Thira, Santorini, Grécia

Thira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida


Uma Thira crepuscular
O casario dependurado de Thira, ao cair da noite.
Descida a 2
Casal desce a escadaria que liga o cimo de Thira ao fundo da cidade.
Em caravana
Condutor de burros-taxi conduz uma caravana dos animais ao cimo de Thira.
Burro-Taxi
Burro-taxi de Thira estacionado numa equina da escadaria que leva ao cimo da capital.
Praça de Burros-Taxi
Burros-taxi estacionados na escadaria que liga o Porto Velho ao cimo de Thira.
Lares, hotéis e outros de Thira
O casario de estilo arquitectónico cicládico de Thira.
Os fundos de Thira
O porto velho de Thira, no fundo marinho da capital.
A cúpula religiosa de Thira
O cimo religioso do casario de Thira, a capital de Santorini.
Esplanada no cimo da caldeira
Visitantes desfrutam da paz de Thira numa esplanada com vista sobre a caldeira de Santorini.
Fundo de Thira
O porto velho de Thira, visto do cimo da capital de Santorini.
Vídeo Santorini
Visitante de Thira mostra o cenário de Santorini em redor a um familiar, durante uma videochamada.
Volkan Thira
Painel do Volkan cinema com a caldera da ilha-vulcão Thira em fundo.
Contemplação
Turistas admiram a vista do cimo da principal escadaria que serve Thira.
Thira, quase noite
Casario branco de Thira destacado no cimo da caldeira do vulcão-ilha homónimo.
Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Thira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.

Na segunda manhã que passamos ancorados em Santorini, recuperamos o périplo da ilha pelo cerne da questão. Uma embarcação de apoio do “Celestyal Crystal” leva-nos ao porto velho no sopé da vertente massiva em que se dependurava Thira.

Ali, subimos a bordo de um barco tradicional de madeira prestes a zarpar para Nea Kameni. Lá desembarcamos ávidos de uma exploração enriquecedora do âmago de lava do que foi, em tempos, a caldeira do grande vulcão Thira.

Alcançamos o cimo fumegante de Kameni, acompanhamos as explanações científicas e históricas do guia e apreciamos o cenário fascinante do estreito que separava Nea Kameni de Paleo Kameni.

Voltamos ao barco de madeira e contornamo-la até Athinios, o porto moderno e em permanente reboliço que acolhe os ferries procedentes de outras paragens do Egeu.

Dali, aos esses pelos penhascos acima, inauguramos um itinerário rodoviário aturado com paragens na Red Beach e na estação arqueológica de Akrotiri, que abordaremos com a devida atenção. Mais para o fim da tarde, o condutor deixa-nos, à entrada de Thira.

A Entrada Vespertina pelos Fundos de Thira

A superlotada vizinha Oia até podia continuar a chamar a si o protagonismo fotográfico e o estrelato de Santorini em geral. Ainda assim, não tínhamos como ignorar Thira. Afinal de contas, estávamos perante a capital e a maior urbe da ilha.

Uma ladeira leva-nos das imediações do terminal de autocarros, ruas acima, até ao caminho Nomikou M.. Quando chegamos a esta orla murada, mal podemos crer no panorama que temos por diante e em redor.

Turistas admiram o casario de Thira, Santorini, Grécia

Turistas admiram a vista do cimo da principal escadaria que serve Thira.

Uma catadupa de casas brancas, de terraços, torres, cúpulas, varandas e elementos arquitectónicos cicládicos condizentes espraia-se pelo cimo inclinado da vertente, até um limiar com o seu quê de tresloucado que a gravidade e a erosão continuam a tolerar, a 260m acima do nível do mar.

Logo abaixo, estão as ravinas recortadas e irregulares da velha caldeira. Desenrolam-se numa palete de castanhos, verdes e ocre que suavizam a transição para o azul petróleo do Egeu abaixo, em que permanecia ancorado o “Celestyal Crystal”.

Como é suposto numa ilha e cidade cristã, as igrejas coroam o casario. Dele se destacam a Catedral Metropolitana Ortodoxa, sede da diocese de Thira, Amorgos e das Ilhas, por certo um dos santuários com melhores vistas à face da Terra. E, acima de onde a contemplávamos, a Catedral amarela de São João Baptista, a principal igreja católica de Santorini, não menos prendada no que a panoramas concerne.

Cimo religioso de Thira, Santorini, Grécia

O cimo religioso do casario de Thira, a capital de Santorini.

Num único ápice contemplativo, vimo-nos abençoados com o privilégio de explorarmos e vivermos uma urbe numa ilha como aquela, sem disputa, a mais excêntrica do vasto território helénico, assim ditaram os eventos geológicos que a esventraram.

Nomikou M. e Ipapantis. Dois dos Caminhos com Melhores Vistas do Mediterrâneo

Repetimos o cima-abaixo da Nomikou M. e da Ipapantis que lhe dava seguimento para sul, uma peregrinação que nos fatigava mas que, quanto mais prolongávamos mais se confirmava divinal.

Dessas veias limítrofes da cidade, admiramos centenas de outras almas num deleite semelhante. Casais apaixonados sentados em esplanadas flutuantes.

Grupos de amigos em férias que suspiravam perante a sumptuosidade das paisagens, instalados noutros assentos tão ou mais surreais: o do Volkan Cinema do Nomikos Cultural Center, enfeitado por cartazes que anunciavam um programa cinéfilo em redor da temática helénica: “Viram-se Gregos para Casar” uma comédia romântica de 2002 que conta com Tom Hanks. E, malgrado ter sido filmado em grande parte em Vis, na Croácia, o musical “Mamma Mia”.

Volkan Cinema, Thira, Santorini, Grécia

Painel do Volkan cinema com a caldera da ilha-vulcão Thira em fundo.

Acontece com frequência a quem visita Thira nos sempre apressados cruzeiros ficar-se pelos níveis superiores da ilha e das povoações. Em pleno mês de Junho, quando os dias são os mais longos, vimo-nos com tempo para incursões às camadas inferiores da capital.

Os Acessos Díspares às Alturas de Thira

Coexistem em Thira três formas de subir do Porto Velho da cidade para as suas alturas: a mais fácil, o teleférico que assegura um trajecto linear de 3 minutos de meia-hora em meia-hora ou a cada 20 minutos, conforme a estação do ano.

Uma escadaria de cimento cumpre a mesma ligação numa versão ziguezagueante feita de 587 degraus exigentes. Quem quer poupar o custo do teleférico sobe a pé. A terceira alternativa, a dos burros-taxi da cidade tem um custo bastante mais elevado que o teleférico.

Burros-taxi em Thira, Santorini, Grécia

Condutor de burros-taxi conduz uma caravana dos animais ao cimo de Thira.

Pois, com ou sem intenção, acontece a quem percorre a longa escadaria cruzar-se com as caravanas de burros. Conscientes das origens tradicionais do meio-de-transporte, começámos por nos posicionar em locais estratégicos para os fotografarmos em movimento.

Como quase sempre acontece, quisemos mais. Metemos conversa com os seus donos e condutores, pedimos para os fotografarmos com mais cuidado. Sem percebermos nem como nem porquê, suscitamos uma discussão entre os proprietários que se arrastou por quase uma hora.

A Polémica em Volta dos Burros-Taxi de Thira

Tudo começou quando aquele a que pedimos a foto, vestido com trajes mais típicos, recusou de imediato o nosso repto. Um outro que, ao contrário desse, falava um inglês muito atabalhoado, tentou justificar o colega. De início, pareceu-nos que queria transmitir que, se o queríamos fotografar, tínhamos que contratar os seus serviços.

Dedicámos um momento sentado ao que se passava e nos dizia. Não tardámos a apurar que o fulcro do problema era outro: “vocês vêm cá fotografar e levam as imagens para publicar, certo? explanou-nos. “E, depois, fazem sair mais não sei quantos artigos a impingirem às pessoas que os animais são escravizados, vítimas de maus-tratos e coisas assim.”

Burro em Thira, Santorini, Grécia

Burro-taxi de Thira estacionado numa equina da escadaria que leva ao cimo da capital.

Verdade seja dita que não os tínhamos abordado com tal intenção. Fosse como fosse, numa era de sensacionalismo e redes sociais em que tudo descamba em escândalo e exagero, defensores e pseudo-defensores dos direitos dos animais tinham denunciado a exploração sistemática dos burros para um transporte desnecessário tendo em conta a existência da escadaria e do bem mais barato teleférico.

Alertavam o mundo, em particular, para a violência de os animais carregarem turistas obesos num trajecto, apesar do ziguezagueado, bastante íngreme, apenas para viverem uma experiência dita pitoresca.

Ora, a polémica agitou a harmonia tradicional e o profissionalismo em que antes operavam os donos dos burros que têm inclusive um site online com toda a informação, os itinerários, preços e até a possibilidade de fazer reservas e deixar depósitos.

Terá também diminuído sobremaneira o número dos passageiros que sustentavam as suas vidas.

Os Nomes Prolíficos e a Longas Histórias de Santorini e de Thira

O casario de Thira estende-se para norte até aos seus próprios arredores insulares de Firofistani e Imerovigli. Já a uma boa meia-hora a pé do centro de Thira, Imerovigli marca o lugar mais elevado da orla da caldeira mas também o extremo porque se fica a aglomeração de casas.

Daí para cima, o caminho passa entre hotéis, resorts e restaurantes aterraçados. Logo, entrega-se a um domínio ora rochoso ora rural e serpenteia até à ponta oeste de Oia, a única povoação de dimensão comparável, a única que ofusca o brilho urbano de Thira e a que, um destes dias, dedicaremos o seu próprio artigo.

Edifícios de Thira, Santorini, Grécia

O casario de estilo arquitectónico cicládico de Thira.

De acordo com os escritos de Heródoto, a ilha-vulcão chegou a ser chamada de Strogyle devido à forma redonda que possuía. Thera (Thira, Fira) foi o nome mais tarde adaptado pelos Dóricos de Esparta, em homenagem ao seu rei Theras.

O ainda hoje bem mais popular Santorini terá sido disseminado durante o Imperio Latino (1204 – 1261) vigente em plenas Cruzadas, como contração de Santa Irine, a santa que tinha uma capela em sua honra na zona da actual Perissa e por que os colonos venezianos do Egeu se habituaram a tratar a ilha.

Destes nomes, num determinado momento geológico a partir de 1500 a.C., Strogyle deixou de fazer sentido.

A Erupção Destruidora e Disruptiva da ilha-vulcão Thira

A ilha-vulcão entrou num processo eruptivo relativamente longo que terá permitido aos habitantes refugiarem-se noutras ilhas. Nesse processo, a grande explosão acabou por se dar com uma potência brutal, crê-se que muitas vezes superior à famosa explosão do vulcão indonésio de Krakatoa.

Enquanto esta desfez uma cratera com 20km2, a do vulcão de Thira fez colapsar uma cratera com mais de 80km2. Algumas teorias defendem que a configuração actual de Santorini foi resultado de uma sequência de eventos geológicos precipitados pela erupção: primeiro o abatimento do núcleo.

Casal em Thira, Santorini, Grécia

Casal desce a escadaria que liga o cimo de Thira ao fundo da cidade.

Depois, o alastrar desse abatimento até à abertura de um canal noroeste que permitiu a invasão do mar. Logo, a erosão intensa provocada por esta invasão que acabou por fazer desaparecer quase toda a secção ocidental da caldeira mas viu surgir a ilha central do vulcão de Kameni.

Akrotiri e o Legado Arruinado da Erupção

A pouco mais de onze quilómetros a sul da capital Thira, no fundo do “grande croissant” em que assenta hoje Santorini, encontramos Akrotiri. Lá nos deslumbramos com o complexo de ruínas que, a partir de 1967, os arqueólogos têm desenterrado debaixo de uma grande camada de cinza vulcânica e revelado ao mundo.

O colapso da então minóica Akrotiri deu-se sem o dramatismo humano de Pompeia, onde os habitantes se viram surpreendidos por um fluxo piroclástico inexorável, durante o seu sono.

Em Akrotiri, não foram achados joias, valores, muito menos esqueletos, ossadas humanas ou corpos fossilizados. As cinzas preservaram frescos, potes e muitos outros artefactos e utensílios. Esta realidade do pós-erupção permitiu concluir que os habitantes de Akrotiri e de outros lugares de Santorini terão tido tempo de se refugiarem em ilhas vizinhas, provavelmente em Creta, a ilha-mãe da civilização minóica.

Em 360 a.C., na sua obra “Diálogos”, Platão faz Critias abordar e revelar a Timateus pormenores de uma cidade perdida situada num determinado raio de Atenas e que Atenas veio a derrotar. Vários estudiosos têm concordado na possibilidade de a Atlântida ter sido a  civilização minóica que controlava Thera, Creta e outras ilhas circundantes.

Thira, Santorini, Grécia

Casario branco de Thira destacado no cimo da caldeira do vulcão-ilha homónimo.

Esta civilização proliferou e evoluiu precisamente até à erupção cataclísmica do vulcão e ao maremoto avassalador que se lhe seguiu. Certos cientistas estimam que as ondas geradas mediram até 60 metros. Com tal dimensão, quer fosse tratada por Minóica ou por Atlântida, não espantará que a tenham afundado e arruinado para sempre.

 

COMO VISITAR:

OS CELESTYAL CRUISES OPERAM CRUZEIROS NO MAR EGEU E MAR MEDITERRÂNEO DE MARÇO A NOVEMBRO, POR A PARTIR DE 539€.  RESERVAS EM www.celestyalcruises.com e pelo telf.: +30 2164009600.

Iraklio, Grécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Cidades
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
Em Viagem
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Étnico
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
História
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Bufalos, ilha do Marajo, Brasil, búfalos da polícia de Soure
Ilhas
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Ponte Suspensa, Cabro Muco, vulcão Miravalles
Natureza
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Parques Naturais
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Carrinha no Jossingfjord, Magma Geopark, Noruega
Património Mundial UNESCO
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Sombra vs Luz
Religião
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Glaciar Meares
Vida Selvagem
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.