Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte


Deserto (Pouco) Branco
Jipe sulca a imensidão extraterrestre do Deserto Branco, uma secção do grande Deserto Ocidental do Sahara.
Estilo El-Bawiti
Beduíno no meio do palmeiral de tamareiras, a caminho do centro urbano de El-Bawiti
El-Bawiti dos Pequeninos
Motociclista passa junto a uma réplica de barro do bairro antigo de El-Bawiti.
Dantesco
Montanhas bicolores do Deserto Negro, 50km para sul de El-Bawiti.
Portal para o Deserto
Trânsito percorre a grande auto-estrada Cairo-Farafra.
Tempo de lavra
Agricultor beduíno bem disposto, apesar da obrigatoriedade do trabalho.
Esculturas do tempo
Dois dos inúmeros recortes geológicos de calcite do Deserto Branco.
A mais doce Bawiti
Vendedores de tâmaras na sua loja de El-Bawiti, em pleno oásis de Bahariya.
Deserto (mesmo) Branco
Solo alvo de calcite, surge em várias zonas do Deserto Branco.
Dantesco II
Camião atravessa a vastidão mineral do Deserto Negro.
Luz da noite
Jipe percorre uma estrada improvisada nos arredores de El-Bawiti.
Marte na Terra
Formações rochosas polidas pelos ventos seculares e ferozes que varrem o grande Deserto Ocidental do Sahara.
Estranho culto
Visitantes do Deserto Branco junto à sua escultura mais famosa: "galinha e bomba-atómica.
Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.

Deixamos os arredores da capital egípcia. Aladino desliga o aparelho que limitava a velocidade do jipe. Em jeito de magia inesperada das Arábias, liberta-nos para uma viagem pelo Deserto Branco por certo menos segura, mas cumprida num tempo genial. O prodígio cedo se prova imperfeito.

Passada a cidade de 6 de Outubro, já bem a sério no Deserto Branco, o dispositivo dá de si e inaugura um tilintar irritante de alarme que se repetiria ao longo de toda a viagem.

Um pouco antes do meio-dia, aproximamo-nos de uma estação de serviço perdida na vastidão arenosa. Ayman, o guia, avisa-nos que vamos parar para esticar as pernas. Juntamo-nos a uma pequena multidão de outros condutores e de passageiros de autocarros. Bebericamos chá e café ferventes sem grandes pressas. Ayman abrevia o seu chá e retira-se.

Ao sairmos do estabelecimento para aguardarmos lá fora o regresso à estrada, reparamos que tinha entrado numa sala de orações. Quando espreitamos, Ayman fazia parte de uma comunidade masculina casual que partilhava um mesmo manto de retalhos atapetado, a direcção de Meca e prostrações alternadas movidas por uma fé inquestionada em Alá a que, tudo assim indicava, não se entregava Aladino.

O crente tarda o que tarda. Dez minutos depois, junta-se a nós. Cada qual revigorado à sua maneira, o duo de cicerones anuncia-nos a segunda metade do trajecto: “Vamos a isto! Daqui em diante, o deserto vai ficar bem mais deserto.”

Portal para o Deserto na estrada Cairo-Farafra, Deeserto Branco, Egipto

Trânsito percorre a grande auto-estrada Cairo-Farafra.

El-Bahariya: o primeiro dos grandes oásis

Duas horas adicionais a voarmos baixinho Saaara adentro, chegamos a um dos seus raros e sempre surpreendentes oásis, o de El-Bahariya. Em pleno mês de Dezembro, a temperatura pouco passa dos 20ºC.

Não vemos vivalma estrangeira que seja no Hotel Panorama em que damos entrada, como não se exibia também o cenário desafogado prometido pelo estabelecimento. Instalamo-nos. Descemos logo em seguida e partilhamos um almoço rápido com o duo de cicerones.

Em seguida, o proprietário faz questão de nos mostrar e a Ayman os encantos de El-Bahariya. Sem objeções, enfiamo-nos os três noutro jipe e saímos à descoberta.

Estávamos longe de pensar que, mesmo enquanto oásis que era, o lugar se pudesse revelar tão luxuriante. E, no entanto, o que desvendamos já a 370 km do Cairo é uma incrível excepção da paisagem desolada e rochosa que nos cercava.

El-Bahariya começa por ser uma depressão com 90km por 40 km, envolta de montanhas comedidas e que atrai boa parte da água só na aparência inexistente. Nas suas áreas mais profundas, um palmeiral denso de tamareiras carregadas de frutos desponta do solo.

Estilo El-Bawiti

Irrigam-no nascentes e veios de água, uns subterrâneos, outros que fluem à superfície por riachos e canais que os camponeses daquelas partes manipulam numa rede complexa de pequenos diques, abertos e fechados com uma ou duas pedras ou três ou quatro sacholas de terra.

Caminhos de terra entre o húmido e o ensopado sulcam a floresta. Percorrem-nos lavradores de enxada ao ombro e produtores e fornecedores trajados com jilabas e turbantes que montam burros sobrecarregados com alforges repletos de tâmaras. No centro urbano de El-Bawiti, os vendedores aguardam-nos.

Tempo de lavra,

Agricultor beduíno bem disposto, apesar da obrigatoriedade do trabalho.

El-Bawiti: Capital do Oásis de El-Bahariya.

El-Bawiti é a principal povoação do oásis de El-Bahariya. Acolhe 30 mil habitantes wahati (leia-se do oásis), beduínos muçulmanos com ancestrais na Líbia, junto à costa mediterrânica e no Vale do Nilo.

Confessamos a Ayman que adoramos tâmaras. O guia egípcio intercede junto do  anfitrião da área para que nos levasse a uma loja onde as comprássemos com confiança. Num ápice, deixamos a floresta e passamos por uma tal de avenida Sharia Safaya em que, se destaca uma sequência de casas miniatura e modelo de barro, algumas, coloridas, outras no tom natural da lama solidificada.

El-Bawiti dos PequeninosEntramos numa grelha de ruas de terra mal batida que chuvas recentes tinham tornado menos poeirentas que o habitual. Delimitam-nas estabelecimentos incaracterísticos: mercearias, lojinhas rurais, talhos, uma casa de chá mal-amanhada frequentada apenas por homens.

Letreiros em árabe e material promocional das multinacionais do costume digladiam-se pelo protagonismo comercial de cada ruela, brandindo os tons mais artificiais e garridos a que puderam recorrer.

De quando em quando, surge uma velha pick-up atafulhada de carga, ou como pudemos apreciar, de passageiras, várias munaqqabat, que é como quem diz enfiadas em abayas e niqabs negros que lhes revelam apenas os olhos.

Estes trajes lúgubres e intimidantes por norma por elas usadas no exterior do lar, onde são contempladas por outros homens, estão longe de merecer a admiração ou até a concordância dos egípcios em geral, além de que a sua propagação gerou apreensão nas autoridades que a interpretam como um sinal de que se alastra tanto o fundamentalismo religioso como o desdém pelo governo do Cairo.

Tâmaras com Fartura

Naquele Egipto profundo por que andávamos, poucas eram as mulheres com que nos cruzávamos. As que víamos, ou vestiam essa mesma combinação de negrume ou outra só algo menos soturna. Perdidos neste deslumbre, algures entre a antropologia e a moda muçulmana, chegamos à loja de tâmaras que nos fora prometida. Ali, El-Bawiti resplandece de cor.

A mais doce BawitiO letreiro exibe grandes caracteres arábicos verde-azeitona e cianos sobre um fundo branco decorado com tamareiras e montanhas. As tâmaras, disponíveis em distintos tamanhos e tons de amarelo, castanho e dourado, surgem expostas em pequenos outeiros frutícolas que despontam de caixotes.

Estão à venda naturais, mas também empacotadas, enlatadas, em óleo e sob outras formas menos expectáveis. Seguimos o conselho do vendedor. Compramos um quilo das recém-chegadas, as mais frescas, as mais melosas. Por volta das seis da tarde, com o sol que as amadurecera já a pingar para trás do palmeiral, regressamos ao abrigo desolado do Hotel Panorama.

O Lado Negro do Deserto Branco

Com a manhã seguinte, chega a hora de prosseguirmos para sudoeste, rumo ao âmago egípcio do Sahara. Acompanha-nos Mahmoud, um jovem beduíno auxiliar do hotel. Voltamos a deter-nos em El-Bawiti para comprar víveres, incluindo um reforço de tâmaras que, como era de esperar, já tinham levado um enorme rombo desde a tarde anterior. Às dez e meia, deixamos a povoação.

Percorridos apenas cinquenta quilómetros, detemo-nos  numa secção do itinerário chamada de Deserto Negro. Subimos a uma das suas muitas colinas vulcânicas polvilhadas de doleritos e quartzitos escuros. Do cimo, apreciamos a vastidão meio amarela meio negra em redor e a passagem quase insignificante de um ou dois veículos oriundos de um aparente nada, destinados a outro nada, que só reforçam a imensidão envolvente.

DantescoDurante essa tarde, por aquele Egipto, cirenaico em tempos romanos, adentro, o deserto assume vários outros visuais, cada qual mais surreal que o anterior. A roçar as quatro horas, chegamos ao Deserto Branco de Farafra de que, pelo menos Mahmoud afiançava conhecer o suficiente para não nos perdermos.

Fazemos fé na sua promessa. Deixamos a autoestrada Cairo-Farafra e enfiamo-nos num labirinto de rochas e grandes calhaus disseminados sem aparente fim, um labirinto e deserto do género daqueles que, em 636 a.C. terão desorientado o rei persa Cambises II e o seu exército quando, em plena conquista do Egipto, buscavam o Oráculo de Amón.

Farafra: o portal excêntrico para o Planeta Vermelho

Farafra é a segunda de cinco depressões do grande Deserto Ocidental. Com apenas 980km2, ocupa metade da de Bahariya. A alvura do seu subdeserto cedo se torna óbvia. Depósitos de cálcio cobrem o solo ou dele se destacam como esculturas que nos custa acreditar serem meros produtos milenares do impacto de cristais de areia arrastados pelo vento furioso que assola com frequência estas partes.

Os nossos guias rejubilam com a profusão de esculturas de rocha de giz (calcite) que nos indicam com um entusiasmo infantil. A mais famosa é a “galinha e o cogumelo” também conhecida como “galinha e a bomba atómica”. Uma  formação próxima lembra um sorvete. E assim foi denominada. Outras, têm nomes mais grandiosos e formais. Há “o monólito” e o “Inselberg”.

Esculturas do tempoFartamo-nos de circular a bordo do jipe. Quando detectamos uma meseta mais alta nas imediações do que Ayman designara como acampamento, saímos a pé e apontamos ao seu cimo com o sol já a cair sobre o horizonte.

Quando chegamos ao cume, mais que com formas engraçadas, confrontamo-nos com uma incrível imensidão de pedras e rochas polidas assentes no solo manchado de calcite. Por essa altura do ocaso, o deserto pouco preservava de branco. Aliás, como o dali víamos, não estávamos nem num Deserto Branco nem sequer na Terra.

O panorama ocre-amarelado era – ninguém nos convencia do contrário – marciano. Mais vermelho e marciano ficava à medida que o crepúsculo avançava para o arrebol e submetia as nuvens invernais a uma exuberante incandescência.

Até então, tínhamos estado sozinhos. Sem que o esperássemos, dois outros jipes surgem sabe-se lá de onde e cruzam o cenário inverosímil. Não queríamos arruinar o imaginário extraterrestre. De acordo, imaginamo-los como Rovers da NASA em missão de exploração.

Marte na Terra

O Ocaso Aquecido à Fogueira de Farafra

Passada meia-hora, a luz resistente cede ao breu. Descemos da meseta enquanto o podíamos fazer em segurança e caminhámos para junto de Ayman, Aladino e Mahmoud que há algum tempo preparavam o acampamento. Ajudamos a resolver a falta de iluminação incauta com que o último saíra de El-Bawiti.

Luz da noite

Pouco depois, já em volta de uma fogueira vigorosa, partilhamos um jantar com os companheiros egípcios sob o firmamento híper-estrelado.

Ayman faz passar alguma música egípcia no seu telemóvel. Com a banda sonora que escolhera em fundo, tenta resolver um problema bem terreno.

Conta-nos estórias e faz reparos que visam encurtar a distância a que, na sua mente, a religião e a cultura islâmica nos mantinham. “Sabem que nós, muçulmanos, também acreditamos em Jesus e Maria, pelo menos enquanto personagens históricas.” afiança-nos entre narrativas distintas, outra delas relacionada com a Arca de Noé.

Não tarda, fala-nos dos cantores nacionalistas egípcios que, durante a Guerra dos Seis dias em que o Egipto (e várias nações vizinhas) se confrontaram com Israel, quase só cantavam hinos nacionalistas: “Amo-te Egipto” e outros do género.

O fogo, como as energias de todos, depressa se extinguiu. Nós, Ayman e Aladino recolhemos às tendas. Mais habituado ao deserto, Mahmoud dormiu ali mesmo ao lado, ao relento, apesar das raposas e coiotes que há muito nos observavam, malgrado as suas visitas em busca de comida.

Despertamos antes da alvorada. Por momentos, o cenário volta ao perfil avermelhado de Marte. Mal o sol se destaca do horizonte, o Deserto Branco reassume a sua brancura e traz-nos de volta à Terra do Deserto Ocidental. Até ao crepúsculo seguinte.

Estranho culto

Viagem realizada com o apoio do operador ImageTours. Consulte os Programas do Egipto da ImageTours.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
White Pass & Yukon Train
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Febre vegetal
Cidades

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Cultura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
História
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Luzes VIP
Ilhas

Ilha Moyo, Indonésia

Uma Ilha Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Montanha da Mesa vista a partir de Waterfront, Cidade do Cabo, África do Sul
Natureza
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
À sombra da árvore
Parques Naturais

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Património Mundial UNESCO
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Bruxinha de chaleira
Religião

Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Vida Selvagem
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.