English Harbour, Antigua

Docas de Nelson: a Antiga Base Naval e Morada do Almirante


Rampa para o Céu
Ao Vento das Antilhas
A Vista de Shirley Heights
Canal Adentro
Sala de Estar
As Docas de Nelson
Árvore do Viajante
Legado Telefónico Britânico
Canhãozito
Antiga Casa dos Oficiais
Mina, da Padaria
Admiral Inn
Os Pilares
Mini-Navegação
No Abrigo da Enseada
No século XVII, já os ingleses disputavam o controle das Caraíbas e do comércio do açúcar com os seus rivais coloniais, apoderaram-se da ilha de Antígua. Lá se depararam com uma enseada recortada a que chamaram English Harbour. Tornaram-na um porto estratégico que também abrigou o idolatrado oficial da marinha.

Uma derradeira ladeira conduz-nos ao limiar meridional da ilha de Antígua.

A sudoeste, encontra-se a malograda ilha de Montserrat que o vulcão Soufriére transformou no único território à face da terra com uma capital oficial arruinada e abandonada.

A sul, fica Guadalupe, ao contrário de Montserrat e de Antígua, durante a era colonial destas partes e hoje, francesa.

Guadalupe e a rivalidade francesa tiveram forte relevo na função do English Harbour e das Docas de Nelson que subíamos ansiosos por descobrir.

Ao conquistarmos o cimo panorâmico de Shirley Heights, virados para o norte, é sobretudo a orografia intrincada, o relevo dos fundos de Antígua e a intimidade que mantém com o oceano Atlântico tropical, que nos deslumbra a 360º.

A Vista Icónica do Alto das Shirley Heights

Exposta aos ventos Alísios, à humidade soprada de leste e à do Mar das Caraíbas oposto, Antígua passa o ano sem algo que se possa equiparar a uma época seca.

Dali, para baixo e por diante, também se estende o resultado vegetal da sua abundante pluviosidade.

Por sorte e pouco mais que isso, nesse início de manhã do meio de Novembro, passa sobre Antígua o que sobrava de uma depressão, de um mau tempo que havia irrigado outras paragens. Retalhos alvos e brilhantes de nuvens fluem sobre a paisagem. Impõem-lhe um sombreado rolante.

Daquele alto, contemplamos a enseada em forma de meia-lua, encerrada por um promontório menos elevado que o que tínhamos conquistado. Desse plano sobranceiro, percebíamos que atrás se escondia uma outra, apuramos, no mapa, que a de Falmouth Harbour.

Doze ou treze veleiros ancorados salpicavam o mar translúcido mais próximo, o de English Harbour.

Onde este estreitava para uma sua extensão oriental, em vez de apenas veleiros, víamos também grandes iates, maiores que a linha de edifícios seculares que justificavam a sua presença.

As alturas de Shirley Heights honram Sir Thomas Shirley, um dos governadores das Ilhas do Sotavento. Hoje, são conhecidas por revelarem a vista e o ocaso mais emblemáticos de Antígua.

O seu cenário tornou-se de tal maneira notório na esfera colonial britânica que, durante décadas, teve direito ao seu próprio selo nas colecções monárquicas de “fine mints”.

Num contexto contemporâneo substancialmente mais lúdico que o da filatelia, entre as 4 e as 10 pm de Domingo, as Shirley Heights acolhem uma das Come Parties memoráveis do Caribe.

Antígua e a Era Colonial, na Posse dos Britânicos

Em plena era colonial, claro está, a beleza do cenário e as festas pouco preocuparam os comandantes militares e governadores que por ali passaram.

No início do século XVII, os britânicos disputavam, palmo a palmo com os franceses e os Holandeses, cada Antilha e a supremacia no vasto domínio caribenho.

Em 1632, os britânicos apoderaram-se do arquipélago de Antígua e Barbuda. Antígua, em particular, revelou-se uma preciosidade estratégica.

O sul de Antígua por onde andávamos permitia-lhes acompanhar os movimentos dos gauleses a sul, a partir da ilha de Guadalupe. O que então estava em causa era bem mais que a mera posse das ilhas.

Por essa altura, os holandeses, os ingleses e os franceses procuravam expandir, nos seus territórios tropicais, o cultivo da cana-de-açúcar que, ainda no século XV, os portugueses desenvolveram na ilha da Madeira e nas de São Tomé e Príncipe.

De clima quente e húmido, as também denominadas Índias Ocidentais depressa se provaram perfeitas para a produção do apreciado, ainda raro e valioso açúcar.

Ora, conscientes da riqueza “açucarada” que cada ilha repleta de cana-de-açúcar poderia garantir às respectivas Coroas, cada potência fez tudo o que podia para se apoderar e preservar o maior número de ilhas. Por as dotar dos escravos que assegurariam a mão-de-obra e, no fim de contas, o lucro.

À partida, Antígua seria apenas mais uma ilha com esse potencial. A localização privilegiada no mapa das Índias Ocidentais e a sua crescente prosperidade decretou-a um alvo constante que os Britânicos tudo fizeram para defender.

Mas não só.

English Harbour e Antígua: uma Mesma Localização Estratégica nas Pequenas Antilhas

Tendo em conta que então, como agora, de Maio a Novembro, sucessivos furações e tempestades tropicais fustigavam as diversas ilhas, isolados do Atlântico e do Mar das Caraíbas, os dois “harbours” que admirávamos formavam abrigos inestimáveis.

Os anos passaram. Em 1671, deu-se a primeira entrada registada de um navio britânico no English Harbour, requisitado à Coroa para uso do governador das então apelidadas de Ilhas do Sotavento, já percorridas por piratas amiúde patrocinados pelas nações rivais e determinados a pilhar e/ou afundar os navios que alvejavam.

De acordo, as autoridades dotaram Antígua de dezenas de fortes. Em 1704, decidiram-se a erguer um à entrada de English Harbour. Baptizaram-no de Fort Berkeley. Tanto o forte como a enseada também protegida por Natureza, se mantiveram à altura das expectativas.

Decorreram duas décadas. Consciente da segurança que garantia aos navios, a Marinha Real Britânica passou a ancorar no English Harbour em contínuo. Em Setembro de 1723, o porto viu a sua reputação reforçada.

De Abrigo de Furações a Base Naval da Marinha Real Britânica

Um furacão poderoso projectou contra a costa e danificou mais de trinta navios ancorados noutros portos e pontos em redor da ilha. Ao invés, os dois únicos navios de Sua Majestade abrigados em English Harbour resistiram incólumes.

Daí em diante, sempre com recurso a trabalho escravo, a Marinha Real Britânica dedicou-se a a dele fazer uma base naval e estaleiro.

Aos poucos, a importância do porto ajustou-se à do açúcar.

Satisfeitos com a elevação visual das Shirley Heights, regressamos ao nível do mar. A entrada no complexo obriga-nos a contornar o recorte caprichoso no cimo da enseada.

Nelson Dockyards. As Docas que Acolheram o Almirante

Na base do promontório que a delimita, uma tal de Dockyard Drive cruza um istmo verdejante e conduz-nos de volta à beira de um braço de mar com água tão tranquila que faz de espelho.

Instantes depois de deixamos para trás o Eastern Caribbean Amalgamated Bank, damos com os primeiros edifícios do conjunto, erguidos em 1788, recentemente restaurados da ruína até uma imaculada elegância.

De tal maneira fidedigna que, em 2016, a UNESCO lhe concedeu o estatuto de Património da Humanidade.

Os antigos armazéns e loja do piche e alcatrão, bem como os da pólvora foram convertidos numa pousada faustosa de quatro estrelas, a Admiral’s Inn and Gunpowder Suites e o seu restaurante “Boom”.

Tem a concorrência de um outro baptizado de Copper & Lumber Store, de acordo com o lugar em que era guardado o cobre que revestia o fundo dos navios e a madeira, aproveitado pelos marinheiros para esticarem as suas redes de dormir.

Adornam-nos distintas palmeiras, várias das quais imperiais. Com os anos, as palmas cresceram acima de uma linha de pilares de pedra icónicos, originalmente dispostos para susterem a Casa dos Barcos e Sotão das Velas, a que um furacão de 1871 furtou o telhado.

Segue-se o Museu das Docas, instalado na casa victoriana arejada que albergou os oficiais da Marinha Real Britânica e que melhorou as condições em que eram alojados nos seus anteriores aposentos.

Entre 1784 e 1787, um deles foi o Almirante Horatio Nelson.

A Missão de Horatio Nelson na Ilha Desafiante de Antígua

Em redor dos seus 27 anos, Nelson viu-se nomeado capitão do “HMS Boreas”, enviado para Antígua com a missão de desenvolver as instalações locais e de impor o cumprimento das leis britânicas numa conjuntura em que uma anarquia comercial, aproveitada por piratas e corsários, parecia estabelecer-se.

Nelson chegou a ocupar o posto de Comandante Supremo das Ilhas do Sotavento. Nesse período, deparou-se com tal resistência à sua missão que desabafou que a ilha de Antigua pouco mais era que um lugar vil.

Contados dezoito outros anos de experiência naval, Nelson garantiria para os Britânicos um triunfo improvável sobre uma armada franco-espanhola maior na Batalha de Trafalgar.

Decisiva, essa vitória granjeou-lhe um prestígio indisputado. E inúmeras honrarias de que o posterior baptismo das Docas de Antígua com o seu nome pouco se destaca.

Cansados de identificarmos os edifícios e a suas funções, as antigas e as actuais, optamos por cirandar pelas instalações, a absorvemos a atmosfera que por ali se respira.

Marinheiros dos nossos tempos, endinheirados ou até milionários, lavam ou mandam lavar os conveses e outras partes vulneráveis ao sal dos seus veleiros e iates, alinhados em redor das docas.

Um ou outro, trocam peripécias das navegações recentes, de olhos curiosos nos barcos que dão entrada. Esta nova vida das Nelson Dockyards é recente.

O Declínio Colonial, o Abandono e a Merecida Recuperação

Em 1883, o acto de Abolição da Escravatura pôs cobro ao trabalho forçado dos africanos.

Precipitou o declínio do comércio do açúcar e fez os ingleses virarem a sua atenção para outras partes lucrativas do Mundo.

Seis anos volvidos, abandonaram a Base Naval e as docas aos elementos e aos recorrentes furacões.

A recuperação das Docas de Nelson só zarpou em 1950, financiada pela Society of Friends of English Harbour, durou uma década.

Em 1982, entre os seus requintados frequentadores contaram-se Simon Le Bom e restantes membros dos Duran Duran, todos amantes do mar e da vela.

A banda filmou em Shirley Heights e em English Harbour o vídeo do seu êxito “Rio”, em parte, a bordo de um veleiro fundeado em Antígua de nome “Eilean”.

Daí para cá, inúmeros outros momentos de fama de lá irradiaram.

English Harbour é, por exemplo, a sede de duas das competições de vela mais conceituadas do Mundo, a Antigua Sailing Week e Antigua Charter Yacht Meeting.

Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas

Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.
Montserrat, Pequenas Antilhas

A Ilha do Vulcão que se Recusa a Adormecer

Abundam, nas Antilhas, os vulcões denominados Soufrière.  O de Montserrat, voltou a despertar, em 1995, e mantém-se um dos mais activos. À descoberta da ilha, reentramos na área de exclusão e exploramos as áreas ainda intocadas pelas erupções.  
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Soufriére e Scotts Head, Dominica

A Vida que Pende da Ilha Caribenha da Natureza

Tem a fama da ilha mais selvagem das Caraíbas e, chegados ao seu fundo, continuamos a confirmá-lo. De Soufriére ao limiar habitado sul de Scotts Head, a Dominica mantém-se extrema e difícil de domar.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Ilha do Pico, a oeste da montanha, Açores, lajes do Pico
Ilhas
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Natureza
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Sal Muito Grosso
Parques Naturais
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Em plena costa do Ouro
Património Mundial UNESCO
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.