Bago, Myanmar

Viagem a Bago. E ao Reino Português de Pegu


Sagrado Descanso
A cabeça apoiada do buda deitado de Mya Tha Lyaung.
Em Repouso
Um outro buda deitado de Bago, bem menor que o de Mya Tha Lyaung.
Jardinagem Tropical
Jardinagem tropical nas alturas.
Mahazedi
O Pagode de Mahazedi com o seu pináculo dourado a resplandecer contra o céu azulão.
Ciclovida Budista
Ciclista percorre uma avenida lateral de Bago, com o pagode de Mahazedi em fundo.
Ritual
Monges budistas contornam a base do pagode de Mahazedi.
O Pagode dos Pagodes
Pagode de Shwemawdaw o mais alto do Myanmar com 114 metros de altura.
Triunfo do Budismo
Panorama de Bago com o pagode de Shwemawdaw em destaque, acima da floresta de coqueiros.
Reflexologia à Moda Budista
Os pés trabalhados do buda deitado de Mya Tha Lyaung.
Olhar de Cima
Cabeça do buda reclinado Mya Tha Lyaung, numa sagrada observação.
Perspectiva arquitectónica do pagode de Mahazedi.
Obras d’Ouro
O Pagode de Shwemawdaw revestido de bambu durante uma intervenção ao revestimento dourado.
Guardiã à sombra
Figura budista na base do pagode de Mahazedi.
Um Santuário afiado
Santuário em forma de pagode multinível no interior do complexo do pagode de Mahazedi.
Shwemawdaw em trabalhos
Base do pagode de Shwemawdaw, com a sua parte superior em reparos.
Determinados e oportunistas, dois aventureiros portugueses tornaram-se reis do reino de Pegu. A sua dinastia só durou de 1600 a 1613. Ficou para a história.

A aurora deu-se demasiado cedo. Desgastados pela longa viagem desde Rangum, pelas sucessivas subidas e descidas à Golden Rock e ao seu pagode sagrado de Kyaiktiyo, não damos sequer pelo raiar.

Despedimo-nos, assim, meio à pressa das colinas de Kelasa e do monte Kyaiktiyo, apontados à aldeia de Kin Pun no sopé.

Cumpridas três horas de uma viagem de autocarro calorenta, atingimos Bago.

Rangum mantinha-se a grande cidade birmanesa. Salvo as aberrações políticas do regime dictatorial do Myanmar que levaram à fundação da insólita Naypyidaw, seria sempre a capital do país. Bago e a sua região, pelo seu lado, escondiam uma ligação histórica com Portugal tão ou mais inusitada. De tal maneira peculiar, que as víamos como incontornáveis.

Quando descemos do autocarro, identificam-nos e saúdam-nos dois jovens, estimávamos que os guias que tínhamos incumbido de nos mostrarem o lugar. Prestáveis, ajudam-nos com as mochilas. Faltava-lhes, todavia, um carro ou carrinha. De acordo, equilibram-se ao volante de duas motoretas, com a nossa maior bagagem aos pés.

Passamos primeiro pelo lar que usavam como base das suas operações. Lá nos arrumam as mochilas. Lá nos põem à vontade, nos servem chá e connosco conversam até sentirem que tínhamos recuperado do castigo rodoviário da manhã.

Maun, o líder da dupla fala um bom inglês. Muito melhor do que nos ocorreria esperar. Quando elogiamos o seu à vontade na língua, suscitamos-lhe uma inesperada explicação. “Pois, é normal. É que eu vivi na Irlanda algum tempo. Conheci cá uma visitante irlandesa e envolvemo-nos.

Ela acabou por engravidar. Ainda estive a viver com ela perto de Dublin quase meio ano. Mas, depois, não conseguia encontrar trabalho. Sentia-me cada vez mais desenraizado e desmoralizado. Não queria ficar apenas em casa a cuidar do Liam (filho de ambos) e a viver às custas dela. E voltei. É lindo o Liam. É branco mas tem feições asiáticas. Tenho muitas saudades. Em especial dele.”

Maun esforça-se por disfarçar a comoção. Quando o consegue, lança-nos o repto de sairmos à descoberta da cidade. Cada um de nós, atrás de um deles, nas suas motas.

Bagu, Reino de Pegu, Siriao

Panorama de Bago com o pagode de Shwemawdaw em destaque, acima da floresta de coqueiros.

Uma Descoberta Motorizada de Bago

Sem capacetes mas.. devagar, devagarinho. A uma velocidade que nos permitia apreciar a cidade e, ao mesmo tempo, ouvirmos as explicações que os cicerones nos gritavam.

À medida que circulamos, reforçamos a noção de que as motas não tinham sido má ideia.

Bago dista uns meros 70km de Rangum. A estrada número 1 que liga o nordeste do Myanmar à grande cidade birmanesa atravessa-a. Com frequência, entope-a um trânsito sortido e garrido. Aqui e ali, autocarros, tanto locais como regionais, demoram o seu tempo a largar os passageiros. E uma frota inquieta de motociclos e triciclos percorre-a para cá e para lá, em disputa de potenciais clientes.

Nas primeiras horas da tarde, o calor tropical cozinha o fumo libertado pelo trânsito. Gera uma atmosfera opressiva que torna as distâncias de monta entre os monumentos chave da cidade ainda mais dolorosas.

Monumentos não faltam em Bago. Budistas. Todos eles imponentes e dourados.

Do terraço da casa de Maun, víamos o topo dos seus pagodes destacados acima de uma floresta densa, algo enevoada em que predominavam os coqueiros. Estrada 1 acima, encontramo-los a encerrarem grandes alamedas com dois sentidos.

Shwemawdaw e Mahazedi: Pagodes e Monumentos Grandiosos do Budismo Birmanês

Confrontamo-nos primeiro com o Shwemawdaw Paya, o pagode mais alto de todo o Myanmar com uns impressionantes 114 metros e, à data, com a sua excentricidade redobrada por uma rede densa de andaimes de bambu que a cobria do primeiro quarto, até ao seu zénite afiado.

Conseguíamos distinguir alguns trabalhadores destacados no exterior dessa rede, entretidos a recuperar a integridade da folha de ouro espessa que cobria o templo e que o tempo tinha comprometido.

Bagu, Reino de Pegu, Siriao

Pagode de Shwemawdaw o mais alto do Myanmar com 114 metros de altura.

Prosseguimos. Entramos no complexo de um pagode concorrente, o de Mahazedi, a sombra apoderava-se já da sua base.

Àquela hora, não víamos sinal de turistas. Só uns poucos monges e crentes budistas caminhavam em redor da base, ou queimavam incenso e oravam nos sub-pagodes que a salpicavam.

Dessa sombra inexorável, conseguíamos admirar, em todo o seu fulgor, a luminosidade resplandecente do pagode branco e amarelo que contrastava com o céu desprovido de nuvens, de um azul azulão profundo.

Além de branco e amarelo, também este segundo pagode era dourado. O ouro abundava sempre, qualquer que fosse o monumento ao budismo da nação, como parecia abundar por toda a velha Birmânia.

Uma Viagem no Tempo de Bago e Pegu

Essa preciosa ubiquidade já vinha de longe, da era áurea do reino de Pegu, assim continuam a chamar a estas paragens e à cidade em que cirandávamos, os portugueses.

Uma das razões porque ali estávamos era a história incrível da dinastia portuguesa dos reis de Pegu. A nosso ver, meritória de uma longa-metragem sem limites de orçamento. Concentremo-nos no que seria a sua trama.

Bastaram alguns anos após o estabelecimento dos portugueses na costa ocidental da Índia para os descobridores e mercadores lusos se aventurarem nas águas e litorais mais próximos.

Os dos reinos do sul do actual Myanmar não eram controlados nem por Goa nem pela Coroa portuguesa detida por Felipe I de Portugal (2º de Espanha).

Tão pouco outros domínios influentes da Índia lá mandavam.

Bagu, Reino de Pegu, Siriao

A cabeça apoiada do buda deitado de Mya Tha Lyaung.

Baía de Bengala e Reinos da Birmânia, um Manancial que os Portugueses Conheciam

Como tal, capitães, mercadores e outros empresários portugueses da fortuna podiam ali operar nas suas lides comerciais e mercenárias, com frequência, ao serviço dos monarcas destas paragens, sem terem que prestar contas a Goa ou a Lisboa.

Os portugueses conheciam, havia muito, os reinos de Pegu, de Ava, de Arracão e o emergente e cada vez mais poderoso de Toungou. Mantinham-se de olho no xadrez político-militar da zona, atentos a como dele podiam beneficiar.

Chegamos a 1599. Há muito que Min Raza Gyi, o rei de Arracão, (Xilimixa para os portugueses) espreitava uma oportunidade de capturar o reino vizinho e principal rival de Pegu.

Pegu resistia há décadas à integração no império birmanês mas, por essa altura, Min Raza Gyi estimou que o grau de instabilidade e fraqueza do inimigo tinha aumentado o suficiente. Decidiu atacar e tomar a cidade capital homónima.

Por forma a garantir o sucesso da expedição recrutou um corpo de mercenários portugueses, de que se destacava Filipe de Brito e Nicote, desde 1590, comerciante de sal na ilha de Sundiva, entre outras ocupações, como deixa transparecer o seu nome, filho de pai francês e mãe portuguesa. Acompanhavam-nos ainda alguns missionários jesuítas.

Foram estes que narraram e registaram os acontecimentos para a posteridade.

Os Serviços Mercenários de Filipe de Brito e Nicote e de Salvador Ribeiro de Sousa

O padre Manuel de Abreu Mousinho descreveu na sua crónica “Breve Discurso em que se Conta a Conquista de Pegu na Índia” que, por essa altura, um outro aventureiro português, Salvador Ribeiro de Sousa, navegava de regresso a Portugal determinado a exigir à Coroa recompensa pelos seus serviços e de dois irmãos seus já falecidos no Oriente.

Bagu, Reino de Pegu, Siriao

Ciclista percorre uma avenida lateral de Bago, com o pagode de Mahazedi em fundo.

Uma meteorologia demasiado agreste forçou-o a subir no Golfo do Ganges. Ao tomar conhecimento do que se passava em Pegu, Salvador Ribeiro de Sousa juntou-se a Filipe de Brito e Nicote e passou a co-comandar as tropas do rei de Arracão na conquista de Pegu.

Os portugueses lideraram os arraconeses até à vitória. Como recompensa, Xilimixa concordou que construíssem uma feitoria no porto de Sirião, hoje, uma povoação a sul de Rangum, situada no local em que o rio Pegu se junta ao Yangon.

Banhadala, um súbdito de Xilimixa interpôs-se ao acordo. Esta sua interferência despoletou uma longa saga conflituosa entre os portugueses e o reino de Arracão, em termos militares comandado por Banhadala.

A Longa Saga do Conflito com Arracão

Banhadala começou de imediato a fortificar Sirião e proibiu o acesso dos portugueses, com excepção para Belchior da Luz, um frade dominicano. Filipe de Brito e Nicote reagiu.

Antes que os trabalhos da fortaleza avançassem demasiado procurou o apoio de três outros capitães.

Dois deles foram João de Oliva e Paulo do Rego. Encontrou o terceiro em Salvador Ribeiro de Sousa que viu bastante mais interesse e potencial ganho neste desafio bélico que no retorno à Metrópole.

Em Junho de 1600, com recurso a máquinas de fogo recém-construídas, os mais de cinquenta homens portugueses atacaram Banhadala de surpresa. Queimaram-lhe a feitoria. Logo, passaram à fortaleza incompleta.

Mataram tantos súbditos de Banhadala que obrigaram uma multidão em pânico a refugiar-se numa ilha próxima.

Na mó de cima, os portugueses, fortificaram-se na fortaleza e aterrorizaram parte dos súbditos de Banhadala que nela se mantiveram.

Ao tomar conhecimento deste inesperado desfecho, o rei Min Raza Gyi decidiu socorrer Banhadala.  No entanto, nos anos que passara na região Filipe de Brito e Nicote tinha consolidado um poder de manipulação sobre Xilimixa, considerável.

Em debate com o monarca, convenceu-o de que Banhadala não passava de um traidor oportunista, de que ele próprio resolveria o conflito com os portugueses e trataria de os controlar.

Xilimixa acedeu. Mas a novela estava longe de ficar por aqui. Filipe de Nicote partiu para Goa, ofereceu a nova praça-forte ao Vice-Rei de Goa. Multiplicou ainda embaixadas a governantes de domínios vizinhos e desafiou-os a aliar-se a Portugal na conquista de Pegu.

Bagu, Reino de Pegu, Siriao

Jardinagem tropical nas alturas.

A Primeira de Cinco Investidas Frustradas do Comandante Banhadala

Nesse hiato, Salvador Ribeiro de Sousa ficou no comando de Sirião, e Xilimixa à mercê das intrigas contra os portugueses. Passado pouco tempo, decretou que tinham que deixar Pegu para sempre. Para o garantir enviou Banhadala, à frente de uma enorme frota e de seis mil homens. Salvador Ribeiro de Sousa possuía apenas três navios e trinta homens.

A supremacia numérica de Banhadala pouco ou nada o ajudou. Salvador Ribeiro de Sousa e os portugueses devastaram as forças de Arracão, capturaram quarenta dos seus barcos e fizeram debandar os atacantes.

Este foi apenas o primeiro dos ataques de Arracão a Sirião, sempre com Banhadala no comando. Mesmo se, de início, a supremacia numérica de Banhadala se provava avassaladora, os quatro seguintes também foram rechaçados por Salvador Ribeiro de Sousa.

A cada derrota de Banhadala e dos arracaneses, a fama de invencibilidade de Salvador Ribeiro de Sousa na região só aumentava.

E mais ainda quando o capitão português levou a melhor sobre um tal de Rei Massinga da província de Camelan. Saturados de tanta destruição, ao constatarem o poderio dos portugueses, as gentes de Pegu optaram por a eles se aliarem. Ficou para a história que reclamaram que Filipe de Brito e Nicote para rei de Pegu.

A Subida ao Trono de Pegu Forçada de Filipe de Brito e Nicote

Como este então se encontrava ausente, Salvador Ribeiro de Sousa aceitou o cargo em seu nome. Quando Filipe de Brito e Nicote voltou, ocupou, por fim o trono, e retomou a sua sempre atarefada agenda diplomática.

Mais tarde, Salvador Ribeiro de Sousa retomou a viagem de regresso a Portugal que interrompera em 1600. Terá passado os seus derradeiros dias na sua terra minhota natal.

O rei de Arracão, esse, teve que se conformar com a nova e dolorosa realidade do Reino Português de Pegu.

Há algum tempo que os projectos de Filipe de Brito e Nicote via as suas pretensões validadas e apoiadas pelo Vice-Rei de Goa e até por Filipe II de Portugal. De tal maneira que o monarca lhe atribuiu o título de fidalgo, e armado Cavaleiro da Ordem de Cristo.

Por Fim, a Concretização da Feitoria de Sirião

Assim recompensado, Filipe de Brito e Nicote regressou a Sirião e reergueu a Casa da Alfândega. Dai em diante, obrigou todos os navios que passavam pela costa de Pegu a por lá passarem e a pagarem tributo.

Ano após ano, Sirião e Pegu enriqueceram Filipe Brito e Nicote e, assim se estima, Goa e Lisboa.

Sopravam ainda estes bons ventos, quando os sempre insatisfeitos portugueses decidiram tentar expandir o seu reino.

Em 1610, Anaukpetlun um rei do norte, tinha já reunido a maior parte da Birmânia sob o seu domínio. O reino de Taungu resistia. Desagradado, Anaukpetlun atacou e conseguiu a rendição de Taungu. E designou um seu primo, Natshinnaung, vice-rei desse reino. Natshinnaung ficou ressentido com a insignificância do cargo.

Em jeito de vingança, aliciou Filipe de Brito e Nicote a tomar Taungu. Filipe de Brito e Nicote não se fez rogado. Conseguiu o apoio dos siameses e, nessa conveniente aliança, em 1612, rumou a Taungu. A conquista falhou. Natshinnaung acompanhanhou Filipe de Brito e Nicote a Sirião.

A Vingança do Rei Birmanês Anaukpetlun e o Fim do Reino Português de Pegu

O poderoso rei Anaukpetlun reagiu com fúria a condizer.  Em 1613, Anaukpetlun cercou Sirião. Após um mês de cerco conquistou-a. Vingativo, empalou Filipe de Brito e Nicote.

Apesar deste seu fim atroz, o primeiro rei português de Pegu é ainda conhecido na história da Birmânia como “Nga Zinga”, o bom-homem. Quanto a Natshinnaung, nos últimos dias do cerco aceitou tornar-se Cristão e baptizou-o um padre de Goa.

Natshinnaung recusou ainda o repto do primo que lhe ofereceu perdão, contra um juramento de aliança. E celebrizou-se a resposta desdenhosa de Anaukpetlun ao decretar a sua execução: “Preferes ser o escravo de um estrangeiro que servir um rei da tua própria raça”.

Perdeu-se, assim, aos trinta e quatro anos, aquele que os birmaneses consideram um dos principais de poesia clássica yadu da sua história, criador de poemas de amor mas também militares, em que descrevia com elegância os soldados, as tropas montadas em elefante, entre outros.

Anaukpetlun escravizou ainda os portugueses e mestiços bayingyi, que tinham sangue português e asiático. Mais tarde, estes bayingyi passaram a servir os monarcas birmaneses.

Já o Reino português de Pegu, teve um fim súbito e dramático, se o compararmos com a tomada persistente e gradual dos portugueses. Durou uns módicos mas intensos treze anos.

A destruição de Sirião às mãos de Anaukpetlun provou-se tal que pouco ou nada do legado português subsistiu. Sabe-se que existia uma igreja no interior da fortaleza que foi reconstruída e de novo arrasada durante um ataque mais recente.

Tal como continuámos a comprovar, repleta de expressões majestosas e coloridas do budismo, a Pegu dos dias de hoje nada ostenta de lusitano. Até ao fim da tarde, admiramos outros pagodes imponentes. E, na sequência, o buda refastelado de Mya Tha Lyaung.

Deixamos Bago por volta das seis da tarde, pouco depois do pôr-do-sol, limitados pelo horário do comboio destinado a Rangum. Em vez das 18h, a composição deu entrada na estação de Bago às 19h. E, em vez de entrar em Rangum às 21h, entrou às 22h.

Nos menos de 70 km de percurso sobre carris, deu-nos a impressão que a composição nunca chegou a ultrapassar os 35 km/h.  Tal como o Buda refastelado de Mya Tha Lyaung, o serviço ferroviário daquelas paragens revelou-se anestesiante.

O mais contrastante possível com a azáfama conquistadora e regente dos reis portugueses de Pegu.

Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Mactan, Cebu, Filipinas

O Atoleiro de Magalhães

Tinham decorrido quase 19 meses de navegação pioneira e atribulada em redor do mundo quando o explorador português cometeu o erro da sua vida. Nas Filipinas, o carrasco Datu Lapu Lapu preserva honras de herói. Em Mactan, uma sua estátua bronzeada com visual de super-herói tribal sobrepõe-se ao mangal da tragédia.
Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Santo Domingo, Cidade Colonial, República Dominicana, Diego Colombo
Cidades
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Étnico
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Terraços de Sistelo, Serra do Soajo, Arcos de Valdevez, Minho, Portugal
História
Sistelo, Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Ilhas
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Natureza
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Parques Naturais
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
A República Dominicana Balnear de Barahona, Balneário Los Patos
Património Mundial UNESCO
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Religião
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT