Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos


Do Cimo do Farol
O Vulcão dos Capelinhos como visto do cimo do farol homónimo.
Cimo do Velho Farol
O Farol dos Capelinhos, desactivado após a destruição provocada pelas sucessivas erupções e sismos de 1957-58.
Arco-Íris de Limiar
Arco-íris resplandece sobre a fronteira entre a área verdejante e a árida da Península dos Capelinhos.
O Derradeiro Caminho
O Caminho do Vulcão. Atravessa a Península dos Capelinhos até a Ponta dos Capelinhos.
Jipe & Império
Jipe passa em frente a um dos Impérios do Divino da ilha do Faial.
Almoxarife
Vista de Almoxarife do cimo do Miradouro da Conceição.
Moinho Flamengo.
O moinho da Espalamaca, com a montanha do Pico em fundo.
Convívio ao vento
Amigas conversam junto a uma vedação do Vulcão dos Capelinhos.
Pasto Viçoso
Vacas pastam num prado entre Almoxarife e a Caldeira do Faial.
Arco e Íris
Arco-Íris dá mais cor a área enegrecida da Península dos Capelinhos.
O Velho Farol
Secção da Ponta dos Capelinhos, coroada pelo farol homónimo.
Coroa do Império
O cimo de um dos Impérios do Divino da Ilha do Faial.
O Vulcão dos Capelinhos
Panorâmica da Ponta dos Capelinhos com o vulcão homónimo em fundo.
Almoxarife de Basalto
Areal vulcânico da Praia de Almoxarife, com a montanha do Pico do outro lado do Canal do Faial.
De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.

Estava longe ser o caminho mais fácil e rápido para a costa e o extremo ocidental da ilha.

Era, no entanto, o único que a quase atravessava ao meio. Com passagem pela Caldeira, a cratera afundada e lacustre que era suposto provar-nos como o Faial, à imagem do vizinho Pico, tinha tanto de ilha como de vulcão.

Partimos para essa ascensão, das imediações da Praia do Almoxarife. Viramos as costas de vez ao Pico, primeiro apontados a Conceição, dali, EN1-2A acima, a ziguezaguearmos por entre moinhos de vento e minifúndios férteis, fertilizados por vacas entregues aos seus infindáveis pastos.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Vista de Almoxarife do cimo do Miradouro da Conceição.

Aos poucos, subimos do quase nível do mar, aos 1.043 metros do Cabeço Gordo, o tecto da ilha.

Estávamos a menos de metade da altitude do Pico. Mesmo assim, quando saímos do carro e vencemos o derradeiro trecho para o Miradouro, um vendaval tresloucado quase nos varre Faial abaixo.

Se fosse só a ventania, não estaríamos mal.

O Zénite Nublado do Cabeço Gordo e a Caldeira Sumida na Névoa

Uma caravana de nuvens passava por ali. Tão densas como desgovernadas, levavam consigo a visibilidade com que contávamos, uma claridade de atmosfera, parcial que fosse, que nos deixasse deslumbrarmo-nos com a cratera iminente. Sabíamos o quão verdejante e especial era a caldeira. Mede 1.5km de diâmetro. E quase 400 metros até ao seu ponto mais fundo, no leito da lagoa que há muito a habita.

Para mais, um trilho percorria toda a volta da sua orla. Dar-lhe um giro contemplativo, era, num dia de bonança, um exercício também fotográfico deslumbrante. Naquelas condições, só com muita sorte evitaríamos acabar estatelados nas profundezas do vulcão.

Esperamos vinte minutos. Depois meia-hora. De início sobre a orla, a tremer que nem varas. Momentos depois, já dentro do carro que o vento, além de furioso, soprava húmido e batia em nós gélido. Quase três quartos de hora de ditadura de branco depois, rendemo-nos à frustração.

Damos uma olhadela definitiva do cimo da orla. Sem vislumbrarmos uma aberta de azul que fosse, revertemos. Para o carro. E para a Estrada Nacional 2-2A.

Com aquelas desventuras da caldeira, já nos tínhamos esquecido da excentricidade rodoviária em que andávamos. Nuns poucos quilômetros, a estrada tratou de nos reavivar a memória. Em vez de uma mera via linear e estável de asfalto, à imagem do seu próprio nome, a EN 2-2A desmultiplicava-se e travestia-se numa sucessão de trechos inusitados.

O Percurso Mágico para a Costa Oeste. Na Senda dos Capelinhos

O percurso para o litoral oeste, obrigava-nos a contornar pelo menos metade da base da Caldeira, contra os ponteiros do relógio, em soluços ondulantes gerados pelas incontáveis linhas de água que ramificavam da barriga do Cabeço Gordo, em busca do Atlântico.

Nalgumas secções, a estrada mantinha-se convencional. Sem aviso, interrompia-a um longo remendo empedrado que as frequentes enxurradas abaulavam a seu gosto.

A espaços, a rota sinuosa entregava-nos ainda a pinhais e florestas de cedro, lúgubres a condizer.

Em puro contraste, de cada novo cimo de meandro, com o oceano cada vez mais perto, a estrada voltava a embasbacar-nos com a exuberância verde-azul-marinha em redor.

Praia de Almoxarife, Misterios, Faial, Açores

Areal vulcânico da Praia de Almoxarife, com a montanha do Pico do outro lado do Canal do Faial.

Nas imediações da aldeia de Joana Alves, sabíamos que tínhamos já entrado na espécie de fatia de queijo faialense da freguesia de Cedros.

Chegados a Ribeira Funda, faltava-nos pouco para entrarmos na de Praia do Norte. Seguir-se-iam a do Capelo e a península homónima que perseguíamos desde os antípodas de Almoxarife.

Escondia-se em Capelo, o intrincado Mistério dos Capelinhos, uma profusão de expressões vulcânicas e tectónicas que se alongava até à Ponta dos Capelinhos e salpicava o mar ao largo.

O Passado Dramático do Vulcão dos Capelinhos

Desde os confins da colonização portuguesa do Faial que as gentes da ilha ali confluíam em função da fertilidade dos solos. Século atrás de século, as gentes beneficiaram de uma produção agrícola imaculada e das pastagens que davam sentido a toda e qualquer existência.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Vacas pastam num prado entre Almoxarife e a Caldeira do Faial.

De tal maneira que, de ainda antes do Valadouro, estrada fora, pela falda circular do Monte Capelo, até ao Norte Pequeno, se repetem casas e casinhas alvas, boa parte delas, com vistas desafogadas para o oceano e que concedem aos moradores vidas rurais, piscatórias e até turísticas tão simples e estáveis como se possa imaginar.

No dia 16 de Setembro de 1957, a Terra começou a agitar essa tranquilidade. Nesse dia, tomou conta do lugar uma hiperactividade sísmica que abalaria, para sempre, as vidas destas paragens. Até dia 27, registaram-se mais de 200 sismos de intensidade Mercali intermédia.

Nesse mesmo dia, verificou-se que, a meras três centenas de metros da Ponta dos Capelinhos, o Atlântico, por norma frio, fervia e borbulhava.

Chegado o fim do mês, a intensidade dos sismos aumentou de forma brusca.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Arco-Íris dá mais cor a área enegrecida da Península dos Capelinhos.

Da Ameaça Sísmica, à Catástrofe Vulcânica

O mero borbulhar deu origem a uma projecção de cinza vulcânica, que nos seus momentos mais dramáticos, chegou ao quilómetro e meio de altitude, quinhentos metros mais alto que o tecto do Faial do Cabeço Gordo.

Mas não eram apenas as cinzas que explodiam para o céu. Com a água do oceano num modo de panela de pressão, também se geraram gigantescas nuvens de vapor. As mais dantescas ascenderam aos quatro quilómetros. Como se não bastasse, a 27 de Setembro, deu-se ainda uma erupção submarina ao largo da Ponta dos Capelinhos.

Avancemos até 13 de Outubro. A actividade vulcânica subiu de nível. Explosões poderosas projectaram verdadeiras bombas de lava e cinza para os céus.

Ao caírem sobre o Faial, essa lava e as cinzas arrasaram os cultivos e os pastos sobretudo os das freguesias actuais do Capelo e da Praia do Norte. Mas não só. Tornaram-se de tal forma aflitivas e perigosas que obrigaram à evacuação em massa dos habitantes com lares nas imediações do vulcão.

O Refúgio Providencial no Nordeste dos Estados Unidos

Daí em diante, durante um longo período, milhares de faialenses afligidos viram-se aliciados por uma cota de emigração extraordinária concedida pelas regiões de Rhode Island e de Massachussetts, também por vontade do Senador, não tarda presidente dos E.U.A., John Fitzgerald Kennedy.

Convencidos pelo espírito comunitário da migração, a maior parte dos faialenses caídos em desgraça, mudaram as suas vidas para o litoral nordeste dos Estados Unidos. É, aliás, a razão porque a maior parte dos emigrantes portugueses na América se concentram nestas zonas.

E porque nelas se perpetua o culto açoriano do Divino, com forte expressão no Faial.

Império do Divino, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Jipe passa em frente a um dos Impérios do Divino da ilha do Faial.

Enquanto essa emigração atlântica se desenrolava, nos Capelinhos, ao nível do solo e subterrâneo, já fluíam para o mar rios de lava imparáveis.

A actividade vulcânica prosseguiu, assim mesmo, dinâmica e complexa. O Faial ganhou novas terras.

Uma Iniciativa Nacionalista Desprezada pela Geologia do Faial

No dia 10 de Outubro, foi avistada uma ilha recém-formada. Treze dias depois, dois repórteres da RTP, Carlos Tudela e Vasco Hogan Teves e Urbano Carrasco, jornalista do Diário Popular, transportados num barco a remos pelo proprietário Carlos Raulino Peixoto, desembarcaram na recém-descoberta Ilha Nova.

Plantaram sobre as cinzas uma bandeira portuguesa. Este seu atrevimento ficou para a eternidade. Ao contrário da ilha.

Inflada até a uns quase 100 metros de altura e 800 de diâmetro, a Ilha Nova aguentou a bandeira das quinas apenas seis dias. A 29 de Outubro, afundou-se.

A actividade sísmica prolongou-se meses a fio. Nesse tempo, moldou a paisagem do Capelo e do oceano ao largo a seu bel-prazer. Esta obra da Terra provou-se de tal forma exuberante que a National Geographic decidiu registá-la e enviou dois dos seus repórteres.

Farol, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Secção da Ponta dos Capelinhos, coroada pelo farol homónimo.

Em termos sísmicos, o Vulcão dos Capelinhos teve um novo ápice na noite de 12 para 13 de Maio de 1958, quando se registaram quase quinhentos abalos.

No dia seguinte, as erupções passaram a um modo estromboliano. Mais regulares, as suas projecções de lava incandescente chegaram aos 500 metros.

Geraram um bruar assustador e uma vibração avassaladora que ameaçaram as casas do Faial e até das outras ilhas do triângulo atlântico.

Malgrado a sua exuberância, o longo fenómeno vulcânico do Mistério dos Capelinhos não fez vítimas.

Uma Séria Averiguação Fotográfica do Mistério dos Capelinhos

Mais metro menos metro de areal e cinza, ou de diâmetro da cratera e das ilhas que então se formaram, os Capelinhos e o Capelo ficaram como os estávamos prestes a encontrar.

Caminho do Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

O Caminho do Vulcão. Atravessa a Península dos Capelinhos até a Ponta dos Capelinhos.

Norte Pequeno já para trás, ao passarmos pelo sopé do Cabeço do Canto, flectimos para o Caminho do Vulcão.

Esta espécie de recta inaugural, transpõe-nos de um mato verdejante para uma planície de cinza-terra. Estacionamos.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

O Vulcão dos Capelinhos como visto do cimo do farol homónimo.

Caminhamos até ao Centro de Interpretação do Vulcão que estava prestes a fechar e subimos numa correria ao topo do farol da Ponta dos Capelinhos.

Ali, em modo panorâmico, batidos por um vendaval similar àquele com que a Caldeira nos havia prendado, apreciamos o cenário surreal, algo lunar em redor.

Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Panorâmica da Ponta dos Capelinhos com o vulcão homónimo ao fundo.

A mesma caravana de nuvens do zénite faialense sobrevoava-nos.

Prendava-nos com um jogo de sol e de sombra mágico que fazia oscilar o prateado marinho da enseada por diante e, de tempos a tempos, dourava a terra vulcânica do areal, das encostas de cinza e do que resta da cratera.

Chegaram nuvens mais densas que largaram uma chuva miudinha. E legaram um arco-íris que fez de ponte entre o mar de verde no interior da península e as “traseiras” da cratera.

Arco-íris, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

Arco-íris resplandece sobre a fronteira entre a área verdejante e a árida da Península dos Capelinhos.

Já demasiado encharcados, recolhemos ao interior do farol e regressamos à sua base.

Com o sol quase a pôr-se ao largo, metemo-nos pelo trilho que conduzia à praia do vulcão. Caminhamos sobre o areal  basáltico. Resistimos a uma súbita vontade de mergulhar e de nadar.

Mal abrigados sob uma ilha de arbustos que ali resistia à opressão geológica, vimos mais nuvens e uma nova chuvinha apoderarem-se da velha torre.

O aguaceiro seguinte, caiu já com o grande astro a sumir-se para o outro lado da Terra.

Sabíamos que a longa erupção de 1957/58 dos Capelinhos tinha arruinado o farol. De acordo, consolámo-nos a apreciar a luz derradeira do ocaso.

Farol, Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores

O Farol dos Capelinhos, desactivado após a destruição provocada pelas sucessivas erupções e sismos de 1957-58.

Com uma tempestade séria e o breu a instalarem-se sobre a península cinzenta, refugiamo-nos no carro e inauguramos o regresso ao outro lado do Faial. E à Horta.

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Thira, Santorini, Grécia

Thira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Thira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques nacionais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

viagem de volta ao mundo, símbolo de sabedoria ilustrado numa janela do aeroporto de Inari, Lapónia Finlandesa
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Étnico
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
História
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Ilhas
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Natureza
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Vaca cachena em Valdreu, Terras de Bouro, Portugal
Parques Naturais
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Património Mundial UNESCO
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Brigada incrédula
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.