Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes


Postas
O bacalhau é um dos alimentos locais da Noruega e de Balestrand. Também é exportado em enormes quantidades para Portugal.
Barquinhos
Pequenos barcos a remos garridos à entrada do Esefjord.
A Casa do Dragão
Uma das casas de arquitectura tradicional mais imponentes de Balestrand, a Casa do Dragão.
Sognefiorde adentro
Uma das casas servidas por pontões particulares da marginal de Balestrand.
Quase em casa
Casal rema em frente à fachada principal do Hotel Kviknes.
O assento do Kaiser
Sigurd Kviknes, um dos donos do hotel Kviknes mostra a cadeira usada pelo Kaiser Guilherme II quando lhe foi comunicado o despoletar da 1ª Guerra Mundial.
Fé de Madeira
Interior da igreja de Santo Olavo, também conhecida por inglesa.
A Igreja Inglesa
A igreja de madeira de Santo Olavo, também conhecida como "Inglesa" por ter sido erguida em homenagem a Elisabeth, uma inglesa falecida em Balestrand.
Em estilo dragão
Cimos de fachadas de casas tradicionais em arquitectura de inspiração viquingue "dragão".
Bele Pensativo
Estátua de bronze do rei lendário Bele, em contemplação do Sognefjord.
Lares de Balestrand
Secção da marginal de Balestrand com vários edifícios tradicionais
São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.

A varanda do quarto do Hotel Kviknes revela-nos o braço profundo do Esefjord.

Delimitam-no montanhas pardas de neve tardia. E percorrem-no novelos de humidade que pairam bem abaixo dos cumes, como que a desafiar a sua supremacia milenar.

Por volta das sete daquela tarde sem fim, fazemos fé na misericórdia da meteorologia. Agarramos nas mochilas com a tralha fotográfica e saímos sem rumo.

Não chegamos a caminhar quinze minutos. Ainda em plena rua Laerargata, as mesmas nuvens plúmbeas que admiravámos da varanda do quarto, descarregam todo um dilúvio. Mal conseguíamos ver a rua por diante quanto mais os cenários e a vida local que contávamos apreciar.

Cansados de sucessivos despertares e deitares madrugadores, a precisarmos de recuperar energias e o ânimo, batemos em retirada.

Aguardava-nos um jantar revigorante. Mas não só. Ainda nos refazemos da molha quando o telefone do quarto toca. Confirmam-nos um encontro já antes marcado com o proprietário do hotel.

O Périplo pela História Secular do Hotel Kviknes

Sigurd Kviknes identifica-nos. Sigurd é um dos descendentes de quarta geração da secular e profícua família Kviknes que assumiu o controle do hotel em 1877. Também é general manager do negócio, a par das suas irmãs Marta e Kari.

Sigurd assume o papel de cicerone. Conduz-nos pelas salas históricas do seu estabelecimento num modo de visita de museu.

As paredes do Kviknes Hotel estão repletas de quadros. Quadros dos pintores famosos que, a determinada altura, lá se hospedavam ou que construíam casas na povoação. Artistas que se cruzavam em Balestrand determinados a pincelarem paisagens para a eternidade.

Sigurd apresenta-nos naturezas, sobretudo fiordes, de Hans F. Gude, Johannes Flintoe e Hans Dahl. Além das naturezas, retratos dos Kviknes ancestrais.

Espreitamos ainda o Hoivik Room, assim baptizado em homenagem ao artesão Ivar Hoivik que criou inúmeras peças de mobiliário e decorativas em madeira esculpida em estilo viquingue-norueguês dragenstil, que é como quem diz, do dragão.

Hoivik foi ainda responsável por muitas das molduras e trabalhos que enfeitam as casas mais antigas de Balestrand.

Sigurd prossegue com a sua apresentação. Sala após sala, quadro após quadro, chegamos a um episódio do acolhimento histórico do hotel que nos faz redobrar a atenção.

Os Kviknes receberam realezas, presidentes e primeiros-ministros, estrelas de cinema e outros artistas dos quatro cantos do mundo, incluindo Kofi Annan, Kirk Douglas e Tony Curtis.

O Destino de Férias Favorito do Kaiser Guilherme II

Fascinou-nos em particular a estória local de Guilherme II, o último Imperador da Alemanha e rei da Prússia. A sua paixão pela Noruega e pela magnificência dos fiordes era tal que o Kaiser Wilhem se tornou um dos visitantes mais frequentes da região. Guilherme II chegou a confessar que a Noruega preservava o encanto genuíno e tradicional que a Alemanha nunca devia ter perdido.

Visitou Balestrand quase todos os anos entre 1889 e 1914. Nessas ocasiões, foi cliente do hotel, não hóspede. Sigurd explica-nos que Guilherme II chegava a bordo do seu iate imperial de 120 metros Hohenzollern II e lá dormia e saía para explorar o entorno.

Guilherme II perdia-se de amores pelo mar. De tal maneira que o tempo total que passou a viajar neste iate perfez vários anos.

Por norma, o imperador ancorava em Balestrand, em Julho. Costumava ficar até Agosto. No primeiro ano, teve a companhia da mulher. Foi caso único e correu mal. Daí em diante, preferiu cercar-se de um grupo de oficiais que escolhia a dedo para conviver nas festas e passeatas a que se entregava.

Uma equipa de fotógrafos, registava as suas evasões. Guilherme II tinha o seu papel de líder germânico em boa conta. Fazia questão de se documentar como as vedetas dos filmes. E só se submetia à fotografia quando achava que a luz o glorificava.

Abunda, em Balestrand, esse tipo de brilho. De cada vez que o sol espreita por entre as nuvens densas e azuladas, tinge os fiordes daquele fulgor cromático que Hans Dahl, Adelsteen Normann e compinchas ou rivais da pintura ansiavam por capturar nas telas.

Adelsteen Norman viveu, trabalhou e divulgou os seus quadros a partir de Berlim. Sem surpresa, as suas pinturas dos fiordes tiveram enorme influência na popularidade da Noruega entre os alemães, a começar pelo Kaiser Guilherme II.

O Eclodir da 1ª Guerra Mundial que Arruinou as Férias do Kaiser

Em Julho de 1914, Guilherme repetia o habitual retiro de Balestrand. No dia 25, pela tarde, visitava o amigo professor e pintor Hans Dahl na sua propriedade de Strandheim.

Durante o convívio, recebeu notícias do agravamento político-diplomático entre a Áustria-Hungria e a Sérvia, despoletado pelo assassínio do arquiduque prussiano Franz Ferdinand, quase um mês antes.

“Estava sentado nesta mesma cadeira” informa-nos Sigurd Kviknes e levanta o seu assento para nos mostrar um escrito em norueguês na base do assento que o comprova. “a minha família conseguiu comprar a cadeira num leilão.

E aí está. Nos dias anteriores, agastado pela perspectiva de interromper o seu sagrado retiro, o Kaiser fez todos os possíveis para desprezar o agravar dos eventos. Quando a Áustria-Hungria tornou o conflito militar, viu-se mesmo obrigado a partir de volta à Alemanha.”

Seguiram-se os quatro anos da 1ª Guerra Mundial e, em Novembro de 1918, a derrota da Alemanha, a abdicação do Kaiser e o exílio na Holanda e na Grécia. Guilherme II não voltaria à sua amada Balestrand.

Uns instantes de conversa depois, também Sigurd dá por encerrado o périplo. Despedimo-nos. Mesmo se nos mantivemos alojados no seu Kviknes Hotel até meio da tarde seguinte, não o voltaríamos a ver.

Para Cá e Para Lá, pelas Ruas de Balestrand

Nessa mesma noite, jantamos, senão como imperadores, pelo menos como reis, no salão de refeições grandioso do Kviknes Hotel. Durante o repasto, apresentam-nos Sandra, uma compatriota das imediações de Corroios que trabalhava na cozinha.

O novo dia amanheceu disposto a fazer esquecer a véspera, solarengo como já não pensávamos possível por aquelas paragens.

Aproveitamos a benesse para completarmos a caminhada que a chuvada do entardecer anterior tinha frustrado. Começamos por percorrer o caminho Kong Beles Veg.

Admiramos a imponência de madeira das suas vivendas coloridas, a Dragon House excêntrica de Hans Dahl e as bem mais convencionais na marginal de Balestrand.

Boa parte delas, surgem dotadas de ancoradouros privados que se projectam pelo Mar do Sognefiord adentro. Algumas, têm a enriquece-las os rendilhados incríveis criados por Ivar Hoivik ou, pelo menos, inspirados no seu trabalho.

Incluem elementos recuperados dos tempos viquingues, das suas sagas e mitologia.

A Igreja “Inglesa” de Santo Olavo

Uns metros acima, destaca-se das vivendas a igreja anglicana de Santo Olavo, o rei da Noruega entre 1015 a 1028, responsável pela cristianização da nação.

Esta igreja com visual medieval é também conhecida como A Igreja Inglesa. Isto, por ter sido erguida por Knut Kvikne em honra da sua esposa inglesa, Margaret Sophia Green Kvikne. Margaret era filha de um padre inglês, uma das muitas turistas britânicas que visitavam Balestrand nos finais do século XX.

Em 1894, meros quatro anos após casar com Knut, Margaret adoeceu com tuberculose e faleceu. Em sua homenagem, Knut Kvikne tornou realidade o sonho que a esposa lhe tinha confessado de ver uma igreja inglesa em Balestrand.

Hoje, durante o Verão, a elegante Igreja Inglesa acolhe serviços todos os Domingos, incluindo casamentos. Recebeu-nos ainda a nós e acolhe todos os forasteiros recém-desembarcados que a espreitam. Nas outras estações do ano, são apenas levados a cabo serviços religiosos quando os moradores de Balestrand chegam a acordo.

Ciderhuset: Cidra de Balestrand Para Todos os Gostos

À falta de missa, subimos a íngreme Sjotunsvegen apontados a uma prova de cidra proporcionada por uma das principais produtoras locais, a Ciderhuset. À imagem do hotel Kviknes, esta empresa é gerida em modo familiar, neste caso, pela família Høyvik Eitungjerde.

Com toda a minúcia e paciência do mundo, o anfitrião Age apresenta-nos a sua cidra em copinhos alinhados, mais pálida ou dourada consoante o tempo de fermentação e uma série de outros factores que ditavam a intensidade de sabor, a acidez, tudo isto à boa maneira de qualquer prova de vinho, só que feito de cidra.

Deixamos a Ciderhuset por volta das duas e meia da tarde. Pouco abaixo, de novo na iminência da baía, damos com a estátua imponente de Bele, um rei viquingue com estatuto lendário na Noruega e que, não se sabendo de onde era oriundo, subsiste no imaginário dos noruegueses como tendo vivido nestes confins sulcados e montanhosos.

Fridtjof the Bold, Bele e o Imaginário Viquingue da Noruega

A estátua rivaliza com a do rei Fridtjof the Bold, esta encomendada pelo Kaiser Guilherme II a um artista amigo e erguida, em 1913, na aldeia de Vangsnes.

Em Balestrand, o majestoso rei Bele de bronze resiste, pensativo, sobre uma base de granito, a contemplar a longínqua ponta de Vangsnes e a bifurcação do Sogneford que ali se estabelece.

Aos poucos, passo a passo, acercamo-nos do vértice ribeirinho em que tínhamos desembarcado na povoação e em que Balestrand encara os vários fiordes que a acolheram. Contornamos o Museu Norueguês das Viagens e entramos na rua Holmen. A caminho da doca dos ferries, confrontamo-nos com uma roulotte-gelataria gerida por adolescentes que tentam animar com tropelias o tédio a que se viram votados.

Um pouco acima, por detrás do Aquário de Sognefjord, entre um núcleo de casas vermelhas, encontramos bacalhau a secar num estendal. Ostenta o visual salgado que nos é tão popular e que a Noruega há seculos renova em Portugal.

Vários barcos a remos servem este núcleo habitacional. Um deles está pintado com uma paleta de cores psicadélica mas que combina com a bandeirinha norueguesa que ondula sobre a popa.

A essa hora, a bonança meteorológica da manhã já cedera à atmosfera azulada e tempestuosa que quase sempre escurece o labirinto de fiordes em redor: o Esefjord para noroeste, o mais curto de todos.

A sul, o Sognefjord, o mais longo e mais profundo da Noruega, orientado tanto para ocidente – onde encontra o Mar do Norte – como para leste. A norte, o Vetlefjord, com meros seis quilómetros de extensão, quase paralelo a um outro bem mais longo, o Fjaerlandsfjord.

Com as cinco da tarde e o ferry proveniente de Flam a aproximarem-se, precipitamos o regresso ao Kviknes Hotel,  agarramos nas malas e corremos de volta ao porto por onde tínhamos andado. Instantes depois, embarcamos para a navegação Sognefjord abaixo.

Só desembarcaríamos às nove da quase-noite boreal, no grande porto ex-hanseático da Noruega: Bergen.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Anoitecer no Parque Itzamna, Izamal, México
Cidades
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
khinalik, Azerbaijão aldeia Cáucaso, Khinalig
Cultura
Khinalig, Azerbaijão

A Aldeia no Cimo do Azerbaijão

Instalado aos 2300 metros rugosos e gélidos do Grande Cáucaso, o povo Khinalig é apenas uma de várias minorias da região. Manteve-se isolado durante milénios. Até que, em 2006, uma estrada o tornou acessível aos velhos Ladas soviéticos.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Étnico
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

praca registao, rota da seda, samarcanda, uzbequistao
História
Samarcanda, Uzbequistão

Um Legado Monumental da Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Uzbequistão.
Vista aérea de Moorea
Ilhas
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Natureza
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Parques Naturais
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Abençoado repouso
Património Mundial UNESCO
Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
La Digue, Seychelles, Anse d'Argent
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
imperador akihito acena, imperador sem imperio, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT