Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas


Volta ao coral grande

Lancha contorna um banco de coral nas imediações da Plantation Island.

Mandovi shopping center

Donas indo-fijianas de uma loja de beira de estrada no norte de Viti Levu.

Recreio balnear

Hóspedes da Plantation Island divertem-se num banco de areia concedido pela maré baixa. 

O típico rosto fijiano

Teresia, uma das muitas trabalhadoras melanésias dos resorts da ilha.

Fiji animal vegetal

Vaca cebu junto a uma plantação de cana-de-açúcar de Viti Levu.

Mesmo à beira-mar

Pequeno armazém de equipamento aquático do resort.

Para Mataso, a voar

Autocarro percorre um trecho da velha Kings Road.

A esticar a corda

Trabalhador da Plantation Island segura a corda de âncora de uma lancha enquanto um dos herdeiros da ilha faz kitesurf.

Em fogo

Nativo fijiano exibe piro-acrobacias à beira da piscina de um hotel de Nadi.

Rumo a terra

Barco aproxima-se da Plantation Island sobre o pôr-do-sol.

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

O baptismo das povoações por que íamos passando nunca nos ajudaria a concluir qual a principal génese étnica de Fiji.

Os quilómetros de curvas e mais curvas sucediam-se na costa leste montanhosa e verdejante. À medida que os percorríamos, confrontávamo-nos com um elenco inacreditável de aldeolas e lugarejos com sílabas repetidas: Rakiraki, Lomolomo, Kulukulu, Sanasana, Malolo, Malololailai, Namuamua, Tabutautau e por aí fora. Quanto mais conduzíssemos para norte, mais exemplos poderíamos listar, encaixados entre a Kings Road e o Mar de Koro ou entre aquela estrada real semi-circular da ilha e as cordilheiras florestadas ou de um forro vegetal verde-amarelado que se impunham a ocidente.

Fosse como fosse, a conclusão nunca se provaria nem fácil, nem inequívoca. Perdido para oeste do Pacífico do Sul, o arquipélago fijiano foi moldado ao longo de 3500 anos por diversas culturas polinésias, melanésias e micronésias desde que o povo Lapita ali chegou proveniente dos arquipélagos vizinhos das ilhas Salomão e de Vanuatu, se dedicou à agricultura e se multiplicou desmesuradamente o que deu azo a confrontações tribais recorrentes.

Hoje, os conflitos mais frequentes têm lugar, acima de tudo, entre os generais das forças armadas e os políticos que disputam o poder no arquipélago com recurso a frequentes golpes de estado e até a sequestros. Já a agricultura, mantém-se pujante estimulada pela comunidade indo-fijiana que os colonos britânicos levaram da Índia para o arquipélago de 1879 a 1916 e que ali se estabeleceu para todo o sempre. Entre os povoados de beira de estrada, confirmámos que a cana-de-açúcar a que os britânicos condenaram os seus novos trabalhadores ainda é soberana e preenche a maior parte de Viti Levu que os nativos e colonos conseguiram roubar à selva original na época em que as grandes plantations garantiam fortunas ainda maiores.

A cana-de-açúcar nunca se tornou, todavia, monopolista. Ao largo da costa norte, proprietários de ilhas demasiado pequenas para acolherem a planta protegida da brisa salina do mar, optaram por uma alternativa óbvia. À chegada, muitas dessas ilhas já estavam rodeadas de coqueiros. O coco sempre teve o seu próprio valor, tanto o da casca, usado para uma série de fibras, tecidos e materiais, como o da polpa, quando não conservada para alimentação directa, entregue à indústria da copra (do dialecto Tamil malayalam: koppara) que dela produz o apreciado óleo de coco.

Já explorávamos Viti Levu havia algum tempo. De repente, assaltou-nos a ideia de espreitarmos algumas das ilhas secundárias ao largo até porque nos aproximávamos de Lautoka e Nadi, de onde partiam ligações de ferry para várias delas.

Parámos em Lautoka com o fim de recuperarmos energias. Aproveitámos para fazer algumas chamadas a partir de uma cabine telefónica local, perdida numa praça com lojas de um lado muçulmanas, do outro hindus. Dessas chamadas, resultou um convite para passarmos uns dias numa tal de Plantation Island. A precisarmos de algum descanso balnear, aceitámo-lo com agrado e, apressámo-nos a entregar o carro alugado e para lá nos mudarmos.

Fomos recebidos por Hannah e Brian Kirsch, um jovem casal australiano que cuidava dos resorts da ilha.

Hannah tratou de que nos instalassem e mimassem o melhor possível. “Tenho a certeza que vão adorar!” assegurou-nos. ”Eu só saio de cá para viagens longas. Não gosto nada de Nadi e dá-me demasiado trabalho chegar ao resto de Viti Levu.” Fizemos o possível para mostrar agrado da sua reclusão da verdadeira Fiji, aparentemente com sucesso. Hannah pareceu satisfeita por desabafar com visitantes que considerou mais ou menos do seu tipo: “Vou muito mais vezes à Austrália do que a Viti Levu. Sabem que eu tinha família em Port Arthur, na Tasmânia. Mas houve aquele problema do serial killer, não sei se ouviram falar. A minha tia safou-se do rol de vítimas. Ainda assim, viu-se forçada a vender o hotel e tudo o resto por causa da fama negativa do massacre.”

O mundo não é propriamente pequeno mas, por coincidência, estávamos a par do que nos narrava a anfitriã. Alguns meses antes, tínhamos passado pelo lugar do crime. Ficámos a par da matança perpetrada por Martin Bryant, em 1996, na colónia-penal museu local, a mais mortífera de sempre provocada por tiros de uma só pessoa até ao norueguês Anders Breivik, renovar o recorde há quatro anos atrás, na ilha de Utoya.

Não tardámos a perceber que, enquanto a tia vendera o seu hotel tasmaniano, Hannah e os três irmãos que pareciam já viver num óbvio desafogo financeiro, tinham acabado de herdar toda aquela inacreditável ilha do recém-falecido pai, Reginald Raffe. Reginal tornou-se respeitado em Fiji pelo contributo pioneiro que deu para o desenvolvimento das Mamanucas, um arquipélago repleto de praias de areia de giz, mares cristalinos, por vezes turquesa, outras vezes esmeralda com bancos de areia e recifes de coral fotogénicos e submersos aos capricho das marés.

A Plantation Island – também conhecida por Malolo Lailai – era a segunda maior e a ilha com mais infraestruturas desse arquipélago. Até 1966, fora detida por uma tal de família chinesa Wong Ket que retirava um lucro irregular dos milhares de coqueiros plantados.

Os endinheirados australianos Raffe e outros sócios compraram-na e construíram a pista de aterragem actual. Aos poucos, dotaram-na também de bures (cabanas fijianas) requintadas e prepararam-na para acolher a vaga de visitantes aussies e kiwis (depois, asiáticos) que começava a dar às costas de Fiji e que fez desta nação insular a mais turística do Pacífico do Sul.

Centenas de nativos viram-se prendados com os empregos criados pelos investidores. Na Plantation Island, eram sobretudo mulheres e mahus (assim é chamado terceiro género da Polinésia) os responsáveis pelo atendimento e tratamento dos clientes. “Que tal estão a achar até agora da ilha?” questionavam-nos com demasiada frequência funcionários como Teresia e Api – este último com fortíssimos trejeitos efeminados – mais que fiéis à função que exerciam e à tradição de acolhimento da sua terra: “Já foram espreitar a vista do Uluisolo, o ponto mais alto da ilha? De lá conseguem-se ver até as Yasawas. Vão entretanto, que apanham o pôr-do-sol! “

Ainda para lá caminhámos mas não chegámos a tempo. Para compensar, no dia seguinte, bem cedo, saímos directos num itinerário de lancha e snorkeling pela barreira de recife de Malolo com uma derradeira paragem balnear nos bancos de areia em frente à ilha. O timoneiro e o auxiliar a bordo tinham a evolução da maré controlada quase ao segundo e fizeram desembarcar os passageiros no preciso momento em que a água começava a descobrir os baixios. Num ápice, ficaram descobertas pequenas praias quase privadas de que todos os hóspedes desfrutaram sem cerimónias, alguns simplesmente deleitados em banhos simultâneos de mar e de sol, outros, num corrupio de actividades bastante mais físicas.

Estava a comitiva da lancha neste recreio sortido quando, vindo do nada, qual super-herói dependurado das nuvens, apareceu a toda a velocidade um jovem kitesurfer que se entreteve a exibir a sua mestria sobre a prancha. Um dos tripulantes do barco não resistiu ao mexerico: “É o Jason Raffe, um dos irmãos da Hannah. Quando cá está, passa os dias ou a fazer mergulho ou naquilo. Há vidas assim!” 

Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Cocquete
Arquitectura & Design

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Caçada com Bolhas
Cidades

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Sapphire
Cultura

Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Deserto (Pouco) Branco
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Sombra de sucesso
Étnico

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pura Nova Zelândia
História

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Entre andorinhas
Ilhas

Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24s de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Natureza
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Um Apocalipse Televisionado
Parques Naturais

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Anéis de Fogo
Património Mundial Unesco
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Mme Moline popinée
Praia

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

1001 Noites Russas
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.