Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra


Ensaio animado
Adereços tradicionais
Insólito Paquiderme
Guilin-Rio-Li-Elephant-Trunk-hill-China-Guangxi
Betão vs Pedra
Palácio do Principe de Jingjiang, outra versão
Suave moda medieval
Jogo contado
Sol e Lua sobre o lago
Galeria Comunista
Um frontão principesco
Túnel para outro lado da cidade
Confraternização de Budas
Pesca em grupo
Árvore do Dragão
Guilin-Pagode-de-Mulong-China-Guangxi
Simetria de luz
A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.

Uma Epopeia Ferroviária

26. Foram vinte e seis as horas de comboio as que nos levaram de Lijiang, na província de Yunnan via Dali e Kunming, até à distante Guilin.

Ignoramos o Natal numa qualquer carruagem espartana, deslocados numa comunidade pós-Comunista de sino-passageiros pouco dados a tais crendices. Nem às cristãs, nem às pagãs. Determinados, sim, a celebrar os momentos a bordo com o apego de outros quaisquer.

Um passeio descomprometido pelo corredor revela-nos pequenos torneios de mahjong e de cartas, banquetes de noodles instantâneos e conversas tão animadas que nos soavam a discussão.

Quase 1500km após a partida, sem nunca pormos os olhos noutros forasteiros, praticamente à mesma latitude da origem, a composição que há muito avançava entre arrozais mirrados pelo frio Invernal, desliza destino final adentro.

Pouco passa do meio-dia quando se imobiliza na estação Guilin West. Tínhamos dormido o possível nos lugares-cama cimeiros que nos calharam. Mesmo assim, ao percorrermos a plataforma, ainda sentimos o balanço do comboio e arrastamo-nos e à bagagem à laia de mortos-vivos em busca de sentido naquele escoador ferroviário da civilização oriental.

Edifícios de Guilin, província de Guangxi, China

Casario de betão de Guilin aquém da imensidão de picos rochosos em volta da cidade.

Um Descanso Ainda Melhor que o Merecido

Por sorte, tínhamos conseguido estadia num dos hotéis mais sofisticados e acolhedores da cidade. Cumprido um curto trajecto de táxi e um rápido check in, entregamo-nos aos portáteis mas acabamos por nos rendermos à cama acolchoada e aconchegante, apostados em recuperarmos os corpos e as mentes da canseira a que nos tínhamos submetido.

Despertamos já de noite, famintos, mas com energias suficientes para caminharmos pelos arredores do hotel em busca de um pouso poupado para jantarmos.

Está escuro. Um escuro peculiar. Aqui e ali, profanado por uma ou outra iluminação de rua, o breu prova-se quase alvo tal é a humidade que envolve a cidade e, naquela altura do ano, apostávamos que toda a província de Guangxi.

Apertamos os agasalhos para protegermos os ossos da cacimba. Mesmo sem sabermos qual o melhor rumo, metemo-nos a caminho. O hotel ficava numa zona destacada do casario urbano, entre os bairros de Sanliancun e de Xiacun, na iminência do rio Li e da ponte da rua Huancheng North que o atravessava.

A Noite Nevoenta de Guilin

Avançamos no sentido oposto ao rio, guiados por luzes que a névoa distorcia mas que indiciavam um qualquer nicho de civilização. Alternamos entre a berma da estrada e uma outra via lateral, salpicada de árvores.

De início, pensamos tratar-se de um refúgio pedonal pelo que caminhamos despreocupados com o trânsito. Isto até que uma motoreta fantasma surge do nada e nos força a um quase salto de emergência. Era a primeira. Não seria a última.

Nos últimos tempos, as motas e pequenos carros eléctricos pegaram de moda na China, muito graças à poupança de custos em combustível que proporcionam.

Mas, o desrespeito epidémico pelas regras e sinais de trânsito validava que, apostados em prolongar as cargas das baterias,  os seus condutores circulassem de noite, daquela forma, com as luzes desligadas, sem qualquer intenção de buzinar, fosse qual fosse o imprevisto.

Um restaurante aberto mas deserto de clientela abrevia-nos a caminhada. Instalamo-nos. Pedimos os chao fàn e miàn tiáo (arroz semi-frito e massa com vegetais) que sabíamos ideais para encher a barriga e simplificar processos. Devoramo-los com a avidez de quem há dois dias não via uma refeição empratada, regressamos ao hotel, aos portáteis e ao sono.

Túnel, Guilin, China

Motociclista cruza da cidade velha para outra zona mais moderna de Guilin.

Novo Dia, o Mesmo Nevoeiro

Tomamos o pequeno-almoço na companhia de Ruby Zhu, a Communications Manager do hotel. Ruby nasceu em Xian. Estudou em Amesterdão, visitou a Alemanha e a Bélgica e habituou-se à liberdade europeia.

Não se furta a comunicar, seja qual for o tema: “nós não vamos à bola com os japoneses… as TV’s do hotel têm que ser boas. Não queremos as chinesas porque ainda estão longe disso. Mas também não compramos as japonesas. Compramos as coreanas. As coreanas são boas e as fábricas deles estão na China, por isso, ajudamo-los.”

Com a manhã a esgotar-se demais para o nosso gosto, encurtamos o convívio. Saímos disparados para a cidade.

Isolada do centro da China pelas montanhas Nan, a província de Guangxi sempre se manteve à parte, tanto em termos geográficos como no imaginário dos chineses de outras partes, que lhe atribuem uma boa dose de misticismo, visível nas ilustrações artísticas de incontáveis restaurantes chineses, na China, e por esse mundo fora.

Da Indústria à Aposta na Ecologia

Um canal baptizado de Ling, aberto em tempos ancestrais (II a.C), permitiu que pequenas embarcações navegassem do rio Yangtse para o Xi, através de um outro, o Xiang. Daí em diante, o comércio despontou e desenvolveu-se sem retorno. Numa vasta zona fluvial e com forte pluviosidade, a agricultura não tardou a conquistar o seu espaço. Garantiu o sustento de centenas de milhares de almas entretanto para ali migradas.

Avançamos no tempo. Por altura da 2ª Guerra Mundial, Guilin contava com uma população de mais de dois milhões quando serviu de base para sucessivos ataques contra as forças invasoras nipónicas. Sem surpresa, sofreu a retaliação dos japoneses. Foi arrasada.

As autoridades esboçaram uma recuperação assente na instalação de várias fábricas poluentes. Mais tarde, quando a paisagem circundante  suscitou a admiração do mundo, a aposta no marketing turístico da região, obrigou à expulsão dessas fábricas.

Guilin continuou a desenvolver-se no registo ecológico pretendido. A cidade é agora a terceira de Guangxi, a seguir à capital Nanning (quase 7 milhões de habitantes) e a Liuzhou (4 milhões).

A Guilin urbana não acolhe sequer um milhão de habitantes mas recebe 3.2 milhões de visitantes todos os anos. À data deste texto, Guilin não integrava um único prédio com mais de vinte andares, um caso raro na China contemporânea, apostada em crescer em todas as direcções incluindo a do céu.

Palácio do Príncipe de Jingjiang, Guilin, China

O Palácio amarelo do Príncipe de Jingjiang, contra um dos muitos penhascos aguçados da área.

Monumentos que Acompanharam a História

Mesmo erguido durante a dinastia Ming (1372 d.C. a 1392 d.C), o Palácio amarelo do Príncipe de Jingjiang que encontramos a 4km, do lado de lá do rio Li, parece concorrer pelo azul do firmamento com um dos penhascos abruptos e afiados que despontam do solo, um pouco por toda a parte.

Surge em plena Cidade Interior, o âmago histórico de Guilin com 630 anos, mais antigo que o da Cidade Proibida de Pequim. Hoje, tal como constatámos pela quantidade de jovens a por ali passar, funciona como a Universidade de Guangxi mas, nos 257 anos decorridos desde a sua construção até ter sido danificado durante a dinastia Qing, o palácio acolheu catorze reis de doze distintas gerações.

Não só. Durante a Guerra Civil Chinesa, o fundador do Kuomintang Sun Yat-sen também lá se alojou, durante a Expedição do Norte (1926-1928) em que o Exército Nacional Revolucionário Chinês procurou derrotar o Governo de Beyiang com sede em Pequim e outros senhores da guerra para assim reunificar a China ainda dividida devido a efeitos imprevistos da Primeira Revolução Chinesa.

Um Pico Solitário com Vista Panorâmica

Demoramos tempo a assimilar a história complexa do lugar. Bem mais que a beleza do complexo muralhado, organizado em redor de quatro grandes pavilhões, quatro salões e quarenta outros grandes edifícios “à sombra” do imponente Solitary Beauty Peak, um outro morro aguçado situado quase sobre o rio Li e a que temos o bom senso de subir pela escadaria íngreme e sinuosa. Sabemos que atingimos o cume quando, extenuados, damos de caras com o pequeno pagode que o coroa.

Daquele cimo destacado de que, durante o Verão, pende uma vegetação farta, contemplamos a vista a 360º: o casario de Guilin para diante, sobretudo à esquerda do rio Li que retalha a cidade.

A maior distância, em quase todas as direcções, as silhuetas das colinas pontiagudas abundantes nestas partes do norte de Guangxi e que formam o Império de Rocha deslumbrante da região, o domínio de Leye-Fengshan, declarado geopark tal é o virtuosismo geológico dos seus incontáveis penhascos, grutas e câmaras subterrâneas de calcário.

Mal a Primavera se insinua, este cenário atrai uma horda ansiosa de espeleólogos, escaladores e aventureiros em geral dispostos a arriscar (pelo menos um pouco) as vidas em honra da imponência e excentricidade da Natureza local. Ainda estávamos a meio do Inverno. De acordo, tal como acontecia no topo do Solitary Beauty Peak, os visitantes eram sobretudo chineses de férias após o período ocidental da Passagem d’Ano.

A Vida Ribeirinha nas Margens do Li

Regressamos ao nível do solo e à margem do Li, apontados a outra sua peculiaridade, a Elephant Trunk Hill. Pelo caminho, protegidas de eventual chuva debaixo de uma ponte, um batalhão de mulheres munidas de tambores e que seguravam tiras de tecido lustroso, ensaiavam movimentos de uma qualquer parada em que iriam participar.

Mais à frente, uma frota de pescadores sentados sobre o mesmo número de jangadas de bambu, as tradicionais do Li, pescavam sobre as águas gélidas e quase imóveis do rio.

Pescadores no rio Li, Guilin, China

Pescadores partilham as águas frígidas do rio Li, o rio que cruza Guilin.

A Elephant Trunk Hill forçou-nos a 5km de caminhada. Identificamo-la, claro está, pela forma que lhe dá o nome, notória por um morro comprido terminar já sobre o rio com um enorme orifício que, após a época das chuvas, fica reduzido a metade.

Prosseguimos ao longo do Li, na direcção da Fubo Hill, uma outra colina de calcário com o sopé esburacado pela erosão e com três grutas independentes. Incluindo a Thousand Bhuddas Cave, recheada de esculturas de Buda ali conquistadas às paredes rochosas durante a dinastia Tang (608-907 d.C.).

Estão 8 ou 9 graus. Indiferente à frescura e para espanto de uma comitiva que apreciava o rio a partir de aberturas da gruta, um morador de Guilin decidido a preservar a juventude do corpo, nada ali em frente. Esbraceja na água esverdeada, em absoluto contraste com um pescador encasacado que o contempla com indiferença, sobre o limiar do penhasco.

Como acontece por toda a China, comerciantes de recordações mantêm nas imediações uma banca dotada de trajes coloridos das diversas minorias étnicas de Guangxi: os Zhuang, os Yao, os Hui, os Miao e os Dong. Uns atrás dos outros mas bem espaçados, os sino-turistas chineses vestem as suas vestes preferidas e fazem-se fotografar em reboliço.

À Descoberta da excêntrica Guilin Lacustre

Regressamos ao centro da cidade. Lá procuramos por outro dos seus refúgios emblemáticos de tranquilidade e lazer, o lago urbano de Fir (Shanhu). Quando chegamos, grupos de habitantes sincronizam as almas de acordo com as coreografias do tai-chi enquanto o dia curto do Inverno chinês se desfaz.

O intensificar do lusco-fusco faz realçar os dois pagodes quase gémeos que se projectam do lago. Tratam-se do Sol e do Lua, também conhecidos por Prata e Ouro, e iluminados a condizer. Não seriam os últimos pagodes que apreciaríamos nem naquela noite nem em Guilin.

Saímos disparados. Apanhamos um táxi para o hotel. Pelo caminho, detemo-nos em Mulong, um outro lago parte do itinerário aquático “dois rios, quatro lagos” da cidade. Mulong tem tudo para ser importante mas encontramo-lo sem vivalma, relegado a um aparente plano secundário.

edifícios históricos do lago Mulong, Guilin, China

Conjunto arquitectónico do lago Mulong com o pagode e a ponte iluminadas entre penhascos de calcário.

Completamente sós, deslumbramo-nos com o exotismo asiático daquele outro cenário histórico, encaixado entre dois enormes penhascos ligados por uma ponte em arco. Também o conjunto está iluminado, de forma ainda mais exuberante que os pagodes Sol e Lua.

Por fim, encontramos um funcionário. A muito esforço, explica-nos que só em época alta abrem os pequenos restaurantes e é levado à cena um espectáculo temático. Naquela altura, o lugar servia apenas para acolher eventos e celebrações particulares.

Já com a noite cerrada, surgem os primeiros convidados de uma delas. Nós, concedemos-lhe a exclusividade contratada e recolhemos ao hotel surpreendidos e satisfeitos com o que a cidade nos revelara. Na manhã seguinte, mudamo-nos para Yangshuo e começamos a explorar o cenário mágico de água e pedra que envolve Guilin.

Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Pequim, China

O Coração do Grande Dragão

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Cansaço em tons de verde
Cidades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

À sombra da falésia
Em Viagem

Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Grande Ilha. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.

Tempo de surf
Étnico

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Montanha da Mesa vista a partir de Waterfront, Cidade do Cabo, África do Sul
História
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Torres Kanak
Ilhas

Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Recompensa Kukenam
Natureza

Monte Roraima, Venezuela

Uma Ilha no Tempo

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caribe rosado
Parques Naturais

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Santuário sobre a floresta II
Património Mundial UNESCO

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Modelos de rua
Sociedade

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.