Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas


Volta ao coral grande

Lancha contorna um banco de coral nas imediações da Plantation Island.

Mandovi shopping center

Donas indo-fijianas de uma loja de beira de estrada no norte de Viti Levu.

Recreio balnear

Hóspedes da Plantation Island divertem-se num banco de areia concedido pela maré baixa. 

O típico rosto fijiano

Teresia, uma das muitas trabalhadoras melanésias dos resorts da ilha.

Fiji animal vegetal

Vaca cebu junto a uma plantação de cana-de-açúcar de Viti Levu.

Mesmo à beira-mar

Pequeno armazém de equipamento aquático do resort.

Para Mataso, a voar

Autocarro percorre um trecho da velha Kings Road.

A esticar a corda

Trabalhador da Plantation Island segura a corda de âncora de uma lancha enquanto um dos herdeiros da ilha faz kitesurf.

Em fogo

Nativo fijiano exibe piro-acrobacias à beira da piscina de um hotel de Nadi.

Rumo a terra

Barco aproxima-se da Plantation Island sobre o pôr-do-sol.

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

O baptismo das povoações por que íamos passando nunca nos ajudaria a concluir qual a principal génese étnica de Fiji.

Os quilómetros de curvas e mais curvas sucediam-se na costa leste montanhosa e verdejante. À medida que os percorríamos, confrontávamo-nos com um elenco inacreditável de aldeolas e lugarejos com sílabas repetidas: Rakiraki, Lomolomo, Kulukulu, Sanasana, Malolo, Malololailai, Namuamua, Tabutautau e por aí fora. Quanto mais conduzíssemos para norte, mais exemplos poderíamos listar, encaixados entre a Kings Road e o Mar de Koro ou entre aquela estrada real semi-circular da ilha e as cordilheiras florestadas ou de um forro vegetal verde-amarelado que se impunham a ocidente.

Fosse como fosse, a conclusão nunca se provaria nem fácil, nem inequívoca. Perdido para oeste do Pacífico do Sul, o arquipélago fijiano foi moldado ao longo de 3500 anos por diversas culturas polinésias, melanésias e micronésias desde que o povo Lapita ali chegou proveniente dos arquipélagos vizinhos das ilhas Salomão e de Vanuatu, se dedicou à agricultura e se multiplicou desmesuradamente o que deu azo a confrontações tribais recorrentes.

Hoje, os conflitos mais frequentes têm lugar, acima de tudo, entre os generais das forças armadas e os políticos que disputam o poder no arquipélago com recurso a frequentes golpes de estado e até a sequestros. Já a agricultura, mantém-se pujante estimulada pela comunidade indo-fijiana que os colonos britânicos levaram da Índia para o arquipélago de 1879 a 1916 e que ali se estabeleceu para todo o sempre. Entre os povoados de beira de estrada, confirmámos que a cana-de-açúcar a que os britânicos condenaram os seus novos trabalhadores ainda é soberana e preenche a maior parte de Viti Levu que os nativos e colonos conseguiram roubar à selva original na época em que as grandes plantations garantiam fortunas ainda maiores.

A cana-de-açúcar nunca se tornou, todavia, monopolista. Ao largo da costa norte, proprietários de ilhas demasiado pequenas para acolherem a planta protegida da brisa salina do mar, optaram por uma alternativa óbvia. À chegada, muitas dessas ilhas já estavam rodeadas de coqueiros. O coco sempre teve o seu próprio valor, tanto o da casca, usado para uma série de fibras, tecidos e materiais, como o da polpa, quando não conservada para alimentação directa, entregue à indústria da copra (do dialecto Tamil malayalam: koppara) que dela produz o apreciado óleo de coco.

Já explorávamos Viti Levu havia algum tempo. De repente, assaltou-nos a ideia de espreitarmos algumas das ilhas secundárias ao largo até porque nos aproximávamos de Lautoka e Nadi, de onde partiam ligações de ferry para várias delas.

Parámos em Lautoka com o fim de recuperarmos energias. Aproveitámos para fazer algumas chamadas a partir de uma cabine telefónica local, perdida numa praça com lojas de um lado muçulmanas, do outro hindus. Dessas chamadas, resultou um convite para passarmos uns dias numa tal de Plantation Island. A precisarmos de algum descanso balnear, aceitámo-lo com agrado e, apressámo-nos a entregar o carro alugado e para lá nos mudarmos.

Fomos recebidos por Hannah e Brian Kirsch, um jovem casal australiano que cuidava dos resorts da ilha.

Hannah tratou de que nos instalassem e mimassem o melhor possível. “Tenho a certeza que vão adorar!” assegurou-nos. ”Eu só saio de cá para viagens longas. Não gosto nada de Nadi e dá-me demasiado trabalho chegar ao resto de Viti Levu.” Fizemos o possível para mostrar agrado da sua reclusão da verdadeira Fiji, aparentemente com sucesso. Hannah pareceu satisfeita por desabafar com visitantes que considerou mais ou menos do seu tipo: “Vou muito mais vezes à Austrália do que a Viti Levu. Sabem que eu tinha família em Port Arthur, na Tasmânia. Mas houve aquele problema do serial killer, não sei se ouviram falar. A minha tia safou-se do rol de vítimas. Ainda assim, viu-se forçada a vender o hotel e tudo o resto por causa da fama negativa do massacre.”

O mundo não é propriamente pequeno mas, por coincidência, estávamos a par do que nos narrava a anfitriã. Alguns meses antes, tínhamos passado pelo lugar do crime. Ficámos a par da matança perpetrada por Martin Bryant, em 1996, na colónia-penal museu local, a mais mortífera de sempre provocada por tiros de uma só pessoa até ao norueguês Anders Breivik, renovar o recorde há quatro anos atrás, na ilha de Utoya.

Não tardámos a perceber que, enquanto a tia vendera o seu hotel tasmaniano, Hannah e os três irmãos que pareciam já viver num óbvio desafogo financeiro, tinham acabado de herdar toda aquela inacreditável ilha do recém-falecido pai, Reginald Raffe. Reginal tornou-se respeitado em Fiji pelo contributo pioneiro que deu para o desenvolvimento das Mamanucas, um arquipélago repleto de praias de areia de giz, mares cristalinos, por vezes turquesa, outras vezes esmeralda com bancos de areia e recifes de coral fotogénicos e submersos aos capricho das marés.

A Plantation Island – também conhecida por Malolo Lailai – era a segunda maior e a ilha com mais infraestruturas desse arquipélago. Até 1966, fora detida por uma tal de família chinesa Wong Ket que retirava um lucro irregular dos milhares de coqueiros plantados.

Os endinheirados australianos Raffe e outros sócios compraram-na e construíram a pista de aterragem actual. Aos poucos, dotaram-na também de bures (cabanas fijianas) requintadas e prepararam-na para acolher a vaga de visitantes aussies e kiwis (depois, asiáticos) que começava a dar às costas de Fiji e que fez desta nação insular a mais turística do Pacífico do Sul.

Centenas de nativos viram-se prendados com os empregos criados pelos investidores. Na Plantation Island, eram sobretudo mulheres e mahus (assim é chamado terceiro género da Polinésia) os responsáveis pelo atendimento e tratamento dos clientes. “Que tal estão a achar até agora da ilha?” questionavam-nos com demasiada frequência funcionários como Teresia e Api – este último com fortíssimos trejeitos efeminados – mais que fiéis à função que exerciam e à tradição de acolhimento da sua terra: “Já foram espreitar a vista do Uluisolo, o ponto mais alto da ilha? De lá conseguem-se ver até as Yasawas. Vão entretanto, que apanham o pôr-do-sol! “

Ainda para lá caminhámos mas não chegámos a tempo. Para compensar, no dia seguinte, bem cedo, saímos directos num itinerário de lancha e snorkeling pela barreira de recife de Malolo com uma derradeira paragem balnear nos bancos de areia em frente à ilha. O timoneiro e o auxiliar a bordo tinham a evolução da maré controlada quase ao segundo e fizeram desembarcar os passageiros no preciso momento em que a água começava a descobrir os baixios. Num ápice, ficaram descobertas pequenas praias quase privadas de que todos os hóspedes desfrutaram sem cerimónias, alguns simplesmente deleitados em banhos simultâneos de mar e de sol, outros, num corrupio de actividades bastante mais físicas.

Estava a comitiva da lancha neste recreio sortido quando, vindo do nada, qual super-herói dependurado das nuvens, apareceu a toda a velocidade um jovem kitesurfer que se entreteve a exibir a sua mestria sobre a prancha. Um dos tripulantes do barco não resistiu ao mexerico: “É o Jason Raffe, um dos irmãos da Hannah. Quando cá está, passa os dias ou a fazer mergulho ou naquilo. Há vidas assim!” 

Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Folia Divina
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Basmati Bismi
Cidades

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
1º Apuro Matrimonial
Cultura

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
As Cores da Ilha Elefante
Étnico

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Um matrimónio espacial
História

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Vai-e-vem fluvial
Ilhas

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Tempo de aurora
Natureza

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

No rumo da Democracia
Parques Naturais

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

De regresso a casa
Património Mundial Unesco

Sigiriya, Sri Lanka

A Capital de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Promessa?
Praia
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Tédio terreno
Religião
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Curiosidade ursa
Vida Selvagem

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.