Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro


Ao ritmo de Goiás
Morador percorre um recanto típico da cidade sobre um burro.
A Cavalo de um Burro
Morador monta um burro ao longo do rio Vermelho.
Magela do acordeão
Magela, o acordeonista do grupo Trio Raio de Sol.
Casario a dourar
Crepúsculo toma conta do casario secular da povoação.
Capoeira nocturna
Duas crianças treinam capoeira numa rua da cidade dourada pela luz.
Goiás vista da Serra Dourada
Perspectiva de Goiás a partir de uma elevação da Serra Dourada.
Praça Luxuriante
Praça verdejante da cidade, com a igreja de Paula à esquerda.
Exuberância do ocaso
Sol põe-se e dá cor extra ao cenário colonial e tropical de Goiás Velho.
Rua Longa e Secular
Uma longa rua formada pelo casario erguido para alojar os mineiros que procuraram ouro em redor da cidade.
Caminhada Dourada
Mãe e dois filhos caminham sobre o calçadão muito irregular de Goiás.
Ivani Vidigal
Ivani Vidigal, uma vendedora de doces na sua pequena banca de Goiás.
Dorneles advocacia
A advogada Cyntia Arroio e o seu filho num escritório da cidade
O Forum
Frontão do edifício do Forum de Goiás.
Fusco do KGB
Pormenor de um dos muitos Volkswagens Fuscos de Goiás.
Igreja da Boa Morte
A Igreja da Boa Morte, também o Museu de Arte Sacra da cidade.
A Grande Catedral
A Catedral, bem acima do casario secular da Vila Boa.
Em Promo
Lilian e Cristiane, empregadas numa loja colorida de tecidos e roupa, instalada numa casa colonial de Goiás Velho.
Sebastião e o Chacal
O tetraneto do fundador de Goiás Velho Bartolomeu Silva e o seu cachorro.
Rasto de Modernidade
Carro a baixa velocidade deixa um rasto de luz ao longo de uma rua também iluminada por candeeiros antigos
Unhas bonitas
Moradora da Vila Boa pinta as unhas à porta do seu lar.
Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

É no topo do morro da igrejinha de Areias que Goiás está, desta vez, em festa.

Os cânticos intensos dos fiéis propagam-se pelo vale circundante. Pairam sobre a mancha uniforme de telha portuguesa que os anos embelezaram.

A honra da celebração vai para Bárbara, a santa protectora dos raios, dos trovões e também dos artilheiros. À laia de provocação, o fogueteiro de serviço solta canas para o céu como se disso dependesse a sua vida.

Os estrondos fazem ricochete nos morros vizinhos de São Francisco, Canta Galo e das Lages. E, a maior distância, na imponente Serra Dourada. Espantam alguns tucanos que esvoaçam para a segurança do cerrado.

Incontornável e contundente, o anúncio alerta os crentes atrasados que correm, ofegantes, Rua Passo da Pátria e escadinhas da igreja acima.  Não é de bom tom perder a bênção da cruz e a procissão há muito que chegou à derradeira paragem.

O mesmo que aconteceu a Goiás Velho como é também chamada, de quando em quando, a povoação.

Casario crepuscular, Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Crepúsculo toma conta do casario secular da povoação, como visto da Igreja de Santa Bárbara

Goiás Velho: do Arraial de Sant’Anna a Capital Estadual

Esta cidade goiana de vinte e seis mil habitantes teve origem em 1732.

Cerca de cinquenta anos depois do sucesso que tiveram em Minas Gerais, os bandeirantes que se aventuraram para o interior do Brasil em busca de metais preciosos e escravos, acharam ouro na região de Goiás.

Achado não será o melhor termo. Fazendo fé no que ficou para a história, ter-se-á tratado mais de um acto de ilusionismo.

Em 1682, uma bandeira liderada pelo velho Paulista Bartolomeu Bueno da Silva chegou ao território dos índios Goyaz.  Para seu gáudio, os indígenas usavam artefactos de ouro.

Pouco vocacionado para a diplomacia mas perito em crueldade e trapaça, o anhanguera (velho diabo) – como a nação Goiá o haveria entretanto de alcunhar tratou de intimidar os nativos. Incendiou alguma cachaça sobre um prato.

Consciente de que os goiá pensavam ser água, ameaçou-os de que faria o mesmo com todos os rios das redondezas se os índios não lhe revelassem as suas minas de ouro. Três anos mais tarde, apesar de dado como morto, o velho diabo regressou triunfante a São Paulo.

Com ele, viajavam os sobreviventes, ouro e índios escravos de Goiás.

Em 1722, o seu filho homónimo, que sobrevivera à primeira investida, organizou nova bandeira e lançou o arraial de Sant’Anna.

 

Este arraial marcou, em 1732, o estabelecimento da vila com o mesmo nome, rebaptizada como Vila Boa de Goiaz numa homenagem sarcástica aos habitantes nativos da região, extintos pelos invasores ainda antes do ouro, que só durou até ao fim do século XVIII.

Todas as cidades têm uma história. Goiás parece ser a sua.

Até o epíteto “velho” ajuda a ilustrar o fenómeno. Isto, apesar de parte da população o achar mais depreciativo que necessário (para a distinguir do estado homónimo de que faz parte. Pouco ou nada mudou desde que se tornou na capital da recém-criada Capitania de Goiás e atingiu o apogeu.

Para a preservação da sua arquitectura peculiar foi decisiva a transferência da capital do estado para Goiânia, em 1937, uma despromoção que a deixou perdida no tempo.

Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Morador percorre um recanto típico da cidade sobre um burro.

O Casario Colonial que é Património Mundial

Como descreve a UNESCO, que concedeu a Goiás o título de património mundial, em Dezembro de 2001, “ … o seu desenho urbano é um exemplo notável do desenvolvimento orgânico de uma cidade mineira, adaptada às condições da área (…) de uma cidade europeia admiravelmente adaptada às condicionantes climáticas, geográficas e culturais do centro da América do Sul”.

De qualquer um dos seus pontos panorâmicos, com destaque para o campanário da igreja do Rosário ou do morro da igreja de Areias se observam tais atributos.

O casario que sobressai do verde da vegetação tropical é uniforme. Erguidas em adobe, taipa e pau-a-pique, as casas são quase todas térreas. As que fogem à regra têm, no máximo, dois pisos. São ainda pintadas de branco com excepção para as portas, janelas e molduras cujas cores dependem da disposição dos donos.

Já as ruas, estreitas, invariavelmente cobertas por uma calçada irregular feita de enormes pedras cinzentas, causam entorses frequentes. Aos poucos, arruinam também os carros dos condutores mais destemidos.

Caminhada Dourada, Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Mãe e dois filhos caminham sobre o calçadão muito irregular de Goiás.

Alguns edifícios públicos destoam em dimensão, com destaque para o Palácio Conde dos Arcos, o hospital e o Quartel do Vinte, de onde partiram soldados do Vigésimo Batalhão de Infantaria para a Guerra  do Paraguai. A espaços, surgem ainda casarões imponentes com brasões senhoriais.

São sete as igrejas barrocas que abençoam a cidade. Delas se destacam a da Boa Morte que é também o museu repleto de arte sacra do escultor barroco goiano José Joaquim da Veiga Valle.

O passado de Goiás, Por todo o lado

Contornamos uma peladinha aguerrida a ter lugar no relvado da Praça Brasil Caiado. Junto ao seu enorme Chafariz de Cauda, deparamo-nos com um adolescente que brinca com um cachorro. Entre festas ao “Chacal”, conversa puxa conversa, Sebastião acaba por nos informar: “Eu sou tetraneto do Bartolomeu Bueno (filho), o fundador da Vila Boa. Vivi toda a vida aqui e a minha família também. Nunca saímos de cá.”

Sebastião e Chacal, Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

O tetraneto do fundador de Goiás Velho Bartolomeu Silva e o seu cachorro.

Mais abaixo, é Zé Pires – com, no mínimo, o triplo da idade de Sebastião – que nos aborda: “Tão fazendo matéria é? Essa cidade ‘tá cheia de estórias mesmo! (…) Tem muita gente que ainda tenta a sua sorte com o ouro, por esse cerrado fora. Às vezes aparece até aí no Rio Vermelho, só que é quase sempre só um niquinho sem valor! Não dá p’ra levar p’rá Fundição”. E ata o seu cavalo a uma árvore para melhor puxar pela memória.

A História Bem Viva de Goiás

Quando não são os testemunhos materiais, a própria população remete para a era mineira de Goiás.

Sebastião é descendente dos Paulistas; Zé Pires, provavelmente dos Emboadas, os imigrantes que vieram de Portugal atraídos pelo ouro de Minas Gerais e se deslocaram para o centro do Brasil.

São ambos brancos. Mas a maior parte dos habitantes da cidade é negra ou mulata, com sangue dos escravos africanos recrutados para trabalhar na mineração.

Vive e convive nas mesmas casas humildes construídas pelos seus antepassados com a ilusão da riqueza, uma ilusão que, em tantos casos, o fim precipitado do ouro e os preços altíssimos dos produtos trazidos de longe, transformou em pesadelo.

Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Morador percorre um recanto típico da cidade sobre um burro.

Para muitos vilaboenses, a situação ainda não melhorou, como o Brasil, em geral. A imigração do estado de Goiás para Portugal – onde tantos têm ascendentes familiares que desconhecem – e outros destinos europeus e do mundo acentua-se. Goiás contribui com os seus números. E a história reverte-se.

Outros habitantes da Vila Boa lá se vão safando com as artes em que se destacam.

Em frente à Rádio FM Vilaboa, ensaia, compenetrado, o Trio Raio de Sol. Compõem-no por Elsimar no violão, António Robertinho na viola e Magela no acordeão. Lá dentro, no pequeno estúdio, actua já o trio Nascente, de José Rito, Renan e Juan Mineiro.

A vida faz-se destas oportunidades. Mesmo que a rádio não pague a actuação, quem sabe se a promoção não os leva a algum festival de sertanejo.

Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Magela, o acordeonista do grupo Trio Raio de Sol.

Goiás Velho: Sem Pressas nem Complexos

Goiás está longe de ser turística. É verdade que durante a Semana Santa e, principalmente a Procissão do Fogaréu – única no Brasil – a cidade fica à pinha para assistir à reencenação da perseguição dos farricocos a Cristo.

E o mesmo acontece com a chegada do FICA–Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, uma das maiores mostras temáticas do mundo. Além destas ocasiões e celebrações, só a passagem de ano atrai um número significativo de visitantes, provenientes das cidades vizinhas, Brasília, Goiânia, Anápolis, Pirenópolis.

Ao contrário das “irmãs” de Minas Gerais, Tiradentes, Diamantina e Ouro Preto que são intensivamente promovidas e recebem milhares de visitantes brasileiros e estrangeiros interessados, Goiás continua a pagar o preço da interioridade. Permanece na sombra do seu título de Património Mundial.

Enquanto não se faz justiça, Goiás trata da herança que recebeu. E desfruta da sua vida genuína e sedativa.

As lojinhas e outros pequenos negócios funcionam nas casas seculares da cidade, identificados por nomes e logótipos pintados, nas paredes, em cores garridas.

Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Lilian e Cristiane, empregadas numa loja colorida de tecidos e roupa, instalada numa casa colonial de Goiás Velho.

Abrem bem cedo para sustentar a pequena economia local: as lanchonetes que vendem os empadões típicos da cidade – nem mais nem menos que empadas gigantes com recheio rico – salgadinhos, cocos gelados e cremes de uma miríade de frutos; as lojas de tecidos, roupa e de artefactos religiosos; farmácias à moda antiga; um ou outro estabelecimento mais moderno que fornece os indispensáveis celulares, ou aluga o filminho da moda.

Dinamizam também a cidade alguns empresários de ocasião: o vendedor de picolé ou do bilhete da sorte que, circulam, sem rumo, sobre o empedrado irregular das ruas.

Com o fim da tarde, os negócios fecham e os moradores recolhem às casas. Ou reúnem-se à entrada da igreja, a aguardar o início da missa e, à conversa, nas esquinas.

Assim que o sol se põe, os velhos lampiões de luz dourada acendem-se numa sequência desconexa. Goiás passa para o seu modo nocturno e instala-se uma paz só quebrada pelos foguetes ou, caso seja tempo de comemoração, pelos cânticos.

Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

Duas crianças treinam capoeira numa rua da cidade dourada pela luz.

No dia seguinte, os vilaboenses despertam com o alvorecer para o ritmo tranquilo de trabalho que o clima do Planalto Central ajuda a marcar.

Situada sobre os 15º de latitude, faz calor todo o ano em Goiás. No Inverno – de Maio a Setembro – não chove, o ar é límpido e o céu permanece azulão, polvilhado de  pequenas nuvens brancas. “’Tá fazendo um frio de noite!” queixam-se os locais todos os dias de Julho e Agosto, apesar de a temperatura quase nunca baixar dos 15 graus.

O Verão, que dura os restantes meses, acolhe a época das chuvas, quando está quase sempre nublado e chove com frequência e intensidade, às vezes, surpreendentes.

Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil

A Catedral, bem acima do casario secular da Vila Boa.

O Cerrado da Serra Dourada de Goiás

Mas não é só o clima bipolar de Goiás que se faz sentir e fascina. A natureza sobressai na cidade, nas fazendas próximas e, para lá dos arredores, na longínqua Serra Dourada.

Um passeio demorado revela-nos a beleza pitoresca da floresta, do cerrado e da roça: as plantações de cana de açúcar sem fim. A boiada a pastar na vastidão das planícies gramadas, algumas infestadas de cupinzeiros. Os ipês brancos e rosados na proximidade de chácaras e sítios centenários. E os “oásis” de buritis a assinalar os rios e lençóis de água subterrâneos.

Orley é um dos guias mais activos de Goiás. Conhece a região como poucos, incluindo os recantos improváveis da Serra Dourada. Orley habituou-se a conduzir o seu buggy amarelo pelo labirinto cinzento da Cidade das Pedras, a caminho da Pedra Balão.

Gosta de terminar a tarde no Mirante Urubu-Rei, onde o ocaso torna tão óbvia a razão de ser do nome da serra – e revela o Vale da Areia, escondido no meio do planalto.

“São estas areias e pedras que a Goiandira usa nas suas pinturas.” conta enquanto recolhe amostras do solo. (…) “Ela vem de vez em quando à serra procurá-las, nos mesmos locais onde os bandeirantes prospectavam o ouro.” (…) “Hoje, ela guarda uma colecção de mais de quinhentos tons de areia e pigmentos da Serra Dourada.”

Goiandira Aires do Couto é uma artista plástica conterrânea, prima da escritora mais famosa de Goiás, Cora Coralina.

Com 92 anos e muita vitalidade, Goiandira continua a retratar os casarões e paisagens vilaboenses. Usa uma técnica exclusiva que criou, patenteou no Rio de Janeiro e que lhe granjeou reconhecimento internacional: risca o desenho na tela, aplica cola e salpica areia nos dedos.

Os seus quadros estão na sede da ONU e em museus. Integram colecções de grandes personalidades brasileiras e estrangeiras, de dezenas de países. Parte dessas personalidades, como tantos outros possíveis visitantes de Goiás, desconhecem os lugares por ela retratados. O seu reconhecimento adiado é algo que não perturba demasiado a cidade.

Como o tempo se esqueceu de Goiás, a Goiás já não custa esperar.

Passo do Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Colónia do Sacramento, Uruguai

Colónia do Sacramento: o Legado Uruguaio de um Vaivém Histórico

A fundação de Colónia do Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Marcha Patriota
Cidades
Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado a Formosa. Passados quase 500 anos, mesmo insegura do seu futuro, Taiwan prospera. Algures entre a independência e a integração na grande China.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Manatee Creek, Florida, Estados Unidos da América
Em Viagem
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
História
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Santa Maria, Ilha mãe dos Açores
Ilhas
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Hell's Bend do Fish River Canyon, Namíbia
Natureza
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Património Mundial UNESCO
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos Trinta

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Mini-snorkeling
Praias
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Teleférico de Sanahin, Arménia
Religião
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.