Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas


Volta ao coral grande

Lancha contorna um banco de coral nas imediações da Plantation Island.

Mandovi shopping center

Donas indo-fijianas de uma loja de beira de estrada no norte de Viti Levu.

Recreio balnear

Hóspedes da Plantation Island divertem-se num banco de areia concedido pela maré baixa. 

O típico rosto fijiano

Teresia, uma das muitas trabalhadoras melanésias dos resorts da ilha.

Fiji animal vegetal

Vaca cebu junto a uma plantação de cana-de-açúcar de Viti Levu.

Mesmo à beira-mar

Pequeno armazém de equipamento aquático do resort.

Para Mataso, a voar

Autocarro percorre um trecho da velha Kings Road.

A esticar a corda

Trabalhador da Plantation Island segura a corda de âncora de uma lancha enquanto um dos herdeiros da ilha faz kitesurf.

Em fogo

Nativo fijiano exibe piro-acrobacias à beira da piscina de um hotel de Nadi.

Rumo a terra

Barco aproxima-se da Plantation Island sobre o pôr-do-sol.

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

O baptismo das povoações por que íamos passando nunca nos ajudaria a concluir qual a principal génese étnica de Fiji.

Os quilómetros de curvas e mais curvas sucediam-se na costa leste montanhosa e verdejante. À medida que os percorríamos, confrontávamo-nos com um elenco inacreditável de aldeolas e lugarejos com sílabas repetidas: Rakiraki, Lomolomo, Kulukulu, Sanasana, Malolo, Malololailai, Namuamua, Tabutautau e por aí fora. Quanto mais conduzíssemos para norte, mais exemplos poderíamos listar, encaixados entre a Kings Road e o Mar de Koro ou entre aquela estrada real semi-circular da ilha e as cordilheiras florestadas ou de um forro vegetal verde-amarelado que se impunham a ocidente.

Fosse como fosse, a conclusão nunca se provaria nem fácil, nem inequívoca. Perdido para oeste do Pacífico do Sul, o arquipélago fijiano foi moldado ao longo de 3500 anos por diversas culturas polinésias, melanésias e micronésias desde que o povo Lapita ali chegou proveniente dos arquipélagos vizinhos das ilhas Salomão e de Vanuatu, se dedicou à agricultura e se multiplicou desmesuradamente o que deu azo a confrontações tribais recorrentes.

Hoje, os conflitos mais frequentes têm lugar, acima de tudo, entre os generais das forças armadas e os políticos que disputam o poder no arquipélago com recurso a frequentes golpes de estado e até a sequestros. Já a agricultura, mantém-se pujante estimulada pela comunidade indo-fijiana que os colonos britânicos levaram da Índia para o arquipélago de 1879 a 1916 e que ali se estabeleceu para todo o sempre. Entre os povoados de beira de estrada, confirmámos que a cana-de-açúcar a que os britânicos condenaram os seus novos trabalhadores ainda é soberana e preenche a maior parte de Viti Levu que os nativos e colonos conseguiram roubar à selva original na época em que as grandes plantations garantiam fortunas ainda maiores.

A cana-de-açúcar nunca se tornou, todavia, monopolista. Ao largo da costa norte, proprietários de ilhas demasiado pequenas para acolherem a planta protegida da brisa salina do mar, optaram por uma alternativa óbvia. À chegada, muitas dessas ilhas já estavam rodeadas de coqueiros. O coco sempre teve o seu próprio valor, tanto o da casca, usado para uma série de fibras, tecidos e materiais, como o da polpa, quando não conservada para alimentação directa, entregue à indústria da copra (do dialecto Tamil malayalam: koppara) que dela produz o apreciado óleo de coco.

Já explorávamos Viti Levu havia algum tempo. De repente, assaltou-nos a ideia de espreitarmos algumas das ilhas secundárias ao largo até porque nos aproximávamos de Lautoka e Nadi, de onde partiam ligações de ferry para várias delas.

Parámos em Lautoka com o fim de recuperarmos energias. Aproveitámos para fazer algumas chamadas a partir de uma cabine telefónica local, perdida numa praça com lojas de um lado muçulmanas, do outro hindus. Dessas chamadas, resultou um convite para passarmos uns dias numa tal de Plantation Island. A precisarmos de algum descanso balnear, aceitámo-lo com agrado e, apressámo-nos a entregar o carro alugado e para lá nos mudarmos.

Fomos recebidos por Hannah e Brian Kirsch, um jovem casal australiano que cuidava dos resorts da ilha.

Hannah tratou de que nos instalassem e mimassem o melhor possível. “Tenho a certeza que vão adorar!” assegurou-nos. ”Eu só saio de cá para viagens longas. Não gosto nada de Nadi e dá-me demasiado trabalho chegar ao resto de Viti Levu.” Fizemos o possível para mostrar agrado da sua reclusão da verdadeira Fiji, aparentemente com sucesso. Hannah pareceu satisfeita por desabafar com visitantes que considerou mais ou menos do seu tipo: “Vou muito mais vezes à Austrália do que a Viti Levu. Sabem que eu tinha família em Port Arthur, na Tasmânia. Mas houve aquele problema do serial killer, não sei se ouviram falar. A minha tia safou-se do rol de vítimas. Ainda assim, viu-se forçada a vender o hotel e tudo o resto por causa da fama negativa do massacre.”

O mundo não é propriamente pequeno mas, por coincidência, estávamos a par do que nos narrava a anfitriã. Alguns meses antes, tínhamos passado pelo lugar do crime. Ficámos a par da matança perpetrada por Martin Bryant, em 1996, na colónia-penal museu local, a mais mortífera de sempre provocada por tiros de uma só pessoa até ao norueguês Anders Breivik, renovar o recorde há quatro anos atrás, na ilha de Utoya.

Não tardámos a perceber que, enquanto a tia vendera o seu hotel tasmaniano, Hannah e os três irmãos que pareciam já viver num óbvio desafogo financeiro, tinham acabado de herdar toda aquela inacreditável ilha do recém-falecido pai, Reginald Raffe. Reginal tornou-se respeitado em Fiji pelo contributo pioneiro que deu para o desenvolvimento das Mamanucas, um arquipélago repleto de praias de areia de giz, mares cristalinos, por vezes turquesa, outras vezes esmeralda com bancos de areia e recifes de coral fotogénicos e submersos aos capricho das marés.

A Plantation Island – também conhecida por Malolo Lailai – era a segunda maior e a ilha com mais infraestruturas desse arquipélago. Até 1966, fora detida por uma tal de família chinesa Wong Ket que retirava um lucro irregular dos milhares de coqueiros plantados.

Os endinheirados australianos Raffe e outros sócios compraram-na e construíram a pista de aterragem actual. Aos poucos, dotaram-na também de bures (cabanas fijianas) requintadas e prepararam-na para acolher a vaga de visitantes aussies e kiwis (depois, asiáticos) que começava a dar às costas de Fiji e que fez desta nação insular a mais turística do Pacífico do Sul.

Centenas de nativos viram-se prendados com os empregos criados pelos investidores. Na Plantation Island, eram sobretudo mulheres e mahus (assim é chamado terceiro género da Polinésia) os responsáveis pelo atendimento e tratamento dos clientes. “Que tal estão a achar até agora da ilha?” questionavam-nos com demasiada frequência funcionários como Teresia e Api – este último com fortíssimos trejeitos efeminados – mais que fiéis à função que exerciam e à tradição de acolhimento da sua terra: “Já foram espreitar a vista do Uluisolo, o ponto mais alto da ilha? De lá conseguem-se ver até as Yasawas. Vão entretanto, que apanham o pôr-do-sol! “

Ainda para lá caminhámos mas não chegámos a tempo. Para compensar, no dia seguinte, bem cedo, saímos directos num itinerário de lancha e snorkeling pela barreira de recife de Malolo com uma derradeira paragem balnear nos bancos de areia em frente à ilha. O timoneiro e o auxiliar a bordo tinham a evolução da maré controlada quase ao segundo e fizeram desembarcar os passageiros no preciso momento em que a água começava a descobrir os baixios. Num ápice, ficaram descobertas pequenas praias quase privadas de que todos os hóspedes desfrutaram sem cerimónias, alguns simplesmente deleitados em banhos simultâneos de mar e de sol, outros, num corrupio de actividades bastante mais físicas.

Estava a comitiva da lancha neste recreio sortido quando, vindo do nada, qual super-herói dependurado das nuvens, apareceu a toda a velocidade um jovem kitesurfer que se entreteve a exibir a sua mestria sobre a prancha. Um dos tripulantes do barco não resistiu ao mexerico: “É o Jason Raffe, um dos irmãos da Hannah. Quando cá está, passa os dias ou a fazer mergulho ou naquilo. Há vidas assim!” 

Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Nana Kwame V
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Herança colonial
Cidades

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Gentlemen Club & Steakhouse
Cultura

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Pórtico do tempo
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Casinhas de outros tempos
Étnico
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Amarelo a dobrar
História
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Tambores e tatoos
Ilhas

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Antes da chuva
Natureza

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Ao fim da tarde
Património Mundial Unesco
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Perigo: correntes
Praia
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Ferry Nek Luong
Religião

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Glaciar Meares
Vida Selvagem

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.