Chebika, Tamerza, Mides, Tunísia

Onde o Saara Germina da Cordilheira do Atlas


Buvette do Oásis
O Conforto de Hadi
Canyon de Mides
Mãos de Ouro
Cabra-Montesa
Pequeno Oásis
Rio de Palmeiras
Cascata-Oásis de Chebika
O Trilho do Oásis
Travessia do Deserto
Venda de Chebika
Venda de Chebika II
A Nova Chebika
Panos de Tamerza
A Velha Tamerza
O Grande Desfiladeiro
Chegados ao limiar noroeste de Chott el Jérid, o grande lago de sal revela-nos o término nordeste da cordilheira do Atlas. As suas encostas e desfiladeiros ocultam quedas d’água, torrentes sinuosas de palmeiras, aldeias abandonadas e outras inesperadas miragens.

Vem-nos à mente, acompanhada de um sorriso sarcástico, a preocupação de antes do Verão, de se, no final de Setembro, início de Outubro, o calor tórrido do Saara já teria desvanecido o suficiente.

Em Tozeur, às portas do maior dos desertos de areia, o dia amanhece sob um céu plúmbeo. Irriga-o uma carga d’água.

Mantemos os planos.

Metemo-nos no trânsito urbano, perturbado por inúmeras recém-formadas poças e pela lentidão de veículos e de pedestres impreparados para a intempérie.

Por fim, deixamos a cidade, para a recta sem aparente fim que conduz à orla oriental do lago Chott el-Gharsa e ao sopé da secção tunisina do Atlas.

À medida que nos acercamos da cordilheira, o manto de nuvens dá de si. Concede passagem a uns poucos laivos solares que douram as montanhas e fazem resplandecer o palmeiral denso na sua base.

Estamos prestes a atravessá-lo. Um longo rebanho de cabras cruza a amostra de asfalto. Deixa-nos a contemplá-lo e ao cenário imponente que dali se destaca.

Passa a última cabra. Saúda-nos o pastor.

Com a via desimpedida, enfiamo-nos no palmeiral e prosseguimos pela ladeira recurvada que subia para Chebika, a primeira escala do dia.

Chebika, um Desfiladeiro-Palmeiral na Base da Cordilheira do Atlas

Um desvio ténue da estrada deixa-nos junto ao mercado de artesanato e de souvenirs da povoação, disposto logo ao lado do miradouro que ali atrai centenas de visitantes por dia.

Dois ou três guias disputam a nossa atenção. Nem essa esperada distração atenua o espanto que nos assola.

O mesmo palmeiral que tínhamos atravessado surge magnificado.

Ocupa uma faixa generosa da terra salgada de El Gharsa.

Víamo-lo preencher o desfiladeiro inclinado que tínhamos a leste, com ensejos de se alastrar ao outro lado da serrania.

O caminho progride pela beira elevada da povoação, entre vendedores de pedras e minerais e outros de artesanato.

Onde o casario termina, o trilho prossegue encosta acima.

Até um ponto ainda mais panorâmico, coroado pela estátua de uma cabra montesa.

Da Ad Speculum Romana à Coexistência Arabe-Beduína

Na longa Era Romana, este lugar acolheu uma civitas denominada Ad Speculum.

Situava-se sobre uma das limes (linhas de defesa) em que os Romanos se defendiam dos ataques dos povos a que chamavam bárbaros.

Avancemos até ao século VII d.C..

Os árabes liderados pelo califado Omíada varreram o Império Bizantino de África, já abalado pelos sucessivos ataques Vândalos.

Novas vagas de árabes impuseram-se para ficar, inclusive, aos nativos berberes que, malgrado as sucessivas imposições de povos forasteiros, sempre habitaram estas terras.

Daquele ponto, conseguíamos apreciar melhor o casario arruinado que ficara para trás, o povoado Chebika original.

O Legado da Enxurrada Diluviana de 1969

Tal como sucedeu a tantos outros, na iminência do Saara e até mais para sul, destruiu-o uma aberração meteorológica de 1969 que nos faz reavaliar a estranheza da intempérie matinal.

Nesse ano, uma chuva intensa de vinte e dois dias gerou enxurradas que erodiram e arrastaram os edifícios erguidos num adobo arenoso vulnerável. Quando a intempérie deu de si, além de toda a destruição, tinha feito mais de quatrocentas vítimas.

E, no entanto, o sol continuou a brilhar em, pelo menos, 350 dos 365 dias do ano. A Chebika que sobrou do temporal mantem o seu cognome de Qasr el-Shams ou “Palácio do Sol”.

A nova povoação pouco ou nada tem que ver com a predecessora.

Foi construída de urgência, na falda de uma derradeira crista do Atlas oriental, já na planura do deserto, em materiais modernos mais resistentes às chuvadas que, de tempos a tempos, inundam as montanhas e o Saara.

Cenários Resplandecentes de “O Paciente Inglês” e de “A Guerra das Estrelas”

Passam por nós duas visitantes espanholas, conduzidas por um guia local.

“Reparem bem no palmeiral lá em baixo”, roga-lhes.

“Este mesmo cenário que daqui descobrimos, entrou num filme que estou certo que conhecem.

Aliás, entrou o cenário e entrei eu!” acrescenta, com orgulho.”

O filme é o nove vezes galardoado com Óscares da Academia, “O Paciente Inglês” realizado por Anthony Minghella.

Na longa-metragem de 1996, Ralph Fiennes interpreta o Conde László de Almásy, um cartógrafo húngaro que, nos derradeiros anos 30, liderava uma expedição da Royal Geographic Society com o propósito de cartografar a Líbia e o Egipto.

O alastrar da 2ª Guerra Mundial a África envolve László na trama intrincada do conflito entre Aliados e forças do Eixo. Um avião pilotado pelo conde húngaro é abatido. László sofre queimaduras graves.

É salvo pelos Beduínos. Após um hiato no tempo e no mapa, vemos Hana, uma enfermeira representada por Juliette Binoche a tratá-lo, já em Itália.

Além de “O Paciente Inglês”, os cenários de Chebika surgem no episódio IV – “Uma Nova Esperança” da “Guerra das Estrelas”. Aliás, vários episódios da saga foram filmados em diversos lugares da Tunísia , incluindo na ilha de Djerba

À medida que avançamos, vemos definirem-se esses e outros cenários.

Novos meandros do estreito, salpicado de palmeiras, refrescados por uma queda d’água que a chuva da noite revigorara.

Do Cimo às Profundezas Irrigadas de Chebika

Descemos para as funduras do desfiladeiro.

Percorremo-lo até ao beco sem saída marcado pela cascata, entre uma colónia de palmeiras de distintas alturas e formas.

Algumas, aparentam brotar da rocha. As mais idosas, estão carregadas das tâmaras que há muito alimentam os beduínos e os árabes magrebinos.

Regressamos ao miradouro inicial.

Dali, ascendemos pelas elevações de Djebel el Negueb, rumo a Tamerza (antiga Ad Turres romana), com passagem pela sua Cascade de la Palmeraie.

Encontramo-la com um volume comedido. Ainda assim, entretém, sobretudo com selfies, algumas famílias tunisinas.

As Ruínas da Velha Tamerza, à Beira de Outro Oásis

A mesma via no cimo da ravina, cruza a Tamerza moderna. Deixa-nos de frente para Tamerza El Gdima, do lado de lá de um leito fluvial seco, encaixada aquém das falésias de outro canyon, o Dourado.

À imagem de Chebika, a velha Tamerza el Gdima perdura em ruínas, destruída pelas mesmas chuvas diluvianas de 1969.

Também surge em cenas de “O Paciente Inglês”, em panoramas vistos do avião pilotado pelo Conde Almásy.

Anos antes, George Lucas inspirou-se e, mais tarde, instalou-se com a sua equipa no hotel Tamerza Palace. Dessa base logística, filmou outros trechos da sua saga “Guerra das Estrelas”, nestas paragens que continuamos a desvendar.

A Caminho de Mides, com a Argélia logo ao Lado

Estamos a uns poucos quilómetros da vizinha Argélia. Entre o Tamerza Palace e Ain El Karma, cortamos para nordeste, na direcção de Mides, do seu oásis e desfiladeiro.

A determinada altura deste faroeste tunisino, a fronteira fica tão próxima que rasamos grandes vedações coroadas por arame-farpado e torres de vigia.

A estrada gasta e poeirenta rende-se a novo precipício.

Fica-se pela entrada do oásis de Mides e pela beira do seu longo canyon, famoso não tanto pela profusão de palmeiras no fundo (só alberga umas poucas), mas pelas suas falésias arredondadas, cravadas de camadas geológicas.

Passamos por um dos muitos vendedores de minerais da região. A sua banca exibe dezenas de rosas de sal do deserto.

Não obstante, o comerciante tenta impressionar-nos com uns poucos dentes fossilizados de tubarão, para nossa surpresa, abundantes nas terras ressequidas em volta.

Chegamo-nos ao limiar do precipício.

As Linhas Retorcidas do Canyon de Mides

Admiramos-lhe as formas caprichosas. Percebemos o porquê de os romanos ali se terem aquartelado, protegidos de investidas inimigas pelos fossos naturais a toda a volta.

Ao longo dos séculos, a povoação beduína local defendeu-se de maneira idêntica. Não resistiu à pluviosidade aberrante, de 1969, que arrasou as Chebika e Tamerza originais.

Caminhamos pela orla quando Hedi, um outro vendedor, nos convida a examinar as pedras e minerais expostos no seu bar-esplanada, a uns poucos passos de uma queda para as entranhas do desfiladeiro. Compramos-lhe duas pequenas geodes de interior brilhante.

Examinamo-las quando reparamos numa relíquia de sofá de costas de asa-de-borboleta, muito altas, num recanto do estabelecimento. Parece-nos ainda mais exuberante que os geodes.

O Sofá Casamenteiro de Hedi

Hedi nota a súbita admiração. Pergunta-nos se o queremos experimentar. “Antes, os noivos, vinham cá ao canyon.

Fotografam-se em longas sessões casamenteiras. Entretanto, meteu-se pandemia e, com os confinamentos, perdemo-los. Estão a voltar, mas muito pouco. Olhem, aproveitem vocês!”

Temos outros planos. Pedimos a Hedi para nele se instalar, o mais confortável possível.

Fotografamo-lo e à sua elegância beduína, com a barba grisalha a condizer com o turbante branco e a napa pejada de tachas decorativas afundadas.

Tínhamos chegado aos 386 metros.

Aqueles confins orientais da cordilheira ainda subiriam até aos 1544 m do monte Jebel ech Chambi, o zénite da nação.

Três povoações, oásis e desfiladeiros do Atlas tunisino depois, com o sol a afundar-se para oeste do Saara, revertemos caminho apontados ao ponto de partida de Tozeur.

RESERVE O SEU ITINERÁRIO PELA TUNÍSIA COM A AGÊNCIA ALYSSA:

www.voyage-tunisie.com

[email protected]

Whats App: +216 50 510 760

Tel.:  +216 75 674 493

Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Djerba, Tunísia

A Ilha Tunisina da Convivência

Há muito que a maior ilha do Norte de África acolhe gentes que não lhe resistiram. Ao longo dos tempos, Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos, Árabes chamaram-lhe casa. Hoje, comunidades muçulmanas, cristãs e judaicas prolongam uma partilha incomum de Djerba com os seus nativos Berberes.
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
St. Augustine, Cidade da Flórida, EUA, a ponte dos Leões
Cidades
Saint Augustine, Florida, E.U.A.

De Regresso aos Primórdios da Florida Hispânica

A disseminação de atracções turísticas de gosto questionável, torna-se superficial se tivermos em conta a profundidade histórica em questão. Estamos perante a cidade dos E.U.A. contíguos há mais tempo habitada. Desde que os exploradores espanhóis a fundaram, em 1565, que St. Augustine resiste a quase tudo.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Cultura
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Em Viagem
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Viagem São Tomé, Equador, São Tomé e Principe, Pico Cão Grande
História
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
Ilhas
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Natureza
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Património Mundial UNESCO
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
A República Dominicana Balnear de Barahona, Balneário Los Patos
Praias
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Teleférico de Mérida, Renovação, Venezuela, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Sociedade
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT