La Paz, Baja Califórnia Sur, México

Na Paz do Golfo da Califórnia


Palmeiras Sobranceiras
Travessia do Mural
As Dunas de Mogote
El Tecolote
A Catedral de La Paz
El 5º Sol
Incursão às Dunas
Marginal em Fogo
Magote ao Vento
Duo República
Ocaso sobre a Marina de Cortés
O Museu Madero
Anoitecer na Marginal
Mural em Fábula
Um Museu Iluminado
Los Cabos e o fundo da longa península acolhem a maior parte dos resorts e dos gringos. La Paz, recebe os seus, mas mantem-se a grande urbe genuína da Baja Califórnia, com um entorno desértico e marinho dos mais exuberantes do México.

Na capital de uma região com bem mais de 300 dias de céu limpo por ano, o sol assume um estrelato impossível de ignorar.

Resplandece, ocaso após ocaso, por detrás da sebe de coqueiros e palmeiras com que as autoridades apostaram em tropicalizar o malecón que une La Paz ao Mar de Cortés.

Admiramos o entardecer. A partir da Plaza de las Califórnias que acolhe o letreiro tridimensional e colorido da cidade, que lhe serve de terraço com vista sobre o Golfo da Califórnia.

Os troncos inclinados dissimulam uma floresta de mastros oscilantes que despontam de dezenas de veleiros ancorados na Marina Cortés.

À medida que a circunferência do grande astro se precipita, condena todos esses elementos e mais alguns a silhuetas servas do áureo.

Bandos enfileirados de pelicanos sobrevoam-nos, de olho nos cardumes encurralados na Baía de La Paz. Ao nível do solo, outras movimentações reforçam um habitual frenesim crepuscular.

Corredores, ciclistas e patinadores cruzam-se, entregues aos seus esforços preventivos do dia.

Apesar do compromisso de entregar a beira-mar aos pedestres e desportistas, o cabildo de La Paz falhou em deslocar o trânsito para zonas interiores secundárias.

As frequentes travessias da Via 11 – Paseo Álvaro Obregón agravam filas lentas, quase paradas, de veículos, que rumam aos arredores inóspitos, mas habitacionais da cidade.

De quando em quando, circulam com óbvia prioridade, jipes do exército, repletos de soldados que seguram metralhadoras. Por enquanto, a Baja Califórnia Sur é dos estados com menor presença dos cartéis mexicanos.

A sua posição às portas dos E.U.A. tornam-na um domínio apetecido que, na ausência do contrapoder militar, descambaria numa Cartelândia caótica e sanguinária, à imagem de boa parte do México.

O derradeiro pôr do sol e a iluminação artificial activada sobre o lusco-fusco, douram e recompõem a marginal e conferem novos tons às estátuas que decoram o malecón.

Damos com a da pomba hiperbólica que ilustra o nome da capital da Baja Califórnia Sur.

Com as erguidas como monumento às baleias e aos tubarões-martelo que afluem àquelas águas providenciais. D

amos ainda com a que honra o oceanógrafo Jacques-Yves Cousteau que estudou e documentou estas e tantas outras espécies.

John Steinbeck, um Escritor que Celebrou La Paz e a Baja Califórnia

E ainda com a que louva outra das preciosidades naturais da região, as ostras e as suas pérolas. Esta estátua, em particular, remete-nos para uma das personalidades notórias que contribuíram para a fama da Baja Califórnia e de La Paz: John Steinbeck.

Numa altura em que Acapulco concentrava as atenções dos norte-americanos célebres e endinheirados, Los Cabos começou a seduzir outros, atraídos pelas suas areias douradas e águas cristalinas repletas de marlins e grandes peixes afins.

Foram os casos de Lucille Ball, John Wayne, Bing Crosby, para mencionarmos os mais conhecidos.

Estes nomes difundiram, entre os gringos, uma Califórnia Mexicana glamorosa.

De tal maneira, que os próprios milionários ligados a Hollywood, resolveram investir em resorts pioneiros.

Como sempre acontece nestes fenómenos turísticos, outros nomes, com interesses distintos, dedicaram-se a lugares da região menos explorados.

Desde, pelo menos, 1930 que John Steinbeck era influenciado pelo amigo e biólogo marinho Ed Ricketts em apreciar o mar e as suas formas de vida.

A Expedição a Bordo do “Western Flyer”

Decorridos dez anos, ambos decidiram alugar um barco de pesca de sardinha, o “Western Flyer”, na Baía de Monterrey, de onde zarparam para uma expedição Mar de Cortés abaixo. Steinbeck e Ricketts contaram com quatro elementos adicionais e cruciais à navegação.

E ainda com Carol, a mulher de Steinbeck. Este, esperava que a evasão fosse benéfica para o seu casamento. Na realidade, o casal separou-se de vez pouco depois do regresso.

A rota que seguiram levou-os até Cabo San Lucas. Contornaram a ponta sul da península e subiram o Golfo da Califórnia até La Paz e à ilha de Espiritu Santo. Logo, pela costa do estado de Sonora acima. Após o que regressaram a La Paz.

Pelo caminho, Steinbeck, Ricketts e Carol, ajudados por outros tripulantes, recolheram espécimes com que o duo planeava publicar um livro científico que, no mínimo, esperavam que viesse a compensar o custo da expedição.

Contactos com mexicanos da cidade e o esgotar da cerveja a bordo levaram-nos a La Paz, que consideraram agradável e hospitaleira.

Na cidade, Steinbeck inteirou-se da abundância e da importância das pérolas na vida das gentes da região. Fascinou-se também com um conto local centrado num mergulhador de pérolas indígena, Kino.

Este conto, veio a inspirar o seu romance “A Pérola”, publicado onze anos após a expedição em redor da Baja Califórnia e da publicação da narrativa “The Log from the Sea of Cortez”.

La Paz, Entre o Deserto e o Golfo da Califórnia, ou Mar de Cortés

Em La Paz, após ter constatado a construção de um novo hotel, Steinbeck augurou: “O mais certo é que os aviões comecem a trazer turistas de fim-de-semana de Los Angeles e a pobre, maravilhosa, velha cidade vai florescer com uma feieza floridense.”

Tal como pudemos constatar, essa mácula afectou Los Cabos e a faixa até San José del Cabo, não tanto La Paz.

São só uns poucos os resorts em volta da cidade.

Pouco ou nada a desvirtuam e aos seus cenários costeiros impressionantes, em boa parte, protegidos como parques e reservas naturais que temos o privilégio de explorar.

A incrível Playa e Baía Balandra, a vizinha de Tecolote, a ilha de Espiritu Santo e a barreira de areia de Mogote, entre outras.

Todas, lugares com uma beleza difícil de descrever.

Desprovida desses resorts rendidos às férias de pacote, La Paz, os seus bares, restaurantes e clubezecos, misturados com agências de tours e uma miríade de negócios que servem sobretudo os seus quase 250 mil moradores, atraem visitantes diferentes dos de Los Cabos.

Os, como nós, propensos a férias pouco programadas, a experiências genuínas na Natureza e a uma diversão e convívio mais modesto, mas aberto ao inesperado.

A partir de La Paz, deambulamos por mares de cactos. Chapinhamos entre bandos de pelicanos que almejam peixes em voos picados.

Nadamos lado a lado com tubarões-baleia.

La Paz: A Urbe que se Tornou Capital da Baja Califórnia Sur

Deixamo-nos perder nas dunas de Mogote, acima das areias que retêm o zooplâncton e o fitoplâncton de que os maiores dos peixes se alimentam.

Também a cidade, em especial o centro e a sua longa marginal, nos retém mais tempo do que estávamos a contar. Abundam, em La Paz, pinturas murais criativas que celebram a natureza e a cultura da região.

Dão mais cor ao âmago histórico da capital, marcado pela Catedral de Nuestra Señora de La Paz, pelo Jardim Velasco e pelo Museu de Arte da Baja Califórnia Sur, identificável pela sua enorme sebe de candeeiros de rua, sobre um piso quadriculado.

A actual catedral foi erguida em 1865, no lugar em que os Jesuítas fundaram a sua missão local, parte de uma história de proselitismo católico que legou outras grandes catedrais a lugares surreais da Baja Califórnia.

Fortún Ximenez e os Conquistadores que se Seguiram

Como sempre acontecia, a Companhia de Jesus chegou na peugada dos Conquistadores espanhóis.

Ora, a sua imposição colonial nestas partes das Américas revelou-se tudo menos pacífica.

O primeiro europeu a desembarcar na Baja Califórnia e em La Paz foi Fortún Ximenez, um navegador e subcomandante de uma expedição enviada por Hernán Cortés, em 1533, encarregue de explorar os mares do sul do oceano Pacífico.

Ximenez revoltou-se, matou o comandante da expedição e submeteu a facção da tripulação que lhe era fiel.

Na sequência, navegou para ocidente. Entrou na baía de La Paz.

Deu com um litoral habitado por nativos pouco vestidos.

Os homens ao serviço de Ximenez perceberam que os indígenas guardavam grandes pérolas, abundantes nas ostras da zona.

Gananciosos e instigados pelos exemplos do irascível Ximenez, pilharam as pérolas e violaram mulheres que, ao contrário das de Espanha, viviam quase nuas.

Esta violência, levou a que os nativos matassem Ximenez e vários dos seus homens, sendo que os sobreviventes retiraram em pânico.

Era já a terceira expedição enviada por Cortés, que falhava em anexar terras ou descobrir riquezas, além de umas poucas pérolas que lhe foram apresentadas. Frustrado, Cortés decidiu liderar uma quarta expedição.

A 3 de Maio de 1535, desembarcou na baía reportada pelos homens sobreviventes de Ximenez. Lá confirmou a morte do subordinado rebelado e decidiu estabelecer uma colónia.

Também esse seu projecto falhou, devido à falta de colonos e aos constantes danos infligidos pelos nativos.

Foram necessários outros 61 anos.

Só em 1596, Sebastián Vizcaíno, um almirante originário de Huelva, conseguiu dominar os nativos que tinham frustrado os seus antecessores.

Estabeleceu, por fim, a colónia que baptizou condignamente de La Paz, ainda hoje, abençoada pela inevitável catedral.

Como então, La Paz e a Baja Califórnia Sur em volta mantêm-se invejáveis.

E dignas do oceano Pacífico iminente.

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega
Cidades
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Cultura
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Eternal Spring Shrine
Em Viagem

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
História
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Bonaire, ilha, Antilhas Holandesas, ABC, Caraíbas, Rincon
Ilhas
Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas

Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Natureza
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Foz incandescente, Grande Ilha Havai, Parque Nacional Vulcoes, rios de Lava
Parques Naturais
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
, México, cidade da prata e do Ouro, lares sobre túneis
Património Mundial UNESCO
Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores

Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Religião
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Sociedade
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.