Thira, Santorini, Grécia

Thira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida


Uma Thira crepuscular
O casario dependurado de Thira, ao cair da noite.
Descida a 2
Casal desce a escadaria que liga o cimo de Thira ao fundo da cidade.
Em caravana
Condutor de burros-taxi conduz uma caravana dos animais ao cimo de Thira.
Burro-Taxi
Burro-taxi de Thira estacionado numa equina da escadaria que leva ao cimo da capital.
Praça de Burros-Taxi
Burros-taxi estacionados na escadaria que liga o Porto Velho ao cimo de Thira.
Lares, hotéis e outros de Thira
O casario de estilo arquitectónico cicládico de Thira.
Os fundos de Thira
O porto velho de Thira, no fundo marinho da capital.
A cúpula religiosa de Thira
O cimo religioso do casario de Thira, a capital de Santorini.
Esplanada no cimo da caldeira
Visitantes desfrutam da paz de Thira numa esplanada com vista sobre a caldeira de Santorini.
Fundo de Thira
O porto velho de Thira, visto do cimo da capital de Santorini.
Vídeo Santorini
Visitante de Thira mostra o cenário de Santorini em redor a um familiar, durante uma videochamada.
Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Thira e levou ao colapso a civilização minoica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.

Na segunda manhã que passamos ancorados em Santorini, recuperamos o périplo da ilha pelo cerne da questão. Uma embarcação de apoio do “Celestyal Crystal” leva-nos ao porto velho no sopé da vertente massiva em que se dependurava Thira.

Ali, subimos a bordo de um barco tradicional de madeira prestes a zarpar para Nea Kameni. Lá desembarcamos ávidos de uma exploração enriquecedora do âmago de lava do que foi, em tempos, a caldeira do grande vulcão Thira.

Alcançamos o cimo fumegante de Kameni, acompanhamos as explanações científicas e históricas do guia e apreciamos o cenário fascinante do estreito que separava Nea Kameni de Palaia Kameni.

Voltamos ao barco de madeira e contornamo-la até Athinios, o porto moderno e em permanente reboliço que acolhe os ferries procedentes de outras paragens do Egeu.

Dali, aos esses pelos penhascos acima, inauguramos um itinerário rodoviário aturado com paragens na Red Beach e na estação arqueológica de Akrotiri, que abordaremos com a devida atenção. Mais para o fim da tarde, o condutor deixa-nos, à entrada de Thira.

A Entrada Vespertina pelos Fundos de Thira

A superlotada vizinha Oia até podia continuar a chamar a si o protagonismo fotográfico e o estrelato de Santorini em geral. Ainda assim, não tínhamos como ignorar Thira. Afinal de contas, estávamos perante a capital e a maior urbe da ilha.

Uma ladeira leva-nos das imediações do terminal de autocarros, ruas acima, até ao caminho Nomikou M.. Quando chegamos a esta orla murada, mal podemos crer no panorama que temos por diante e em redor.

Turistas admiram o casario de Thira, Santorini, Grécia

Turistas admiram a vista do cimo da principal escadaria que serve Thira.

Uma catadupa de casas brancas, de terraços, torres, cúpulas, varandas e elementos arquitectónicos cicládicos condizentes espraia-se pelo cimo inclinado da vertente, até um limiar com o seu quê de tresloucado que a gravidade e a erosão continuam a tolerar, a 260m acima do nível do mar.

Logo abaixo, estão as ravinas recortadas e irregulares da velha caldeira. Desenrolam-se numa palete de castanhos, verdes e ocre que suavizam a transição para o azul petróleo do Egeu abaixo, em que permanecia ancorado o “Celestyal Crystal”.

Como é suposto numa ilha e cidade cristã, as igrejas coroam o casario. Dele se destacam a Catedral Metropolitana Ortodoxa, sede da diocese de Thira, Amorgos e das Ilhas, por certo um dos santuários com melhores vistas à face da Terra. E, acima de onde a contemplávamos, a Catedral amarela de São João Baptista, a principal igreja católica de Santorini, não menos prendada no que a panoramas concerne.

Cimo religioso de Thira, Santorini, Grécia

O cimo religioso do casario de Thira, a capital de Santorini.

Num único ápice contemplativo, vimo-nos abençoados com o privilégio de explorarmos e vivermos uma urbe numa ilha como aquela, sem disputa, a mais excêntrica do vasto território helénico, assim ditaram os eventos geológicos que a esventraram.

Nomikou M. e Ipapantis. Dois dos Caminhos com Melhores Vistas do Mediterrâneo

Repetimos o cima-abaixo da Nomikou M. e da Ipapantis que lhe dava seguimento para sul, uma peregrinação que nos fatigava mas que, quanto mais prolongávamos mais se confirmava divinal.

Dessas veias limítrofes da cidade, admiramos centenas de outras almas num deleite semelhante. Casais apaixonados sentados em esplanadas flutuantes.

Grupos de amigos em férias que suspiravam perante a sumptuosidade das paisagens, instalados noutros assentos tão ou mais surreais: o do Volkan Cinema do Nomikos Cultural Center, enfeitado por cartazes que anunciavam um programa cinéfilo em redor da temática helénica: “Viram-se Gregos para Casar” uma comédia romântica de 2002 que conta com Tom Hanks. E, malgrado ter sido filmado em grande parte em Vis, na Croácia, o musical “Mamma Mia”.

Volkan Cinema, Thira, Santorini, Grécia

Painel do Volkan cinema com a caldera da ilha-vulcão Thira em fundo.

Acontece com frequência a quem visita Thira nos sempre apressados cruzeiros ficar-se pelos níveis superiores da ilha e das povoações. Em pleno mês de Junho, quando os dias são os mais longos, vimo-nos com tempo para incursões às camadas inferiores da capital.

Os Acessos Díspares às Alturas de Thira

Coexistem em Thira três formas de subir do Porto Velho da cidade para as suas alturas: a mais fácil, o teleférico que assegura um trajecto linear de 3 minutos de meia-hora em meia-hora ou a cada 20 minutos, conforme a estação do ano.

Uma escadaria de cimento cumpre a mesma ligação numa versão ziguezagueante feita de 587 degraus exigentes. Quem quer poupar o custo do teleférico sobe a pé. A terceira alternativa, a dos burros-taxi da cidade tem um custo bastante mais elevado que o teleférico.

Burros-taxi em Thira, Santorini, Grécia

Condutor de burros-taxi conduz uma caravana dos animais ao cimo de Thira.

Pois, com ou sem intenção, acontece a quem percorre a longa escadaria cruzar-se com as caravanas de burros. Conscientes das origens tradicionais do meio-de-transporte, começámos por nos posicionar em locais estratégicos para os fotografarmos em movimento.

Como quase sempre acontece, quisemos mais. Metemos conversa com os seus donos e condutores, pedimos para os fotografarmos com mais cuidado. Sem percebermos nem como nem porquê, suscitamos uma discussão entre os proprietários que se arrastou por quase uma hora.

A Polémica em Volta dos Burros-Taxi de Thira

Tudo começou quando aquele a que pedimos a foto, vestido com trajes mais típicos, recusou de imediato o nosso repto. Um outro que, ao contrário desse, falava um inglês muito atabalhoado, tentou justificar o colega. De início, pareceu-nos que queria transmitir que, se o queríamos fotografar, tínhamos que contratar os seus serviços.

Dedicámos um momento sentado ao que se passava e nos dizia. Não tardámos a apurar que o fulcro do problema era outro: “vocês vêm cá fotografar e levam as imagens para publicar, certo? explanou-nos. “E, depois, fazem sair mais não sei quantos artigos a impingirem às pessoas que os animais são escravizados, vítimas de maus-tratos e coisas assim.”

Burro em Thira, Santorini, Grécia

Burro-taxi de Thira estacionado numa equina da escadaria que leva ao cimo da capital.

Verdade seja dita que não os tínhamos abordado com tal intenção. Fosse como fosse, numa era de sensacionalismo e redes sociais em que tudo descamba em escândalo e exagero, defensores e pseudo-defensores dos direitos dos animais tinham denunciado a exploração sistemática dos burros para um transporte desnecessário tendo em conta a existência da escadaria e do bem mais barato teleférico.

Alertavam o mundo, em particular, para a violência de os animais carregarem turistas obesos num trajecto, apesar do ziguezagueado, bastante íngreme, apenas para viverem uma experiência dita pitoresca. Ora, a polémica agitou a harmonia tradicional e o profissionalismo em que antes operavam os donos dos burros que têm inclusive um site online com toda a informação, os itinerários, preços e até a possibilidade de fazer reservas e deixar depósitos.

Terá também diminuído sobremaneira o número dos passageiros que sustentavam as suas vidas.

Os Nomes Prolíficos e a Longas Histórias de Santorini e de Thira

O casario de Thira estende-se para norte até aos seus próprios arredores insulares de Firofistani e Imerovigli. Já a uma boa meia-hora a pé do centro de Thira, Imerovigli marca o lugar mais elevado da orla da caldeira mas também o extremo porque se fica a aglomeração de casas.

Daí para cima, o caminho passa entre hotéis, resorts e restaurantes aterraçados. Logo, entrega-se a um domínio ora rochoso ora rural e serpenteia até à ponta oeste de Oia, a única povoação de dimensão comparável, a única que ofusca o brilho urbano de Thira e a que, um destes dias, dedicaremos o seu próprio artigo.

Edifícios de Thira, Santorini, Grécia

O casario de estilo arquitectónico cicládico de Thira.

De acordo com os escritos de Heródoto, a ilha-vulcão chegou a ser chamada de Strogyle devido à forma redonda que possuía. Thera (Thira, Fira) foi o nome mais tarde adaptado pelos Dóricos de Esparta, em homenagem ao seu rei Theras.

O ainda hoje bem mais popular Santorini terá sido disseminado durante o Imperio Latino (1204 – 1261) vigente em plenas Cruzadas, como contração de Santa Irine, a santa que tinha uma capela em sua honra na zona da actual Perissa e por que os colonos venezianos do Egeu se habituaram a tratar a ilha.

Destes nomes, num determinado momento geológico a partir de 1500 a.C., Strogyle deixou de fazer sentido.

A Erupção Destruidora e Disruptiva da ilha-vulcão Thira

A ilha vulcão entrou num processo eruptivo relativamente longo que terá permitido aos habitantes refugiarem-se noutras ilhas. Nesse processo, a grande explosão acabou por se dar com uma potência brutal, crê-se que muitas vezes superior à famosa explosão do vulcão indonésio de Krakatoa.

Enquanto esta desfez uma cratera com 20km2, a do vulcão de Thira fez colapsar uma cratera com mais de 80km2. Algumas teorias defendem que a configuração actual de Santorini foi resultado de uma sequência de eventos geológicos precipitados pela erupção: primeiro o abatimento do núcleo.

Casal em Thira, Santorini, Grécia

Casal desce a escadaria que liga o cimo de Thira ao fundo da cidade.

Depois, o alastrar desse abatimento até à abertura de um canal noroeste que permitiu a invasão do mar. Logo, a erosão intensa provocada por esta invasão que acabou por fazer desaparecer quase toda a secção ocidental da caldeira mas viu surgir a ilha central do vulcão de Kameni.

Akrotiri e o Legado Arruinado da Erupção

A pouco mais de onze quilómetros a sul da capital Thira, no fundo do “grande croissant” em que assenta hoje Santorini, encontramos Akrotiri. Lá nos deslumbramos com o complexo de ruínas que, a partir de 1967, os arqueólogos têm desenterrado debaixo de uma grande camada de cinza vulcânica e revelado ao mundo.

O colapso da então minoica Akrotiri deu-se sem o dramatismo humano de Pompeia, onde os habitantes se viram surpreendidos por um fluxo piroclástico inexorável, durante o seu sono.

Em Akrotiri, não foram achados joias, valores, muito menos esqueletos, ossadas humanas ou corpos fossilizados. As cinzas preservaram frescos, potes e muitos outros artefactos e utensílios. Esta realidade do pós-erupção permitiu concluir que os habitantes de Akrotiri e de outros lugares de Santorini terão tido tempo de se refugiarem em ilhas vizinhas, provavelmente em Creta, a ilha-mãe da civilização minoica.

Em 360 a.C., na sua obra “Diálogos”, Platão faz Critias abordar e revelar a Timateus pormenores de uma cidade perdida situada num determinado raio de Atenas e que Atenas veio a derrotar. Vários estudiosos têm concordado na possibilidade de a Atlântida ter sido a civilização minoica que controlava Thera, Creta e outras ilhas circundantes.

Thira, Santorini, Grécia

Casario branco de Thira destacado no cimo da caldeira do vulcão-ilha homónimo.

Esta civilização proliferou e evoluiu precisamente até à erupção cataclísmica do vulcão e ao maremoto avassalador que se lhe seguiu. Certos cientistas estimam que as ondas geradas mediram até 60 metros. Com tal dimensão, quer fosse tratada por Minóica ou por Atlântida, não espantará que a tenham afundado e arruinado para sempre.

Iraklio, Grécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Para diante
Cidades

Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Bark Europa
Em Viagem

Canal Beagle, Argentina

No Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies

Tambores e tatoos
Étnico

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
História
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Lagoa das Sete Cidades, um dos cenários majestosos da ilha de São Miguel, Açores
Ilhas
São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Natureza
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Parques Naturais
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Património Mundial UNESCO
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Brigada incrédula
Praias

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Resistência
Religião

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

Tren del Fin del Mundo, Ushuaia, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Formação
Sociedade

Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.