Hanói, Vietname

Sob a Ordem do Caos


Cidade sem lei
Um cruzamento auto-gerido da capital vietnamita.
Equilíbrio asiático
Vendedora de fruta percorre uma rua da cidade.
Peã dorida
Transeunte é atropelada durante uma travessia de estrada demasiado arriscada.
Barbearia ao Ar Livre
Barbeiro de rua capricha no corte de cabelo de um cliente.
Prioridade à direita e à esquerda
Veículos envelhecidos contornam uma rotunda no centro histórico de Hanoi.
Último Registo
Artesão esculpe uma lápide na sua loja.
De volta à cidade infernal
Moradores atravessam uma ponte do jardim do lago Hoam Kiem.
Repouso patriótico
Empregado de um restaurante observa a cidade apoiado à bandeira vietnamita.
Reflexo emoldurado
A imagem reflectida de uma vendedora de fruta no espelho de uma loja.
Portfólio
Vendedor exibe os seus postais com ilustrações de Hanói.
Lampiões e motociclos
Lampiões coloridos numa rua colorida da cidade.
Inverno em Hanói
Vista da zona central da capital vietnamita em redor do lago Hoam Kiem.
Ainda Ho Chi Minh
Cartaz propagandista de herança comunista louva a figura de Ho Chi-Minh
E mais Ho Chi Minh
O mausoléu que homenageia a personagem "eterna" de Ho chi-Minh, o pai da nação vietnamita.
Hanói ignora há muito os escassos semáforos, outros sinais de trânsito e os sinaleiros decorativos. Vive num ritmo próprio e numa ordem do caos inatingível pelo Ocidente.

O Inverno asiático estendeu-se ao máximo do seu limite geográfico e apesar de estarem quase 40º em Ho Chi-Minh – a 1600 km para sul de Hanói, um pouco menos em Hué –  faz um frio pouco comum na capital vietnamita.

Acabados de chegar, somos apanhados de surpresa e movemo-nos o mais rápido que conseguimos pelas ruas à procura de uma loja que nos venda agasalhos algo mais modernos que o visual pós-comunista ainda na moda por estes lados.

Malgrado o nevoeiro gélido, o dia desenrola-se como é habitual no jardim do lago Hoam Kiem (Lago da Espada Restaurada).

Inverno em Hanói

Vista da zona central da capital vietnamita em redor do lago Hoam Kiem

Grupos de idosos entregam-se a partidas intermináveis de jogos tradicionais asiáticos como o XiangQi e o Mahjong. Ou exercitam o corpo a jogar badminton ou a praticar tai-chi.

Enquanto isso, vendedores correm atrás dos visitantes do templo Ngoc Son e da ponte The Huc que lhe dá acesso. Impingem-lhes postais, guias Lonely Planet fotocopiados e pequenas peças de artesanato, por norma, fabricadas por familiares.

Portfólio, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Vendedor exibe os seus postais com ilustrações de Hanói.

O Primeiro Confronto a Sério com o Caos do Trânsito de Hanói

Atravessar o jardim e o lago não nos apresenta dificuldades maiores. Já não podíamos dizer o mesmo da rua Dinh Tien Hoang, logo ao lado, e dos cruzamentos em que esta desemboca.

Motorizadas sem fim passam a toda a velocidade. Evitam com mestria as que surgem de outras ruas e no sentido oposto. Ciclistas fazem o mesmo, mais devagar.

Como as motas e as scooters, contornam os carros, o camião ocasional e os autocarros velhos que abrem caminho à força e contaminam a atmosfera urbana com descargas imensas de fumo negro.

Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Veículos envelhecidos contornam uma rotunda no centro histórico de Hanoi.

À parte destes veículos, as ruas de Hanói guardam ainda lugar para a eventual carroça sobrecarregada e puxada por cavalos ou por búfalos.

E para os pedestres destemidos ou inconscientes que as cruzam sem pararem, confiantes de que todos os restantes os irão evitar.

Equilíbrio asiático, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Vendedora de fruta percorre uma rua da cidade.

Em Roma sê romano. No Vietname, vietnamita.

Cansamo-nos de esperar por uma aberta que teima em não aparecer. Fazemos fé na fé destes transeuntes. atiramo-nos à estrada. Tal qual Moisés mochileiros, separamos o trânsito para chegar ao outro lado.

A coisa corre-nos bem. Mas mal a uma mulher que tentava a sua sorte a apenas alguns metros.

Duas motorizadas e uma bicicleta hesitaram acerca da direcção para que se deviam desviar. No meio da atrapalhação, uma das motas derrubou-a e fê-la bater com a cabeça no chão.

Acidente, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Transeunte atropelada durante uma travessia de estrada demasiado arriscada, em pleno trânsito de Hanoi

Só acidentes como estes obrigam os oficiais de trânsito a abandonar a sua inutilidade. Um deles, identificado pelo uniforme verde escuro antiquado, deixa o seu pequeno púlpito protegido.

Aparece para levantar e recompor a senhora que aparenta estar apenas levemente ferida. Solucionada a ocorrência, o polícia regressa ao seu poiso.

Avenida Hang Dao Abaixo, Por uma Profusão de Funerárias

Conquistamos o desejado acesso à longa avenida Hang Dao. Percorremo-la pressionados pela temperatura desagradável, de olho em todas as lojas e negócios que aparecem.

Em Hanói, como acontece na vizinha China, o comércio surge organizado de uma forma compartimentada. Acertamos em cheio no sector dos enterros e funerais. Passamos primeiro por dezenas de floristas concorrentes com bancas repletas de coroas garridas que os empregados refrescam.

Segue-se uma zona de fabricantes de lápides que nos retém a atenção e o passo.

Dentro de uma destas oficinas, um artesão inscreve mensagens encomendadas na lousa. Vêmo-lo cercado de placas douradas de homenagem a defuntos vietnamitas, eternizados em fotografias a cores e a preto e branco.

Último Registo, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Artesão esculpe uma lápide na sua loja.

Entre outros, encontramos Lê Van Luc que faleceu em 2001 com 72 anos. Nguyen Thi Hat que morreu em 1954.

E, para nossa surpresa, Anna Duong Tu Huong, uma católica com óbito declarado em 12.3.1982, que é abençoada por várias ilustrações sacras da Nossa Senhora mas que, à falta de imagem mais credível, surge com a face temporária de Britney Spears.

Também não é o espanto que nos demove. Alguns quarteirões abaixo, damos por fim com uma área com lojas de roupa desportiva. Compramos Polartecs de qualidade razoável .

De Volta ao Caos do Âmago de Hanói

O conforto recém-adquirido e o mapa da cidade com que andamos munidos inspiram-nos a regressarmos ao centro por um caminho diferente.

Essa alternativa prenda-nos com a visão excêntrica de uma rua ocupada por barbeiros, todos eles instalados contra um muro, sob a protecção de pequenas lonas amovíveis.

Apesar de estarmos na estação mais fria do norte do Vietname, a julgar pela quantidade de cabelo acumulado no solo, o negócio vai de vento em popa. Reclama máxima dedicação de cada artista.

Barbearia, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Barbeiro de rua capricha no corte de cabelo de um cliente de Hanói

De novo nas imediações do lago Hoam Kiem, o ruído do trânsito reforça-se. Um motoqueiro solitário destaca-se do lado oposto do jardim.

Durante a Guerra do Vietname, toda a era Comunista e, até há algum tempo, qualquer motorizada realizava os sonhos mais descabidos dos vietnamitas. Após a fusão do norte com o sul e da abertura do país às virtudes capitalistas – que, em parte, seguiu os moldes chineses – o poder financeiro vietnamita aumentou sobremaneira.

Como aumentaram as ambições dos vietnamitas que se atreveram a querer mais e mais. Sobre um assento largo de couro, apoiado no guiador cromado, elevado e com franjas de pele penduradas, um jovem de Hanói parece ter acabado de realizar um dos seus sonhos.

Exibe uma nova Harley Davidson à cidade, indiferente às motoretas e scooters banais que por ali passam.

O Trânsito Caótico de Hanói, Visto das Alturas

Pensamos em regressar à guest-house que nos hospeda mas, reparamos num bar instalado num terraço ao ar livre no topo de um prédio.

Tínhamos já enfrentado e vencido o caos harmonioso do trânsito de Hanói. Tínhamos também presenciado um dos seus incidentes. Estava na altura de o admirarmos e celebrarmos.

Repouso patriótico

Empregado de um restaurante observa a cidade apoiado à bandeira vietnamita, bem acima do caos de Hanói

Sem pressas, sem frio ou outro tipo de limitações, subimos às alturas comunistas do edifício. Instalamo-nos numa mesa com vista para as avenidas em frente.

Saboreamos a cerveja “Hanói” e ficamos a apreciar as motas, as bicicletas, os carros e os peões a fluirem no famoso caos ordenado da cidade.

Cidade sem lei, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname

Um cruzamento de caos auto-gerido, de Hanói.

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.
Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Cidades
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Cultura
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno
Em Viagem
DMZ, Dora - Coreia do Sul

A Linha Sem Retorno

Uma nação e milhares de famílias foram divididas pelo armistício na Guerra da Coreia. Hoje, enquanto turistas curiosos visitam a DMZ, várias das fugas dos oprimidos norte-coreanos terminam em tragédia
Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
Étnico
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Moai, Rano Raraku, Ilha Pascoa, Rapa Nui, Chile
História
Rapa Nui - Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão ilha da Páscoa faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de moais observadores permanece envolta em mistério.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Ilhas
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Natureza
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Parques Naturais

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Solovestsky Outonal
Património Mundial UNESCO
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES