Cidade de Pedra, Goiás, Brasil

Uma Cidade de Pedra. Preciosa.


Vista de Cerrado
A Cidade de Pedra
Buritis aos Molhos II
Buritis aos Molhos
Buritizeiro Oportunista
Buritizeiros
Cachoeira de Santa Maria
Súbito Galope
Triunfo Vegetal
Cacto do Desfiladeiro
Cidade de Pedra adentro
Cacto com Vista
Quartzito vs Cerrado
Chuveirinho e Sempre-Viva
Capricho Erosivo II
Mão-Cheia de Buritis
Capricho Erosivo
Cachoeira do Lázaro
Nuvem acima de Pedra
Flor do Cerrado
Uma vastidão lítica desponta do cerrado em redor de Pirenópolis e do âmago do estado brasileiro de Goiás. Com quase 600 hectares e ainda mais milhões de anos, aglomera inúmeras formações ruiniformes caprichosas e labirínticas. Quem a visita, perde-se por lá de deslumbre.

A estrada dos Dragões mantem-se de tal maneira áspera e irregular que, ao volante do jipe, Eduardo conduz sobre os 30km/h, quase nunca mais que isso.

Aproveitamos para apreciar os cenários do Cerrado.

As fazendas isoladas, os ipês garridos, os buritis que sinalizam água, nem que seja no subsolo, e a boiada disseminada nos prados em redor.

Abundam os riachos e as cachoeiras.

Avançamos, aliás, entre várias.

Na iminência da dos Dragões, a estrada desvia para o destino que lhe granjeou o nome. Quase cedemos à tentação. Resistimos.

Desprovido de riachos ou cursos de água permanentes – o mais próximo será o córrego do Maneta que passa a alguma distância – em plena época seca da região, o lugar inusitado que almejávamos depressa aqueceria e se tornaria abrasivo. Cristiano Costa, Eduardo e Jorginho sabiam-no.

O Deslumbre Geológico da Cidade de Pedra

A cerca de 50km de Pirenópolis, 140km para oeste de Brasília, por fim, damos com a excentricidade geológica que nos movia, a Cidade de Pedra, situada bem acima dos 1000 metros de altitude, em vez dos quase 800 de que tínhamos partido.

Cristiano Costa convida-nos a segui-lo. Do forro de prado, de arbustos ásperos e árvores tresmalhadas, desponta uma profusão de pináculos de rocha estratificada, cinzenta, parda, aqui e ali, escurecida, com dominante ocre ou manchada de líquenes.

Alguns pináculos têm para cima de 40 metros de altura. A Cidade de Pedra ocupa bem mais de 6km2. É quase toda feita de quartzito, com origem estimada no período Neoproterozoico da Terra, algures entre há 1000 milhões e 540 milhões de anos.

Daí para cá, desgastada e erodida sem tréguas.

O seu ponto mais elevado e o da Serra de São Gonçalo de que faz parte é o Pico do Maneta. Fica no cimo de uma destas formações rochosas, aos 1305 metros.

A Maior de Várias Cidades de Pedra do Brasil

Devemos ressalvar que existem, no estado de Goiás e, sobretudo, no centro do Brasil, outras paisagens definidas como Cidade de Pedra, com geologia, fauna e flora comparáveis. Existem, por exemplo, as Sete Cidades do estado do Piaui.

E Vila Velha, principal atracção turística de Ponta Grossa, no interior do Paraná. Nas imediações de Goiás (Velho), terra de Cora Coralina, na Serra Dourada vizinha, tivemos oportunidade de explorar uma das congéneres mais próximas.

Ao fim de uns poucos quilómetros na peugada de Cris, já concluíamos que as duas que conhecíamos ficavam aquém. Diversas medições tinham, aliás, comprovado que a Cidade da Pedra da Serra de São Gonçalo era a mais vasta do imenso Brasil.

Instantes depois, percebíamos porque se preservava tão labiríntica, inóspita e selvagem.

A Cidade de Pedra não é lugar em que qualquer um se meta sem se perder. Entre os rochedos, também o sinal de telefone desaparece.

O que aparece com frequência, sobretudo nos meses mais quente e secos, são as cobras, várias venenosas: cascavéis, jararacas-pintadas, cobra-coral e tantas mais.

Durante expedições de estudo, foram identificadas pegadas de veados e também de um felino grande, possivelmente uma onça-parda (puma). Cristiano afiança que patrulham também a região onças-pintadas e até uma negra.

Cidade de Pedra e as suas Formações Ruiniformes e Labirínticas

Cris explora a Cidade de Pedra desde 2003.

Guarda na memória os seus trilhos esquivos e caprichos. Habituou-se a associar os trilhos às formações ruiniformes peculiares, quando o âmbito é lítico, sempre as há.

Cris revela-nos o caso claro de pareidolia do “elefante”.

Passamos por uma formação “orangotango”, por uma “bruxa”, pelo “golfinho” e pelo “índio”.

Umas, identificamo-los de caras. Outras, requerem o seu tempo de contemplação e esforço imaginativo.

Sem desprezo pelas sucessivas esculturas erosivas, deslumbra-nos, sobretudo, a imensidão e estranheza da Cidade de Pedra no seu todo.

As distintas aglomerações desdobram-se em ruas, avenidas (desfiladeiros), praças e bairros que o Cerrado procura, em vão, suplantar.

O Cerrado que há muito decora a Cidade de Pedra

Compõem o bioma local distintos tipos de plantas:

veloziaceas de que se destaca a predominante e pré-histórica vellozia, localmente conhecida por canela-d’ema, que pode chegar aos seis metros de altura, com uma flor azul, lilás e amarela exuberante, geradora de chás terapêuticos, diz-se que até comestível.

Abundam também eriocaulaceas e bromeliaceas. Em termos de cor, várias bromeliaceas ofuscam as demais.

Um tipo de eriocaulacea, destacada mais pela forma que pela cor e que se tornou o símbolo vegetal do Cerrado, surge amiúde.

Trata-se da sempre-viva (paepalanthus), também chamada de chuveirinho devido à óbvia parecença.

Como seria de esperar, no Brasil, é ainda tratada por uma série de outros termos exóticos: pepalanto, palipalan e capipoatinga.

Entre canelas-d’ema, chuveirinhos, cactos e monumentos ruiniformes, percorremos os mais de 9 km do percurso que cruzava o âmago da Cidade de Pedra. Com as sucessivas paragens para fotografias e explicações, fazemo-lo em quatro horas.

Até à água que carregávamos quase se sumir e o sol e a aridez nos começarem a desidratar.

Uma Cidade Envolta em Mistério e de Controvérsia

Já não precisávamos de confirmação, mas, sentíamos na pele e nos pulmões a dureza e inclemência daquela versão estival e tropical da Cidade de Pedra, motivo para, malgrado o nome, ao longo dos tempos, nunca ter acolhido ninguém, nem uma estrutura humana que fosse.

E, no entanto, mesmo decretada geossítio e, no papel, protegida, até há vinte e poucos anos atrás, a Cidade de Pedra integrava uma fazenda registada.

De quando em quando, ainda são avistadas nas suas artérias e jardins rupestres cabeças de gado em modo de pasto, pertença de fazendeiros da região.

Por mais mirabolante e grandiosa que se tenha provado, dificilmente a Cidade de Pedra se manteve oculta por muito tempo.

Des Genettes e a sua Insustentável Alegada Descoberta

Abundam, na Internet, os testemunhos e registos de que a teria descoberto um francês tornado brasileiro, Francisco Henrique Raimundo Trigant Des Genettes, médico, prospector, naturalista, político, revolucionário, entre outros talentos e ocupações.

Após a sua viuvez, também padre.

Um autor de nome Paulo Bertran, em particular, tem divulgado que des Genettes foi o descobridor da Cidade das Pedras e o autor do manuscrito “Descripção da Cidade Perdida da Cordilheira dos Piryneos da Província de Goyaz”, supostamente enviada, em 1871, ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e até ao Imperador D. Pedro II.

D. Pedro II, era sério adepto da arqueologia. Nesse mesmo ano, tinha viajado ao Egipto e dedicava-se a explorar o país dos Faraós.

Ainda segundo Paulo Bertran, des Genettes afirmava, no seu escrito, “ter descoberto nos Montes Pirínicos a Cidade Perdida dos Atlantes, cobrindo uma grande extensão de terreno, com muralhas para fortificações, largas ruas e praças, ao longo dos quais observou ruínas “muito erodidas” de estátuas, de templos gigantescos, teatros, palácios, residências e túmulos…

Tal descrição carece de qualquer sentido e classificamo-la assim, para nos mantermos diplomáticos.

Se Des Genettes era tão estudioso e erudito como ficou para a História e como o descreve Paulo Bertran – mesmo dando o devido desconto ao desfasamento cronológico e geográfico do interior brasileiro – ao deparar-se com formações rochosas, desprovidas de vestígios arqueológicos, só por delírio palúdico concluiria tratarem-se de ruínas de construções humanas.

Pior ainda, de uma “cidade perdida dos Atlantes”.

Por outro lado, o IHGB terá já esclarecido que não possui nem tal escrito de Des Genettes, nem nenhum relativo à Cidade das Pedras de Goiás.

A Génese Aurífera e Bandeirante da “vizinha” Pirenópolis

Acrescentamos nós factos e uma lógica que obsta a que a Cidade das Pedras só tenha sido descoberta em 1871.

A povoação percursora da Pirenópolis foi o arraial garimpeiro de Meia Ponte, fundado, em 1727, por Manoel Rodrigues de Tomás, em relação com o famoso bandeirante Anhanguera.

Com base nesse arraial, os bandeirantes almejavam novas jazidas de ouro, abundante na região. Ora, a Cidade das Pedras dista menos de 50km de onde surgiu Meia Ponte.

Como se explica que, durante quase 150 anos e até nos anos anteriores ao arraial – num contexto de busca obsessiva do metal precioso, nenhum colono português, nenhum mineiro, bandeirante, servos e até os nativos com que aqueles interagiam, se tenham deparado com uma paisagem extraterrena com 6 a 12 km2 de extensão?

No que nos dizia respeito, após 4 horas de exploração, estávamos derreados e satisfeitos.

Concordamos em abreviar o regresso, de maneira a ainda passarmos no Morro do Cabeludo, outra elevação famosa da zona, a mais gráfica da Serra dos Pireneus, à imagem da Cidade das Pedras, feito de quartzito.

Nos dias seguintes, em jeito de terapia, prendamo-nos com banhos nalgumas das quedas d’água e lagoas imaculadas em redor de Piri.

A do Lázaro, a de Santa Maria, outras mais.

Como Ir:

Reserve o voo Lisboa – Brasília, com a TAP: flytap.com por a partir de 820€. A partir de Brasília, poderá viajar em carro alugado ou autocarro até Pirenópolis, 2h30 em carro, até 4h em autocarro.

Organize a sua expedição à Cidade das Pedras com o guia mais experiente, Cristiano Costa, de Pirenópolis,

Whats App: +55 62 991 887 789.

Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Cidades
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Em Viagem
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Sydney, cidade criminosos exemplar da Austrália, Harbour Bridge
História
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Ilhas
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Natureza
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Roça Sundy, Ilha do Príncipe, Teoria da Relatividade, Vigia
Património Mundial UNESCO
Roça Sundy, Ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe

A Certeza da Teoria da Relatividade

Em 1919, Arthur Eddington, um astrofísico britânico, escolheu a roça Sundy para comprovar a famosa teoria de Albert Einstein. Decorrido mais de um século, o norte da ilha do Príncipe que o acolheu continua entre os lugares mais deslumbrantes do Universo.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Sociedade
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Vida Selvagem
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.