Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco


Telhados cinza

O casario secular de Lijiang com os seus telhados uniformes.

Black Dragon Pool

A laga mais famosa de Lijiang, com a Montanha Nevada Dragão de Jade em fundo.

Em pose

Cavaleiros naxi com os seus típicos barretes de pele de panda-vermelho.

Montra de iguarias

Especialidades expostas abrem o apetite aos transeuntes.

Danças típicas

Mulheres de naxi dançam numa das praças de Lijiang. 

Telhados Cinza

Os topos do casario de Lijiang com a massiva Montanha Nevada Dragão de Jade bem acima.

Mini-banho

Menina aparentemente enfiada à força num banho durante uma das manhãs gélidas de Lijiang.

Paciência de chinês

Trabalhador de um restaurante repousa junto a um muro com uma inscrição incompleta na imagem que se traduz como "todas as pessoas tem ..." 

Budismo privado

Grande templo budista, a secção religiosa da residência faustosa da família Mu.

Tons de Natal

Duas clientes num bar da cidade resplandecente de cor.

Telhados cinza II

O casario secular de Lijiang com os seus telhados uniformes.

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

A chegada na tarde anterior e os primeiros passos nas ruas empedradas deixam-nos bem claro o que tínhamos a fazer. Não estávamos sequer nos meses mais quentes e movimentados da cidade. Entramos no sábado. Uma turba de forasteiros, na sua maioria da etnia predominante Han, invade-a aos poucos, sem resistência, muito pelo contrário.

Enquanto caminhamos ao longo dos canais e cruzamos incontáveis pontes, são raros os estrangeiros ocidentais por que passamos. Os novos moradores de Lijiang aprontam-se para receber os compatriotas e para com eles lucrar. 

Mais e mais portadas de madeira escura e trabalhada se abrem ao ritmo a que a luz solar esbranquiçada nelas incide ou, pelo menos, a sua refracção do pavimento basáltico. São excepcionais as que desvendam domicílios em vez de lojas: estabelecimentos repletos de chás e especiarias, de sedas e tecidos díspares e afins ou de uma miríade de bugigangas coloridas, umas artesanais, outras nem tanto. Por entre estes comércios, surgem estalagens e bancas de comes e bebes que se aprestam para grelhar ou fritar espetadinhas condimentadas, de peixes de água doce, de gambas mas também de larvas, grilos e gafanhotos. Panelas e caixas estriadas ou perfuradas soltam vapor que mantem quentes especialidades complementares: bolinhos de feijão, de tapioca e de soja, doces e salgados, alguns, aconchegados em delicados embrulhos vegetais.

Passa do meio-dia. A fome aperta e a multidão interrompe os seus passeios. Comandada pelo apetite voraz dos Han tanto pela melhor gastronomia da nação, como pelo mero convívio sentado, a multidão toma conta dos restaurantes e das imediações das bancas. Cerca da uma da tarde, com as energias repostas, volta a deambular pelas ruelas, reforçada pelos passageiros de autocarros de tours vespertinos entretanto chegados.

Percebemos o quanto degenerara a tranquilidade e genuinidade matinal da povoação. Reagimos a condizer. Afastamo-nos das artérias ligadas ao seu coração determinados a apreciá-la no todo.

Estudamos o mapa com a devida atenção. Apontamos à Shizi Shan (Lion Hill), uma colina florestada que se destaca no limite ocidental da Cidade Velha e de que se projecta o seu famoso pavilhão Wangu, erguido sobre dezasseis colunas cada qual com vinte e dois metros e alegadamente decorado com 2.300 padrões caprichosos que representam os vinte e três grupos étnicos que habitam hoje a região de Lijiang.

Contam-se cinco os pisos do pavilhão. Subimos a escada interior até ao último e saímos para a sua varanda. Aquela altura revela-nos a vastidão do Vale Li e, à distância, a montanha de Neve Dragão de Jade, com os seus quase 5.600 metros de altitude. Para leste, nas imediações abaixo, impressionam-nos os telhados sem fim de Lijiang que formam uma vasta mancha parda, aqui e ali salpicada de branco ou pelos tons quentes de outras áreas não cobertas dos lares. Mesmo se recuperado após o sismo de magnitude 7.0 de 1996 que matou trezentas e cinquenta pessoas e deixou muitas mais sem abrigo, o cenário actual da cidade respeita os seus oitocentos anos como entreposto da rota equestre do chá, durante as dinastias Ming e Qing e, por cerca de meio milénio, controlada por uma família poderosa, a Mu.

Situada a 2500m no extremo sudoeste da China, distante de Pequim, de Shangai e de Hong Kong, como de todas as principais urbes antigas da civilização Han, até há algumas décadas atrás, Lijiang preservou-se num mundo à parte. Ergueu-a e habitou-a séculos a fio o povo Nashi (ou Naxi) que se crê ter migrado do noroeste da China para regiões contíguas ao Tibete e antes dominadas por tibetanos. Tal como estes e os Bai, os Nashi proliferaram no comércio de chá levado a cabo nos trilhos traiçoeiros Chama dos Himalaias, entre Lhasa e a Índia, na confluência com a rota da Seda que passava mais a sul.

Mesmo se vulnerável a influências trazidas pelos mercadores Han, Lijiang surgiu como expressão única econveniente e dessa mesma prosperidade reforçada. Já em tempos turísticos, a cidade cedeu à pressão esmagadora da curiosidade dos compatriotas. Continua a moldar-se para a servir.

Descemos da Lion Hill com a noite a apoderar-se do Vale Li e de toda a província de Yunnan. Distraídos com a mudança de tons da atmosfera, quase ficamos fechados na torre de madeira. Evita-o um monge que avisa o porteiro do edifício mesmo antes de este o encerrar. Do pavilhão, regressamos à pousada pitoresca que tínhamos escolhido, com os seus quartos dispostos em redor de um pátio muralhado e acesso através de uma pesado portão garrido.

Às 8h30, despertamos para a manhã frígida de Domingo ainda mal recuperados. Como era de supor, o esforço madrugador prova-se curto. A essa hora, já Lijiang estava repleta dos mesmos transeuntes entusiasmados do dia anterior. Palmilhamo-la ao sabor da multidão, conformados com o seu poder inexpugnável. Estávamos afinal na China. O âmbito populacional do país era de milhões de milhões, não de uns meros milhões.

O nome Lijiang significa Cidade das Pontes. E, travada pela sua própria dinâmica caprichosa, a multidão entrecruzava-se e progredia mais lenta que a água a fluir nos canais e sob os incontáveis passadiços e pontes do centro histórico. Com o tempo, Lijiang tornou-se num habitat que conjugou benefícios das montanhas, rios e florestas em redor. Um sistema ramificado de irrigação tinha origem nos picos nevados da Montanha Nevada Dragão de Jade e corria através das aldeias e campos de cultivo. A lagoa de Heilong – que não tardaríamos a espreitar – e inúmeras fontes e poços completavam-no e asseguravam as necessidades diárias de água e de cereais, frutos e vegetais, a prevenção de incêndios e a produção local de restantes bens. Um dos outros elementos do sistema, as azenhas, tem um derradeiro representante na ponte Yulong, junto ao que subsiste da antiga muralha massiva da cidade. Leva a um redobrado êxtase os vários hidrófilos que a visitam ano após ano. Na Black Dragon Pool, os visitantes de Lijiang conseguem conciliar numa mesma vista tanto a origem geológica da água como o seu reservatório final. Até há pouco, era possível apreciar os moradores a lavar vegetais nas correntes dos canais, no caminho entre o mercado e as suas casas. Esse hábito pertence agora ao passado. Mas, contra toda e qualquer modernidade, outros costumes e tradições persistem. Alguns deles, bem polémicos no Ocidente.

Chegamos a 2ª feira. Apesar de menos urgente que no fim-de-semana que terminara, enchemo-nos de coragem e levantamo-nos com nova aurora gélida. Espreitamos o mercado nas imediações da pousada e surpreendemo-nos com a visão de vários cães já sem pele, pendurados na barra de metal de uma banca de talho. Contemplamos os cadáveres dos animais com a estranheza de quem os costuma encontrar como mascotes ou, vá lá que seja, como espécimes vadios. Alheio a tão profundo fosso cultural, o talhante de serviço aborda-nos e pergunta-nos se os queremos levar. Rejeitamos. Em vez, compramos tangerinas.

Quando regressamos ao âmago semi-labiríntico de Lijiang, a praça Bailong entra em modo de festa. Um grupo de mulheres idosas nashi convivem trajadas com a roupa tradicional da sua etnia: saia frisada azul escura, camisa e bonés de azuis de tons celestes e coletes de malha vermelhos. As senhoras dão as mãos e começam a cantar. Pouco depois, inauguram uma dança circular que acompanha a cantoria e atrai um pequeno auditório. Logo ao lado, dois homens a cavalo e vestidos com gorros de pele de panda vermelho e coletes ainda mais felpudos levam a cabo a sua própria exibição, apenas de pose, na expectativa de que os visitantes Han da cidade lhes paguem por fotos na sua companhia. É algo que vemos repetir-se com frequência.

Com o novo ocaso, a luz suave da tarde volta a disseminar-se. Jantamos no andar cimeiro de um café de nome “Enjoy” de onde fotografamos o pavilhão Wangu iluminado e destacado, ao longe, sobre a Lion Hill e, encosta abaixo, o casario secular de Lijiang dourado por uma iluminação nocturna exuberante que combina luzes amarelas nos velhos telhados com a de candeeiros de papel chineses vermelhos.

Em seguida, dirigimo-nos ao edifício não menos antigo da Dayan Naxi Ancient Music Association e instalamo-nos para apreciar um dos concertos da Orquestra Naxi local. Os vinte e tal músicos decanos entram sem pressas. Vários deles ostentam cabelos e barbas brancas. Veteranos de tais exibições, pouco ou nada ensaiam. Inauguram, num ápice, os temas dongjing tradicionais taoistas que haviam escolhido para o alinhamento. E encantam-nos com a magia das suas flautas e de distintos instrumentos de corda asiáticos: charamelas, alaúdes chineses, plectros e cítaras, entre outros.

A música tradicional dongjing foi apurada ao longo de cinco séculos até atingir uma harmonia e uma concepção artística considerada transcendental. Em tempos, estava reservada à nobreza chinesa. Com o passar dos anos, a exclusividade cedeu perante a paixão do povo nashi pela música. Nesse dia, a orquestra oferecia-a a nós e aos restantes espectadores. E como se de nada de especial se tratasse, emprestava um pouco mais de vida e de cor a Lijiang.

 

Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Pequim, China

O Coração do Grande Dragão

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação

Herança colonial
Arquitectura & Design

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Tsumago em hora de ponta
Cidades

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cultura
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

De volta ao porto
Em Viagem

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Maias de agora
Étnico

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Cap 110
História

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Lombok
Ilhas

Gili Islands, Indonésia

As Ilhas que Não Passam Disso Mesmo

São tão humildes que ficaram conhecidas pelo termo bahasa que significa apenas ilhas. Apesar de discretas, as Gili tornaram-se o refúgio predilecto dos viajantes que passam por Lombok ou Bali.

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Caribe rosado
Natureza

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Chapéu Lenticular
Parques Naturais

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Cortejo garrido
Património Mundial Unesco

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Hotel à moda Tayrona
Praia

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Wall like an Egyptian
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.