Soufriére e Scotts Head, Dominica

A Vida que Pende da Ilha Caribenha da Natureza


A Soufriére da Selva
irmãs na Bubble Beach SPA
Abençoada Soufriére
St. Mark rumo aos Céus
Soufriére nos fundos da Dominica
soufriere-dominica-bubble-beach-spa-banhista
Baía de Soufriére
O Mural do Altar
O Forte de Scotts Head
Scotts Head
Aventuras sobre o Pôr-do-sol
Tem a fama da ilha mais selvagem das Caraíbas e, chegados ao seu fundo, continuamos a confirmá-lo. De Soufriére ao limiar habitado sul de Scotts Head, a Dominica mantém-se extrema e difícil de domar.

Já andávamos com uma semana de Dominica.

Nesse tempo, aos poucos, descemos do quase extremo norte de Portsmouth e do Parque Nacional Cabrits até meio da costa leste. Logo, cruzámos para a costa contrária.

Fizemos da capital Roseau, uma espécie de base operacional para o ocidente.

Uns dias depois, decidimo-nos a sair à descoberta dos fundos da Dominica.

A Dominica de Montanha Verdejante entre Roseau e Soufriére

A sua configuração de grande ilha-montanha luxuriante, despontada entre o Mar das Caraíbas e o oceano Atlântico faz da Dominica uma nação complicada de dotar de estradas. Uma vez mais, o trajecto pela Loubiere Road confirma-se o único possível. Às vezes, parece até inviável, conquistado à lei de dinamite às falésias abruptas.

Passamos a pedregosa Champagne Beach. A Loubiere Road torna-se ainda mais sinuosa e oscilante. Interna-se numa selva íngreme e densa que, como a víamos, até os animais terão dificuldade em habitar.

Decorridos quase vinte minutos sem vislumbrarmos o mar, atingimos um alto panorâmico. Para sul e para nosso completo deslumbre, desvendava-se uma baía imensa, fechada a leste por novas montanhas, as derradeiras da ilha, tão elevadas e verdejantes como as anteriores.

Dali, uma inesperada visão marca uma súbita diferença. Semi-escondida por copas destacadas, numa secção suavizada da encosta quase despromovida a laje, surgia um casario de todas as cores.

À Descoberta da Pitoresca Soufriére

Estávamos às portas de Soufriére. Faltava-nos dar com o litoral amornado no seu sopé.

Cruzamos a fronteira da paróquia de Saint Luke para a de Saint Mark. Instantes depois, abençoa-nos a torre de uma igreja, erguida em honra do último destes santos.

Soufriére abriga quase mil e quinhentos dominiquenses. Àquela hora da tarde, em redor do templo e no seu interior, não encontrávamos vivalma.

Sobrevoavam-nos fragatas e esquadrões de pelicanos, de olho na água translúcida ao largo. Deixamos outro deles adiantar-se.

Quando uma nuvem branca flui acima do morro bicudo que encerrava a baía e deixa o casario à sombra, damos entrada na nave deserta.

Luz filtrada pelos vitrais das janelas faz destacar um altar peculiar que nos intriga e convoca.

Centrada num expectável Cristo na Cruz, uma pintura mural ilustra as gentes e vivências da ilha, fiéis que fazem por merecer a protecção do Salvador.

À esquerda, as comunidades afro-descendentes do interior, da montanha e da selva, cultivadores de vegetais, de fruta, beneficiários da fertilidade vulcânica e tropical da ilha que celebravam ao ritmo de tambores.

À direita de Cristo, os homens do mar de Soufriére, a puxarem redes de pesca do oceano. Um estandarte que cobre o púlpito usado pelo padre promove o lema “Mordomia, um Modo de Vida”.

Com a curiosidade religiosa satisfeita, voltamos ao exterior da povoação, em busca das suas expressões mundanas.

Soufriére e o seu Bubble Beach SPA, Um Retiro Balnear e Borbulhante

Só uns poucos metros separavam a igreja da beira-mar e de um areal terroso banhado por um mar com visual de lago.

Ao pisarmos esse areal, deparamo-nos com uma estrutura balnear improvisada em madeira e pneus pintados.

Um abrigo do sol separa um vestiário de um bar providencial. Já quase sobre a linha de água, um banco identifica um ponto fotográfico.

E um rectângulo feito de cimento e sacos de areia que se interna no mar, delimita umas caldas vulcânicas borbulhantes que o amornavam e que justificam o nome inglês do lugar “Bubble Beach Spa”.

Durante algum tempo, somos os únicos a frequentá-lo. Até que, do nada, surgem duas irmãs dos seus 11 ou 12 e 15 ou 16 anos. Reguilas e irrequietas, num óbvio momento de evasão do lar e da escola.

Já em modo anfíbio, nas termas, aproveitavam para pregarem sucessivas partidas uma à outra, empurrões, amonas e beliscões. Tudo o que lhes passasse pela mente e que servisse de distração.

Sossegam um pouco quando nos veem meter na água e fazer-lhes companhia, a partir de então, intrigadas com a nossa disparidade visual, com as máquinas fotográficas que segurávamos, de onde vínhamos e o que por ali fazíamos.

Tagarelamos um pouco, com as oscilações na temperatura da água a gerarem sucessivas gargalhadas.

No entretanto, a uma hora que nos pareceu pós-laboral ou pós-escolar, um grupo de jovens expatriados afluiu à praia.

E lá inaugurou um convívio na expectativa do ocaso, regado a rum punch e a cerveja Kubuli, baptizada com o termo que os indígenas caribes davam à Dominica e que tem o mapa da ilha no centro do seu rótulo.

De Soufriére para Sul, em Busca dos Fundos da Dominica

A animação do “Bubble Beach Spa” seduzia-nos a por ali ficarmos. Por outro lado, tínhamos consciência que ainda só estávamos no cimo norte da Baía de Soufriére.

Havia uma vastidão arredondada e florestada a separar-nos do limiar meridional da ilha. Ora, tínhamos partido de Roseau com a missão fotográfica de o explorar.

De acordo, despedimo-nos das irmãs com um “até breve”, sem estarmos certos de se as voltaríamos a ver.

Retornamos ao carro. Metemo-nos na estrada marginal que acompanha a baía, pelo sopé da montanha.

Soufriére estende-se por algumas centenas de metros mais. Logo, interpomo-nos no confronto entre selva e mar, com as vagas a embaterem no paredão e, aqui e ali, a salpicarem o asfalto.

Três quilómetros e meio separavam Soufriére do fundo da Dominica. Com a distância quase completa, damos com novo casario.

O derradeiro da ilha, pertencente à aldeia piscatória que, em tempos, ali se aventurou. E que acabou por ficar: Scotts Head.

Scotts Head e o Derradeiro Casario da Dominica

Com pouco mais de 700 moradores, esta povoação deve o seu nome a George Scott, um coronel que, em 1761, participou na força expedicionária britânica que capturou a Dominica aos franceses.

E que foi promovido a governador da ilha, entre 1764 e 1767, apenas para ver os franceses recapturarem-na em 1778.

Apostado em evitar tal revés, Scott supervisionou a construção de um forte no topo da península curva nos fundos da Dominica.

É para lá que nos dirigimos primeiro, de imediato, espantados com a vista incrível sobre a terra-base em frente e, em especial, com o casario sortido que se empoleirava pela sua floresta acima.

Tanto o casario como o istmo são banhados por dois mares que, não fosse aquela faixa irrisória de ilha, se tocariam.

Do cimo da península que os indígenas Caribe tratavam por Cachacrou (“chapéu que é comido”), entre canhões e sobre uma colónia de limpa-garrafas oscilantes, admiramos o Mar das Caraíbas translúcido, a norte e a oeste.

E a sul e a leste, o ligeiramente mais agitado oceano Atlântico.

Uma família de dominiquenses, emigrados e de visita à ilha, vive um deslumbre comparável ao nosso. O deles, pejado de saudade e de emoções derivadas.

Nós, continuávamos intrigados com o porquê de aquele povoado ali se ter instalado.

A explicação obriga-nos a voltar à história de Scott e à disputa França vs Grã-Bretanha pelas Índias Ocidentais.

Scotts Head e a História Dominiquense de George Scott

Depois dos Britânicos terem tomado a ilha, os seus habitantes franceses deram um contributo à reconquista francesa. Na iminência do ataque da frota gaulesa enviada da ilha de Martinica, um grupo destemido levou a cabo uma visita à guarnição inimiga, ávida de companhia.

Como resultado, conseguiram embriagar os soldados de guarida e, não bastasse, sabotaram os canhões do forte com areia.

Até ao fim desse dia, os franceses submeteram o forte e, não tarda a Dominica.

Por pouco tempo. Cinco anos mais tarde, o complexo Tratado de Versalhes, forçou-os a oferecer a Dominica aos Britânicos, algo duplamente frustrante se tivermos em conta que a ilha se situar entre duas ilhas francesas, Guadalupe e Martinica.

Com o tempo e o conformismo ao domínio britânico, as gentes e os lares da entretanto denominada Scott’s Head, continuaram a aumentar, com a vida simplificada pela pesca fácil e pelo acesso directo de ambos os mares.

A Riqueza Tropical e Caribenha da Soufriére Scotts Head Marine Reserve

Em tempos já bem posteriores à independência de Dominica, de 1978, a sua morada na Baía de Soufriére prendou-os com novos benefícios. A baía jaz sobre uma cratera vulcânica submersa.

As suas águas têm uma fauna e flora de tal maneira ricas que as autoridades dominiquenses as declararam uma reserva marinha. Hoje, a Soufriére Scotts Head Marine Reserve é procurada e percorrida por milhares de mergulhadores ansiosos.

O influxo de dinheiro que este turismo acrescentou, fez com que boa parte dos moradores tivessem abandonado a pesca ou a pratiquem apenas em momentos de evasão e lazer, algo que parecia estar para durar, quando voltamos a Soufriére e à sua pitoresca “Bubble Beach Spa”.

O ocaso a ocidente tinha-a já transformado numa completa silhueta. Composta dos muito convivas que falavam de pés na água ou se banhavam.

E a das irmãs irrequietas que, para nosso espanto, continuavam no seu corre para cá e para lá, em puxões e empurrões.

Sem razões para apressarmos o regresso a Roseau, voltamos a meter-nos naquele Mar das Caraíbas alisado e prateado. E a submeter-nos a sua companhia.

Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Montserrat, Pequenas Antilhas

A Ilha do Vulcão que se Recusa a Adormecer

Abundam, nas Antilhas, os vulcões denominados Soufrière.  O de Montserrat, voltou a despertar, em 1995, e mantém-se um dos mais activos. À descoberta da ilha, reentramos na área de exclusão e exploramos as áreas ainda intocadas pelas erupções.  
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas

Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Christiansted, St. Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Capital das Antilhas Afro-Dinamarquesas-Americanas

Em 1733, a Dinamarca comprou a ilha de Saint Croix à França, anexou-a às suas Índias Ocidentais em que, com base em Christiansted, lucrou com o trabalho de escravos trazidos da Costa do Ouro. A abolição da escravatura tornou as colónias inviáveis. E uma pechincha histórico-tropical que os Estados Unidos preservam.
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
praca registao, rota da seda, samarcanda, uzbequistao
Cidades
Samarcanda, Uzbequistão

Um Legado Monumental da Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Uzbequistão.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Selfie, Hida do Japão Antigo e Medieval
História
Takayama, Japão

Takayama do Japão Antigo e da Hida Medieval

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.
Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
Ilhas
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Espargos, ilha do Sal, Cabo Verde
Natureza
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Parques Naturais
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Património Mundial UNESCO
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Praias
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Sociedade
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.