Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado


Palestra

Ian Channel, feiticeiro da Nova Zelândia, ora de cima de um escadote.

Estátua de Christchurch

Estátua de bronze confere algum mistério à cidade atormentada de Christchurch.

Oficial Contrariado

Um figurante histórico junto a um canal de Christchurch.

Xadrez de rua

Habitantes de Christchurch jogam xadrez num tabuleiro da Cathedral Square.

No Escadote

Ian Channel, feiticeiro da Nova Zelândia durante uma das suas dissertações de rua.

Bridge of Remembrance

A Ponte da Memória que homenageia os mortos neozelandeses nas duas guerras mundiais.

No Coração de Christchurch

Indicações apontam algumas das áreas de Christchurch em que o feiticeiro Ian Channel se costumava mover antes do sismo demolidor de 2011.

Palestra esotérica

Espectadores tentam acompanhar as premissas pouco mundanas do bruxo Ian Channel.

Gôndola Kiwi

Punter conduz um passeio de "punting" no rio Avon, um dos passatempos mais famosos de Christchurch.

Manhã axadrezada

Jogadores disputam partidas de xadrez na Cathedral Square de Christchurch.

Torre catedral

Torre da catedral de Christchurch, danificada no tremor de terra de Fevereiro de 2011.

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

A província neozelandesa de Canterbury vivia a sua habitual paz bucólica quando encontrámos o Wizard pela primeira vez. A vida já longa de Ian Channell tinha-o feito passar por vários recantos do mundo anglófono, da velha Álbion aos confins do downunder mas era na Cathedral Square de Christchurch que mais se sentia em casa e a manhã solarenga favorecia o impacto da sua pregação. Na praça, duas rulotes coloridas disputavam os primeiros clientes do dia, uma a promover comida chinesa e a outra os seus wraps de kebab. No extremo oposto, espectadores casuais acompanhavam os movimentos decididos por xadrezistas de rua em confronto, todos reunidos em volta de um enorme tabuleiro pintado no chão. Enquanto isso, vários eléctricos número 18 coloridos chegavam e partiam da estação terminal.

Ian já nem precisava de chegar aos últimos degraus do seu escadote para se destacar na praça. O feiticeiro vestia uma túnica branca em que assentavam uma barba e cabelo compridos e grisalhos. Apoiava-se na derradeira tábua do palco improvisado e enunciava as suas mais recentes teorias para uma pequena multidão de curiosos: “And ladies and gents … this is the eternal truth …” insistindo em como o tempo se cruza com o espaço e ambos se projectam num Universo Intencional da Vontade que converge para a identidade suprema de cada Eu que, reflecte, em cada pessoa, o Cosmos.   

À luz da sua existência exotérica, a conjectura parece fazer todo o sentido. O feiticeiro nasceu em Londres, em 1932. Dez anos depois, graduou-se na Universidade de Leeds, em Psicologia e Sociologia. Mais tarde, aceitou integrar o Adult Education Board da Universidade de Western Australia onde geriu o programa de artes comunitárias. E viria ainda a fazer parte da equipa de professores que dotou a recém-criada Escola de Sociologia da Universidade de Nova Gales do Sul, em Sydney.

Por essa altura, ganhou dimensão um movimento de protesto estudantil que, entre outros problemas, contestou o conservadorismo do ensino. Ian Channell sentiu as vibrações e interveio. Criou um movimento de acção directa a que chamou ALF (Action for Love and Freedom). A sua implementação, por sua vez, passou pela que chamou “The Fun Revolution”. E as duas reformas resultaram numa forte revitalização, de tal maneira que o conceituado jornal Sydney Morning Herald passou a chamar à instituição antes envelhecida “the university that swings”.

Tanto o movimento como o seu mentor enfrentaram reacções negativas mas também apoios inesperados. O director do departamento a que pertencia Channell, convencido de que era louco, despediu-o sob o pretexto de não ver progressos na sua tese no campo da Sociologia da Arte. Mas o Vice-Chanceler tinha-se tornado simpatizante e apoiou a continuação das suas experimentações sociais. O professor aproveitou e convenceu-o a nomeá-lo Feiticeiro da Universidade e a atribuir-lhe uma pequena remuneração. Assim teve início a sua longa carreira. E a construção de uma personagem ficcional a que se entregou de corpo e alma, e a que fez questão de sacrificar a carta de condução, identificação de segurança social, passaporte e restantes documentos.

Assumindo-se como Wizard a tempo inteiro, Ian Channell promoveu-se e aos seus ideais como nunca e conseguiu novos cargos: cosmólogo, Obra de Arte Viva e Shaman da Universidade de Melbourne e ainda Professor de Cosmologia Sintética. Channell usou ainda a fama conquistada em lutas ideológicas, políticas e até económicas. Algo desgastado pelo permanente confronto do conservadorismo académico aussie e a precisar de novos desafios, mudou-se para a cidade kiwi de Christchurch e deu início a uma sequência duradoura de palestras sobre escadote, a que tivemos a fortuna de assistir. 

De volta à Cathedral Square, as gaivotas invadem o espaço aéreo e até mesmo o solo. Como forças do mal asadas, debatem-se e soltam guinchos estridentes. Perturbam a cadência de pensamentos do orador e a clareza das suas palavras que o vento nor’wester vinha a propagar pela praça, convocando mais e mais curiosos. Nem sempre a presença da plateia foi um dado adquirido.

Nos primeiros tempos da sua experiência kiwi, as autoridades tentaram prendê-lo. Mas o feiticeiro conseguiu evitá-las e regressou a horas diferentes trajando um fato de falso profeta da Igreja de Inglaterra e um chapéu pontiagudo. Depressa se tornou numa atracção da cidade, mencionado nos guias turísticos e com direito a opinar e actuar sobre os temas relevantes primeiro de Christchurch, depois da província de Canterbury, de todo o país e até do downunder.

Em 1990, Mike Moore, um velho amigo, então primeiro-ministro, nomeou-o Feiticeiro Oficial da Nova Zelândia. Cinco anos depois, com o apoio do Mayor, Christchurch acolheu um Conclave de Feiticeiros a que compareceram vários colegas que ajudaram a construir um ninho de feiticeiros no topo da torre da biblioteca da universidade. Ian Channell viria a sair de um ovo gigante posto numa galeria de arte local. Cantou ainda um feitiço dedicado a uma das principais partidas de râguebi da época, enquanto fazia queda livre e, acompanhado por 42 assistentes, desceu o rio da cidade de gôndola, viagem excêntrica que aproveitou para exibir o URL do seu novo site em diversas tabuletas.

Apesar de todas as acções promocionais, o Wizard prestava a maior parte dos serviços de forma gratuita e os seus rendimentos eram parcos. Os honorários atribuídos pela Câmara Municipal nunca foram suficientes mas o apoio financeiro prestado pelo amor da sua vida, Alice Flett, permitia-lhe prosseguir com o seu estilo de vida, conceptualmente arrojado e destemido. Novos feitiços maléficos viriam a enfraquecê-lo.

Em 2003, a casa de madeira em que habitava foi arrasada por um incêndio que a polícia de Christchurch considerou fogo posto. O Wizard, a sua companheira e dois inquilinos conseguiram escapar incólumes mas Ian Channell perdeu a sua colecção de vídeos e de livros. Também o WizardMobile – construído com duas frentes de Volkswagens Carochas – foi vandalizado. Mas forças muito superiores entrariam ainda em acção.

A Nova Zelândia está situada sobre o Anel de Fogo e a actividade tectónica nas imediações do país e da província de Canterbury é enérgica. No ano seguinte a termos encontrado o Wizard, Christchurch recebia ameaças constantes das profundezas da Terra. Vários sismos com altas intensidades – incluindo um de 7.1 – abalaram a região. Não causaram baixas mas os estragos foram consideráveis. Continuámos a viajar pelo Pacífico e regressámos a Portugal mas, em Fevereiro do ano seguinte, estávamos de novo a caminho da Nova Zelândia quando um abalo muito mais próximo da cidade que os anteriores a devastou e foi responsável por 185 mortes, uma das maiores catástrofes de que tinha sido vítima a nação kiwi. Acompanhámos os acontecimentos dramáticos e, desde então, que nos inteiramos das suas consequências na vida do Wizard com interesse redobrado.

O tremor de terra e as suas frequentes réplicas deixaram a catedral de Christchurch e vários outros edifícios em redor em ruínas. A Canterbury Earthquake Recovery Authority ordenou a sua demolição e suscitou a oposição de várias entidades incluindo da UNESCO World Heritage Center, de grupos de arquitectos e, como era de esperar, do Wizard que cumpre, em Dezembro próximo, 80 anos. Em declarações à TV, no meio dos destroços, o feiticeiro manifestou preocupação por ser duvidoso que a população de Christchurch possa continuar a viver segura na cidade reconstruída. Mas Ian Channell também revelou a sua angustia particular: “Se a Cathedral Square for destruída, perco o meu espaço emblemático, o meu lar espiritual, o meu espaço de exibição, a minha instalação. As pessoas que me seguem até podem ficar mas sem a minha praça não acho que faça muito sentido.”

Aconselhou ainda os habitantes de Canterbury a não se tornarem chorosos ou românticos como os italianos ou os gregos que dão abraços e beijos por tudo e por nada e apelou para o reforço do famoso stiff upper lip britânico, da sua solidariedade e bravura.

Mais recentemente, o feiticeiro decidiu retirar-se e abandonar Christchurch de vez. Mudou-se para sul, para Oamaru, para casa da mãe. Há três meses atrás, regressou à capital de Canterbury para protestar mais uma vez contra a demolição da sua catedral.

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro de Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Nana Kwame V
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Bom conselho Budista
Cidades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Maikos a fingir
Cultura

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Em Viagem
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
A galope
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Visitantes
História
Masada, Israel

O Último Baluarte Judaico

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Masada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Àgua doce
Ilhas

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Caminho para o deserto
Natureza
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Caribe rosado
Parques Naturais

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Dourado sobre azul
Património Mundial Unesco
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Fila Vietnamita
Praia

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Cidade dourada
Religião

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Aos repelões
Sociedade

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Perigo: correntes
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.