Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas


O Monte Fragmentado
Cenário repleto de picos em redor da Mangazina di Rei.
Kaya Para Mira
Placa assinala a entrada espinhosa para a Kaya (calle) Para Mira.
Rincon
A primeira povoação das actuais Antilhas Holandesas, na origem, espanhola.
Touched
Banca colorida de artesanato de Coron.
Floresta de Cactos
Cenário repleto de cactos, na época do ano da imagem, bastante verdejantes.
Uma Tasca Arejada
Clientes num café humilde mas colorido de Rincon.
Izain Mercera
O anfitrião sorridente da Mangazina di Rei, a principal casa de cultura de Rincon.
De Bonaire para o Mundo
Visitantes da Distilaria Kadushi examinam um maoa exposto.
Caduchis
Floresta litoral de grandes cactos, da espécie mais portentosa de Bonaire.
Alambique Caduchi
Complexo processo de destilação exposto na destilaria Kadushi.
Balcão Arriscado
Recanto-balcão da distilaria Kadushi.
Licores Kadushi
Montra dos vários licores produzidos pela distilaria Kadushi.
Uma Beira da Estrada Espinhosa
Via pouco asfaltada e muito espinhosa nos arredores de Rincon.
rincon-bonaire-ilha-abc-saint-ludovicus-bertrand-igreja-ilha-abc-caraibas-holandesas
Saint Ludovicus
Sons do Mar
Izain Mercera toca búzio, numa das salas da Mangazina di Rei.
Ferrinhos & Outros
Conjunto de instrumentos de música usados pelos nativos de Bonaire.
Cacto Inexpugnável
Outra espécie arredondada de cactos de Bonaire.
Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.

Cactos. Cactos e mais cactos.

Poucos lugares na Terra terão maior concentração destas plantas perfurantes que a ilha de Bonaire. Tínhamos passado toda a manhã por eles cercados, ao longo da costa oeste.

E, logo, à descoberta do Parque Nacional Washington Slagbaai, surpreendidos por uma das poucas manhãs cinzentas e chuvosas que estas partes sul e mais secas das Caraíbas terão testemunhado.

Deixamos o parque, já pelo seu lado oriental, para uma estrada asfaltada registada como Kaya G.R.E. Herrera. Entre cactos, essa via contorce-se na direcção do meio da ilha.

O Vislumbre da Rincon Amarelada a Salpicar a Vegetação

Uns poucos quilómetros depois, já do cimo de uma outra Kaya, a Para Mira, damos com o casario amarelado de Rincon.

Vemo-lo concentrado mais próximo do sopé de um grande paredão de arriba, de topo liso, com forro espinhoso, claro está.

Dele se destaca uma igreja de frontão triangulado e uma torre com visual de foguetão.

Já na iminência das primeiras casas, uma leva de postes de electricidade viabiliza o uso dos electrodomésticos que facilitaram a vida dos moradores, pelo menos, assim terá sido suposto.

Daquela distância, subsumida no verde da vegetação, o casario parece-nos mais de um lugarejo perdido no nada que de uma cidade.

Fosse como fosse, estávamos perante a segunda urbe de Bonaire, perante a “outra” da capital Kralendijk. Quando nos aproximamos, constatamos que tinha bastante mais vida do que dali aparentava.

Rincon permanece no lugar exacto que os colonos espanhóis lhe destinaram há mais de meio milénio.

A Chegada e Colonização de Rincon, pelos Espanhóis

Apenas um ano antes da viragem para o século XVI, um trio formado por Alonso de Ojeda, por Juán de La Cosa e pelo florentino – pouco depois, nacionalizado castelhano, Américo Vespúcio que teve a honra de dar o nome ao Novo Mundo – encontraram a ilha que agora explorávamos, nos fundos das Caraíbas.

Reclamaram-na para Espanha enquanto Ilha do Pau Brasil, devido à abundância dessa madeira. O assentamento do novo território deu-se uns poucos anos depois.

Com a rota para aquelas partes do mundo recém-desvendada, os piratas britânicos, franceses e de outras nações não tardaram a por ali assentar arraiais.

Preocupados com a sua vulnerabilidade, os espanhóis decidiram povoá-la num vale blindado pelos cactos, afundado e, como tal, escondido dos monóculos dos piratas.

Por essa altura, à imagem de outras Antilhas, habitavam já essa Ilha de Brasil (e o tal vale) os índios caquetios, de etnia aruaque.

Tratavam-na por Bojnay (terras baixas), termo que se crê estar na génese de Bonaire.

Os espanhóis descreveram os indígenas como criaturas pré-históricas, moradores de cabanas de barro. Em pouco tempo, escravizaram-nos.

Mudaram-nos para a ilha de Hispaniola, para as imediações da actual Santo Domingo.

Ali, desde há algum tempo, mantinham operacionais minas de prata, uma das matérias-primas que mais apreciavam subtrair às Américas para assim enriquecer a Coroa e o Império que não cessava de aumentar.

Juan de Ampies e o Projecto da Criação de Gado a partir de Rincon

Nessa ânsia de controlar o máximo possível do Mundo, a Coroa Espanhola apontou um comandante para as hoje conhecidas como ilhas ABC: Aruba, Bonaire e Curaçao.

A tarefa calhou a Juan de Ampies. Ocorreu a Ampies que a abrolhosa Bonaire poderia, pelo menos, servir de ilha criadora de gado, que poderia fornecer os territórios hispânicos vizinhos, sobretudo de couro.

O seu plano passou por recolonizar a ilha de uns poucos espanhóis e de bastantes mais escravos indígenas de lá recém-removidos para que estes se encarregassem da pastorícia e pecuária.

De acordo, além de fazer regressar alguns Caquetios, Juan de Ampies assegurou que fossem enviados da Metrópole, navios carregados de animais.

De cavalos, cabras, ovelhas, burros, porcos e vacas destinados a uma criação centrada em Rincon.

Cruzamo-nos com descendentes desses animais nas ruas da cidade e nos seus arredores. Com uma manada errante de cabras numa perpendicular de terra batida da Kaya Para Mira.

E com burros esquivos na beira-mar da costa leste de Bonaire.

A Miscelânea Genética Ainda Mais Complexa, em Bonaire

Os habitantes de Rincon, por sua vez, descendem desses espanhóis fundadores, dos índios caquetios que os serviram e, em quase todos os casos, de ambos. Mas não só. No entretanto, os holandeses e até alguns portugueses complicaram a base genética da ilha.

Deambulamos pelas ruas e ruelas centrais de Rincon, em redor da igreja Sint-Ludovicus Bertandus, a Parokia San Luis Beltran, no dialecto Papiamento.

Àquela hora em que o calor apertava, passamos por uns poucos transeuntes apressados para se enfiarem no fresco das suas casas ou dos seus cafés-tascas preferidos.

Destilaria Cadushi e os Licores Mais Famosos de Bonaire

À falta de interlocutores disponíveis, resolvemos visitar a sede da destilaria Cadushi, produtora de uma profusão de licores.

Todos incluem sabores do incontáveis cactos de Bonaire, os Aloé Vera e os chamados Kadushis, os maiores das três espécies da ilha que mais parecem árvores.

Provamos alguns sabores, investigamos um velho alambique e o jardim criativo da fazenda, à conversa com empregados jovens.

Logo, mudamos de ares.

A Fortaleza Cultural de Bonaire da Mangazina di Rei

Seguimos para o âmago da preservação histórica e cultural de Rincon e de Bonaire, a sua Mangazina di Rei.

Lá nos recebe Izain Mercera, habitante crioulo, claro está, senhor de uma pele dourada sob um chapéu de palha, sorriso suave e fácil. Falamos em espanhol, com tentativas esporádicas de uso de Papiamento que não estávamos preparados para prolongar.

Izain explica-nos a origem do edifício, considerado o segundo mais antigo de Bonaire e da espécie de granja que o envolve.

Como forma de ilustrar um trecho mais cultural da explanação, toca-nos excertos de temas populares da ilha, num jambé.

Com apoio de uns ferrinhos, de um búzio de sopro e de um outro estranho instrumento, uma caixa com uma espécie de patilhas de metal que os seus dedos faziam vibrar e soar.

O anfitrião mostra-nos a área museológica do complexo e a vista desafogada sobre o vale dos cactos em redor, uma vez mais, para surpresa de todos, irrigado por nova chuva intensa.

Explica-nos como, em 1990, a organização redundou numa Fundação incumbida de formar as novas gerações quanto à génese cultural de Bonaire, desde os confins culturais do seu povo, às suas tradições musicais e até técnicas de cultivo específicas de uma terra tão repleta de cactos.

Como o nome deixa antever, a Mangazina di Rei, foi um armazém com uso real.

Ditaram os meandros da história que, anos após o comando de Juan de Ampies, tivesse sido propriedade de um monarca holandês, em vez de um espanhol.

A Passagem de Bonaire e de Rincon para a Posse dos Holandeses

Na segunda década do século XVII, a Companhia Holandesa das Índias estava hiperactiva. Garantia que os Holandeses rivalizassem com os Espanhóis e os Portugueses.

Em simultâneo, os holandeses eram clientes regulares dos produtos e serviços das ilhas ABC, em particular de Bonaire, onde as embarcações ancoravam para se abastecerem de água, de madeira e da carne lá produzida.

Desde 1568 que os Holandeses travavam a Guerra dos 80 anos com os Espanhóis, de forma indirecta, também com os portugueses, na medida em que, sob a Dinastia Filipina, os territórios portugueses passaram a ser considerados espanhóis.

Ora, as Caraíbas e as suas Antilhas depressa se revelaram um palco tropical da guerra. Em 1633, os espanhóis capturaram Sint Maarten aos holandeses. Estes, retaliaram.

Capturaram Aruba, Bonaire e Curacao aos Espanhóis. Uma tal de Paz de Münster pôs fim à Guerra dos 80 anos. Deixou trocados territórios de ambos os lados.

As ABC ficaram dos holandeses que, só viriam a perder o seu controle, por breves anos, para os britânicos.

Depois, durante as Guerras Napoleónicas e, mais recente, na 2ª Guerra Mundial, para os alemães.

Esta prevalência holandesa justificou o tal armazém em que nos recebeu Izain Mercera, um depósito erguido no século XIX pelo governo holandês para armazenar as rações que alimentavam os escravos ao serviço da administração.

A Chegada de Mais Escravos e dos Judeus Sefarditas Refugiados, à Vizinha Curaçao

Durante a Guerra dos 80 Anos, os Holandeses chegaram a descarregar prisioneiros espanhóis e portugueses em Bonaire. A grande evolução na estrutura demográfica da ilha deu-se quando transformaram Curaçao no principal polo esclavagista das Antilhas.

Ao mesmo tempo, converteram Bonaire numa exportadora de pau-brasil, de milho e sobretudo do sal que continua a abundar no sul hoje quase anfíbio da ilha.

Para servir essas plantações e salinas, os holandeses forçaram ao trabalho escravos africanos e indígenas, lado a lado com prisioneiros.

A população de Rincon e de Bonaire miscigenou-se a dobrar, numa panóplia genética que vemos nos rostos e, em particular, nos olhos, cabelos e peles das gentes locais.

A Sobreposição Histórica do Dialecto Papiamento

Com o passar do tempo, a língua usada pelos escravos sobrepôs-se à hispânica e à holandesa. Os escravos provinham da Guiné Bissau, de Cabo Verde e do Golfo da Guiné – também de São Tomé e Príncipe. Chegavam às ilhas ABC a falarem crioulo guene.

Concretizada a expulsão dos judeus sefarditas da Ibéria, a partir do meio do século XVII, estes, acabaram por se refugiar em Curaçao. Lá reforçaram e aprimoraram a combinação do português puro com o predominante guene.

Como seria de esperar, este contágio dos termos portugueses e portugueses-crioulos chegou a todos os cantos das ABC.

Em pleno vigor a Rincon, o recanto mais antigo de Bonaire.

Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
A Crucificação em Helsínquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Sesimbra, Vila, Portugal, castelo
História
Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Ilhas
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
São Tomé Ilha, São Tomé e Principe, Norte, Roça Água Funda
Natureza
São Tomé, São Tomé e Príncipe

Pelo Cocuruto Tropical de São Tomé

Com a capital homónima para trás, rumamos à descoberta da realidade da roça Agostinho Neto. Daí, tomamos a estrada marginal da ilha. Quando o asfalto se rende, por fim, à selva, São Tomé tinha-se confirmado no top das mais deslumbrantes ilhas africanas.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Parques Naturais
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdote com insensário
Património Mundial UNESCO
Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs

Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Praias
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Sociedade
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT