Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais


Um panorama com história
Para o almoço
Vida de Rua
Cena rodoviária
Pelourinho & Praça
Senhora do Forte
Tempo de ir
Os esses da Ribeira Grande
Cidade Velha, Vista do Forte de São Filipe

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Vencemos uma derradeira ladeira. No cimo, aquele cenário sobranceiro à Cidade Velha mostra-se ainda mais seco e ocre. Vêmo-lo salpicado de arbustos espinhosos que se agarram ao solo pedregoso e a qualquer resquício de humidade. Ao fundo, as ameias de uma fortaleza dos mesmos tons que a terra recortam o céu azul e só mesmo azul.

Em 1578 e 1585, o corsário inglês Francis Drake ameaçou de tal maneira a recém-fundada povoação de Ribeira Grande e o domínio hispânico do Atlântico que Filipe I, então dono e senhor da Coroa Portuguesa, fartou-se da insolência dos piratas e da Coroa Britânica que os patrocinava.

Mandou reforçar o sistema de defesa que contava já com vários outras fortificações: as de São Lourenço, São Brás, Presídio, São Veríssimo, São João dos Cavaleiros e Santo António. O Forte Real de São Filipe com que nos confrontávamos foi último a chegar. Erguido com incrível solidez com pedra trazida de Portugal, está para durar.

O Vale Verdejante da Ribeira Grande

Damos de caras com a sua frente imponente, paredes meias com o limiar da meseta em que assenta e com o desfiladeiro sinuoso escavado pela Ribeira Grande de Santiago. Uma senhora que toma conta de um barzinho instalado à sombra de uma acácia frondosa, controla-nos os movimentos, não fossemos precisar dos seus serviços.

Em vez, subimos ao muro que contém o cimo da encosta íngreme e deixamo-nos deslumbrar pelo dramatismo tropical por diante.

Vale da Ribeira Grande, Cidade Velha, Santiago, Cabo Verde

O vale verdejante da Ribeira Grande, o desfiladeiro em que se instalou a primeira povoação de Cabo Verde

Uma enxurrada de vegetação verdejante flui desde os confins norte do canhão até onde se rende ao mar. Nas profundezas logo abaixo, algum casario histórico com velha telha portuguesa, retalhos agrícolas, trilhos e vielas rurais convivem com uma pequena floresta de que se destacam coqueiros hirtos.

Tendo em conta o quão áridos são o arquipélago de Cabo Verde e a sua ilha de Santiago, a visão apanha-nos desprevenidos. Merece uma aturada contemplação e uma atenção fotográfica à altura. Só após, atravessamos a portinhola lateral aberta no aparelho de pedra que servia de entrada e invadimos o forte trapezoidal.

À Conquista do Forte de São Filipe

Batido pelo sol, desprovido da vegetação circundante, o interior prova-se rude e espartano, mesmo se a estrutura contava com uma Casa do Governador e com uma capela, denominada de São Gonçalo. Retalham-no rampas pouco íngremes de acesso aos adarves.

E sobressai, pela sua redondeza, uma cisterna de tijolo que evitava que, mesmo se alvo de cerco, os homens para ali destacados morressem de sede. Como ressalta à vista, a esvoaçar bem acima das muralhas, a bandeira azul-branca-vermelha-amarela de Cabo Verde, a nação insular a que a colonização portuguesa daquelas do oceano Atlântico veio a dar origem.

Cisterna de água do forte de São Filipe, Cidade Velha, Santiago, Cabo Verde

Visitantes do forte de São Filipe destacados sobre as muralhas e acima da cisterna de água.

São poucos os visitantes do monumento. Temos a companhia de um casal irrequieto de franceses e de duas irmãs gémeas cabo-verdianas, vestidas de igual e com duas cabeleiras afro-encaracoladas idênticas. Estamos só quando nos abeiramos da bateria de canhões apontados ao oceano e espreitamos para diante.

Cerca de cem metros abaixo, a vertente transforma-se numa plataforma alisada, num sopé que recorta o mar logo ao lado de onde a Ribeira Grande se lhe entrega.

Da Ribeira Grande à Cidade Velha

A Ribeira Grande que ali termina, foi o princípio de tudo. Em 1460, António de Noli, um marinheiro genovês ao serviço do Infante D. Henrique e que se crê ter descoberto as primeiras cinco ilhas do arquipélago avistou Santiago. Dois anos depois, de Noli instalou-se na área da Ribeira Grande com a sua família e colonos oriundos do Algarve e do Alentejo.

Malgrado o isolamento, o lugarejo evolui de tal maneira que se tornou a primeira cidade colonial do futuro Império Português – e europeia em geral – a surgir a sul do Saara, nos trópicos.

A Ribeira Grande não tardou também a assumir o papel de entreposto fulcral das rotas marítimas portuguesas de ligação ao sul de África e às Américas. De tal maneira que, alguns anos mais tarde, Vasco da Gama (em 1497) lá fez escala na viagem em que descobriria o caminho marítimo para a Índia e Cristóvão Colombo (em 1498) lá se deteve e reabasteceu na terceira das suas expedições de descoberta das Américas.

Foram explorados e ocupados mais e mais territórios em África e na América do Sul. A Ribeira Grande ganhou ainda preponderância no tráfico negreiro transatlântico que os portugueses inauguraram no século XV e, até finais do XVI, fizeram intensificarAs ilhas cabo-verdianas viriam a ser colonizadas com recurso à mão-de-obra dos nativos africanos escravizados. Com o tempo, acolheram uma mixagem étnica e cultural entre escravos e colonos bem mais profunda que noutras partes do Império Português. Essa mixagem salta à vista por todo o arquipélago.

Cidade Velha, não mais a Ribeira Grande

Sem surpresa, está bem patente nas gentes e no dia-a-dia da Cidade Velha, assim foi rebaptizada a ex-colónia, por forma a evitar confusões com a Ribeira Grande da ilha de Santo Antão. Mas, se a povoação a que em breve damos entrada é a anciã de Cabo Verde, não lhe falta vida. Mesmo se o tempo tenha já condenado boa parte dos seus edifícios mais idosos.

Deixamos o forte da Cidade Velha apontados à orla que de lá avistámos. Cumprido um gancho apertado, o asfalto dá lugar a um empedrado robusto de pedra negra bem polida pela borracha dos pneus e pelos anos. Estacionamos  junto a uns paredões em ruínas que resistem acima do casario próximo.

Atravessamos nova moldura amarelada de porta e entramos no que resta da nave da velha Sé Catedral, começada a construir em 1556 com pedra semelhante à do Forte Real de São Filipe, terminada apenas em 1700, quando se tornou o grande templo da Cidade Velha e da primeira diocese da costa ocidental africana.

Pelourinho, a Coluna Colonial da Cidade Velha

Exploramos as ruínas fascinados com a grandiosidade tanto da obra como da sua decadência e intrigados com a vida do bairro vizinho de São Sebastião de onde, de quando em quando, vemos sair moradores da Cidade Velha que atalham, através das ruínas, o caminho para a estrada e para zonas ribeirinhas contíguas.

Acabamos por segui-los. Umas centenas de passos depois pela rua do Calhau, damos com o Largo do Pelourinho, o principal marco histórico do colonialismo do território.

O pelourinho da Cidade Velha, marca do domínio histórico da Coroa Portuguesa mas também do legado pungente do tráfico negreiro desenvolvido pelos portugueses.

Hoje, o lugar é o mais turístico da Cidade Velha. Tem esplanadas e lanchonetes a envolverem-no. E quatro ou cinco coqueiros a penderem para cima do largo. Ali, os vendedores de artesanato e de petiscos incitam os forasteiros recém-chegados a gastarem uns cobres e a subsidiarem as suas vidas.

Na origem, o monumento pouco teve de lúdico ou decorativo. Mais que simbólico do poder da Coroa Portuguesa, o pelourinho da Cidade Velha tornou-se o pilar malévolo do tráfico negreiro triangulado que os portugueses implementaram no Atlântico.

Cidade Velha: no Âmago do Tráfico Negreiro do Atlântico.

Os navios vindos da metrópole aportavam em Santiago. Faziam as reparações necessárias, reabasteciam-se de água e víveres.

Após o que os seus capitães os manobravam rumo ao continente africano, sobretudo a Angola e ao Congo. Seguiam com o único fito de encherem os porões de escravos destinados a garantir a mão-de-obra e todo o tipo de serventias em Portugal, nas Canárias, mais tarde, de forma cada vez mais massiva, no Brasil.

E não só. Este tráfico evoluiu de tal maneira que é quase consensual entre os linguistas que foi de Cabo Verde que os mais diversos dialectos crioulos da actualidade irradiaram para as Caraíbas e outras partes das Américas.

O pelourinho foi, sobretudo, símbolo de prisão e de crueldade. Nas suas terras de origem, os nativos habituaram-se a fazer soar os tambores para avisarem da aproximação de negreiros. Os tambores foram assim proibidos na Ribeira Grande, como por todo Cabo Verde.

Os escravos rebeldes que se atreviam a tocá-los eram chicoteados contra a coluna de pedra e, com frequência, os negreiros ou mestres, lá lhes cortavam as mãos. Esse era apenas um entre tantos outros castigos impostos em público, no coração da povoação. Em frente ao Atlântico que separava as vítimas do passado recente e das vidas abandonadas nas suas terras.

Barcos artesanais ancorados na enseada em frente à Cidade Velha.

Descendentes de Escravos, feitos pescadores

A enseada de areia e pedras negras para sul do pelourinho surge pejada de barcos de pesca artesanais garridos. Um deles, testemunha a ligação profunda à antiga metrópole, por mais severa que se tenha em tempos revelado a história colonial. “Dany Love … e um símbolo do Sport Lisboa e Benfica” sobressai da popa de um barco vermelho e branco, como seria de esperar.

Outros barcos atracam e descarregam a pescaria. Uma peixeira atravessa o areal com um grande caldeiro cheio de peixe à cabeça, de olho nas redes enroladas sobre o chão que a poderiam armadilhar.

Nós, voltamos a cruzar o largo do pelourinho e apontamos ao vale da Ribeira Grande, o mesmo que nos tinha deslumbrado quando o apreciámos do cimo da Fortaleza de São Filipe.

A Igreja Pioneira da Cidade Velha

Passamos junto à câmara municipal, rejeitamos o Caminho do Vale e metemo-nos pela Rua da Banana. Delimita-a uma levada de casas térreas, feitas de pedras brancas de que se destacam arbustos e bananeiras.

No pátio solarengo de uma delas, uma jovem nativa sentada sob um estendal tão folclórico como os barcos na praia, amanha peixe na companhia de um cão pachorrento. Desviamo-nos para uma escadaria e para o átrio da Igreja da Nª Srª do Rosário, de 1495 (o edifício mais antigo da Cidade Velha) uma das poucas com arquitectura gótica em África, mesmo se é agora branca.

Esta igreja foi, durante muito tempo, palco do baptismo dos escravos. A ironia das ironias está em que os colonos a baptizaram em honra da padroeira não dos escravos… mas dos homens negros.

Guardiã da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a primeira da Cidade Velha.

A porteira e guardiã da igreja mora numa das casas da Rua da Banana. Quando nos vê aproximar, abre a porta de casa e adianta-se-nos de chave em riste. Em todo o tempo em que examinamos o interior da nave mantém-se, esquiva, sentada no banco mais distante do altar.

Nada tem para nos dizer. Responde-nos com o mínimo palavreado possível, na expectativa de que a visita não demorasse.

Convento de São Francisco da Ribeira Velha e de Regresso ao Pelourinho

Acima no vale, por um caminho partilhado por galinhas, cabras e porcos e ainda entre coqueiros, deparamo-nos com o Convento de São Francisco. É outro dos templos com que a Igreja reforçou a sua presença e influência na nova urbe do Atlântico.

E com que justificou a taxação crescente do cada vez mais lucrativo tráfico negreiro e assim obteve as graças financeiras que lhe permitiram estabelecer-se noutras partes. O convento permanece dissimulado pela vegetação. Encontramo-lo de porta aberta mas com muito menos conteúdo que a igreja anterior.

Com toda a vasta ilha de Santiago por explorar, a nossa história na Cidade Velha estava no ocaso. Regressamos ao Largo do Pelourinho. Instalamo-nos na esplanada de uma das lanchonetes. Apesar de humilde, serve refeições “tanto de carne como de peixe. Tudo feito em frigideira desinfectada” assim nos assegura a senhora ao balcão, com uma preocupação infundada com a nossa exigência.

Deixamos o sol cair para o lado da ilha do Fogo. Quando nos fartamos daquele descanso modesto mas sagrado na Cidade Velha, regressamos ao carro e apontamos a terras bem mais altas de Santiago. E a outro lugar sensível da história portuguesa, o Tarrafal.

 

A TAP – www.flytap.pt voa diariamente de Lisboa para a cidade da Praia, capital de Cabo Verde, situada a poucos quilómetros da Cidade Velha.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
São Nicolau, Cabo Verde

Sodade, Sodade

A voz de Cesária Verde cristalizou o sentimento dos caboverdeanos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau percebe porque lhe chamam, para sempre e com orgulho, "nha terra".
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Basmati Bismi
Cidades

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Transbordo
Cultura

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Maksim
Étnico

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Durante muito tempo discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera o orgulho e autonomia. A 6 de Fevereiro, esta etnia indígena comemora a sua nacionalidade.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Pequena súbdita
História

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Repuxo Merlion
Ilhas

Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.

Frígida pequenez
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Natureza
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Cavalgada em tons de Dourado
Parques Naturais

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Cidade dourada
Património Mundial UNESCO

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Praia soleada
Praias

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Tédio terreno
Religião
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Parada e Pompa
Sociedade

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.