hoje quase anfíbio da ilha.

Para servir essas plantações e salinas, os holandeses forçaram ao trabalho escravos africanos e indígenas, lado a lado com prisioneiros.

A população de Rincon e de Bonaire miscigenou-se a dobrar, numa panóplia genética que vemos nos rostos e, em particular, nos olhos, cabelos e peles das gentes locais.

A Sobreposição Histórica do Dialecto Papiamento

Com o passar do tempo, a língua usada pelos escravos sobrepôs-se à hispânica e à holandesa. Os escravos provinham da Guiné Bissau, de Cabo Verde e do Golfo da Guiné – também de São Tomé e Príncipe. Chegavam às ilhas ABC a falarem crioulo guene.

Concretizada a expulsão dos judeus sefarditas da Ibéria, a partir do meio do século XVII, estes, acabaram por se refugiar em Curaçao. Lá reforçaram e aprimoraram a combinação do português puro com o predominante guene.

Como seria de esperar, este contágio dos termos portugueses e portugueses-crioulos chegou a todos os cantos das ABC.

Em pleno vigor a Rincon, o recanto mais antigo de Bonaire.

Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Uma espécie de portal
Cidades
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cultura
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Banco improvisado
História
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Tambores e tatoos
Ilhas
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Natureza
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Parques Naturais
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Património Mundial UNESCO
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
igreja, nossa senhora, virgem, guadalupe, mexico
Religião
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES