Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais


Um panorama com história
Para o almoço
Vida de Rua
Cena rodoviária
Pelourinho & Praça
Senhora do Forte
Tempo de ir
Os esses da Ribeira Grande
Cidade Velha, Vista do Forte de São Filipe

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Vencemos uma derradeira ladeira. No cimo, aquele cenário sobranceiro à Cidade Velha mostra-se ainda mais seco e ocre. Vêmo-lo salpicado de arbustos espinhosos que se agarram ao solo pedregoso e a qualquer resquício de humidade. Ao fundo, as ameias de uma fortaleza dos mesmos tons que a terra recortam o céu azul e só mesmo azul.

Em 1578 e 1585, o corsário inglês Francis Drake ameaçou de tal maneira a recém-fundada povoação de Ribeira Grande e o domínio hispânico do Atlântico que Filipe I, então dono e senhor da Coroa Portuguesa, fartou-se da insolência dos piratas e da Coroa Britânica que os patrocinava.

Mandou reforçar o sistema de defesa que contava já com vários outras fortificações: as de São Lourenço, São Brás, Presídio, São Veríssimo, São João dos Cavaleiros e Santo António. O Forte Real de São Filipe com que nos confrontávamos foi último a chegar. Erguido com incrível solidez com pedra trazida de Portugal, está para durar.

O Vale Verdejante da Ribeira Grande

Damos de caras com a sua frente imponente, paredes meias com o limiar da meseta em que assenta e com o desfiladeiro sinuoso escavado pela Ribeira Grande de Santiago. Uma senhora que toma conta de um barzinho instalado à sombra de uma acácia frondosa, controla-nos os movimentos, não fossemos precisar dos seus serviços.

Em vez, subimos ao muro que contém o cimo da encosta íngreme e deixamo-nos deslumbrar pelo dramatismo tropical por diante.

Vale da Ribeira Grande, Cidade Velha, Santiago, Cabo Verde

O vale verdejante da Ribeira Grande, o desfiladeiro em que se instalou a primeira povoação de Cabo Verde

Uma enxurrada de vegetação verdejante flui desde os confins norte do canhão até onde se rende ao mar. Nas profundezas logo abaixo, algum casario histórico com velha telha portuguesa, retalhos agrícolas, trilhos e vielas rurais convivem com uma pequena floresta de que se destacam coqueiros hirtos.

Tendo em conta o quão áridos são o arquipélago de Cabo Verde e a sua ilha de Santiago, a visão apanha-nos desprevenidos. Merece uma aturada contemplação e uma atenção fotográfica à altura. Só após, atravessamos a portinhola lateral aberta no aparelho de pedra que servia de entrada e invadimos o forte trapezoidal.

À Conquista do Forte de São Filipe

Batido pelo sol, desprovido da vegetação circundante, o interior prova-se rude e espartano, mesmo se a estrutura contava com uma Casa do Governador e com uma capela, denominada de São Gonçalo. Retalham-no rampas pouco íngremes de acesso aos adarves.

E sobressai, pela sua redondeza, uma cisterna de tijolo que evitava que, mesmo se alvo de cerco, os homens para ali destacados morressem de sede. Como ressalta à vista, a esvoaçar bem acima das muralhas, a bandeira azul-branca-vermelha-amarela de Cabo Verde, a nação insular a que a colonização portuguesa daquelas do oceano Atlântico veio a dar origem.

Cisterna de água do forte de São Filipe, Cidade Velha, Santiago, Cabo Verde

Visitantes do forte de São Filipe destacados sobre as muralhas e acima da cisterna de água.

São poucos os visitantes do monumento. Temos a companhia de um casal irrequieto de franceses e de duas irmãs gémeas cabo-verdianas, vestidas de igual e com duas cabeleiras afro-encaracoladas idênticas. Estamos só quando nos abeiramos da bateria de canhões apontados ao oceano e espreitamos para diante.

Cerca de cem metros abaixo, a vertente transforma-se numa plataforma alisada, num sopé que recorta o mar logo ao lado de onde a Ribeira Grande se lhe entrega.

Da Ribeira Grande à Cidade Velha

A Ribeira Grande que ali termina, foi o princípio de tudo. Em 1460, António de Noli, um marinheiro genovês ao serviço do Infante D. Henrique e que se crê ter descoberto as primeiras cinco ilhas do arquipélago avistou Santiago. Dois anos depois, de Noli instalou-se na área da Ribeira Grande com a sua família e colonos oriundos do Algarve e do Alentejo.

Malgrado o isolamento, o lugarejo evolui de tal maneira que se tornou a primeira cidade colonial do futuro Império Português – e europeia em geral – a surgir a sul do Saara, nos trópicos.

A Ribeira Grande não tardou também a assumir o papel de entreposto fulcral das rotas marítimas portuguesas de ligação ao sul de África e às Américas.

De tal maneira que, alguns anos mais tarde, Vasco da Gama (em 1497) lá fez escala na viagem em que descobriria o caminho marítimo para a Índia e Cristóvão Colombo (em 1498) lá se deteve e reabasteceu na terceira das suas expedições de descoberta das Américas.

Foram explorados e ocupados mais e mais territórios em África e na América do Sul. A Ribeira Grande ganhou ainda preponderância no tráfico negreiro transatlântico que os portugueses inauguraram no século XV e, até finais do XVI, fizeram intensificarAs ilhas cabo-verdianas viriam a ser colonizadas com recurso à mão-de-obra dos nativos africanos escravizados.

Com o tempo, acolheram uma mixagem étnica e cultural entre escravos e colonos bem mais profunda que noutras partes do Império Português. Essa mixagem salta à vista por todo o arquipélago.

Cidade Velha, não mais a Ribeira Grande

Sem surpresa, está bem patente nas gentes e no dia-a-dia da Cidade Velha, assim foi rebaptizada a ex-colónia, por forma a evitar confusões com a Ribeira Grande da ilha de Santo Antão. Mas, se a povoação a que em breve damos entrada é a anciã de Cabo Verde, não lhe falta vida. Mesmo se o tempo tenha já condenado boa parte dos seus edifícios mais idosos.

Deixamos o forte da Cidade Velha apontados à orla que de lá avistámos. Cumprido um gancho apertado, o asfalto dá lugar a um empedrado robusto de pedra negra bem polida pela borracha dos pneus e pelos anos. Estacionamos  junto a uns paredões em ruínas que resistem acima do casario próximo.

Atravessamos nova moldura amarelada de porta e entramos no que resta da nave da velha Sé Catedral, começada a construir em 1556 com pedra semelhante à do Forte Real de São Filipe, terminada apenas em 1700, quando se tornou o grande templo da Cidade Velha e da primeira diocese da costa ocidental africana.

Pelourinho, a Coluna Colonial da Cidade Velha

Exploramos as ruínas fascinados com a grandiosidade tanto da obra como da sua decadência e intrigados com a vida do bairro vizinho de São Sebastião de onde, de quando em quando, vemos sair moradores da Cidade Velha que atalham, através das ruínas, o caminho para a estrada e para zonas ribeirinhas contíguas.

Acabamos por segui-los. Umas centenas de passos depois pela rua do Calhau, damos com o Largo do Pelourinho, o principal marco histórico do colonialismo do território.

O pelourinho da Cidade Velha, marca do domínio histórico da Coroa Portuguesa mas também do legado pungente do tráfico negreiro desenvolvido pelos portugueses.

Hoje, o lugar é o mais turístico da Cidade Velha. Tem esplanadas e lanchonetes a envolverem-no. E quatro ou cinco coqueiros a penderem para cima do largo. Ali, os vendedores de artesanato e de petiscos incitam os forasteiros recém-chegados a gastarem uns cobres e a subsidiarem as suas vidas.

Na origem, o monumento pouco teve de lúdico ou decorativo. Mais que simbólico do poder da Coroa Portuguesa, o pelourinho da Cidade Velha tornou-se o pilar malévolo do tráfico negreiro triangulado que os portugueses implementaram no Atlântico.

Cidade Velha: no Âmago do Tráfico Negreiro do Atlântico.

Os navios vindos da metrópole aportavam em Santiago. Faziam as reparações necessárias, reabasteciam-se de água e víveres.

Após o que os seus capitães os manobravam rumo ao continente africano, sobretudo a Angola e ao Congo. Seguiam com o único fito de encherem os porões de escravos destinados a garantir a mão-de-obra e todo o tipo de serventias em Portugal, nas Canárias, mais tarde, de forma cada vez mais massiva, no Brasil.

E não só. Este tráfico evoluiu de tal maneira que é quase consensual entre os linguistas que foi de Cabo Verde que os mais diversos dialectos crioulos da actualidade irradiaram para as Caraíbas e outras partes das Américas.

O pelourinho foi, sobretudo, símbolo de prisão e de crueldade. Nas suas terras de origem, os nativos habituaram-se a fazer soar os tambores para avisarem da aproximação de negreiros. Os tambores foram assim proibidos na Ribeira Grande, como por todo Cabo Verde.

Os escravos rebeldes que se atreviam a tocá-los eram chicoteados contra a coluna de pedra e, com frequência, os negreiros ou mestres, lá lhes cortavam as mãos. Esse era apenas um entre tantos outros castigos impostos em público, no coração da povoação. Em frente ao Atlântico que separava as vítimas do passado recente e das vidas abandonadas nas suas terras.

Barcos artesanais ancorados na enseada em frente à Cidade Velha.

Descendentes de Escravos, feitos pescadores

A enseada de areia e pedras negras para sul do pelourinho surge pejada de barcos de pesca artesanais garridos. Um deles, testemunha a ligação profunda à antiga metrópole, por mais severa que se tenha em tempos revelado a história colonial. “Dany Love … e um símbolo do Sport Lisboa e Benfica” sobressai da popa de um barco vermelho e branco, como seria de esperar.

Outros barcos atracam e descarregam a pescaria. Uma peixeira atravessa o areal com um grande caldeiro cheio de peixe à cabeça, de olho nas redes enroladas sobre o chão que a poderiam armadilhar.

Nós, voltamos a cruzar o largo do pelourinho e apontamos ao vale da Ribeira Grande, o mesmo que nos tinha deslumbrado quando o apreciámos do cimo da Fortaleza de São Filipe.

A Igreja Pioneira da Cidade Velha

Passamos junto à câmara municipal, rejeitamos o Caminho do Vale e metemo-nos pela Rua da Banana. Delimita-a uma levada de casas térreas, feitas de pedras brancas de que se destacam arbustos e bananeiras.

No pátio solarengo de uma delas, uma jovem nativa sentada sob um estendal tão folclórico como os barcos na praia, amanha peixe na companhia de um cão pachorrento. Desviamo-nos para uma escadaria e para o átrio da Igreja da Nª Srª do Rosário, de 1495 (o edifício mais antigo da Cidade Velha) uma das poucas com arquitectura gótica em África, mesmo se é agora branca.

Esta igreja foi, durante muito tempo, palco do baptismo dos escravos. A ironia das ironias está em que os colonos a baptizaram em honra da padroeira não dos escravos… mas dos homens negros.

Guardiã da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a primeira da Cidade Velha.

A porteira e guardiã da igreja mora numa das casas da Rua da Banana. Quando nos vê aproximar, abre a porta de casa e adianta-se-nos de chave em riste. Em todo o tempo em que examinamos o interior da nave mantém-se, esquiva, sentada no banco mais distante do altar.

Nada tem para nos dizer. Responde-nos com o mínimo palavreado possível, na expectativa de que a visita não demorasse.

Convento de São Francisco da Ribeira Velha e de Regresso ao Pelourinho

Acima no vale, por um caminho partilhado por galinhas, cabras e porcos e ainda entre coqueiros, deparamo-nos com o Convento de São Francisco. É outro dos templos com que a Igreja reforçou a sua presença e influência na nova urbe do Atlântico.

E com que justificou a taxação crescente do cada vez mais lucrativo tráfico negreiro e assim obteve as graças financeiras que lhe permitiram estabelecer-se noutras partes. O convento permanece dissimulado pela vegetação. Encontramo-lo de porta aberta mas com muito menos conteúdo que a igreja anterior.

Com toda a vasta ilha de Santiago por explorar, a nossa história na Cidade Velha estava no ocaso. Regressamos ao Largo do Pelourinho. Instalamo-nos na esplanada de uma das lanchonetes. Apesar de humilde, serve refeições “tanto de carne como de peixe. Tudo feito em frigideira desinfectada” assim nos assegura a senhora ao balcão, com uma preocupação infundada com a nossa exigência.

Deixamos o sol cair para o lado da ilha do Fogo. Quando nos fartamos daquele descanso modesto mas sagrado na Cidade Velha, regressamos ao carro e apontamos a terras bem mais altas de Santiago. E a outro lugar sensível da história portuguesa, o Tarrafal.

 

A TAP – www.flytap.pt voa diariamente de Lisboa para a cidade da Praia, capital de Cabo Verde, situada a poucos quilómetros da Cidade Velha.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Cidades
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
viagem de volta ao mundo, símbolo de sabedoria ilustrado numa janela do aeroporto de Inari, Lapónia Finlandesa
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Cowboys basotho
Étnico

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Em plena costa do Ouro
História
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Ilhas
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Natureza
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Parques Naturais
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Ferry Nek Luong
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Sociedade
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.