Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro


Túnel de gelo

Marco C. Pereira dentro de um iceberg do Glaciar Valdez.

Glaciar Meares

O glaciar Meares detrás de um meandro florestado.

Prince William Sound

Florestas de coníferas do Prince William Sound.

Leões-Marinhos

Leões-marinhos no litoral de um fiorde nas imediações de Valdez.

Terminal petrolífero

Tanques do terminal petrolífero de Valdez, colocados a salvo de tsunamis.

Porto de Valdez

Embarcações no porto de Valdez.

Alasca frígido

Pequenos icebergs libertados pelo enorme glaciar Columbia, possivelmente semelhantes aos que provocaram o rombo no "Exxon Valdez".

Debaixo do azul

Viajantes asiáticos manobram um caiaque por baixo de um túnel de gelo do glaciar Valdez.

Gelo de Verão

Fragmentos de gelo nas imediações do glaciar Meares.

Lu Lu Belle

Um barco deixa o porto de Valdez para mostrar a visitantes da região os cenários extremos de Prince William Sound.

Jogada de antecipação

Jovem passageiro segura um leão-marinho de peluche, pouco depois de avistar várias colónias destes animais a sério.

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.

Rainier personifica e protagoniza a vida genuína do Alasca, tão complexa e assumida que não deixa lugar a críticas ou reparos.Vem ao nosso encontro junto ao porto de Valdez, num dia de trabalho mais incomodativo que os restantes.

“Filho da mãe do chinês, desabafa sem pudor.” Logo hoje é que tinha que aturar aquilo”. “O namorado deixou-o e agora parece uma criança descontrolada a quem tiraram todos os brinquedos”. Gerry ri-se tranquilamente e tenta acalmá-la “Está tudo bem querida. Já não tens que voltar mais para lá, hoje”. E beijam-se pela quinquagésima vez.

Seguimos o jipe de Rainier até um atrelado plantado num trailer park nas proximidades do aeroporto local. À chegada informa-nos sem cerimónia: “É aqui. Eu vivo numa vivenda com o meu marido. Este atrelado, uso-o para estar com o Gerry.” “Fiquem à vontade. Eu já volto. Tenho que ir dizer ao Chris que já chegaram. Ele está cheio de vontade de vos conhecer.”

Gerry é distribuidor e vendedor da marca de refrigerantes Dr. Pepper, Chris é um dos responsáveis pela segurança da Alyesca Pipeline, a empresa que explora a conduta que traz o petróleo alasquense do longínquo oceano Árctico até ao Golfo do Alasca.

Em comum têm apenas Rainier e Valdez. Gerry foi em tempos colega de trabalho no bar de Pepe, um espanhol  ganancioso e mal visto, com negócios obscuros que brilharia em qualquer filme de Almodovar. Gerry é o namorado actual. Chris é o marido oficiosamente separado de Rainier e pai de Forest, a filha de ambos.

Conversa puxa conversa, vêm à baila a prosperidade de Valdez, concedida pelo ouro negro do Mar do Alasca. Rainier riposta motivada em impressionar-nos.

“Bom, se isso vos desperta curiosidade, ainda mais interessante vão achar o meu ex-marido. Ele sabe quase tudo sobre o petróleo do Alasca.”

Continuamos o repasto no atrelado com entusiasmo até que o bonacheirão Chris aparece com salmão seco, pedaços de alce e de foca, estes, embebidos na sua gordura, além de distintos doces de frutos silvestres, e assim renova o convívio à moda dos antepassados. Enquanto provamos as iguarias e admiramos algumas das suas esculturas em ossos penianos baculum de focas, morsas e leões-marinhos macho (oosik em vários dialectos nativos), Chris explica-nos melhor a sua improvável origem helénico-inupiaq e as lógicas étnicas do Alasca: como, por norma, a etnia Athabaskan – dispersa pelo sul do território e por grande parte do Lower 48 – é aquela com que os “verdadeiros” indígenas alasquenses mais embirram e como o termo esquimó não faz sentido nem ao seu grupo étnico inupiaq nem a nenhum outro. Em seguida, a conversa muda de rumo. Chris tem um irmão gémeo, Joe, que é considerado o Top Cop do Alasca e objecto de reportagens das principais publicações locais. Ele, por sua vez, há muito que trabalha para a Alyeska Pipelines Service Company, uma empresa do consórcio multimilionário Alyeska (grande terra, no dialecto arcaico aleuta) formado pelas  companhias proprietárias do sistema de condutas Trans-Alasca que exploram e comercializam o petróleo do 49º estado norte-americano.

“Uma das principais condições das autoridades nativas para autorizar a construção do sistema de condutas nas suas terras foi uma determinada cota de empregados indígenas ao serviço. Eu sou só um de muitos. Cheguei  a um cargo elevado e ganho bem (confessa-nos que uma média de 120.000 dólares por ano) mas tenho responsabilidade a condizer. A conduta tem 1300km. Quando não são proprietários frustrados, são os ambientalistas radicais e irracionais ou um maluco qualquer. Há sempre alguém interessado em danificar ou sabotar aquele cano.” Pelo que acrescenta, apuramos que a paranóia yankee se disseminou pelos confins da nação e contribui para o estado de permanente sobressalto. 

”No 11 de Setembro, espalhou-se por Valdez que os terroristas iam fazer despenhar um dos últimos aviões desviados sobre os reservatórios da cidade ou a conduta. Foi uma agonia em directo até que todos aterrassem.”

Na ocasião, a pequena cidade saiu incólume mas, em 1989, não teve a mesma sorte. Essa confirmou-se vinda do mar.

Três anos antes, a companhia National Steel and Shipbuilding de San Diego, Califórnia construiu duas embarcações gémeas com historiais díspares. O USNS Mercy foi adoptado como navio hospital pela Cruz Vermelha com o propósito de auxiliar missões humanitárias um pouco por todo o Mundo. O Exxon Valdez seria escalado para assegurar o transporte de crude entre o Alasca e a Califórnia. Como o nome na quilha deixava antever, Valdez seria uma das duas paragens obrigatórias dos percursos. Aquando da concretização do projecto de exploração do crude ao largo da costa norte do Alasca, confirmou-se a conclusão que o gelo ali impediria um fluxo regular e seguro de petroleiros, por mais reforçados que fossem. A alternativa passou por construir uma conduta a atravessar todo Alasca de norte para sul e encontrar, numa menor latitude, um porto livre de gelo compacto. Abrigada num dos vários fiordes do Prince William Sound, Valdez provou-se o local eleito para acolher esse terminal e os actuais 18 tanques. 

A economia da cidade, como a do estado, acelerou ao ritmo do transporte do combustível levado a cabo por uma média de 3 a 5 petroleiros por semana. Viria a ser vítima de negligência.

No dia 23 de Março, às 9.12 da noite, o Exxon Valdez zarpou para uma refinaria de Long Beach. Um piloto do porto guiou-o pelos estreitos de Valdez antes de devolver as manobras ao comandante. Este, desviou o petroleiro da pista de navegação normal para evitar icebergs que flutuavam ao largo do glaciar Columbia. Pouco depois, passou os comandos para dois outros tripulantes que ficaram encarregues da ponte. Diz-se que, por engano, o barco foi colocado em piloto automático. Logo após, o comandante obteve nova autorização para rejeitar a pista de saída – ainda obstruída pelo gelo flutuante – e permanecer na de entrada. Às 12.04 a.m. do dia 24 de Março, o Exxon Valdez mantinha-se numa rota errónea e colidiu com o recife de Bligh. O casco da embarcação era simples, em vez de reforçado, e não resistiu.

Muito graças à resposta tardia da companhia Exxon – que enfureceu a população local e os ambientalistas em geral – derramaram-se e espalharam-se pelos fiordes e canais do Prince William Sound e numa extensão de 2000km, um mínimo de 41 milhões dos 200 milhões de litros a bordo, naquele que foi considerado o maior desastre ecológico registado no Alasca. O impacto na natureza revelou-se brutal. Milhares de animais perderam a vida: entre 250.000 e 500.000 aves marinhas, mais de 1000 lontras, 300 focas, 250 águias pesqueiras e 22 orcas já para não falar dos biliões de ovos de salmão e arenque então depositados nas águas e do plancton que era a base da cadeia alimentar da região.

Valdez, grande parte das povoações do Prince William Sound e o Alasca em geral sofreram e viram as vidas das suas populações afectadas a vários níveis. Alguns anos depois, a zona parecia ter recuperado, pelo menos à superfície já que muito crude permanece como sedimento subterrâneo poluente do litoral e do leito do mar.

Rainier e Chris eram colegas de trabalho, criavam a sua recém-nascida filha Forest e prosperavam. Tal como a Meares, uma de várias empresas de navegação que nos permite fazer o derradeiro percurso fatídico do Exxon Valdez ao som de uma narrativa da tragédia e deslumbrarmo-nos com o “responsável” glaciar Columbia, com outros glaciares e icebergs imponentes e maravilhas naturais concorrentes das redondezas. Apesar das cicatrizes ambientais duradouras,  o recobro beneficiava toda a cidade, por onde voltariam a passar muitos milhares de litros de crude e de turistas, como Henry Kissinger ou o Rei Olavo V da Noruega, os participantes mais famosos de excursões que visitavam os pontos curiosos ou emblemáticos da pipeline.

São estes os visuais em que crescem os indígenas alasquenses que, como resumiu Rainier, se dividem em duas classes: os que conseguem estudar e ser empregados pela Alyesca Pipeline (como Chris) e os que não conseguem e se entregam ao álcool, ou no melhor dos casos, se submetem à vida árdua proporcionada pelas empresas de pesca e processamento de peixe como a Peter Pan Seafoods que emprega centenas de Sugpiacs, Yupiks, Tananas, Haidas e os “rivais” históricos oriundos do Lower 48, os Athabascans.

Agora que a região recuperou de vez do trauma ambiental e atrai mais visitantes que nunca, assim que o Verão se anuncia, juntam-se aos trabalhadores fixos, milhares de outros sazonais que, por três meses, fazem funcionar os negócios da cidade.

Encontramos, em Valdez, turcos, russos, polinésios de Tonga e Samoa e, claro está, os americanos mais jovens ou pobres que migram do Oregon, Washington, Montana, dos dois Dakotas e até do norte da Califórnia, atraídos pelos ordenados chorudos, pouco ou nada taxados.

Terminadas todas as disputas legais, a empresa-mãe, a Exxon, pagou mais de 600 milhões de euros em indemnizações. O Exxon Valdez, esse, foi proibido de voltar às redondezas. Depois das reparações, mudou várias vezes de nome e de áreas de acção. Em 2010, já na Ásia, denominado Dong Fang Ocean e registado no Panamá, colidiu no Mar da China do Sul com um cargueiro maltês. Ambos os navios ficaram bastante danificados. Em Março passado, foi comprado para sucata e, após uma complexa batalha judicial, acabou nas praias lodosas de Gujarat (região indiana) para ser desmantelado no estaleiro surreal de Alang, já sob o nome algo eufémico de Oriental Nicety.

A relação de Rainier e Chris também navegou por águas agitadas e acabou por se afundar sob inúmeras agruras conjugais. Foi restabelecida numa misteriosa e dinâmica versão tríptica. Por enquanto, goza de uma bonança que permite a convivência dos dois com Jerry. Cabe ao tempo decidir os rumos das suas vidas no Alasca, como o futuro lucrativo mas periclitante de Valdez.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Sitka, Alasca

Memórias de Uma América que Já foi Russa

134 anos após o início da colonização, o czar Alexandre II teve que vender parte do actual 49º estado dos EUA. Em Sitka, encontramos heranças desses colonos e dos nativos que os combateram.

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Tempo de MassKara
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Nippo-Selfie
Cidades

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Tempo de surf
Cultura

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Convés multifuncional
Em Viagem

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Danças
Étnico
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Saint-Pierre
História
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Fajazinha (Ocaso)
Ilhas
Flores, Açores

Os Confins Inverosímeis de Portugal (e da Europa)

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Natureza
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Observatório Dourado
Parques Naturais

Monte Mauna Kea, Havai

Um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra

Património Mundial Unesco
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Aulas de surf
Praia

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Natal de todas as cores
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Um mahu integrado
Sociedade

Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.