Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono


Pré-Tosquia

Empregado da herdade Walter Peak segura uma ovelha que irá tosquiar.

Herdade Walter Peak

Visitantes da herdade Walter Peak aguardam o barco TSS Earnslaw de regresso a Queenstown, à beira do lago Wakatipu.

Curral Walter Peak

Ovelhas da herdade Walter Peak de Queenstown aguardam tosquia.

Saída para o Pasto

Ovelhas deixam uma herdade perdida numa enseada profunda da enseada de Banks de forma ordeira

Rebanho dourado

Rebanho no sopé de uma encosta nos arredores de Arrowtown.

Contraste ovino

Ovelhas sobre uma pastagem da herdade Walter Peak.

Rebanho Aspiring

Rebanho num pasto entre Wanaka e a base do Monte Aspiring.

Haste Impressionante

Anfitrião da herdade Walter Peak exibe uma haste.

Fila ovina

Fila de ovelhas numa margem elevada de um rio na proximidade do monte Aspiring.

Tosquia

Empregado da herdade Walter Peak exemplifica uma tosquia.

Border Collie

Cão pastor Border-collie persegue e agrupa ovelhas, o seu principal contibuto para a vida dos criadores de ovelhas.

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

A excêntrica Península de Banks parece resultado de um momento de diversão geológica. Um maciço central elevado e repleto de pequenas colinas ondulantes dá lugar, nas extremidades mais baixas, a inúmeros recortes na paisagem, enseadas e baías de que o oceano Pacífico há muito se apoderou. Dois vulcões residentes, o Lyttelton e o Akaroa chegaram a medir, ali, 1500 m de altitude mas uma forte erosão, comandada pela mesma actividade sísmica que sacudiu recentemente Christchurch e a região circundante, quebraram-nos e alisaram-nos, ao longo do tempo.

Mas, por estranho que pareça, há pouco de vulcânico no cenário. Quase não se vê lava solidificada ou rocha basáltica, cobertas por um tapete perfeito de erva que se estende pelas encostas e chega a invadir os areais poeirentos. Vedações rústicas quebradas, aqui e ali, por portões de madeira, acompanham as estradas estreitas que nos introduzem a um dos ambientes realmente bucólicos à face da Terra. E, curva atrás de curva, pasto após pasto, revelam mais e mais espécimes da fauna ovina neozelandesa.

Os mapas de propriedades da província de Canterbury provam o predomínio das herdades originalmente ovelheiras. Se o espectro for alargado à chuvosa nação kiwi, pouco muda.

James Cook foi pioneiro a trazer ovinos para as terras da Nova Zelândia, durante as expedições marítimas que liderou entre 1773 e 1777. A espécie não se estabeleceu nessa ocasião mas a história mudou quando quatro colonos empreendedores importaram 1600 espécimes da Austrália para Wellington e distribuíram mais de metade pelo sul da Ilha do Norte. Continuou a corrigir-se  após William e John Deans terem introduzido os primeiros merinos (carneiros originais de Aragão) às planícies de Canterbury, muito antes da espécie ter dado lugar a outras mais leves e adaptáveis aos solos ensopados ou simplesmente mais rentáveis, casos das English Leicester, as Lincoln, Romney Marsh, Cheviot e as Border Leicester, posteriormente cruzadas.

E Johny Jones conseguiu, em Otago, no sudeste da Ilha do Sul, o primeiro sucesso inequívoco. Este investidor, enriqueceu a sua estação baleeira de Waikouaiti com 2000 ovelhas instaladas em terras alugadas a tribos maoris. Assegurou, dessa forma, uma alimentação mais diversificada aos homens do mar e iniciou-se na exportação de lã que viria a aquecer a economia local.

A expansão da criação ovina na Ilha do Norte foi inicialmente travada pelo facto de os indígenas maori deterem a maior parte das terras e por estas se encontrarem subsumidas num mato cerrado. O sul adiantou-se mas à medida que os colonos conseguiam obter dos nativos mais pasto acima do estreito de Cook, a Ilha do Norte alinhou com a do sul e a Nova Zelândia entrou no século XX, em plena prosperidade.

A partir de 1882, a indústria da carne congelada desenvolveu-se e prendou os proprietários de herdades com novas oportunidades.  No período de recuperação da 2ª Guerra Mundial, a Grã-Bretanha absorveu toda a produção de lã e carne da Nova Zelândia. E, antes e durante a guerra da Coreia, os EUA procuraram quantidades do produto nunca imaginadas pelos produtores kiwis. Até 1961, a lã representou um terço das exportações do país e as suas remessas combinadas com as da carne congelada tornaram a criação de ovinos a actividade rural mais importante até 1987. 

Daí em diante, distintas alternativas aliciaram os donos das herdades ovelheiras que vamos encontrando por todo o país.

Em Queenstown, na região sublime dos Southern Lakes, como por todos os recantos da nação, o advento do turismo ajudou a baralhar as regras do jogo e, em certos lugares privilegiados, inspirou soluções menos trabalhosas mas altamente rentáveis.

Durante anos a fio, o navio a vapor TSS Earnslaw foi o único meio de transporte fiável e prático a operar no vasto lago Wakatipu. À época, deslocava oitocentos passageiros enquanto as nuvens de fumo largadas pela sua chaminé pintavam o céu de negro. A herdade Walter Peak, situada na extremidade do lago oposta a Queenstown, dependia em parte da embarcação. Hoje, as suas actividades pecuárias são apenas as suficientes para atrair os turistas mas a relação com o barco, mantém-se.

Faça chuva ou faça sol, a Lady of the Lake (como era também chamado) zarpa de Queenstown carregado de curiosos urbanos que admiram o lago e as montanhas nevadas circundantes e pisam o solo da propriedade ansiosos pela descoberta rural.

São recebidos numa elegante mansão central e mimados com chá e scones. Em seguida, um capataz-humorista residente apresenta-lhes a Walter Peak Farm e as virtudes dos cães pastores locais. Para terminar, demonstra os segredos da tosquia numa ovelha azarada: “O senhor do cabelo metaleiro aí atrás não se ria da criatura que trato de si a seguir!”

As piadas sádico-rurais do anfitrião e as exibições, em geral, divertem a assistência. E o lucro obtido com os bilhetes pagos a peso de ouro, continua a justificar o abandono dos negócios que estiveram na base da fundação da quinta, ali, cada vez menos rentáveis.

Mas foram variáveis políticas e económicas bem mais influentes que fizeram e fazem oscilar o número das ovelhas neozelandesas.

Em 1973, a Grã Bretanha aderiu à UE e submeteu-se ao proteccionismo do Velho Mundo passando a absorver menos produção dos antípodas. Também na década de 70, deu-se o primeiro choque petrolífero que inflacionou o custo do transportes. Enquanto isso, uma miríade de novos materiais naturais e sintéticos substituíram a lã na confecção de vestuário e outros adereços.

Subsídios governamentais forçados mantiveram a indústria à tona e, apesar das dificuldades do mercado, o número de animais atingiu o seu máximo de 70.301.461 cabeças, em 1982. Três anos depois, o governo inaugurou uma política de mercado livre e retirou abruptamente todos os apoios aos produtores que se começaram a tresmalhar.

Já nos anos 2000, alguma lã que era ainda comprada pela Austrália, Europa e Estados Unidos passou a ser enviada em bruto para a China, para ser enrolada em novelo a baixo custo. Mesmo assim, em duas décadas, as ovelhas neozelandesas diminuíram para metade.

“Não vai demorar muito, amigo…” mente-nos o moderno cowboy kiwi, do cimo da sua moto-quatro amarela. Como qualquer nativo, já achamos normal ficarmos retidos quinze minutos numa estrada à espera da travessia do gado mas, agora, como quase não acontecia, são também manadas de vacas, não só rebanhos, os responsáveis.

A resposta das herdades à crise implicou uma mudança drástica para a produção de lacticínios (de vaca) que depressa ultrapassou os proveitos ovinos, impulsionada pela acção da maior empresa do país, a Fonterra, que controla quase um terço do comércio internacional do ramo.

A Nova Zelândia é ainda o maior exportador de carne de ovino e lã forte do mundo. E apenas o oitavo produtor mundial de leite. Mas a contagem das ovelhas continua decrescente.

 

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Nana Kwame V, chefe ganês, festival Fetu Afahye, Gana
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Cidades
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Indígena Coroado
Cultura

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

De volta ao porto
Em Viagem

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Convívio masai
Étnico

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Comunismo Imperial
História

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Desembarque Tardio
Ilhas

Arquipélago Bacuit, Filipinas

A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Natureza
Montalegre, Portugal

Lá pelo Alto de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta das povoações e outros lugares deslumbrantes deste cimo elevado e raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Trio das alturas
Parques Naturais

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Sombra Missioneira
Património Mundial UNESCO

Misiones, Argentina

Missões Impossíveis

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Conversa ao pôr-do-sol
Praias

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Erika Mae
Sociedade

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.