Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes


Postas
O bacalhau é um dos alimentos locais da Noruega e de Balestrand. Também é exportado em enormes quantidades para Portugal.
Barquinhos
Pequenos barcos a remos garridos à entrada do Esefjord.
A Casa do Dragão
Uma das casas de arquitectura tradicional mais imponentes de Balestrand, a Casa do Dragão.
Sognefiorde adentro
Uma das casas servidas por pontões particulares da marginal de Balestrand.
Quase em casa
Casal rema em frente à fachada principal do Hotel Kviknes.
O assento do Kaiser
Sigurd Kviknes, um dos donos do hotel Kviknes mostra a cadeira usada pelo Kaiser Guilherme II quando lhe foi comunicado o despoletar da 1ª Guerra Mundial.
Fé de Madeira
Interior da igreja de Santo Olavo, também conhecida por inglesa.
A Igreja Inglesa
A igreja de madeira de Santo Olavo, também conhecida como "Inglesa" por ter sido erguida em homenagem a Elisabeth, uma inglesa falecida em Balestrand.
Em estilo dragão
Cimos de fachadas de casas tradicionais em arquitectura de inspiração viquingue "dragão".
Bele Pensativo
Estátua de bronze do rei lendário Bele, em contemplação do Sognefjord.
Lares de Balestrand
Secção da marginal de Balestrand com vários edifícios tradicionais
São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.

A varanda do quarto do Hotel Kviknes revela-nos o braço profundo do Esefjord.

Delimitam-no montanhas pardas de neve tardia. E percorrem-no novelos de humidade que pairam bem abaixo dos cumes, como que a desafiar a sua supremacia milenar.

Por volta das sete daquela tarde sem fim, fazemos fé na misericórdia da meteorologia. Agarramos nas mochilas com a tralha fotográfica e saímos sem rumo.

Não chegamos a caminhar quinze minutos. Ainda em plena rua Laerargata, as mesmas nuvens plúmbeas que admiravámos da varanda do quarto, descarregam todo um dilúvio. Mal conseguíamos ver a rua por diante quanto mais os cenários e a vida local que contávamos apreciar.

Cansados de sucessivos despertares e deitares madrugadores, a precisarmos de recuperar energias e o ânimo, batemos em retirada.

Aguardava-nos um jantar revigorante. Mas não só. Ainda nos refazemos da molha quando o telefone do quarto toca. Confirmam-nos um encontro já antes marcado com o proprietário do hotel.

O Périplo pela História Secular do Hotel Kviknes

Sigurd Kviknes identifica-nos. Sigurd é um dos descendentes de quarta geração da secular e profícua família Kviknes que assumiu o controle do hotel em 1877. Também é general manager do negócio, a par das suas irmãs Marta e Kari.

Sigurd assume o papel de cicerone. Conduz-nos pelas salas históricas do seu estabelecimento num modo de visita de museu.

As paredes do Kviknes Hotel estão repletas de quadros. Quadros dos pintores famosos que, a determinada altura, lá se hospedavam ou que construíam casas na povoação. Artistas que se cruzavam em Balestrand determinados a pincelarem paisagens para a eternidade.

Sigurd apresenta-nos naturezas, sobretudo fiordes, de Hans F. Gude, Johannes Flintoe e Hans Dahl. Além das naturezas, retratos dos Kviknes ancestrais.

Espreitamos ainda o Hoivik Room, assim baptizado em homenagem ao artesão Ivar Hoivik que criou inúmeras peças de mobiliário e decorativas em madeira esculpida em estilo viquingue-norueguês dragenstil, que é como quem diz, do dragão.

Hoivik foi ainda responsável por muitas das molduras e trabalhos que enfeitam as casas mais antigas de Balestrand.

Sigurd prossegue com a sua apresentação. Sala após sala, quadro após quadro, chegamos a um episódio do acolhimento histórico do hotel que nos faz redobrar a atenção.

Os Kviknes receberam realezas, presidentes e primeiros-ministros, estrelas de cinema e outros artistas dos quatro cantos do mundo, incluindo Kofi Annan, Kirk Douglas e Tony Curtis.

O Destino de Férias Favorito do Kaiser Guilherme II

Fascinou-nos em particular a estória local de Guilherme II, o último Imperador da Alemanha e rei da Prússia. A sua paixão pela Noruega e pela magnificência dos fiordes era tal que o Kaiser Wilhem se tornou um dos visitantes mais frequentes da região. Guilherme II chegou a confessar que a Noruega preservava o encanto genuíno e tradicional que a Alemanha nunca devia ter perdido.

Visitou Balestrand quase todos os anos entre 1889 e 1914. Nessas ocasiões, foi cliente do hotel, não hóspede. Sigurd explica-nos que Guilherme II chegava a bordo do seu iate imperial de 120 metros Hohenzollern II e lá dormia e saía para explorar o entorno.

Guilherme II perdia-se de amores pelo mar. De tal maneira que o tempo total que passou a viajar neste iate perfez vários anos.

Por norma, o imperador ancorava em Balestrand, em Julho. Costumava ficar até Agosto. No primeiro ano, teve a companhia da mulher. Foi caso único e correu mal. Daí em diante, preferiu cercar-se de um grupo de oficiais que escolhia a dedo para conviver nas festas e passeatas a que se entregava.

Uma equipa de fotógrafos, registava as suas evasões. Guilherme II tinha o seu papel de líder germânico em boa conta. Fazia questão de se documentar como as vedetas dos filmes. E só se submetia à fotografia quando achava que a luz o glorificava.

Abunda, em Balestrand, esse tipo de brilho. De cada vez que o sol espreita por entre as nuvens densas e azuladas, tinge os fiordes daquele fulgor cromático que Hans Dahl, Adelsteen Normann e compinchas ou rivais da pintura ansiavam por capturar nas telas.

Adelsteen Norman viveu, trabalhou e divulgou os seus quadros a partir de Berlim. Sem surpresa, as suas pinturas dos fiordes tiveram enorme influência na popularidade da Noruega entre os alemães, a começar pelo Kaiser Guilherme II.

O Eclodir da 1ª Guerra Mundial que Arruinou as Férias do Kaiser

Em Julho de 1914, Guilherme repetia o habitual retiro de Balestrand. No dia 25, pela tarde, visitava o amigo professor e pintor Hans Dahl na sua propriedade de Strandheim.

Durante o convívio, recebeu notícias do agravamento político-diplomático entre a Áustria-Hungria e a Sérvia, despoletado pelo assassínio do arquiduque prussiano Franz Ferdinand, quase um mês antes.

“Estava sentado nesta mesma cadeira” informa-nos Sigurd Kviknes e levanta o seu assento para nos mostrar um escrito em norueguês na base do assento que o comprova. “a minha família conseguiu comprar a cadeira num leilão.

E aí está. Nos dias anteriores, agastado pela perspectiva de interromper o seu sagrado retiro, o Kaiser fez todos os possíveis para desprezar o agravar dos eventos. Quando a Áustria-Hungria tornou o conflito militar, viu-se mesmo obrigado a partir de volta à Alemanha.”

Seguiram-se os quatro anos da 1ª Guerra Mundial e, em Novembro de 1918, a derrota da Alemanha, a abdicação do Kaiser e o exílio na Holanda e na Grécia. Guilherme II não voltaria à sua amada Balestrand.

Uns instantes de conversa depois, também Sigurd dá por encerrado o périplo. Despedimo-nos. Mesmo se nos mantivemos alojados no seu Kviknes Hotel até meio da tarde seguinte, não o voltaríamos a ver.

Para Cá e Para Lá, pelas Ruas de Balestrand

Nessa mesma noite, jantamos, senão como imperadores, pelo menos como reis, no salão de refeições grandioso do Kviknes Hotel. Durante o repasto, apresentam-nos Sandra, uma compatriota das imediações de Corroios que trabalhava na cozinha.

O novo dia amanheceu disposto a fazer esquecer a véspera, solarengo como já não pensávamos possível por aquelas paragens.

Aproveitamos a benesse para completarmos a caminhada que a chuvada do entardecer anterior tinha frustrado. Começamos por percorrer o caminho Kong Beles Veg.

Admiramos a imponência de madeira das suas vivendas coloridas, a Dragon House excêntrica de Hans Dahl e as bem mais convencionais na marginal de Balestrand.

Boa parte delas, surgem dotadas de ancoradouros privados que se projectam pelo Mar do Sognefiord adentro. Algumas, têm a enriquece-las os rendilhados incríveis criados por Ivar Hoivik ou, pelo menos, inspirados no seu trabalho.

Incluem elementos recuperados dos tempos viquingues, das suas sagas e mitologia.

A Igreja “Inglesa” de Santo Olavo

Uns metros acima, destaca-se das vivendas a igreja anglicana de Santo Olavo, o rei da Noruega entre 1015 a 1028, responsável pela cristianização da nação.

Esta igreja com visual medieval é também conhecida como A Igreja Inglesa. Isto, por ter sido erguida por Knut Kvikne em honra da sua esposa inglesa, Margaret Sophia Green Kvikne. Margaret era filha de um padre inglês, uma das muitas turistas britânicas que visitavam Balestrand nos finais do século XX.

Em 1894, meros quatro anos após casar com Knut, Margaret adoeceu com tuberculose e faleceu. Em sua homenagem, Knut Kvikne tornou realidade o sonho que a esposa lhe tinha confessado de ver uma igreja inglesa em Balestrand.

Hoje, durante o Verão, a elegante Igreja Inglesa acolhe serviços todos os Domingos, incluindo casamentos. Recebeu-nos ainda a nós e acolhe todos os forasteiros recém-desembarcados que a espreitam. Nas outras estações do ano, são apenas levados a cabo serviços religiosos quando os moradores de Balestrand chegam a acordo.

Ciderhuset: Cidra de Balestrand Para Todos os Gostos

À falta de missa, subimos a íngreme Sjotunsvegen apontados a uma prova de cidra proporcionada por uma das principais produtoras locais, a Ciderhuset. À imagem do hotel Kviknes, esta empresa é gerida em modo familiar, neste caso, pela família Høyvik Eitungjerde.

Com toda a minúcia e paciência do mundo, o anfitrião Age apresenta-nos a sua cidra em copinhos alinhados, mais pálida ou dourada consoante o tempo de fermentação e uma série de outros factores que ditavam a intensidade de sabor, a acidez, tudo isto à boa maneira de qualquer prova de vinho, só que feito de cidra.

Deixamos a Ciderhuset por volta das duas e meia da tarde. Pouco abaixo, de novo na iminência da baía, damos com a estátua imponente de Bele, um rei viquingue com estatuto lendário na Noruega e que, não se sabendo de onde era oriundo, subsiste no imaginário dos noruegueses como tendo vivido nestes confins sulcados e montanhosos.

Fridtjof the Bold, Bele e o Imaginário Viquingue da Noruega

A estátua rivaliza com a do rei Fridtjof the Bold, esta encomendada pelo Kaiser Guilherme II a um artista amigo e erguida, em 1913, na aldeia de Vangsnes.

Em Balestrand, o majestoso rei Bele de bronze resiste, pensativo, sobre uma base de granito, a contemplar a longínqua ponta de Vangsnes e a bifurcação do Sogneford que ali se estabelece.

Aos poucos, passo a passo, acercamo-nos do vértice ribeirinho em que tínhamos desembarcado na povoação e em que Balestrand encara os vários fiordes que a acolheram. Contornamos o Museu Norueguês das Viagens e entramos na rua Holmen. A caminho da doca dos ferries, confrontamo-nos com uma roulotte-gelataria gerida por adolescentes que tentam animar com tropelias o tédio a que se viram votados.

Um pouco acima, por detrás do Aquário de Sognefjord, entre um núcleo de casas vermelhas, encontramos bacalhau a secar num estendal. Ostenta o visual salgado que nos é tão popular e que a Noruega há seculos renova em Portugal.

Vários barcos a remos servem este núcleo habitacional. Um deles está pintado com uma paleta de cores psicadélica mas que combina com a bandeirinha norueguesa que ondula sobre a popa.

A essa hora, a bonança meteorológica da manhã já cedera à atmosfera azulada e tempestuosa que quase sempre escurece o labirinto de fiordes em redor: o Esefjord para noroeste, o mais curto de todos.

A sul, o Sognefjord, o mais longo e mais profundo da Noruega, orientado tanto para ocidente – onde encontra o Mar do Norte – como para leste. A norte, o Vetlefjord, com meros seis quilómetros de extensão, quase paralelo a um outro bem mais longo, o Fjaerlandsfjord.

Com as cinco da tarde e o ferry proveniente de Flam a aproximarem-se, precipitamos o regresso ao Kviknes Hotel,  agarramos nas malas e corremos de volta ao porto por onde tínhamos andado. Instantes depois, embarcamos para a navegação Sognefjord abaixo.

Só desembarcaríamos às nove da quase-noite boreal, no grande porto ex-hanseático da Noruega: Bergen.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques nacionais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Nacionalismo Colorido
Cidades
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Tempo de surf
Cultura

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil
História
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Ilhas
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Natureza
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Parques Naturais
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Um cenário imponente
Património Mundial UNESCO

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Conversa ao pôr-do-sol
Praias
Boracay, Filipinas

A Praia Filipina de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Vida Selvagem
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.